segunda-feira, agosto 2, 2021

Gripen para o Brasil

Boeing compra a KLX – distribuidora de peças aeroespaciais, por US$ 4,25 bilhões

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

Segundo a Boeing, o acordo em dinheiro está condicionado ao bem-sucedido desinvestimento e separação do grupo de serviços de energia da KLX

Chicago – A Boeing informou nesta terça-feira que comprará a KLX Aerospace Solutions, uma distribuidora de peças aeroespaciais, por US$ 63 por ação, ou cerca de US$ 4,25 bilhões, incluindo cerca de US $ 1 bilhão em dívida líquida.

Segundo a Boeing, o acordo em dinheiro está condicionado ao bem-sucedido desinvestimento e separação do grupo de serviços de energia da KLX. O acordo inclui o grupo de soluções aeroespaciais da KLX.

“Esta aquisição é o próximo passo em nossa estratégia de crescimento de serviços, com uma oportunidade clara de aumentar lucrativamente nossos negócios e servir melhor nossos clientes em um mercado de serviços de US$ 2,6 trilhões em dez anos”, disse Stan Deal, presidente e CEO da Boeing Global Services.

Em um comunicado separado, a KLX, com sede em Wellington, na Flórida, anunciou que planeja desmembrar seu grupo de serviços de energia para os acionistas da empresa. A KLX disse que espera desmembrar a unidade – que será chamada KLX Energy Services Group, ou KLXE – livre de dívidas.

FONTE: Exame/Dow Jones Newswires

- Advertisement -

51 Comments

Subscribe
Notify of
guest
51 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Marcos10

Como puderam fazer isso? Venderam a empresa para a Boeing! 🙁

JT8D

Boa tentativa de ser engraçado, mas é uma empresa americana sendo vendida para outra empresa americana

Gustavo

nunca tente entender a cabeça de alguém que defende a venda da Embraer para a Boeing. O tempo perdido na explicação nunca será recuperado.

ODST

Marcos10

E não venderam a Lattice para a China, não tem nada a dizer sobre isso também?

Marcos10

Não só a Lattice como dezenas de outras empresas. O que está em jogo ai não é a venda da empresa em si, até porque os chineses compraram centenas de empresas americanas sem que o Governo mexesse um único dedo. Não só chineses, mas japoneses, alemães, etc. O quiproquó ai, e há um Comitê de Investigação instaurado, é que por trás das aquisições os chineses estão levando informações/tecnologias para fora dos EUA. É como se a COMAC comprasse ações da L.M. não com fim de participar dos lucros da empresa, mas para tentar transferir informações críticas do F-22 e F-35… Read more »

ODST

Você falou, falou e não chegou em lugar algum, pois o que está em jogo aqui também não é a venda da Embraer em si, mas as consequências da venda da parte mais lucrativa dela. Assim como lá no EUA, o que está em jogo é a soberania de uma nação. Na tentativa de retirar um adversário de cena, a Boeing pode acabar matando ou capando bastante a Embraer. Aliás, a Boeing também tem interesse em certas tecnologias da Embraer. Se a Embraer fizesse a mesma proposta para a Boeing, levaria um grande e sonoro NÃO do governo de Washington… Read more »

Eduardo de Castro

Não acho difícil entender quem apoia a venda da Embraer (ou formação de uma nova empresa que incorpore sua linha comercial): são pessoas que seguem uma linha de raciocínio bem claro: 1- A EMBRAER não pode ser estatal, porque venderia propinas e não aviões; 2- A EMBRAER não pode ser uma empresa brasileira de capital fechado, porque não teria capital para se manter; 3- Por consequência, a EMBRAER tem que ser uma empresa de capital aberto, e como tal, tem participação acionária majoritariamente formada pelos fundos de investimento internacionais, e como tal, não “seria brasileira” e, portanto, vender ou não,… Read more »

ODST

JT8D

Pois é, se fosse a Novaer querendo comprar a Embraer eu também não estaria ligando.

Hélio

Nem se fosse outra empresa estrangeira, o problema é a Boeing e seu histórico, tanto que as intenções se provaram as piores possíveis. Se fosse a BAE comprando a Embraer, por exemplo, séria ótimo.

HMS TIRELESS

Não seria não! Melhor deixar a EMBRAER como está. Duas coisas não podem acontecer com a empresa: Ser comprada por algum tubarão do mercado ou ser reestatizada.

Jose de Deus

Até aí nada de anormal, Difícil é entender como pagaram esta grana numa distribuidora e oferecer aquele valor numa indústria que além de produzir inúmeras partes e componentes, projeta e monta uma linha completa de produtos de alto valor e aceitação no mercado. Bem, deram o preço deles, aceita se quiserem.

Nonato

Estão valorizando mais uma empresa desconhecida do que a Embraer, a terceira maior fabricante de aviões do mundo?

Marcos10

Não, não estão.
Pagaram US$ 4,25 bi pela KLX e estão oferecendo aos acionistas da Embraer US$ 6 bi.

Alexandre

Eu concordo, realmente é uma empresa americana comprando outra , muito normal na ótica do capitalismo do Trump. A questão aqui é a venda de uma empresa Brasileira, que é a terceira maior do mundo na sua área, e por apenas 6 bilhões de dólares!!!
Por esse preço, até o pequeno Estado de Sergipe poderia comprar, e levar para lá todo o pólo aeroespacial que hoje está em São José dos Campos, faria uma PPP e deixaria a administração com o grupo atual, sem pitacos ou ingerências, com certeza teriam o retorno do investimento em menos de 5 anos.

Jose de Deus

É por aí é que também eu não consigo ver qualquer vantagem nesse negócio. Talvez seja por causa de minha estupidez, Mas estou aceitando opiniões de qualquer um sábio para me auxiliar nesta questão. Se a diretoria da Embraer e as autoridades Brasileiras estão tentando fazer um bota fora desta empresa, eu me coloco na posição de recebedor e ainda posso garantir a manutenção dos empregos e a posição estratégica da produção. Será que tudo isto é por falta de administração? Quem mais se abilita?

wwolf22

a Embraer, semana passada “adquiriu” a Bradar e a Neiva…
assim que a Boeing comprar a Embraer, a Bradar e a Neiva vai junto…
e ficaremos sem nada…

Augusto L

A parte militar, não esta no acordo.

Mauricio R.

Ufa até que enfim, uma empresa decente quiça norte-americana, tocando o Sisfron…

Alisson Mariano

A Embraer não vai ser vendida, será criada uma outra empresa que vai ficar com a linha E-Jets. Então, a Bradar e a Neiva não serão vendidas para a Boeing.

P.S.: Como já mencionei em outro posto, não sou a favor do negócio Boeing/Embraer nos moldes que vêm sendo especulados.

Saudações.

Ivan

Terceirização.
Algo que tem criado problemas sérios para Boeing.

Augusto L

Ivan, o Elon Musk com sua SpaceX e Tesla, tem quebrado paradigmas nessa área, centralizando as produções dos componentes. O que aumenta muito hj em dia os preços é o suply-chain (Cadeia de suprimentos). Há uma concorrencia muito forte nos fornecedores secundarios e terciários, fazendo com que essas empresas sejam muito instaveis no mercado o quê aumenta o preço dos produtos dos fornecedores principais, isso ocorre muito nos projetos “Cut Edge technologies”, o proximo avião da Boeing á revoluciar o mercado o 797 que ira substituir o 757, está sendo projetado para ser montado numa super fabrica onde os fornecedores… Read more »

Marcos10

Como criou problemas para a Embraer.
Quando do inicio da produção dos E-Jets, a Kawasaki subdimensionou a planta para a produção das asas das aeronaves, resultando que a Embraer teve de intervir e, em um segundo momento e em comum acordo, a Embraer adquiriu a planta da Kawasaki.

Space Jockey

Se a Boeing quer a EMBRAER ela que se limite a comprar os 30% de ações que são isentas do apito do governo, simples assim. E mais uma vez: me dá vergonha de saber que tem gente aqui que apoia a compra pela Boeing.

Jose de Deus

Apoiado Jockey.

Claudio Luiz

O sentimento de vergonha é presente na grande maioria dos foristas verdadeiramente Brasileiros.

LucianoSR71

Aos que reclamam do valor que teria sido oferecido pela Boeing a Embraer ( lembro não há nada de oficial, só um monte de matérias c/ fontes anônimas ) o que determina o valor de uma empresa de capital aberto é o valor de suas ações, quer gostemos ou não.

Karl Bonfim

Quem quer comprar é a Boeing e a EMBRAER não estava e venda, e quem manda no preço lei da demanda da oferta e da procura, então que a Boeing que ofereça mais se quiser fechar algum negócio.

Marcos10

Entenda: quem vai receber esse dinheiro não é você, não sou eu, não é Governo Brasileio, não é a Embraer
Quem vai receber esse dinheiro são os acionistas, que estão nos EUA. É negócio de gringo para gringo. É esse valor oferecido pela Boeing já está com um valor a mais. e

Luiz Antonio

Boa noite;
Esse pessoal ou não entendem de negócios ou são muito ingênuos baseando´se em historinhas infantis.
A EMBRAER é brasileira com a maioria dos acionistas estrangeiros…É muito dificil para eles entenderem e que se não for negociada vai desaparecer do mapa, com ou sem área militar, porque não há ninguém neste planeta e muito menos o governo brasileiro com dinheiro suficiente para injetar em empresa deficitária, uma vez que só seria mantida por compras militares que não são suficientes hoje nem mesmo para bancar a folha de pagamento da engenharia de desenvolvimento.
Chega..esse assunto já encheu bem o saco.

Rinaldo Nery

Concordo. Está ocorrendo um mega exercício em Campo Grande, com treinamento de Combate SAR importante, e nada foi noticiado até agora na Trilogia.

Luiz Antonio

Verdade Sr. Nery
Assuntos interessantes como as operações de exercício e os caras discutindo “a ponta da beirada do meio” aqui.
Espero que estejam reportando os exercícios pelo menos para divulgarem aqui.

Hélio

Eu acho que quem não sabe absolutamente nada sobre mercado é quem diz que acionista determina nacionalidade de empresa e quem diz que valor de mercado é determinado por preço de ações. É incrível como colocam um ar de superioridade para falar do que não sabem para defender uma venda que não faz o menor sentido, e ainda tem a cara de pau de dizer que a Embraer vai sumir sem a venda. Pelo amor de Deus…

Hélio

Não é valor de mercado, é valor da empresa. Empresas não tem valor de mercado.

LucianoSR71

Se vc se refere a mim, eu disse: ‘o que determina o valor de uma empresa de capital aberto é o valor de suas ações, quer gostemos ou não.” – escrevi ‘ valor de uma empresa’ não de mercado – lógico que não estou dizendo nominalmente o mesmo valor, mas quem possui as ações não tem, de maneira geral, como exigir um valor muito acima do que dita o mercado. No que tange a Embraer suas ações estão pulverizadas não tem como a Boeing chegar na própria Embraer e comprar uma parte majoritária da empresa, ou seja são os que… Read more »

Edu

Uns 50 anos no mercado.
Umas 10 mil aeronaves entregues.
4 novíssimas famílias de aeronaves.
Carteira de pedidos de quase 20 bilhões.
3ª maior fabricante do planeta.
Deficitária??????

Luiz Antonio

Colega: Analise corretamente meu comentário. O contexto do comentário pressupõe a venda dos produtos para o mercado civil da EMBRAER, que, considerando apenas a área para produtos militares, seria sim deficitária, pois qual a garantia de pedidos que o senhor entende como mínima suficiente para manter a nova empresa? O senhor, assim como outros colegas, certamente possuem mais informações do que eu a respeito dos produtos militares “em carteira” da Embraer Defesa que garantam sua sobrevivência. Quantos A-29 serão comercializados nos próximos 10 ou 20 anos? (Ficaria satisfeito se me informasse pelos próximos 2 anos). A mesma pergunta lhe faço… Read more »

Marcos10

14 bi de pixulécos em dívida;
Lucro: 5% de retorno o ano passado.

Gabriel

É o Fordismo voltando a cena!( volta do controle de toda a cadeia de produção pela empresa que lança o produto no mercado). Capitalismo Laissez-faire é mitologia meus caros

Space Jockey

Vai desaparecer _______ nenhuma, não desapareceu na pior época e não vai ser agora que desapacecerá, a Boeing não tem nada na linha de cento e poucos assentos, nem na executiva, e se for entrar vai pra ficar levar no minimo uns 6 anos pra ficar pronto. Não sei pq os pré candidatos não estão se posicionando sobre o assunto.

COMENTÁRIO EDITADO. MODERE O LINGUAJAR. “DISFARÇAR” PALAVRAS DE BAIXO CALÃO POLUI AINDA MAIS O ESPAÇO. LEIA AS REGRAS DO BLOG.

Luiz Antonio

Do jeito que as pedras estão se organizando, a Boeing não abocanhará o mercado “de centos e poucos assentos” nos próximos 6 anos……nem a EMBRAER sendo a 3ª, porque o risco da 2ª se transformar em 1ª é muito sério.
É a minha interpretação.
Nota:
não vou comentar mais sobre esse assunto em particular, porque tento debater com educação e respeito aos demais colegas, como estabelece as regras deste espaço. Eu debato argumentos e não perco meu tempo discutindo ideologismos e muito menos caráter de pessoas que nem conheço.
Abraços

André Bueno

O link abaixo esclarece uma parte de como a Embraer se beneficia, e realmente deve fazê-lo, da ciência e tecnologia local por meio de agências de fomento. Artigo da pesquisa FAPESP, periódico de divulgação de pesquisas apoiadas por esta agência financiadora.

Um jato mais eficiente

http://revistapesquisa.fapesp.br/2018/03/15/um-jato-mais-eficiente/?cat=tecnologia

Marcos10

Embraer E2: Pioneer Airlines
https://youtu.be/Aj4dexdYHpY

LucianoSR71

Quando saiu o ep.1 eu coloquei o link em um de meus comentários, achei essa abordagem da Embraer muito interessante.

Antunes Neto

Vendo esse vídeo eu tenho duas certezas.

Não é pra vender uma empresa dessa.

É pra comprar uma empresa dessa.

Space Jockey

Porque a EMBRAER não faliu quando a Boeing tinha o B-717 como concorrente direto ?

Marcos10

O Boeing 717 era um projeto da década de 60, mais pesado, de menor alcance.

Wellington Góes

Detalhe, o valor que vão pagar por uma mera distribuidora de peças aeroespaciais, é próximo dos 6 bilhões que querem pagar pela Embraer. E tem CEO que acha que está fazendo o melhor negócio do mundo. Putz!!!

Space Jockey

Era um MD90 se não me engano, e acho que o projeto era dos 80/90…mas pode ser q eu esteja enganado.

Marcos10

Era um Douglas DC-9, depois virou McDonnell Douglas MD-80, MD-90,, depois Boeing 717.

André Bueno

O voo inaugural do DC-9 foi em 1965. Os MD-80 e -90 deveriam ter nova motorização e aviônicos mas essencialmente eram DC-9. E o 717 foi apenas uma redesignação.

Últimas Notícias

Aeronave P-3AM Orion completa 10 anos de incorporação à FAB

A data marcou a modernização da Aviação de Patrulha, pois o modelo possibilitou a detecção, localização, identificação e, até...
- Advertisement -
- Advertisement -