Home Asas Rotativas Qatar encomenda 28 helicópteros NH90 e 16 H125

Qatar encomenda 28 helicópteros NH90 e 16 H125

2635
38
NH90

Doha, 14 de março de 2018 – O Qatar assinou um contrato para a compra de 28 helicópteros militares NH90, durante a DIMDEX, exposição bienal da defesa do Catar. O acordo, que inclui 16 NH90s em configuração de transporte tático (TTH) e 12 NH90s em configuração naval (NFH), apoiará o plano do país para modernizar sua frota de helicópteros militares. Como parte do plano, o Qatar receberá 16 helicópteros monomotores leves H125 em configuração de treinamento para operação pela Qatar Armed Forces Air Academy.

“Estamos honrados em apoiar as Forças Armadas de Qatar através desta parceria estratégica”, disse Ben Bridge, vice-presidente executivo de negócios globais da Airbus Helicopters. “O NH90 é um recurso moderno e comprovado que atenderá aos exigentes requisitos operacionais do Qatar nas próximas décadas, tanto no transporte de tropas como nas missões navais. Nossa parceria na nova academia de treinamento também fortalecerá a relação entre nossos países, permitindo o intercâmbio de conhecimentos e know-how em operações de helicópteros “, acrescentou.

A Leonardo atuará como contratante principal para a gestão do programa com o cliente final e a Airbus será responsável pela montagem final e entrega de 16 aeronaves NH90 TTH de suas instalações em Marignane, França, enquanto a Leonardo será responsável pela montagem final e entrega dos 12 NH90 NFH helicópteros de suas instalações de Veneza – Tessera no norte da Itália.

O NH90 é adequado para operações nas condições mais exigentes e foi comprovado em muitos teatros de operações em todo o mundo. Este contrato para 28 helicópteros traz o total de encomendas para 543 aeronaves. Até à data, 350 aeronaves foram entregues a 20 clientes em 13 países e acumularam cerca de 170 mil horas de voo.

O programa de helicóptero bimotor NH90 de médio porte é gerenciado pelo consórcio NHIndustries, uma empresa de propriedade da Airbus Helicopters (62,5%), Leonardo (32%) e Fokker (5,5%).

FONTE: Airbus

38
Deixe um comentário

avatar
14 Comment threads
24 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
19 Comment authors
mfCarlos Alberto SoaresJean-Marc JardinoMauricio R.sergio ribamar ferreira Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
DOUGLAS TARGINO
Visitante
DOUGLAS TARGINO

Como anda as entregas das aeronaves que cada força iria receber na ultima compra? 16 para cada uma?

Gustavo
Visitante
Gustavo

o NH 90 é sensacional. Quem tem grana, enche o carrinho e compra em feira mesmo… rs

Bavaria Lion
Visitante

No lugar do NH90 eu iria de Merlin, já que dinheiro não é problema. O resto, segue o jogo.

Mauricio R.
Visitante

Voto com o relator!!!!
Aquilo, apesar dos problemas, é helicóptero p/ ser herdeiro digno do SH-3!!!!

Bavaria Lion
Visitante

Rsrsrs, no naval eu to mais pra detrator. Um abraço Mauricio.

Jean-Marc Jardino
Visitante

Merlin ultrapassado perto do NH90, hj o NH90 em sua categoria e o melhor e mais moderno em operacao.

Eduardo Lima
Visitante
Eduardo Lima

Uma minúscula nação com uma enorme força aérea! Que não para de comprar.

PauloR
Visitante
PauloR

Europeus e americanos estão arrancando o que podem do Qatar para manter apoio ao reino, sorte que esse minusculo país tem dinheiro para bancar o assalto aos cofres qatari.

HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

Os países do Golfo Pérsico sempre gastaram muito dinheiro com armas, nada de novo!
E por acaso ao vender armas apenas os EUA e a Europa “assaltam”? e os outros players do mercado?

Jr
Visitante
Jr

Ai você esta vendo coisas onde não tem, isso que da politizar tudo que você lê, creio que o PauloR quando fala assalto, queria dizer que Europeus e Americanos estão se aproveitando da maneira que o Qatar encontrou de “comprar” aliados no mundo ocidental devido ao seu isolamento regional.

HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

Os Qatarianos vão precisar de MUITA sorte! O NH-90 tem altos custos de operação além de uma série de problemas. Os exemplares neozelandeses enfrentaram recentemente restrições de vôo e na Suécia foi cogitada a retirada do aparelho de serviço em virtude do alto custo (US$ 25 mil) da hora de vôo. Isso sem falar que devido ao atraso na entrega foram obrigados a adquirir 15 UH-60M via FMS para suprir as necessidades de sua missão militar no Afeganistão.

Diante disso, penso eu que haviam melhores opções no mercado (S-92, Mi-17, AW-189)

Wellington Góes
Visitante
Wellington Góes

Lembra um certo caça estadunidense, advinha a qual me refiro?!

No mais, concordo, acredito que existem outras alternativas mais em conta e menos problemática.

HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

Uma dessas alternativas NÃO É a famosa Kombi voadora….rs!

Clésio Luiz
Visitante
Clésio Luiz

Na época muita gente achou errado o GF optado pelos EC-225 no lugar do NH90, mas olhando hoje foi uma decisão acertada. Esse heli nasceu errado e vai terminar os dias dele como o F-35 europeu.

HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

Clésio, o fato do NH-90 ter sua generosa cota de problemas não torna a escolha do EC-225 correta, vide que até agora está voando com um remendo provisório na MGB, sem falar em cevarmos ainda mais o indecente monopólio Airbus/Helibrás. Para nós haviam escolhas bem melhores

Celacanto Beldroega
Visitante
Celacanto Beldroega

Exemplos!?
Pelo que sei só a Airbus se dispôs a negociar sua tecnologia (ToT) de forma mais ampla para o nosso País.

HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

Você quer um exemplo? O Mi-17 é um…..

No mais qual é a ToT feita de uma empresa para ela mesma?

Jean-Marc Jardino
Visitante

So falou bobagem.

Antonio Palhares
Visitante
Antonio Palhares

Estes paises árabes proporcionam muita receita e empregos no Estados Unidos e Europa com compras colossais de material militar que nunca terão capacidade de operar.

ODST
Visitante
ODST

Pois é, eles poderiam ter uma baita indústria própria com toda essa grana.

HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

Quem constrói palácio com torneira de ouro vai se importar em ter indústria de defesa, que demora anos e muita grana em investimento?

Celacanto Beldroega
Visitante
Celacanto Beldroega

Tireless, na China há uma linha de montagem da Mil. Pois bem, nem lá os russos abriram a caixa preta. Outra coisa, um Mil 17 lançaria sem dificuldades um Exocet ou similar com a MB está fazendo? Vc mesmo está vendo nos sites de defesa o quanto está sendo trabalhoso harmonizar tais equipamentos. Os russos liberariam a caixa preta para operar armamento ocidental? O Mil 17 lança míssil anti-navio?

HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

Reitero: existe transferência de tecnologia de uma empresa para ela mesma visto que a Helibras é uma filial da Airbus? Acho que não…..

E agora eu pergunto: Qual a necessidade de um EC-225 disparar um Exocet? Já que se modernizou o A-4 Skyhawk não teria sido mais inteligente integrar o míssil ao avião, que pode levá-lo mais rápido e mais longe?

Celacanto Beldroega
Visitante
Celacanto Beldroega

A ToT foi para o País, não para a Helibras, entenda!! Exemplos para onde poderá ser repassada, a depender de como foi contratada: ITA, CTA, Parques de Manutenção Aeronáutica, empresas nacionais fornecedoras, Escolas Técnicas Federais (como eram chamadas) etc. A ToT poderá abranger um espectro amplo que a aeronáutica (os materiais, as tecnicas empregadas por ex.).
Vamos parar com este discurso mocorongo!!
Outra coisa: o uso de um míssil não se limita à sua simples colocação no vetor. Além do mais, quanto custaria aos fartos cofres da MB a viabilização do Exocet num A4KU?

Mauricio R.
Visitante

Os Caracais franceses não portam Exocet, somente os da MB.
Quem se deu bem foi a Indonésia, comprou uns 12, mas embutiu a fabricação de mais de 100 conjuntos de cauda.
Inclusive os nossos.
Na indústria petrolífera, inclusive aqui, esse helicóptero morreu.

HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

Particularmente no caso da indústria o S-92 têm levado vantagem

HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

Com todo o respeito mas “discurso mocorongo” é acreditar que essa “Transferênfia di tequinúlugia” dos helicópteros teve algum efeito prático. Os aparelhos continuam tendo seus parafusos apertados na Helibrás e passados quase 10 anos do acordo nenhum adensamento de conhecimento no campo das asas rotativas se concretizou no país. E já que se falou em instituições de ensino o laboratório de asas rotativas do ITA foi feito em colaboração não com a Helibrás/AIRBUS mas sim com a Sikorsky: http://www.ita.br/noticias/itacriarlaboratriodeasasrotativas E quanto à colocação dos Exocet na Kombi voadora é uma solução aceitável apenas para países cujas marinhas não possuam vetores… Read more »

Celacanto Beldroega
Visitante
Celacanto Beldroega

É o que vc diz. As aeronaves citadas usam Exocet?
Deixo vc com seu “discurso” e suas “certezas”.

HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

O F/A-18 usa o AGM-84 Harpoon mas o Rafale usa o Exocet:
https://www.meretmarine.com/fr/content/le-nouvel-exocet-am39-qualifie-sur-rafale

Ah! O AGM-84 Harpoon encontra-se integrado ao A-4

http://webkits.hoop.la/topic/missil-agm-ugm-rgm-84-harpoon-e-seus-vetores?reply=489102321278699551#489102321278699551

E não custa lembrar que o Congresso dos EUA já foi notificado de uma possível venda do AGM-84 ao Brasil, de forma que não haveriam maiores obstáculos:
http://www.dsca.mil/major-arms-sales/brazil-agm-84l-harpoon-block-ii-missiles

mf
Visitante
mf

Você sabia que o Governo de Minas Gerais possui Golden Share na Helibras??? A Helibras é uma empresa brasileira subsidiaria de uma maior francesa, e não há mal algum nisso, a tecnologia transferida vai para o Governo brasileiro, e é colocada em prática pela Helibras.

Celacanto Beldroega
Visitante
Celacanto Beldroega

Vc não respondeu à pergunta encerro minha participação neste postagem.

TIGER 777
Visitante
TIGER 777

Pensando fora da caixa, este países não estão comprando só material militar. Eles compram “ajuda político/militar” em caso de um conflito… Por exemplo se um Irã, quiser invadir, terá que peitar a Otan e os EUA, que tem muito a perder com o “cancelamento” de suas encomendas.
Basta ver o mapa https://www.google.com.br/maps/place/Catar/@19.2713817,36.5891549,4.71z/data=!4m5!3m4!1s0x3e45c534ffdce87f:0x1cfa88cf812b4032!8m2!3d25.354826!4d51.183884?dcr=0

Julio
Visitante
Julio

Se o Irã atacar o Catar, Duhbai, Emirados Árabes Unidos ou Arabia Saudita, a OTAN não fará nada. A OTAN não tem quaisquer responsabilidades no ORIENTE MEDIO. Além do mais, ela tem membros que porcamente cumpre as exigências da aliança, a Alemanha é um dos exemplos. E a Europa está afundada em seus próprios problemas. Não virá ajuda nenhuma de lá.

Comprar equipamentos militares em troca de apoio político PODE funcionar se os fornecedores forem o EUA ou a Rússia, mas vai depender de cada caso.

Mauricio R.
Visitante

Tropas da OTAN, ainda operam no Afeganistão.

sergio ribamar ferreira
Visitante
sergio ribamar ferreira

Sr. Tiger 777 concordo em parte. Acredito numa ajuda via EUA. Lembrando que o( Iêmen, rebeldes aliados do Irã) estão em luta com à Arábia Saudita. O Catar apenas já está comprando armas se preparando para eventual conflito em suas fronteiras. Tremendo vespeiro. Mesmo assim o mapa sensacional. caso esteja errado por favor , apenas hipótese. Um abraço.

Tiger 777
Visitante
Tiger 777

Júlio, eu me expressei mal, somente a França e Inglaterra, podem fazer algo no Oriente Médio. A Rússia dificilmente, pois ela apoia o Irã, sobra pros EUA, carregar o piano..

Wellington Góes
Visitante
Wellington Góes
Carlos Alberto Soares
Visitante
Carlos Alberto Soares

Mauricio R. 16 de Março de 2018 at 1:53]

Mais de 80% Tio Igor
Saldo AW

Caso ache um francélico, joga no bicho

Basta ver em horário de operação

http://www.flightradar24.com