segunda-feira, setembro 27, 2021

Gripen para o Brasil

USAF: reinício da produção do F-22 custaria mais de US$ 50 bilhões

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

F-22A Raptor

Por Oriana Pawlyk

Desculpe, fãs de Raptor. Como muitos esperavam, o reinício do F-22 nunca acontecerá.

E a razão n° 1 é o custo, de acordo com um novo estudo.

Em um relatório reservado submetido ao Congresso este mês, a Força Aérea dos EUA calculou que custaria aproximadamente “US$ 50 bilhões para obter 194 caças F-22 adicionais, com um custo estimado de US$ 206 milhões a US$ 216 milhões por aeronave”, disseram oficiais ao Military.com na quarta-feira .

“O total inclui uma estimativa de aproximadamente US$ 9,9 bilhões para custos iniciais não recorrentes e US$ 40,4 bilhões para custos de aquisição de aeronaves”, disse o serviço.

A secretária da Força Aérea, Heather Wilson, entregou o relatório aos comitês de defesa do Congresso no dia 9 de junho. No ano passado, o subcomitê das Forças Aéreas e Terrestres do Serviço Armado da Casa encomendou ao serviço um estudo sobre o que seria necessário para reabrir a linha de produção F-22 da Lockheed Martin.

“A Força Aérea não tem planos de reiniciar a linha de produção do F-22, não teria sentido econômico ou operacional”, de acordo com uma declaração da porta-voz da Força Aérea capitão Emily Grabowski.

O serviço, em vez disso, recomendou a aplicação de recursos aos “planos de desenvolvimento de capacidades descritos no Air Superiority 2030 Enterprise Capability Collaboration Team Flight”, disse ela.

O Air Superiority 2030 é o plano para promover avançados aviões de combate, sensores e armas em um ambiente de ameaças crescente e imprevisível.

O potencial projeto do F-22 inevitavelmente custaria bilhões.

De acordo com um estudo do “think tank” Rand de 2010, reiniciar a linha de produção do F-22 para construir apenas mais 75 jatos iria custar cerca de US$ 20 bilhões em dólares ajustados à inflação.

Parte do motivo é que o serviço iria construir um Raptor novo e moderno – não uma versão dos anos 90.

“Você não está construindo o mesmo avião que estava construindo antes, e se torna uma proposição muito mais cara”, disse um analista de defesa em Washington, DC, ao Military.com informalmente em março. “Então, você fabrica um novo “antigo” F-22, ou fabrica um melhor?” disse o analista.

Além disso, o custo previsto pelo Rand era uma estimativa aproximada para reiniciar a produção e construir uma pequena quantidade de aviões. Não levou em conta o custo da contratação de trabalhadores, integração de novas tecnologias furtivas, ou treinamento e equipagem de pilotos adicionais.

Então, a mensagem é clara: F-35 ou nada.

FONTE: military.com

- Advertisement -

50 Comments

Subscribe
Notify of
guest
50 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Chico Novato

É uma pena. Aposto que o Japão adoraria rachar esses 20bi com o tio Sam. Parceiros para essa empreitada não faltaria, acho que até Israel teria interesse.

MATHEUS

Bad news :/

Paulo Jorge

Sai mais barato do que produzir o Gripen E aqui. Deveriam reconsiderar, principalmente pelo fato de o Raptor “II” do século 21 ser mais capaz do que o F35.

Sds

Marcos

Eu não sei… acho até válido gastar 50 bilhões para reativar a linha de produção do F-22

O que é 50 bilhões perto dos 500 bilhões do failjetro F-35?

Quantos F-16 novos daria para comprar com 50 bilhões?

Ronaldo de souza gonçalves

carisssimo até pro EUA, fiquem é corrijam os problemas do f-35 é poseriam ter 2 f-35 pelo preço do raptor,reparem os senhores que o preço de fabricação nos EUA é absurdo não estou falando apenas de caças,mas de fragatas,destroir,e até munição dirigida.Tenho certeza que os nossos caças de 4.5 vão ficar mais baratos a medida que forem fazendo mais pedidos, é a logica.Estranho um avião que você desenvolveu,tem desenhos das peças,tem tudo dele para fabricar outros ,abrir a linha que foi fechada,50bi e demais.

Bueno

Que pena;(…
Quanto mesmo o custo do F35?

Ricardo Da Silva

F-22 Raptor “II” ou F-35 “Aardvark II” ?
Gosto não se discute, no máximo: se lamenta !
Enquanto isso a IA/IDF encomenda mais F-15I (ao invés de F-35?!).

Ricardo Da Silva

Chico Novato 15 de Fevereiro de 2018 at 13:40
Põe Israel nessa conta também !

Ivan BC

Na verdade não significa o custo para abrir a linha de produção (a estrutura fabril, aquilo que vem antes da produção da aeronave), significa o custo de adquirir: “US$ 50 bilhões para obter 194 caças F-22 adicionais, com um custo estimado de US$ 206 milhões a US$ 216 milhões por aeronave”.
São coisas bem diferentes. Enfim, seria que 194 custariam 50 BI de dólares.

DOUGLAS TARGINO

Rapaz, vende uns 1000 f16 e compra 200 f22 kkkkkkkkk

Lúcio Antunes

Devido aos custos de produção do F-22, acredito que os caças atuais continuarão seus trabalhos por mais uns 30 anos.
Provavelmente teremos em breve muitos mais vetores voando já em versões atualizadas: F-16 Viper, F-18 Superhornet |Block III e F-15 Advanced Eagle.
Sobrando até espaço para os A-10 e os Supertucanos
Os Estados Unidos continuarão assim sua ampla vantagem sobre o eixo do mal; Rússia, Irã, Afeganistão, Iraque, Coreia do Norte e Venezuela.

MBP77

Marcos 15 de Fevereiro de 2018 at 13:45 * Pois é. Vá lá que o cálculo do custo por unidade ser “o dobro” do de um F-35, mas quanto a mais ele entrega efetivamente hoje do que o JSF? É uma aeronave que parte de uma base sólida (versão em uso) ou outra que está em produção com uma série de problemas de letárgica solução e cuja operacionalidade plena é sempre postergada? O caso do encerramento da linha de produção do Raptor foi mais uma das heranças do “queridinho” Obama. Então, a mensagem é (não tão) clara: F-35 ou “nada”… Read more »

JPC3

Acontece que a USAF acha que o F-35, somado a 170 Raptors já existentes dão conta do recado.

Digam que o F-35 é ruim, mas a USAF discorda.

Wellington Góes

Com o número de caças de 5a geração aumentando mundo afora, não faz sentido continuarem com essa restrição de venda a países aliados. Pode-se até dizer que, em determinados aspectos, como a eletrónica embarcada, F-22 encontra-se obsoleto.

Com o interesse de países como Israel, Japão, Reino Unido e Austrália, os custos poderiam ser minorado com o aumento da escala. Deveriam pensar nesta possibilidade. #ficaadica

Carlos Alberto Soares

Barato.

“Com o interesse de países como Israel, Japão, Reino Unido e Austrália, os custos poderiam ser minorado com o aumento da escala. Deveriam pensar nesta possibilidade. #ficaadica”

Concordo,
acrescente Alemanha e Korea do Sul.

Lewandowski

Não faz sentido reabrir a linha do F-22. U$ 50 bilhões que podem ser convertidos para a próxima geração. Não há concorrente nem mesmo para a frota exitente, por que expandi-la? Quando a China e Russia apresentarem de fato o 5G, o F-22 será passado.
.
Sds

donitz123

Não se desesperem. O Su-57 está aí.

Washington Menezes

Cuidado Wellington Goes, ano passado eu disse aqui no blog que o F22 estava ficando ultrapassado devido a rápida evolução da eletrônica embarcada e a melhorias de materiais compósitos, e só faltaram me linchar, e vem você e faz suas considerações falando que o mesmo se encontra “obsoleto” com certeza vão pedir sua cabeça .

Adriano R.A.

O avião é ótimo, mas é muito melhor esperar por uma avaliação das capacidades do Su-57 para decidir se vale mesmo a pena reabrir a linha, construir uma versão modernizada ou deixar apenas as 170 unidades que já existem.

Bosco

Pessoal,
Podemos ficar horas discutindo o sexo dos anjos mas não vai passa disso… sexo dos anjos.
O F-35 está a todo vapor e a USAF irá fazer limonada com limões. Não vamos invetar de querer que ela faça laranjada que não vai rolar.

José Lemos filho

Bosco, vc esqueceu que a limonada está amarga, e como!!! Onde há fartura e houver desperdício uma hora a casa cai. As forças armadas americanas ja vem sentino há muito tempo a áurea dos desperdícios financeiro só restando saudades, que bons tempos foram aqueles não?? Nado que foi será de novo do jeito que já foi um dia, tudo passa tudo sempre passará.

ednardo ferreira

a reativação do F22 além do custo tem o fator tempo. Mesmo que decidissem hoje reabrir a linha, o primeiro caça só voaria em 5 ou 6 anos. Seria uns 2 anos só para atualizar o projeto. Ainda teriam de abrir linhas de produção e tal…

Como citado na matéria, ele teria uma eletrônica toda nova, provavelmente baseada em componentes do F35 e inúmeras outras tecnologias surgidas nos últimos 20 anos, novos materiais, novos cálculos aerodinâmicos, etc…

RL

Eu ainda penso que com os atuais F-22 os EUA continuarão a manter a vanguarda da superioridade aérea por no mínimo uma década. Se reduzirem a quantidade operacional atual de F-22 para a metade está vantagem de 10 anos permanece. Peguem aí os projetos Su-57 / J-20 e analisem os problemas ainda por serem sanados, digo motores, eletrônica etc…. Somados ao tempo que isso levará, mais o tempo de aquisições realmente factíveis para esquadrões de verdade eu acredito que não cheguem no F-22 tão cedo. Até lá os tais 2500 problemas do F-35 já estarão resolvidos. Problemas estes que eu… Read more »

Vader

“F-35 ou nada” é uma afirmação pra lá de errônea. . A 6a geração de caças já vem aí, e ela vai, novamente, mudar tudo. Só não vê quem não quer que os americanos já estão décadas à frente do resto do mundo nesta nova geração que surgirá muito em breve: a de caças não-tripulados. . Os caras já tem o know-how e a experiência, apenas não botaram em prática ainda porque não sentiram necessidade, já que o F-35 é tão à frente do que o resto do mundo possui que é simplesmente desnecessário investir ainda mais. . Porém se… Read more »

ednardo ferreira

Depois dos vídeos que tenho visto recentemente com coreografias feitas com drones, como foi o caso da abertura das olimpíadas de inverno na Coréia do Sul, imagina o que não haverá em 10 ou 15 anos…

Os EUA são o que são não é de graça. Tem 20 anos que eles têm o melhor caça do mundo e todas as outras potências ainda estão vendo se daqui a 10 anos empatam.

a sexta geração trará diversos conceitos que para nós hoje é quase impensável.

Leonardo

Houve desperdício de dinheiro com o F-35, mas basta alguns contratos para reconstrução de países que eles mesmos destruíram e o dinheiro retorna para a economia americana.

Julio

Vader 15 de Fevereiro de 2018 at 17:22 “Os caras já tem o know-how e a experiência, apenas não botaram em prática ainda porque não sentiram necessidade, já que o F-35 é tão à frente do que o resto do mundo possui que é simplesmente desnecessário investir ainda mais.” Primeiro: Sim, esta a frente de todos os outros nos problemas, atraso e custos. Segundo: E a Sexta geração não esta mais adiantada devido a restrição orçamentária provocada pelo F-35. Terceiro: A grande falha do F-35 e do Destroyer Ferro-de-Passar é a megalomania dos projetos. Implementação de tecnologias imaturas, que no… Read more »

Paulo Jorge

O F/A-xx da USN está programado pra aposentar o Super Hornet na década de 30. Até lá, duvido muito que os russos tenham 200 aeronaves furtivas (Su-57) plenamente operacionais, quiçá o resto do mundo.

Sds

Gabriel2

O preço da superioridade aérea a nível mundial é alto mesmo , mas para eles ainda sim talvez valha e muito a pena….eu aprovo

Mauricio_Silva

Olá.
“A próxima geração de caças voará sem pilotos, controlada remotamente, com capacidade de carga paga, manobra, velocidade e RCS incomparáveis com as aeronaves atuais.”
Mas se sair do jeito que foi o F-35, ninguém conseguirá bancar…
Sei não… Está parecendo que o relatório quis dar “uma força” para o F-35… Masssss…
SDS.

Bruno Rocha

Wellington Góes 15 de Fevereiro de 2018 at 15:08

O F-22 em nova versão poderia canibalizar as vendas do F-35, cujo programa já se tornou caríssimo e não pode parar, pois seria um prejuízo de meio trilhão de dólares.
Fora que alguns países poderiam preferir caças de 4.5Gen com mais uma dúzia de F-22 do que ter uma frota inteira de dezenas de F-35, mesmo o Raptor custando o dobro deles.
Isso considerando uma versão do F-22 com uma eletrônica padrão do F-35. De longe compensaria mais ter uma dúzia de águias do que duas dúzias de patos.

Jacinto Fernandes

Bruno Rocha 15 de Fevereiro de 2018 at 21:17
O Congresso dos EUA passou uma lei que proíbe a venda de F-22 a outros países, graças a Israel, que (supostamente) vendeu tecnologia do F-16 à China. Então, o F-22 não seria concorrente do F-35.

Nick

Se for para reviver um projeto, que seja o YF-23 Black Window II. Com a tecnologia atual (e futura) de misseis e DIRCM. O F-23 seria invencível para as próximas décadas. 🙂

[]’s

Marciano Marcelino

Acredito que os caças não tripulados ainda não devem ser realidade durante alguns anos.
China, Rússia e mais alguns países vem investindo muito em “soldados” Hackers…
Invadindo sistemas de segurança de americanos, japoneses etc…
Imagine o terror e a repercussão de se perder o controle de uma aeronave destas e infligir inúmeras baixas por fogo amigo ou alvejar alguma cidade aliada…

Thiago

Ainda acredito q mesmo sendo da decada de 90 o f22 possui tecnologias nao divulgadas e nao desenvolvidas por outros países. Por isso nao botar na prateleira do mercado. Deixa o projeto enterrado.

Emmanuel

Julio 15 de Fevereiro de 2018 at 18:36
Julio, vc e os outros que pensam assim nunca estiveram tão enganados.
Abraços
.
http://www.aereo.jor.br/2011/02/07/primeiro-voo-do-x-47b/
.
http://www.naval.com.br/blog/2013/07/10/10-de-julho-de-2013-o-dia-em-que-a-aeronave-nao-tripulada-x-47b-enganchou/#axzz2YgOFamsc

Almeida

Achei até barato na verdade, 194 F-22C por 50bi é uma pechincha! E já poderiam vir de fábrica com as atualizações que hoje são muito caras de retrofitar nos F22-A.

Mas eles vão é querer inventar um caça de “sexta geração” e gastar mais ainda, pra manter o complexo industrial-militar rodando…

Tomcat3.7

Interessante terem levantado a questão de com piloto ou sem piloto, no futuro filme Top Gun 2 ,vai ser tratado este tema ao que parece, o Maverik que agora será instrutor na escola Top Gun vai provar que o homem ainda supera a máquina (coisa que rola no filme “O Lanterna Verde”.

Agora ,falando sério, o F-22 Block II seria o caça mais fodástico de todos e acabaria de avacalhar com o F-35 de vez.

Tomcat3.7

Gente, com base em que o F-117 já existia a quase uma década antes de nos ser apresentado na Guerra do Golfo, o titio Sam já deve até estar voando seu vetor de 6º geração na surdina e rindo da galera apanhando no seus caças de 5ºg (assim como o pessoal no JSF F-35).

Mauricio R.

A USAF é novidadeira ao extremo, ainda não aprenderam isso????
Mas se é pra ser retrô não acho que eles devessem ressuscitar o F-22, não, deveriam isso sim ressuscitar o HiMAT.

(https://en.wikipedia.org/wiki/Rockwell_HiMAT)

Esse era azedo, até para o próprio F-16.

Mauricio R.

OFF TOPIC…, mas nem tanto:

Roberto Santana, não é aquele teu caça ideal????

(https://en.wikipedia.org/wiki/Aerfer_Ariete)

(https://en.wikipedia.org/wiki/Aerfer_Sagittario_2)

Luiz Floriano Alves

Nas teorias de Manutenção as probabilidades de falha aumentam exponencialmente com a complexidade do equipamneto. O F-35 B, de decolagem vertical, com seus dois motores e todo aquela parafernália de defletores e atuadores é um sério candidato a que, frequentemente, ocorra uma falha. Se o F-35 de um só motor fosse priorizado e deixassem o F-35 B, como uma opção não critica teriamos um aparelho mais confiável e reduziriamos drásticamente a probabilidade de falhas.

Gustavo

F-35 ou nada, é sinônimo né.
F-22, mesmo custando essa fortuna, não vai ser o ralo de dinheiro que é o F-BUG. o raptor pode custar caro, mas entrega ao que parece.

José Lemos filho

Se poder quero uma resposta respeitosa dos colegas. Será que o custo do F35 para seu desenvolvimento chegar nesta fabulosa soma ou está havendo desvio do dinheiro público como acontece aqui? Obrigado!!

Wellington Góes

Washington Menezes, valeu pela dica. Rsrsrs ________________________ ________________________ Bruno Rocha, até concordaria com esta afirmativa, se a empresa que produz o F-35 não fosse a mesma que produz o F-22. Ou seja, do ponto de vista econômico e financeiro, a LM ganha do mesmo jeito, bem como o próprio EUA, que manterão empregos altamente qualificados, bem como mercados cativos. O F-35, gostando ou não, problemático ou não, é uma realidade, os F-16 por melhor e mais atualizados que sejam, não durarão para sempre, assim como os problemas técnicos do Ligthining 2 (pelo menos boa parte deles), afora as aeronaves já… Read more »

Eduardo von Tongel

Fica minha dúvida:

Pelos bilhões (ou trilhões) já gastos no desenvolvimento do F-35, daria para a USAF ter quantos F-22 hoje?

Marcelo

50Bi por 194 F-22 atualizados nao parece muito comparado com o que ja gastaram com o F-35. Sera que daqui a 15 anos os americanos nao irao se lamentar novamente, quando o projeto do 6a geracao estiver atrasado e estourando o orcamento, e os 180 e poucos F-22 estiverem com problemas de obsolescencia de equipamentos?

Jacinto

José Lemos filho 16 de Fevereiro de 2018 at 13:38
Há quem diga que está sendo desviado para financiar projetos secretos em andamento… Esta desconfiança existe porque os EUA já fizeram isso antes. O F-117 foi inteiramente desenvolvido dessa forma, jogando na conta do F-18 e de outros equipamentos militares, os custos de seu desenvolvimento. Agora, se é verdade ou não, cabe a cada um fazer seu juízo.

JCuritiba

Mauricio R. 16 de Fevereiro de 2018 at 8:34

Falar do HiMAT. aqui é entregar a idade! rsrsrsrs

Últimas Notícias

Caças Sukhoi Su-35S russos escoltam bombardeiro B-52H da Força Aérea dos EUA sobre o Oceano Pacífico

Não houve violações da fronteira estatal da Rússia ou proximidade perigosa de aviões no ar, disse o Centro de...
- Advertisement -
- Advertisement -