Home Aviação de Ataque O abate de um F-16I na Síria levanta uma questão: por que...

O abate de um F-16I na Síria levanta uma questão: por que Israel não usou os F-35?

12802
139
F-35I Adir

Por Barbara Opall-Rome

TEL AVIV, Israel – Enquanto a Força Aérea de Israel (IAF) continua a investigar a perda de 10 de fevereiro de um F-16I contra o fogo antiaéreo da Síria, especialistas em Israel estão questionando em particular o motivo, tendo em vista as circunstâncias operacionais que negaram a Israel o elemento de surpresa estratégica, da IAF não ter optado por empregar o seu mais novo caça de linha de frente: o furtivo F-35I.

No início de dezembro, a IAF declarou a capacidade operacional inicial dos nove F-35s agora em sua posse. E a partir da atividade aérea relatada por residentes perto de sua base em Nevatim, no sul de Israel, as aeronaves estão acumulando um tempo de voo significativo.

No entanto, nenhum dos F-35 operacionais fazia parte do pacote de força de oito aeronaves encarregado de destruir um centro de comando iraniano no centro da Síria. O centro de comando estava operando o drone não tripulado Shahed 171 que Israel diz ter penetrado seu espaço aéreo no início da manhã de 10 de fevereiro.

Tampouco foram encarregados de liderar a onda de ataques subsequentes em 12 alvos sírios e iranianos separados na operação punitiva lançada mais tarde naquele dia em resposta à queda do F-16I.

Mas porque não?

Talvez estes caças furtivos caros sejam muito preciosos para usar. Ou talvez a Força Aérea de Israel não esteja suficientemente confiante na habilidade do avião ou dos pilotos em operar o caça de quinta geração.

Dadas as promessas da Síria e de seus aliados do Hezbollah de “mais surpresas”, se Israel arriscar ataques adicionais ao solo sírio, a IAF optará por usar esses ativos de linha de frente na próxima vez?

A resposta oficial a todas essas questões, de acordo com o porta-voz das Forças de Defesa de Israel (IDF), tenente coronel Jonathan Conricus, é: “Sem comentários”.

Extraoficialmente, ex-oficiais da IAF oferecem uma série de explicações e conjecturas, incluindo:

  • Experiência operacional anêmica pelos pilotos de F-35 do serviço.
  • Falha até agora em integrar o armamento israelense requerido na baia de armas interna da aeronave.
  • A necessidade de reservar esses ativos apenas para as missões estrategicamente significativas contra uma série muito mais sofisticada de defesas aéreas inimigas.

No entanto, todos admitiram – e sob condição de anonimato devido à investigação em curso – que a IAF calculou mal. Ao não antecipar a ameaça de ataques de saturação por defesas aéreas da base síria – por mais antiquados que os mísseis SA-5 e SA-17, que foram desdobrados para apoiar o governo sírio, poderiam ter sido – Israel sofreu não só a perda de seu primeiro caça contra o fogo inimigo em 36 anos, mas um golpe sério para sua aura de invencibilidade cuidadosamente criada e bem merecida.

F-16I e F-35I

“Um precedente perigoso”

Com o benefício reconhecido de uma retrospectiva 20/20, alguns em Israel estão se perguntando onde estava o F-35.

“Eles tinham certeza de que o F-16I poderia sobreviver facilmente ao meio ambiente, como já fez tantas vezes antes”, disse um major-general da Força Aérea aposentado ao Defense News.

Outro ex-oficial afirmou que o armamento que Israel usou naquele ataque inicial no aeródromo T-4 no centro da Síria ainda não estava integrado na baia de armas do caça furtivo F-35. “Se estava determinado usar nossas próprias armas especiais para esse cenário particular e essa formação específica, seria bom pendurá-las debaixo das asas? você perderia a furtividade”, disse o oficial.

As Forças de Defesa de Israel se recusaram a especificar quais armas foram usadas ​​no ataque inicial ao centro de comando e controle iraniano, mas várias fontes apontam para a SPICE israelense, uma arma de ataque de precisão autônoma e de qualquer tempo que a Força Aérea emprega em ataques de longo alcance.

Em uma conjectura oficialmente negada por Conricus, o porta-voz das IDF, um oficial sugeriu que Washington poderia ter desencorajado ou até mesmo vetado o uso do F-35 por Israel neste ponto no programa multinacional por preocupação de que especialistas russos e iranianos na Síria pudessem reunir informações sobre sua capacidade de evasão de radar e outras características.

“Isso seria altamente improvável e criaria um precedente perigoso”, disse um ex-embaixador dos EUA em Israel ao Defense News. “Uma vez entregues, essas aeronaves são de propriedade exclusiva e operadas pelos israelenses”.

F-35I e F-16I

Brigadeiro da Força Aérea de Israel aposentado, general Abraham Assael, CEO do Fisher Institute for Air and Space Strategic Studies, foi o único oficial que concordou em ser identificado pelo nome. De acordo com o ex-piloto de caça, a Força Aérea não tinha motivos para arriscar “ativos estratégicos” contra o que era chamado de alvo “estrategicamente insignificante”.

“No passado, tudo correu muito bem, então por que colocar em perigo algo tão valioso e precioso em uma operação que não implicava obstáculos significativos?”, disse Assael.

Ele citou o pequeno número de F-35 em posse de Israel e a relativamente escassa experiência operacional acumulada na aeronave como razões para não incluí-las nas operações de ataque de 10 de fevereiro.

“Se eles pensassem que os alvos eram tão estrategicamente importantes, tenho certeza que eles considerariam usar os F-35. Mas eles não eram. Então, por que arriscar o uso dos F-35 em um ponto tão precoce em sua maturidade operacional?”

“Falhas e percalços acontecem”, acrescentou. “Então, agora eles estão investigando, e pode ser uma das lições que, neste novo ambiente estratégico, veremos o F-35 chamado à ação”.

FONTEDefense News

139
Deixe um comentário

avatar
138 Comment threads
1 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
70 Comment authors
PEDRO HENRIQUE PEREIRA SOARESJosé RobertoJokerScudBPaulo Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

O IOC da aeronave foi declarado apenas em dezembro ou seja, é pouco tempo para que o aparelho seja usado em combate. Como comparação o F-15 Eagle teve seu IOC na Heyl Ha’Avir declarado em 1977 mas apenas em 1979 foi usado pela primeira vez em combate, quando abateu seis Migs-21 sírios sem perdas.

carcara_br
Visitante
carcara_br

Se um f-35 cai na Siria serão algumas dezenas de bilhões de dólares nas mãos dos russos. É preciso calcular muito bem os riscos…

Manock
Visitante
Manock

É que as vezes são tantos passarinhos que o avião não aguenta e cai.
🙁

Russian Bear
Visitante
Russian Bear

Acredito que Israel simplesmente subestimou as defesas Sírias. Foram tantos ataques nos últimos meses, e sem nenhum susto. Porém desta vez os S-300 entraram em ação. Penso que nenhum caça de geração 4,5++ é capaz de escapar ileso de uma bateria de S-300. Hoje fica claro que os aliados da Russia, como Venezuela, China, Síria e Coréia do Norte estão muito bem equipados para defender seus céus a partir de terra. Outro ponto que penso é que mesmo depois deste revés,; Israel resolveu não arriscar seus F-35. Pois, vai que o “carro 0 Km,esportivo, turbo, de altíssimo desempenho”, não é… Read more »

Bueno
Visitante
Bueno

Com F16 fizeram um estrago, é bem provável que o estrago seria maior se IAF tivesse colocado o F35 na brincadeira. F35 ganha mais força como arma estratégica da IAF

José Lemos filho
Visitante

O governo americano Não permitiu o uso dos F35, porque o abate desta aeronave seria o fim do projeto caríssimo e mal sucedido, perderia todos os parceiros envolvidos. A
RUSSIA iria chorar de tanto rir se tivesse caído um F35, penso eu, que eles, não voarão nestes combates sírios,
Podem apostar.Israel e americanos estão com pulgas detrás das orelhas.

Bueno
Visitante
Bueno

José Lemos filho 15 de Fevereiro de 2018 at 14:46
“Extraoficialmente, ex-oficiais da IAF oferecem uma série de explicações e conjecturas, incluindo:”

Jogos de guerra, cada um falara o que quiser e neste jogo Israel não é novato

Bb
Visitante
Bb

Sem comentarios, nao q dizer q nao foram usados.
Em outras pubicacoes afirmam q foram usados, mas nao na missao de bombardeio.

Volta ao trabalho.

HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

Russian Bear 15 de Fevereiro de 2018 at 14:32

Não há nenhuma confirmação de qual sistema teria atingido o avião, e a julgar pelos restos de mísseis vistos o mais provável é que tenha sido um Buk-M

Quanto à afirmação de que nenhum caça de 4,5++ “não escapa de um S-300”, é apenas mero achismo…

Jmgboston
Visitante
Jmgboston

Mandar uma aeronave tão cara e estratégica com pilotos pouco experientes?????. Qual comandante teria a cabeça cortada primeiro?

Carlos Alberto Soares
Visitante
Carlos Alberto Soares

HMS TIRELESS

Verdade, essa é uma parte.

Augusto L
Visitante
Augusto L

Ouvi dizer em jornais israelenses, que a aeronave abatida estava em missão de reconhecimento para saber se o ataque ao centro iraniano foi bem sucedido, por estava voando alto e foi alvejado.

Tadeu Mendes
Visitante
Tadeu Mendes

A presenca do F-35 no ataque, sera negada ad nauseum. Entrou e saiu e ninguem viu.

Gripen BR
Visitante
Gripen BR

Porque não usar o F-35? Musica para o F-35, As andorinhas voltaram…as vezes volta cansada ferida machucada…

tallguiese
Visitante
tallguiese

Pessoal em vista do estrago que os israel causou, a perda de um F-16 é aceitavel. afinal não existe caça de combate invulneravel ou infalivel. mesmo o mais moderno dos caças pode perfeitamente ser abatido. basta um projetil acerta-lo. quantas baterias convencionais anti-aereas podem acertar um caça nos ceus com uma chuva de “balas” como no vietnan? E difical mas basta acertar nem que seja na base da sorte. Então o raciocinio deve ser feito da seguinte forma: quem levou mais prejuizo?

donitz123
Visitante

Essa abate serviu para mostrar a bravata israelense que já afirmou ter destruído as defesas antiaéreas sírias umas cinco vezes.

HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

donitz123 15 de Fevereiro de 2018 at 15:53

E as bravatas do sírios e iranianos, que tantas vezes anunciaram abates inexistentes de aeronaves israelenses?

Oráculo
Visitante
Oráculo

Em vários lugares mais especializados foi falado que os Judeus usaram o F-35 na represália.
Detalhe. No “revide” eles destruíram tudo o que atirou no F-16.

Mas ninguém vai falar nada sobre o que aconteceu de verdade..

Nem israelenses, pra dizer se usaram o F-35 ou não.
Nem os sírios vão dizer o por quê na segunda leva de ataques israelenses eles não acertaram nada, e ainda perderam todas as baterias que fizeram a “arapuca” que derrubou o F-16.

Obs: Pessoal nos comentários fala tanta bobagem que os editores deveriam pedir um real a cada besteira. Iam ficar ricos.

Cbamaral
Visitante
Cbamaral

Porém desta vez os S-300 entraram em ação. Penso que nenhum caça de geração 4,5++ é capaz de escapar ileso de uma bateria de S-300.
………………………………………

Israel cansou de atacar a síria com os f-16 e os f-15 e só foi perder um avião depois de 20 anos de ataques, a verdade que Israel sabe muito bem como funcionam as AAA rusas e pode destrui-las a hora que quiser como bem fez varias vezes.

Não usaram o f-35 por simplesmente não ter necessidade.

Ivan
Visitante
Ivan

Donitz 123,
(15 de Fevereiro de 2018 às 15:53)
.
“Essa abate serviu para mostrar a bravata israelense que já afirmou ter destruído as defesas antiaéreas sírias umas cinco vezes.”
.
Acredito que cinco é muito.
Pelo que lembro, mas memória é fogo (posso errar), foram ‘apenas’ 3 (três) vezes:
– 1967 na Guerra dos Seis dias;
– 1973 na Guerra do Yom Kippur;
– 1982 no Vale do Bekaa.
.
Aquela de 1970 na Guerra de Atrito não conta, pois as defesas não foram dizimadas, só desmanteladas.
.
Sds.,
Ivan, antigo o suficiente para lembrar. 😉

donitz123
Visitante

Pois é. O fato permanece. Por diversas vezes nos últimos anos, Israel afirmou ter destruído as defesas antiaéreas sírias o que se provou uma grande falácia. Na primeira vez que se expôs teve uma aeronave abatida. Uma grande lição de humildade também.

Ivan
Visitante
Ivan

Carcara_br,
(15 de Fevereiro de 2018 às 14:13)
.
Sim, o risco é enorme.
Você tem razão.
.
O F-35I ainda é um ativo imaturo nas mãos das IDF-FA.
Na verdade ainda é imaturo (ponto).
.
Precisa de muito mais teste, exercício e avaliações para ser usado em combate. Inclusive precisa de estabelecimento de doutrina operacional. Não é como carro novo que você abastece, liga e sai dirigindo da concessionaria.
.
Abç.,
Ivan.

HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

donitz123 15 de Fevereiro de 2018 at 16:45

Israel jamais afirmou no últimos anos que “havia destruído as defesas aéreas sírias” até porque elas em tempos recentes não foram alvo. Agora depois do ocorrido com o F-16 a Heyl Ha’Avir golpeou duro as defesas aéreas sírias destruindo parte substancial delas.

Quanto ao passado, as afirmações do Ivan procedem lembrando que em 1982 durante a operação “Mole Cricket” houve uma aniquilação total dos SAM sírios, prelúdio do massacre que ocorreria no ar (85 vitórias sem perdas para Israel)

Ivan
Visitante
Ivan

Donitz 123, . Mas as defesas sírias foram destruídas sim. Claro que não literalmente na totalidade (tipo até a última peça), mas o suficiente para a Força Aérea israelense voar inconteste pelo espaço aéreo conflagrado, que em 1967 e 1973 ultrapassava Damasco. . Obviamente todas as vezes foi reconstruída sob os auspícios de Moscou – que obviamente recebeu devido pagamento – ainda mais moderna. Agora, mais uma vez, o que foi destruído será reposto com sistemas mais atuais. . Isso, na verdade, é um problema para Israel. Toda vez que destrói uma versão da IADS síria tem que se preparar… Read more »

donitz123
Visitante

Não estamos falando do passado mas do presente.

camargoer
Visitante

Olá Colegas. Uma outra alternativa que foi pouco discutida mas está implícita no texto, seria a de que a inteligência falhou em dar o real panorama para o planejamento da missão. Fizeram com o que sabiam mas que poderia estar defasado ou errado (ou iludido pela contrainteligência síria/russa). O pessoal de simulação computacional menciona que a qualidade do output de uma simulação depende da qualidade da informação disponível no input. “Shit in shit out”.

Vader
Membro
Vader

“Porque Israel não usou o F-35?” . Porque não quis, oras! . Pra que usar F-35 quando TODOS os F-16I que foram enviados atingiram seus alvos? . O F-35 não teve sua capacidade operacional final aprovada ainda. Ponto. Não tem sentido algum arriscar uma aeronave nessa condição numa operação que pode (como foi) perfeitamente ser realizada por uma aeronave madura e com plena capacidade operacional. . Abates acontecem. Nenhuma aeronave é imbatível, nem os X-Wing de Star Wars. Por mais capacidade e planejamento que tenha a IDF é impossível passar um combate, e no caso israelense, VÁRIOS, sem uma casualidade… Read more »

Arariboia
Visitante
Arariboia

Russia Bear, os s300/400 estão bem Longes da onde foi o ataque e os russos já falaram que os 2 lados podem se esbofetear, desde que não envolva ativo militares russos. Tá em vários jornais de Israel. Fora o fato de a Rússia estar querendo fazer negócios com todos, desde que ela sai ganhando mais… HMS pelos relatos em Israel e fotos de detritos perto dos locais foram os S200. sobre o ataque a T4 e aí que é estranho não ter um vídeo dos estragos nem em YouTube, mesmo colunas de fumaca de longe , como ja foi postado… Read more »

HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

Bom ver você novamente por aqui Vader!

ednardo ferreira
Visitante
ednardo ferreira

O que tenho certeza absoluta é apenas que Israel aprendeu muito com este abate.

Arariboia
Visitante
Arariboia

Cbamarak,
Menos muito menos… até porque Israel até agora não viu as defesas russas. Ela opera só em proveito próprio.

Segundo o OTAN e sites com grande credibilidade sabem o quanto é complicado enfrentar os S300 de primeira geração” Usados por Grécia”

Tem varias matérias em sites americanos e europeus e marcianos. Artigos da OTAN.
No Wiki tá lá escrito uma pequena parte, mas tem ele completo na Web.

Terceiro, Israel e um monte falaram reclamaram quando a Rússia ia vender S300P pro Irã. Se é fácil porque chorar tanto até na ONU.

donitz123
Visitante

HMS TIRELESS 15 de Fevereiro de 2018 at 16:52
Agora depois do ocorrido com o F-16 a Heyl Ha’Avir golpeou duro as defesas aéreas sírias destruindo parte substancial delas.
.
Exatamente o que eles afirmaram várias vezes, que destruíram parte substancial delas.
Segundo os israelenses, a essa altura os sírios não deviam ter nem estilingues.

HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

donitz123 15 de Fevereiro de 2018 at 17:21

As defesas aéreas sírias nunca foram alvo das incursões israelenses mas sim as infraestruturas e instalações do Hezbollah ou que serviam a esse grupo terrorista. Após o ocorrido com o F-16 que as defesas aéreas foram atacadas e severamente atingidas.

Ivan BC
Visitante
Ivan BC

Não é apenas uma questão financeira, mas sim de disponibilizar aquilo que existe de melhor para os pilotos. Isso é a vida de um piloto!

Ivan BC
Visitante
Ivan BC

Arariboia 15 de Fevereiro de 2018 at 17:10
Os S300 estão longe de ocorreram os ataques? Acho que não! Segundo Israel diversos pontos nos arredores de Damasco foram atingidos, inclusive o centro de comando e controle. Se os S300 não estão na capital, local onde esta Assad, onde estão?

Marcos
Visitante
Marcos

@OFF

Cadê as notícias sobre o nosso gripadinho? 2018 e até agora nenhuma novidade? Apenas aqueles rolos da Boeing e Embraer.

Saiu uma notícia hoje sobre as propinas que envolvem o projeto FX-2. Mais uma vez o desembargador adiou o interrogatório dos envolvidos (nem vou citar nomes)

Bosco
Visitante
Bosco

Arariboia, “Israel e um monte falaram reclamaram quando a Rússia ia vender S300P pro Irã. Se é fácil porque chorar tanto até na ONU.” Primeiro, ninguém disse que é fácil. Se for de “graça” melhor ainda. Daí reclamam! Segundo, reclamar faz parte do jogo. Se esse seu argumento aí de cima for válido então por que o Putin reclama do escudo de mísseis dos EUA se os ICBMs russos podem penetrar esses escudos com suas ogivas manobráveis superfodásticas? Seguindo esse seu raciocínio simplista e ingênuo Putin não era para reclamar já que dá conta de transpor o “escudo”. https://www.brasil247.com/pt/247/mundo/234809/Putin-alerta-que-Pol%C3%B4nia-e-Rom%C3%AAnia-podem-entrar-na-mira-da-R%C3%BAssia.htm Ou… Read more »

Rodrigo
Visitante
Rodrigo

Tem uma galera aqui que se fosse alemã em 2014, iria estar esculhambando o técnico da seleção, pois que negócio é este de fazer 7 gols, mas tomar 1? 🙂

Bosco
Visitante
Bosco

Se você tem um vizinho doido que te odeia e quer que você mude de casa e o dono da loja de armas do bairro vende pra ele um revólver 38 com o tambor carregado, mesmo você tendo um M-16 com 10 carregadores e tendo certeza que dá conta do vizinho maluco você vai reclamar para o dono da loja de armas por ter vendido o tresoitão pro vizinho maluco.
Quem não chora não mama.

Agnelo
Visitante
Agnelo

Boa tarde

Passando pra lembrar q na guerra tem tiro, morre gente, avioes caem, navios afundam, CC são destruídos…

Sds
Acabou minha bateria…. Podem apagar o Bo!

HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

Rodrigo, você mitou cara! 😊

Jeff
Visitante
Jeff

Imagina-se que não usaram os F-35 pela falta de experiência dos pilotos, e um abate desse jato não ficaria nada bem para Israel. Além disso, as informações que seriam passíveis de captura pelos russos seriam um prato cheio.

carcara_br
Visitante
carcara_br

donitz123 15 de Fevereiro de 2018 at 17:21 Uma vez em que foi dito que os sistemas antiaéreos sírios foram destruídos em um ataque nos arredores de damasco. Na época foi muito questionado a efetividade dos pansistir…. No ataque americano a base tb falaram que sistemas kubs foram destruídos… Lembro de episódios mais antigos nos quais se falava na destruição dos s-200, mas não estou conseguindo relacionar a nenhum evento específico. Na minha opinião Israel definitivamente liberaria/liberará vídeos do ataque de retaliação afinal ninguém fez questão de esconder o f-16 em chamas… A efetividade dos sistemas de defesa até o… Read more »

Bosco
Visitante
Bosco

E sim! Por mais __________que seja a defesa antiaérea Síria ela não é páreo para um ataque aéreo israelense e nem é preciso o F-35 pra isso. Os israelenses podem muito bem penetrar discretamente em baixa altitude ou em média altitude utilizando ECM maciça, mísseis despistadores TALD, armas stand-off (propulsadas e planadoras), ataque terrestre com míssil LORA (400 km de alcance) e EXTRA (150 km), ataque naval com Harpoon Block 2, UAVs Harop lançados de terra, etc. Não creio que isso vá acontecer, agora acreditar nessa supremacia dos sistemas de defesa antiaérea sobre uma aviação como a de Israel é… Read more »

arado
Visitante
arado

israel agora esta acudo ,tanto que de pois deste ataque fracassado em que não atingiram nada, pararam de voar sobre a síria , falaram que destruirão um monte de coisa mas não tem foto de satélite, imagem alguma nada

Jacinto Fernandes
Visitante
Jacinto Fernandes

O que sempre caracterizou a força aérea israelense foi seu intenso profissionalismo. Enviar um avião para um ataque antes de ter desenvolvido toda a doutrina de uso, sem ter treinado extensivamente, sem efetivamente conhecer o sistema é coisa de amador.

Arariboia
Visitante
Arariboia

Qual é Bosco! Leia direitos os post de alguns e fala que eles não estão falando isso! Que é moleza…
E se for assim a Europa e Estado Unidos choram de medo por causa de uns Iskander. Cadê a _______defesa anti míssil americana que intercepta tudo.
Vai querer de usar um argumento com dois pesos com outro.
Vale pra ambos ‘mesma medida’

COMENTÁRIO EDITADO. MODERE O LINGUAJAR.

Blindmans Bluff
Visitante
Blindmans Bluff

Eu li essa reportagem no defensenews, mas la n tem onde comentar.

Cara Barbara Opall Rome, quem disse que Israel não usou ou usou os F-35 na Siria? Israel não costuma relevar muitos detalhes e se houvesse usado F-35, duvido que relevariam algum sequer. Seria no entanto muita pretensao afirmar qualquer coisa a respeito, pois soh quem sabe sao aqueles que estao no meio.

Arariboia
Visitante
Arariboia

Ivan,

se a Síria chegou a receber partes dos S300, ele não foram completados e não estão operacionais. Possivelmente os Buk M1fazem a segurança do espaço de Damasco.

Bosco
Visitante
Bosco

Nem sempre é possível haver confirmação dos danos provocados pelo ataque. Nem todo mundo tem UAV circulando quanto um míssil cruise atinge o alvo como fazem os russos. Não estou dizendo que Israel fez ou deixou de fazer nada, só estou dizendo que em tendo feito ainda assim não é fácil gravar a ação. Ou essa avaliação de danos é feita posteriormente ao ataque por aeronaves de reconhecimento ou por satélites ou é feito no momento do ataque e aí é preciso que o vetor atacante (caça ou UAV) grave o alvo sendo destruído ou que a arma seja dotado… Read more »