Home Aviação de Caça O preço do caça Rafale indiano

O preço do caça Rafale indiano

6741
84
Dassault Rafale – © Dassault Aviation – S. Randé

Rajat Pandit

NOVA DELHI: O governo indiano manteve em segredo durante as últimas semanas a divulgação dos detalhes financeiros do contrato de Rs 59.000 crore (7,87 bilhões de euros) para 36 caças Rafale devido a um pacto de sigilo com a França, mas revelou o custo por aeronave não muito tempo após o acordo ter sido assinado em setembro de 2016.

Para uma pergunta específica sobre o custo por aeronave do contrato no Rajya Sabha (parlamento indiano), a ministra da Defesa, Nirmala Sitharaman, em uma resposta escrita, disse: “De acordo com o Artigo 10 do Acordo Intergovernamental (IGA) entre o Governo da Índia e Governo da França sobre a compra de aeronaves Rafale, a proteção das informações secretas e dos materiais trocados no âmbito do IGA é regida pelas disposições do Acordo de Segurança assinado entre os dois países em 2008.”

Mas o ministro junior da Defesa, Subhash Bhamre, em uma resposta escrita a uma pergunta em Lok Sabha em 18 de novembro de 2016, declarou: “O IGA com o Governo da França foi assinado em 23 de setembro de 2016, para a compra de 36 aviões Rafale  com equipamento, serviços e armas necessários. O custo de cada aeronave Rafale é de aproximadamente Rs 670 crore (US$ 104,3 milhões) e todas as aeronaves serão entregues até abril de 2022.”

Embora cada jato possa vir por Rs 670 crore, o custo unitário total é de quase Rs 1.640 crore (US$ 255,3 milhões) se o negócio global for levado em consideração, o que inclui um pacote de armas completo, todas as peças e custos para disponibilidade de frota de 75% e logística de suporte baseada em desempenho por cinco anos, entre outras coisas, conforme relatado pelo The Times of India anteriormente.

O Congresso alegou desde o final do ano passado que o acordo “não transparente” foi muito caro e violou os procedimentos de contratação de defesa, ao mesmo tempo em que favoreceu a empresa Reliance Defence promovida pelo magnata Anil Ambani.

A Reliance Defense ligou-se à fabricante Dassault Aviation do Rafale para uma joint venture na Índia com o objetivo de executar as compensações (Offsets) de 50% exigidas pelo mega-contrato do caça. Tanto o governo quanto a Reliance negaram fortemente as alegações.

Sitharaman no Parlamento declarou que seu governo assegurou “um preço melhor” para os jatos em comparação com o projeto de 126 caças que estava sendo negociado pelo regime anterior da UPA (United Progressive Alliance – coalizão de partidos de centro-esquerda). Mas ela também admitiu que os dois negócios “não podem ser comparados diretamente” porque os “produtos” são significativamente diferentes neles.

Sob o projeto MMRCA (Medium Multi-Role Combat Aircraft) que estava sendo negociado pela UPA, 18 Rafales viriam em condição “flyaway”, com os restantes 108 sendo produzidos sob licença na Índia com transferência de tecnologia (ToT).

Mas as negociações permaneceram irremediavelmente num impasse, levando o governo da NDA (National Democratic Alliance – coalizão de partidos de centro-direita que atualmente governa a Índia) a finalmente cancelar todo o processo em junho de 2015. O governo posteriormente entrou com a aquisição direta de 36 Rafales, sem qualquer transferência de tecnologia, para atender a “necessidade operacional crítica” da IAF , que tinha apenas 33 esquadrões de combate, quando pelo menos 42 são necessários para enfrentar a “ameaça colusiva” da China e do Paquistão.

FONTE: The Times of India

84
Deixe um comentário

avatar
75 Comment threads
9 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
47 Comment authors
PauloMatheusRobsonmktRoberto DiasWagner Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Rossetto-Centauro
Visitante
Rossetto-Centauro

É uma bela aeronave de combate só que mais cara do que o bam bam bam atual (F-35).
É muita grana senhores!
E a manutenção!?

Paulo
Visitante
Paulo

No custo apresentado já estão incluído as peças, manutenção e armamento. Parece que o mundo continua a gastar bilhões para manter forças de dissimulação enquanto outros problemas se avolumam. A India historicamente vive em conflito com o Paquistão (que era parte da India) e agora com a China tudo por causa da região de Caxemira rica em recursos minerais.

Daniel
Visitante
Daniel

A cada dia que passa chego à conclusão que o Brasil fez um bom negócio com a Suécia.

DOUGLAS TARGINO
Visitante
DOUGLAS TARGINO

Concordo com o amigo ai em cima, fizemos o correto em comprar os da Suécia! Mias barato, creio que estejam no mesmo patamar e com custo de manutenção mais baratos. Que venha um novo pacote de 36 em 2020! Mas admito que nos lugares do AMX, eu preferia um outro avião, como alguns dos Russos!

Daniel
Visitante
Daniel

Douglas
O Gripen E será multrole.
A ideia é substituir tanto os F-5 quanto os AMXs.

Walfrido Strobel
Visitante

Gripen é comparado ao F-16, não adianta querer comparar Gripen com Rafale, o Rafale é superior e mais caro.

Paulo
Visitante
Paulo

O que vale hoje em dia são os sistemas de localização, misseis de longo alcance e sistemas de interferência eletrônica. Depois disso habilidade do piloto e conhecimento da área de conflito. Nunca vai se saber o quanto é o valor de uma aeronave antes do conflito – eu digo valor não preço.

Emmanuel
Visitante
Emmanuel

“Gripen é comparado ao F-16”.
Claro. Claro.
Só faltou dizer que deveríamos ter comprado caças russos.
Cada uma.
Que venham mais grifos. Muitos.
Abraço.

Jacinto
Visitante
Jacinto

“Alexandre Galante 7 de Fevereiro de 2018 at 14:19
O preço unitário de US$ 255,3 milhões já inclui a manutenção com 75% de disponibilidade por 5 anos.”

Mas isso significa que o custo de manutenção de cada um dos Rafales – com 75% de disponibilidade da frota – é de US$ 22,2 milhões por ano ou US$ 61 mil por dia. Parece-me bem caro

Paulo
Visitante
Paulo

Depende da utilização, lembre-se a derrubada de um inimigo armado vindo te atacar não tem preço. Os pilotos necessitam fazer vôos regulares para treinamento. Eles fazem patrulhamento constante da fronteira China/Paquistão. Paquistão que já fez parte da India no tempo de Ghandi tem armas nucleares e a China tem o maior exercito do mundo, fora isso tem uma área riquissima em recursos minerais em disputa há anos entre eles (caxemira).
Uma situação extremamente diferente do Brasil.

Marcelo Andrade
Visitante
Marcelo Andrade

Walfrido, de onde vc tirou isso! O Rafale tem 2 motores e é mais pesado, só. Pra mim ambos têm a mesma capacidade operacional!!!

Roberto F. Santana
Visitante
Roberto F. Santana

Alexandre Galante.
Eu gostaria de saber se logo no primeiro mês de uso, um desses primeiros aviões cai por culpa do piloto, o que no caso da Índia não ê difícil acontecer, esse preço que inclui a manutenção reverte em algum tipo de desconto nas próximas aeronaves?
Ou já era?

Paulo
Visitante
Paulo

Não substime a India, eles já estiveram em combate coisa que o Brasil, graças a Deus ainda não. A visão que se têm na Índia é de um povo pobre, a maioria é, porém a elite é muito bem capacitada e rica. Lembre-se que foi da India que veio boa parte da matemática moderna, astronomia e outras ciências.

Roberto F. Santana
Visitante
Roberto F. Santana

Digo, parte do preço, claro.

Mario
Visitante
Mario

Roberto, pelo que me consta como leigo, o custo de manutenção não é por avião, ou seja, o custo é para manter 75% de disponibilidade da frota existente, provavelmente com alguma métrica de horas de vôo globais mínimais desejáveis e obrigatórias… A lógica é multimilionária, mas pense em algo semelhante a um contrato de carro em que você compra o carro junto com a manutenção por w reais, sendo x do carro e y de uma manutenção programada por 5 anos. Se o dono do carro (também conhecido como ladrão) levar no meio do caminho, problema seu… Ainda mais se… Read more »

AL
Visitante
AL

Esse aí (o Rafale) é o T-Fighter particular do nosso Lord Vader!!! 😀

Marcos
Visitante
Marcos

O custo unitário é quase o preço de uma corveta tamandaré

Choro.jpeg

Roberto F. Santana
Visitante
Roberto F. Santana

Prezado Galante e Mario.
Pois é. A coisa é meio indigesta, deve existir alguma cláusula que pelo menos amenize a perda. Lembrei do F-5 no Brasil, logo na chegada perdemos um no Galeão.

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Famed Member

Roberto, se minha memória não estiver me traindo (mesmo porque não estou com tempo de rever as várias matérias da época do contrato – vc pode fazer isso, se tiver disponibilidade), o contrato tem cláusulas sobre opções de compra que a Índia pode exercer nas mesmas condições do preço “fly away” das aeronaves, com os demais pacotes extras (peças, armas etc) a serem negociados separadamente. Isso pensado para compra de um lote adicional nas mesmas condições já pactuadas. Então, creio eu, se não estiver me confundindo com algum outro contrato, bastaria à Índia exercer a opção de compra para pagar… Read more »

Daniel
Visitante
Daniel

Concordo Marcelo.
Eu diria que o Gripen E é ligeiramente superior ao Rafale.

André Luiz.'.
Visitante
André Luiz.'.

Alexandre Galante 7 de Fevereiro de 2018 at 14:49
Galante, estou com uma dúvida: no texto os valores em rúpias (Rs) estão com ‘vírgulas’ em alguns casos, mas fiquei sem entender se as vírgulas lá estão apenas como separador de milhares (como usado na língua inglesa) ou como separador de parte decimal, como usual em português!

Mario
Visitante
Mario

Roberto, falando como completo leigo, eu diria que o mais provável para reduzir o tamanho do prejuízo é uma cláusula como a que Galante falou de uma nova célula por custo menor (sem incluir nada fora o avião, por exemplo), ou talvez o aumento da disponibilidade das demais células para compensar a redução da frota. Por outro lado, ninguém é forçado a assinar o contrato, não é? Assina quem quer, por qualquer razão que seja, desde o toco/jabá/benesse ao assinante (nada raro neste tipo de contrato) até uma razão geopolítica como não depender de algum fornecedor, até mesmo uma avaliação… Read more »

jorge Alberto
Visitante
jorge Alberto

Olha, de boa… esse papo de “x” eh superior a “”Y”… e papo furado! De “especialista de teclado”!
.
Ganha o combate quem tiver a melhor tatica e treinamento!
.
Os alemães que o digam na 2º GM com seus “superiores” ME-109 contra os “inferiores” Yak-1!
.
E os “tigres voadores”?
.
Nossos Mirage III “abatendo” M-2000?
.
“Oramos pelo melhor, trabalhamos o que recebemos!”

Roberto F. Santana
Visitante
Roberto F. Santana

Gripen melhor que o Rafale?
A Grow voltou com Super Trunfo?
Poxa eu vou comprar, qual é o caça que corre mais?

Mario
Visitante
Mario

Jorge, não concordo plenamente com você. Com certeza, tática e treinamento são absolutamente vitais, mas existem aparelhos decididamente melhores do que outros, inclusive por filosofia. Um Mirage III abatendo um 2000 por exemplo, indica muito provavelmente ou uma situação de treino muito favorável ao III (impossibilidade de uso de BVR, limitação de capacidade de manobra) ou uma mancada muito grande do piloto do 2000… Independente deste aspecto (diferenças muito grandes de equipamentos) se pensar em máquinas mais ou menos comparáveis (o pacote geral das 4.5 g, por exemplo), ainda podemos pensar em uma máquina ser superior a outra PARA DETERMINADA… Read more »

Tomcat3.7
Visitante
Tomcat3.7

Roberto F. Santana 7 de Fevereiro de 2018 at 15:33

Preferências à parte, vc sabe que o Gripen E é mais novo e atual que o Rafale né, o qual(Rafale) já passou por melhoria/atualizações e tal e antes que digas, o Gripen E é outra aeronave, remodelada a partir do Gripen C.

Ivanmc
Visitante
Ivanmc

Bela compra.

Roberto F. Santana
Visitante
Roberto F. Santana

Mario.
Talvez, repito, talvez, exista até mesmo algo como uma espécie de seguro (para tempos de paz) no contrato.
Comprar um avião de caça por U$250 milhões e deixá-lo à mercê de uma infinidade de infortúnios é um completo absurdo.

Roberto F. Santana
Visitante
Roberto F. Santana

Obrigado pela informação De Martini.

P.S. Duvido você lembrar qual era o avião da carta Super Trunfo do jogo anos oitenta.
Você já era nascido, não?!

jorge Alberto
Visitante
jorge Alberto

Mario 7 de Fevereiro de 2018 at 15:41 . Pode-se tirar a “inferioridade” de um aparelho, com bom treinamento, pois um Mirage III nao eh o melhor caça para dogfight, Nossos pilotos que o digam quando praticavam combate dissimilar… Mas veja o que os Israelenses fizeram com ele? . Sim. Nossos M-III abateram caças m-2000 pelo excelente treinamento e tatica que desenvolveram… Conta-se que em determinado momento, o radar de terra deu pane, porem o operador continuou a “ditar” para o piloto ate o sistema reestabelecer e ele estava correto. Treinamento e tudo! (Tigres voadores…) . Nao foi “mancada” dos… Read more »

Mario
Visitante
Mario

Jorge, Só para deixar claro, não quis de forma alguma diminuir o valor do treinamento, mas veja que o caso que você está usando do III x 2000 está justamente baseado em uma situação anômala, da bronca no radar. Treinamento é fundamental, e a maior prova disto pode ser vista na razão de abate dos israelenses vs o mundo árabe, em que mesmo na época em que não tinha vantagem tecnológica eles sempre mantiveram vantagem na razão de abate ar:ar (o Yom Kippur não muda a figura, porque os abates foram quase sempre solo-ar). E concordo plenamente que o Gripen… Read more »

Roberto F. Santana
Visitante
Roberto F. Santana

Tomcat.
O Gripen mais novo ser melhor que o Gripen mais antigo não faz dele melhor que outros caças.
Você quer dizer que a última atualização do Gripen é melhor que a última atualização do Rafale, é isso?

Clésio Luiz
Visitante
Clésio Luiz

Interessante a divisão dos valores de da aeronave fora do pacote. Espero que essa reportagem seja lida e entendida pelo pessoal que insiste em dizer que caça X é caro, porque só sabem dividir o preço do pacote pelo número de unidades.

Clésio Luiz
Visitante
Clésio Luiz

As taxas de curva instantânea e sustentada do Gripen são muito semelhantes as do Rafale, eu diria que até ligeiramente melhores, mas acaba por aí. O Rafale tem melhor relação peso/potência, logo sobe mais rápido e acelera melhor. O Rafale também possui mais pontos duros e estes levam cargas mais pesadas, em distâncias maiores. Eletronicamente é que os dois estão mais equilibrados, depois que o Gripen E ganhou um conjunto óptico, e como os franceses decidiram por um radome muito estreito, aparentemente o radar do Gripen E tem mais TRMs que o do Rafale, o que pode (ênfase no “pode”)… Read more »

Gustavo
Visitante
Gustavo

Normal, não é caro levando em consideração o que está sendo adquirido. Lembrando que o Brasil vai pagar em média 150 milhões de dólares por cada gripen NG somente pela transferência de tecnologia + o caça. Não lembro se foram contratados a manutenção por período já neste pacote, acredito que não. Mas o preço do caça em si PODERÁ ser menor nos lotes seguintes. Foi comparado ao F-BUG no primeiro post, digo, F-35, só o F-35, SEM nenhum contrato adicional já custa próximo deste valor do Gripen E que o Brasil adquiriu, com pacotes de armas e manutenção esses valores… Read more »

ACShamps
Visitante

Srs, alguém ai em cima, deu xeque-mate: DATA-LINK, isso e o que quer comprar, acessar alguns países de vários continentes e ,até hoje não conseguiram, mas a Boeing……

Roberto F. Santana
Visitante
Roberto F. Santana

Aquele F-15 árabe que levou um míssil no traseiro voltou para casa* por uma simples razão, tinha dois motores.

* Se é que voltou.

Marcos
Visitante
Marcos

Vou aproveitar o tópico e perguntar uma coisa relacionada ao nosso gripadinho.

O primeiro lote será de 36 aeronaves, porém em vários sites mostra que a FAB vai comprar mais dois lotes adicionais totalizando 108 Gripens NG

Como estão os contratos? Alguma novidade?

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Famed Member

“O primeiro lote será de 36 aeronaves, porém em vários sites mostra que a FAB vai comprar mais dois lotes adicionais totalizando 108 Gripens NG”

Marcos,

Uma coisa é querer, outra é poder. Não usaria as palavras “vai comprar” e sim “pretende comprar”. Não tem contrato novo nenhum por enquanto, e ainda há alguns anos de prazo pra resolver isso.

Delmo Almeida
Visitante
Delmo Almeida

Se não me falha a memória, nesse preço também entra a construção das instalações para operar o Rafale nas duas bases que deverão opera-lo

Wellington Góes
Visitante
Wellington Góes

O Rafale é a bala de prata da Índia, todo mundo quis focar apenas o valor total, dividido pelo número de aeronaves, mas não se perguntaram do porquê de tal secretismo (sim, devido a “cultura” política indiana ser até mais corrupta do que a brasileira, tem gente ganhando um bom trocado por fora), ou seja, a questão do preço salgado esta ligado a outras capacidades. Capacidades estas que o Typhoon não possui. Advinha qual seja?!?! Putz!!! E ainda tem gente que quer comparar, num mesmo processo, aeronaves de categorias distintas, coisa de país insignificante. Quem quer ter capacidade dissuasória, paga… Read more »

angelo
Visitante

Gustavo 7 de Fevereiro de 2018 at 17:08 Normal, não é caro levando em consideração o que está sendo adquirido. Lembrando que o Brasil vai pagar em média 150 milhões de dólares por cada gripen NG somente pela transferência de tecnologia + o caça. Não lembro se foram contratados a manutenção por período já neste pacote, acredito que não. Nota Oficial da FAB sobre a aquisição de caças Gripen NG: Em 24 de outubro de 2014, o contrato de aquisição das 36 aeronaves Gripen NG foi firmado em coroas suecas, em um valor total de SEK 39.882.335.471,65, conforme publicado no… Read more »

angelo
Visitante

Além das questões políticas e econômicas do BRASIL eu acho que se encomendar lá por 2022 talvez já tenha havido novas vendas ( ÍNDIA por ex:) e o preço poderá ser ainda mais baixo pelo ganho em escala , mas claro se encomendasse agora daria mais confiança a novos compradores. Um OFF TOPIC:Eu acho que se o governo quitasse os 7,2 bilhões do KC390 avista daria fôlego a EMBRAER para derrubar o custo do avião ,capitalizaria a empresa e daria impulso a outros projetos como o turbo hélice de 70/90 passageiros e a OMC não poderia questionar.7,2 investidos viraria 9,1… Read more »

Roberto F. Santana
Visitante
Roberto F. Santana
Pangloss
Visitante
Pangloss

Roberto F. Santana 7 de Fevereiro de 2018 at 16:03
Obrigado pela informação De Martini.

P.S. Duvido você lembrar qual era o avião da carta Super Trunfo do jogo anos oitenta.
Você já era nascido, não?!
—————————————————————————————
No meu exemplar (“Aviões de combate”), o Super Trunfo era o Saab Viggen.
Mas tinha uma regra que afastava os superpoderes do Super Trunfo. Se não estou enganado, eram as cartas de numeral 1 (A1, B1, C1, D1, E1, F1, G1 e H1).

Roberto F. Santana
Visitante
Roberto F. Santana

Pangloss.
Acertou.
Esse jogo veio da série original ‘Ace Trumps’ (!) Vendida na Europa e EUA. Tinha uma infinidade de versões – aviões, carros, etc – bem mais que no Brasil. E dependendo do ano, certos aviões não apareciam na versão brasileira.
Aprendi muito com elas. Ops… quero dizer..
Joguei muito!

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Famed Member

“Duvido você lembrar qual era o avião da carta Super Trunfo do jogo anos oitenta. Você já era nascido não?!” Sim, Roberto. Nos anos 80 já estava grandinho, nasci quando os Beatles se separaram. Mas não era fã de Super Trunfo nos anos 80. Jogava quando algum colega ou algum primo aparecia com suas cartas, nunca comprei nem pedi de presente. E só lembro de ter jogado os que tinham carros, não sei de carta alguma de avião. Mas no início da década seguinte, já bem entrado na universidade, lembro vagamente de ter planejado junto com uns colegas umas cartas… Read more »

Nonato
Visitante
Nonato

Sem querer criar polêmica, já que o assunto costuma provocar polêmica, continuo achando esses aviões muito caros.
250 milhões é muito dinheiro.
O Space X que levou um carro para o espaço custou 500 milhões.
A fragata leve Tamandaré (ou corveta) deverá ficar na casa de 350 milhões.
Sei que dizem que mísseis, radares e correlatos custam muito (não deveriam).
É verdade que esses radares têm baixa demanda, equipam poucos aviões.
Mas mesmo assim, não deveriam custar os olhos da cara.
100, 200, 300 milhões de dólares é muito dinheiro.

Roberto F. Santana
Visitante
Roberto F. Santana

Mas aí não era Super Trunfo era Super Tramp, quero dizer …você fazia as festas ouvindo Supertramp.

Arariboia
Visitante
Arariboia

O Gripen E é mais novo, mas isso não significa que é melhor que o Rafael, EF2000, SU-35/ SU-30SM e F-15KA/SA/SG/SE.

Gripen E é do patamar do F-16E/ F-18E/ J-10B/C e MIG-29/35

Phacsantos
Visitante
Phacsantos

Já que o Gripe entrou na discussão, foi triste ver o Ministro da Defesa ( na entrevista pra Miriam Leitão) dizendo que o Gripe é um caça de 3° geração…
Alô assessoria!!!

Phacsantos
Visitante
Phacsantos

*Gripen

Delfim Sobreira
Visitante
Delfim Sobreira

Pouca gente sabe mas os indianos são um povo sovina. Por isso toda essa lenga para cair o preço dos Rafales. Mas o que eles desperdiçam em logística…
.
Se não me engano, o Rafale é bimotor porque os motores M88 inicialmente não forneciam potência unitária satisfatória.
.
O Rafale talvez seja um pouco melhor que o F-39, mas o custo/benefício, as condições de compra e ToT prevaleceram.