Home Aviação Comercial Folha: Em reunião sobre Embraer, governo entrega lista de dúvidas à Boeing

Folha: Em reunião sobre Embraer, governo entrega lista de dúvidas à Boeing

2796
46
Embrae E195-E2

IGOR GIELOW
DE SÃO PAULO

A Boeing fez nesta sexta-feira (12) o primeiro contato oficial com o governo brasileiro acerca de sua intenção de formar algum tipo de parceria com a Embraer que envolva aquisição de ações da empresa brasileira.

Os americanos saíram da reunião com uma lista de questionamentos sobre aspectos sensíveis das negociações, como o futuro dos programas militares da Embraer. E ouviram o que já era sabido: o governo usará o seu poder de veto para evitar a perda de controle nacional da fabricante de aviões paulista.

No encontro, os americanos não expressaram detalhes da proposta que pretendem fazer. Segundo a Folha apurou, a impressão do governo foi a de que eles queriam mais ouvir do que falar.

O ministro Raul Jungmann (Defesa), acompanhado do comandante da Força Aérea, Nivaldo Rossato, e de assessores, recebeu os executivos da Boeing. Jungmann reafirmou o interesse do governo no negócio, ressaltando as ressalvas relativas a soberania.

A negociação da Boeing foi anunciada no fim de 2017, sendo vista como uma resposta de mercado à aquisição da linha de jatos regionais da canadense Bombardier por sua rival europeia Airbus. A Embraer domina o nicho, que não é atendido por produtos da Boeing. Além disso, interessa aos americanos a carteira de defesa da brasileira.

FONTE: Folha de São Paulo

Subscribe
Notify of
guest
46 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Corsario137
Corsario137
2 anos atrás

Repetindo as sábias palavras de outro comentarista daqui em post anterior: “Nem a Boeing sabe o que ela quer com a Embraer”.
Todas as minhas tentativas em descobrir qualquer informação mais relevante caem sempre no mesmo lugar: os americanos conversam sobre tudo e de concreto não há nada. Tudo o que se falou até agora não passa de especulação.
Ao que parece, a compra da Embraer é mais uma consequência lógica ao movimento realizado por Airbus/Bombardier do que uma vontade genuína e objetiva de adquirir a empresa.

Delfim Sobreira
Delfim Sobreira
2 anos atrás

Na minha opinião, não há um motivo mas vários, alguns da Boeing, outros do Tio Sam :
– Entrar de imediato na linha de jatos executivos;
– Impedir que apareça mais um rival ao B-737;
– Adquirir projetos militares já prontos com potencial.

Jr
Jr
2 anos atrás

A coisa tá complicada para a Boeing, notícia da flightglobal de ontem ” The US ITC investigating Boeing’s anti-dumping complaint against Bombardier now wants Boeing to provide “detailed information” on proposed Embraer”. Resumindo, se a Boeing adquirir a Embraer enfraquece e muito o argumento dela que diz que o C-Series iria destruir o negócio dela com o 737 MAX 7 e fortalece o argumento da Bombardier e da Delta que diz que o avião da Bombardier não concorre com a Boeing, muito provavelmente a sobretaxa de 180% aplicada sobre o C-Series cairia. Lembrando que o US ITC é um órgão… Read more »

ODST
ODST
2 anos atrás

A Boeing atirou no próprio pé no momento em que começou a tratar de negócios com a Embraer as escondidas, sem que o governo soubesse. Sabe aquele jovem casal que não tem aprovação dos pais e se encontram secretamente, pois é sabido que o pretendente não é flor que se cheire e não tem lá as melhores intenções com a namorada? Então, é basicamente o que houve neste caso. Que governo que gosta de pensar que está sendo passado para trás? Deixado de lado?

Marcos
Marcos
2 anos atrás

Jr
A série 300 da Bombardier é sim um concorrente da Boeing e, independente ou não de ser concorrente, a Bombardier obteve recursos ilegais.

Marcos
Marcos
2 anos atrás

Delfim Sobreira
Na minha opinião, não há um motivo mas vários, alguns da Boeing, outros do Tio Sam :
– Entrar de imediato na linha de jatos executivos;
O foco da Boeing nunca foi aeronaves executivas. Se tivesse intenção de entrar nesse mercado optaria por comprar uma Cessna ou Gulfstream.

– Impedir que apareça mais um rival ao B-737;
Os E2 não são concorrentes do 737.

– Adquirir projetos militares já prontos com potencial.
O único projeto militar seria o KC390, pois o ST já é montado por lá,.

Marcos
Marcos
2 anos atrás

Em relação ao KC390 seria mais fácil e barato adotar a mesma postura da Sierra Nevada: uma parceria.

Antonio de Sampaio
Antonio de Sampaio
2 anos atrás

As coisas estão bem encaminhadas, em breve teremos o anúncio da fusão de negócios Embraer/Boeing.

ODST
ODST
2 anos atrás

@Marcos

Péssima ideia! Dessa forma aconteceria o que já está acontecendo com o Super Tucano, quase todos os países passariam a tratar as compras do KC-390 com o governo do EUA através do FMS, e o Brasil ficaria a ver navios (de novo). Isso não pode continuar acontecendo, o Brasil precisa ter uma postura de um país verdadeiramente soberano, caso o contrário nunca vamos evoluir em nada.

Washington Menezes
Washington Menezes
2 anos atrás

A coisa tá tão doida que todos os comentários não deixam de estar certo em certa medida.

Marcos
Marcos
2 anos atrás

ODST
Não vejo nada de ruim na parceria Embraer / Sierra Nevada, muito pelo contrário. Os aviões são fabricados aqui, montados lá, a Embraer e a Sierra Nevada recebem a vista e o Governo americano assume todos os riscos do financiamento.

Marcos
Marcos
2 anos atrás

Assista ao vídeo abaixo. Fuselagem, asas, trem de pouso são fabricados no Brasil, são embarcados para os EUA, onde são integrados os equipamentos, motores, assentos.
https://youtu.be/43raiozoF1I

ODST
ODST
2 anos atrás

@Marcos O Brasil não pode continuar investindo e projetando aviões (ou qualquer outra coisa) para que logo em seguida um governo estrangeiro assuma suas vendas (e tenha parte significativa dos benefícios, sejam eles econômicos ou políticos) e ainda por cima construa (ou monte) partes dele fora do Brasil. E nenhum país pode ter medo de assumir os riscos de um financiamento desse tipo, fora que o governo já faz isso o tempo todo, na área militar ou fora dela. Esse tal Brasil é muito bonzinho, mas já passou da hora de entender que para se dar bem neste mundo muitas… Read more »

ODST
ODST
2 anos atrás

@Marcos

Eu já vi este video a mais de um ano atrás, mas este não é o ponto.

Marcos
Marcos
2 anos atrás

Qual seria o ponto então?

Marcos
Marcos
2 anos atrás

O BNDES está levando um calote de US$ 2,5 bi de países africanos.
O Brasil já montou por aqui aeronaves americanas e italianas.
A Embraer fábrica aviões na China e componentes em Portugal.
A Holanda fabricou seus F16.

Marcos
Marcos
2 anos atrás

ODST
Não seja incoerente. O acordo/parceria Embraer/Sierra Nevada é similar ao acordo SAAB/Embraer.

Juliano Bitencourt
Juliano Bitencourt
2 anos atrás

Imaginem se a Embraer construisse fábrica de montagem total de avião seu (E-Jet), nos EUA, em joint venture, e ainda por cima os Estados Unidos se esforçassem para copiar o avião da Embraer. Pois é , esses esquerdinhas são muito comédia. A China pooooode. Se for vender a Embraer pra China eles dão o maiorrrrrhapoio! E com financiamento do BNDES. E pode dar o calote! Nóis apóia.

Antonio Palhares
Antonio Palhares
2 anos atrás

Delfin Sobreira.13:01- 14:21
Realmente vários motivos.
Alguns da Boeing, os mencionados. Outros do Tio Sam.
Perceberam que o concorrente tem qualidade e estão tratando de cortar-lhes as asas.
Este negócio de livre iniciativa, meritocracia, são bonitinhos até a página dois. Quando o negócio chega na proporção de interesses vitais. O Estados Unidos são sérios na hora de defenderem os seus interesses que nada mais são que os de suas empresas. Não querem concorrentes. E o Brasil que tenha o minimo de altivez e responsabilidade.

Mauricio R.
2 anos atrás

Nossa, delírio, delírio, delírio, os americanos não precisam e nem tem interesse no “+ um” e o ST tem data de validade.
Até o IE, que ele não está combatendo, acabar.
Depois disso é pensar em China, Russia ou NC e o ST não serve pra nada frente aos três.
Então qnto aos programas militares ora tocados pela Embraer, não há nada que interesse aos americanos.
Simples assim.

Ivan BC
Ivan BC
2 anos atrás

FONTE: Folha de São Paulo
kkkkkkk

MATHEUS
MATHEUS
2 anos atrás

Mister M. Continue tentando…

Mauricio R.
2 anos atrás

Matheus,
Quem precisa tentar é vc, mexa-se!!!!

Delfim Sobreira
Delfim Sobreira
2 anos atrás

Marcos
Confundi E-jets com executivos. São os regionais.
.
O E2 não são rivais do 737, mas fazer um rival seria um próximo passo lógico de se pensar.
.
O F-39 é o mais recente projeto de 4ger, com potencial para desbancar todos os outros 4ger em custo/benefício.

jorge Alberto
jorge Alberto
2 anos atrás

Corsario137 13 de Janeiro de 2018 at 14:03
.
Penso e mesmo e acrescento: Sera o fim da Embraer!

Marcos
Marcos
2 anos atrás

Off-topic
http://aviationweek.com/crossover-narrowbody-jets/turboprops-could-face-crossover-narrowbody-jet-challenge

Artigo interessante: há uma análise de que a nova geração de aviões, no caso os E2 da Embraer, dado o silencio e economia, poderiam competir diretamente com os turbo-hélices. Fica a estão, portanto, valeria a pena a Embraer desenvolver novos aviões turbo-hélices?

Fe Woz
Fe Woz
2 anos atrás

Marcos, a Embraer já deixou de fabricar aviões na China há algum tempo já:

http://www.aereo.jor.br/2016/06/02/embraer-vai-encerrar-producao-de-jatos-legacy-na-china/

Marcos
Marcos
2 anos atrás

Fe Woz “Nos próximos 20 anos o mercado de aviação da China vai exigir mais de 1.000 aeronaves com capacidade para até 130 passageiros, segmento hoje dominado pela Embraer, com cerca de 80% de participação. Por conta dessa demanda, a fabricante brasileira estuda montar uma fábrica no país, apontou Paulo Cesar de Souza e Silva, diretor-executivo da empresa. “Segundo o executivo, o plano pode ser consumado após a estreia do novo jato E195-E2, programado para 2019. “Podemos considerá-lo se tivermos o parceiro certo e interesse suficiente para os nossos jatos”, declarou Silva, citado pela agência Bloomberg.” — Modo irônico: Não,… Read more »

Marcos
Marcos
2 anos atrás

E ai, cumpanherada!?
Para a China pode, para os EUA não!

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
2 anos atrás

Marcos, 10:49h.
O E190 consome 2.000kg/hora de querosene, contra 600kg/hora do ATR. Sou piloto dos dois modelos. Respondeu?

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
2 anos atrás

Corsario137, 14:03h.
Concordo. A associação Airbus/Bombardier é que gerou essa celeuma. Associações são a tendência mundial, senão as empresas quebram. O mercado do agronegócio está passando por isso. Exemplo: a Bayer adquiriu a Monsanto.

romário
romário
2 anos atrás

O fim da Embraer já está decretado: “Folha: Em reunião sobre Embraer, governo entrega lista de dúvidas à Boeing”. A Boeing e o governo norte americano é que decidem.

HMS TIRELESS
HMS TIRELESS
2 anos atrás

romário 14 de Janeiro de 2018 at 13:33

Guarda esses comentários para o PlanoBarril “Peixe”!

HMS TIRELESS
HMS TIRELESS
2 anos atrás

Corsario137 13 de Janeiro de 2018 at 14:03

Obrigada pela menção às minhas palavras, que ao que tudo indica representam o status da coisa. No mais o amigo está corretíssimo ao lembrar que o equilíbrio (saudável a meu ver) que existia entre os fabricantes de aviões foi rompido pela Airbus quando adquiriu uma participação considerável no CSERIES da Bombardier.

Marcos
Marcos
2 anos atrás

Nery
Acho que estão comparando, por ex. ATR72 x E175/E2.

Marcos
Marcos
2 anos atrás

Conta de padaria:
ATR72 +/- 9 kg/h/pax
175E2 +/- 11 kg/h/pax
Essa conta, segundo o artigo, valeria para vôos com distância maior que 200nm.

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
2 anos atrás

Não são esses valores.

Julio
Julio
2 anos atrás

Boa Noite à Todos. Vocês veem que a aquisição do segmento de aviação da Bombardier pela AirBus seja um fato consumado, mas não é. Esse negócio terá que passa pelas agências regulatórias do Canadá, Estados Unidos e Europa. É provável que esse negocio seja aprovado, mas existe a possibilidade de não ser. Isso sem falar da disputa jurídica entre Bombardier e Boeing. Mesmo que a AirBus adquira o C-Series, o que ainda não ocorreu, não muda o fato que o programa foi financiado pelo governo da província de Querbec, caracterizando concorrência desleal. Portando, ainda tem muita água para passa por… Read more »

Julio
Julio
2 anos atrás

Existe muita coisa que ainda pode ocorrer, inclusive a não aquisição da Embraer pela Boeing.

Marcio
Marcio
2 anos atrás

ST não interessa ao Americanos, conta outra, sem não interessasse para que eles comprariam e para que montar a Sierra Nevada?

Gustavo Garcia Milholi
Gustavo Garcia Milholi
2 anos atrás

Brasileiro se acha muito, tem gente imaginando que o governo dos EUA está montando uma conspiração para tirar a Embraer do Brasil e impedir que o país evolua tecnologicamente… Acorda desse mundo Alice! Os americanos tão é na verdade se lixando pro Brasil… hahaha

josé carlos cunha
josé carlos cunha
2 anos atrás

Pensa num trem doido, imaginem a AIRBUS querer comprar também, olha só o BO que virá.

Mauricio R.
2 anos atrás

A SND monta os ST nos EUA, devido a legislação americana.
Não aprendeu nada com o LAS???? Pelo visto, não.
Nenhuma dessas aeronaves destina-se a USAF, assim que acabarem de treinar os afegãos, e talvez os libaneses, as aeronaves em Moody vão embora pra lá também.
No que tange a USAF, continuarão operando drones.
Se abatidos em território hostil não há tripulantes para resgatar, é só jogar uma bomba em cima e fim da história.

Caerthal
Caerthal
2 anos atrás

https://www.flightglobal.com/news/articles/air-force-snubs-a-10-re-winging-effort-pogo-444988/

Está ficando claro que a Força Aérea Americana resiste a idéia de gastar muito dinheiro modernizando/renovando o A-10. Isso significa que eles terão que ser mais seletivos, empregando vetores mais leves quando possível (ST, Drones, Helicópteros), de forma a não acelerar excessivamente o fim da vida desta aeronave que conta com grande simpatia no Congresso dos EUA.

Mauricio R.
2 anos atrás

A resistência quase beirando a insubordinação, tem nome: F-35
E essa aeronave já está famosa por não dividir seu espaço com ninguém.

Mauricio R.
2 anos atrás

O ST não é parte do inventário da USAF.
Por mais úteis que os drones possam ser, nenhum deles emprega armamento de tiro axial como os canhões GAU-8 do A-10 ou sua versão light, o GAU-5, somente munições guiadas terminalmente.
E não adianta sonhar, o ST também não tira nenhum dos 2 do chão.
Qnto aos helicópteros, bem o A-10 é a cobertura deles.
A boa nova seria que com o fim do IE, os A-10 estariam saindo de férias.
Ocorre que já estão tramando outra confusão na mesma região, desta vez envolvendo turcos, sírios e curdos.