Home Aviação Comercial Ex-executivo da Embraer confessa propina na Arábia Saudita

Ex-executivo da Embraer confessa propina na Arábia Saudita

1669
13

Por Mario Cesar Carvalho
de São Paulo

Um ex-executivo da Embraer se declarou culpado na Justiça dos EUA e reconheceu que pagou US$ 1,5 milhão para um alto funcionário do governo da Arábia Saudita para fechar a venda de três aviões para a estatal de petróleo daquele país.

O ex-executivo da Embraer violou uma lei que proíbe empresas que têm negócios nos Estados Unidos de pagar propina no exterior.

A confissão é uma forma de a Embraer retirar entraves para fechar um eventual acordo com Boeing, segundo a Folha apurou com profissionais que atuaram no caso.

A confissão foi feita nesta quinta (21), mesmo dia em que o jornal americano “Wall Street Journal” revelou que a Boeing declarou tem interesse em fechar uma parceria com a empresa brasileira.

O governo do presidente Michel Temer diz ser contra a venda do controle da empresa.

A Embraer é a quarta maior fabricante de jatos do mundo, atrás de Boeing, Airbus e Bombardier, com um faturamento de US$ 7,1 bilhões em 2016, último dado disponível.

A proposta de acordo da norte-americana Boeing é uma tentativa de fazer frente ao avanço de concorrentes. A Airbus, um consórcio europeu, anunciou a compra da divisão de jatos regionais CSeries da canadense Bombardier por US$ 6 bilhões.

A CONFISSÃO
O ex-executivo da Embraer confessou ter violado uma lei dos EUA chamada FCPA (Foreign Corrupt Practices Act ou Lei de Práticas Corruptas no Exterior).

O britânico Colin Steven, 61, era acusado de uma série de crimes além da violação dessa lei, como lavagem de dinheiro, conspiração para lavar dinheiro, falso testemunho à Justiça e fraude envolvendo comunicação. Ele se declarou culpado de todas as acusações.

A sentença do caso deve ser anunciada nos próximos meses, como é praxe em casos similares nos EUA. Steven era vice-presidente de venda de jatos da Embraer.

Em seu relato aos procuradores da corte sul de Nova York, o executivo disse que estava negociando a venda de jatos executivos para a companhia estatal de petróleo da Arábia Saudita quando um alto funcionário dessa empresa afirmou que poderia garantir a compra se a Embraer pagasse um suborno de US$ 1,5 milhão.

No começo de 2010, a companhia brasileira concluiu a venda de três jatos por US$ 93 milhões
O ex-vice-presidente também confessou aos procuradores que uma parte da propina retornou para ele, o que havia negado anteriormente.

O suborno foi pago ao executivo da Arábia Saudita por meio de uma empresa da África do Sul, que pertence a amigos do ex-executivo da Embraer, ainda de acordo com o ex-vice-presidente.
A confissão ocorreu depois de a Embraer ter fechado um acordo com a Justiça dos Estados Unidos em outubro do ano passado.

Nesse acordo, a companhia se comprometeu a pagar uma multa total de US$ 205 milhões para órgãos como o Departamento de Justiça dos EUA, a SEC, entidade que vigia o mercado financeiro dos EUA, e autoridades brasileiras e sauditas.

No trato, a Embraer reconhece que havia pago US$ 5,97 milhões de propina para autoridades de Arábia Saudita, República Dominicana e Moçambique entre 2007 e 2010. De acordo como FBI, a polícia federal dos EUA, 11 executivos brasileiros participaram do suborno na República Dominicana.

Acordo similar foi fechado no Brasil em 2016.

FONTE: Folha de São Paulo

Subscribe
Notify of
guest
13 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Mauricio_Silva
Mauricio_Silva
2 anos atrás

Olá.
TESTE.
SDS.

Walfrido Strobel
2 anos atrás

Os EUA perseguindo sistematicamente a Embraer e esta balançando o rabo gerando cada vez mais empregos lá.
Isso é viralatismo, gostar de apanhar.

Hellcat
Hellcat
2 anos atrás

Essa composição acionaria é enganosa, porque na votação não é isso que esta ai. Nas votações de assembleia de acionistas nenhum acionista tem mais que 5% de votos.

E o acionistas estrangeiros não podem ter mais votos que os acionistas brasileiros, isso é o que diz o estatuto social da Embraer.

E incrível como ninguém dessa mídia boco foi ler aquele negocio que esta publico no site da Embraer.

Manock
Manock
2 anos atrás

bela mensagem do Papai Noel pros ufanistas tupiniquins que vêem na Embraer a prova cabal de que o mercado é virtuoso.

Fabio Jeffer
Fabio Jeffer
2 anos atrás

Walfrido Strobel

Verdade verdadeiríssima

Matheus
Matheus
2 anos atrás

Vamos privatizar, eles disseram. Rsrs…

Delfim Sobreira
Delfim Sobreira
2 anos atrás

Esperem para ver a “cravada” que a Petrobrás vai tomar por conta da FCPA.

Wagner
Wagner
2 anos atrás

Walfrido… EUA Perseguindo a Embraer? O funcionario ofereceu propina num negócio, até em lavagem de dinheiro o cara está envolvido e nós é que somos os perseguidos?

Feliz Natal!

Nonato
Nonato
2 anos atrás

Wagner.
Curiosa a preocupação dos EUA porque um funcionário de uma empresa brasileira ofereceu propina na Arábia Saudita.
Se o funcionário de uma empresa americana oferecer propina na África nós nunca vamos saber.
Até na FIFA estão se metendo.
Será que a justiça brasileira iria condenar algo relacionado com uma entidade europeia de ski na neve?

Aerococus
Aerococus
2 anos atrás

Para o entendimento geral: uma coisa é o processo da SEC x Embraer no qual a Embraer foi condenada a pagar 205 milhões de USD. Outra coisa é o processo individual (criminal) no qual cada uma das pessoas envolvidas são/serão submetidas. O Sr. Collin Steven é apenas um deles.

Recomendo a leitura do seguinte texto do MPF que fez parte das investigações:

http://www.mpf.mp.br/rj/sala-de-imprensa/docs/pr-rj/TCAC%20Embraer%20MPF%20CVM.pdf

MaurícioFC
MaurícioFC
2 anos atrás

Aerococus 26 de dezembro de 2017 at 4:01
Lembrando que o procurador que fez esse auiê todo em cima (e somente após o processo da SEC) da Embraer é o mesmo então assessor do antigo Procurador-Geral e que se desligou do MPF para ir para a famosíssima banca Trench, Rossi & Watanabe, cujas ligações com as instâncias de interesse dos EUA são sabidas: Marcelo Miller. Sim, o mesmo da JBS…

Billy
Billy
2 anos atrás

A Embraer produz mais duma centena de unidades civis. Porque se preocupa em produzir pouco mais de uma dezena de unidades militares? FAB?

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
2 anos atrás

Às vezes essa dezena vale duas dezenas de aeronaves civis, dependendo da aeronave. Devem ser A-29.