Home Aviação de Ataque B-52 bate recorde de lançamento de bombas JDAM em uma missão

B-52 bate recorde de lançamento de bombas JDAM em uma missão

4964
36
B-52 Stratofortress sobre o Afeganistão

Um B-52 Stratofortress, bombardeiro com uma história que remonta ao início da Guerra Fria, recentemente estabeleceu um recorde para essa aeronave, lançando o maior número de bombas inteligentes em uma missão de combate

O bombardeiro estratégico de longa distância, estacionado na Base Aérea Al Udeid, no Qatar, realizou a missão em novembro no Afeganistão, de acordo com o Brigadeiro da Força Aérea General Lance Bunch, diretor da missão Resolute Support da OTAN, operações futuras.

A aeronave estava equipada com um novo dispositivo para o lançamento de munições, disse ele.

“Então, nós usamos – até agora, usamos os B-52 com seu novo lançador rotativo convencional (CRL)”, disse Bunch nesta terça-feira (14.12), durante um trecho de vídeo de Kabul para repórteres no Pentágono. “De notar, foi o maior número de munições de precisão já lançadas de um B-52”.

Ao longo da primeira noite de uma missão de ataque expandida – chamada de nova campanha ofensiva – contra o fluxo de dinheiro do Talibã, os B-52s lançaram 19 Joint Direct Attack Munitions, ou JDAMS, contra múltiplos alvos, disse o porta-voz do Comando Central das Forças Armadas, capitã AnnMarie Annicelli ao Military.com.

“As JDAMs foram variantes da GBU-38, para incluir a versão Low Collateral Damage Bomb”, disse Annicelli em um e-mail.

A operação ocorreu na província de Helmand contra instalações de narcóticos e uma instalação de armazenamento de IED, disse ela.

O lançador rotativo convencional permite ao B-52 transportar mais bombas inteligentes.

“As primeiras munições lançadas em combate pelo lançador rotativo convencional ocorreram em 18 de novembro em apoio à Operação Inherent Resolve (Iraque)”, disse Annicelli. “No entanto, este foi o primeiro uso do CRL em uma grande operação planejada”.

Desde janeiro de 2017, os B-52 lançaram cerca de 1.500 armas (com cerca de 50 por cento não guiadas) no Afeganistão, disseram autoridades do AFCENT.

O lançador rotativo convencional recém-instalado na baia de bombas de um B-52, em Al Udeid Air Base, Qatar, em 17 de novembro de 2017. O CRL permite que o B-52 carregue mais bombas inteligentes

O B-52 é projetado para transportar cerca de 70.000 libras de munições misturadas, incluindo bombas, minas e mísseis, de acordo com o guia de equipamentos Military.com.

Habilitado com mais independência e autoridade sob a administração Trump, os militares dos EUA neste ano passaram a empregar uma série de tecnologias em seu arsenal para a guerra no Afeganistão, da maior bomba convencional ao caça stealth F-22 Raptor.

Durante a mesma ofensiva em novembro, a Força Aérea enviou o F-22 em sua primeira missão operacional contra o Talibã.

No início deste ano, os militares lançaram a mais poderosa bomba convencional do arsenal dos EUA – a Massive Ordnance Air Blast (MOAB) GBU-43 de 21.600 libras, apelidada de “mãe de todas as bombas” – no Afeganistão, no primeiro emprego da munição em combate.

Apesar do uso de tais tecnologias, no entanto, a guerra liderada pelos EUA no Afeganistão, agora em seu 16º ano, não mostra sinais de término.

Acredita-se que os talibãs permaneçam no controle de 13 por cento dos 407 distritos do país, com 43 por cento dos distritos sob controle do grupo ou sendo contestados, de acordo com um relatório recente do Inspetor Especial dos EUA para a Reconstrução do Afeganistão, ou SIGAR.

FONTE: military.com

36
Deixe um comentário

avatar
36 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
27 Comment authors
AgneloAndré BuenoTadeu MendesAntonio MAugusto Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Bruno wecelau
Visitante

Eee..como e o mundo né… Nos anos 80 a URSS penou no Afeganistão, todo mundo ate hoje zomba dela como “apanhou de um punhado de pastores de ovelhas armados com AKs”… Mas olhamos agora 30 anos depois os Americanos estão sofrendo com os mesmos pastores de ovelhas , estes supostos pastores já consumiram trilhões de dólares Americanos nestes 16 anos , e ate agora nada …. E difícil entender os tempos mudaram ,hoje as armas são tecnologicamente superiores , mas isso não tem adiantado muito , se por um lado VC não perde vidas por outro VC queima trilhões numa… Read more »

Leonardo M.
Visitante
Leonardo M.

Bruno
O motivo pelo qual simples pastores de ovelhas derrotaram os britânicos, russos e agora a Otan se chama amor a pátria.
De geração em geração esse país patriarcal e machista(segundo nossos esquerdistas) vai passando os preceitos básicos de qualquer nação para se manter de pé, amor a família,Deus e a sua pátria(ou tribo).
Chineses, indianos, paquistaneses querem distância de qualquer aventura militar no Afeganistão.
Veja que mesmo um país atrasado pelo menos uns 300 anos em quase tudo não teve sua fronteira dívida ou conquistada por nenhuma outra nação.

MATHEUS
Visitante
MATHEUS

Já passou da hora da OTAN cair fora do Afeganistão. Torrando bilhões sem grandes resultados.

HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

A OTAN tem de armar os Afegãos e se mandar!

sub-urbano
Visitante
sub-urbano

Tem video dos talibans patrulhando cidades no interior do afeganistão. Quase toda a área habitada por Pashtuns sempre foi ocupada pelos talibans… antes da intervenção da OTAN, durante ela e agora com o “governo” apoiado pelo ocidente.

Tem um documentario, se não me engano do canal Vice, que mostra as pessoas viajando para levar suas demandas aos juízes Talibãs que usam a Sharia. Questionados, os cidadãos alegam que a justiça talibã é mais célere, mais justa e menos corrupta.

A combinação singular de geografia e sociedade tribal fazem deles um país praticamente impossível de se ocupar.

HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

O Afeganistão era um país simples mas pacífico conforme mostram esses registros dos anos 60:
http://observador.pt/2016/01/27/europa-nao-afeganistao-da-era-taliba-nao-mexer/
Infelizmente o caos para os Afegãos chegou em 1979 junto com as tropas soviéticas.

luiz antonio
Visitante
luiz antonio

É…uma guerra sem sentido, sei. Na opinião de um índio louco, o Afeganistão é um grande parque para avaliações de novos armamentos….em condições reais.

Delfim Sobreira
Visitante
Delfim Sobreira

No Afeganistão todo mundo morre – Justiceiro, revista Marvel.
.
Desde Alexandre que se tenta conquistar o Afeganistão e não se consegue.
.
Há uma teoria que os Pashtuns são uma das tribos perdidas de Israel. Imaginem levar aquele povo todo pra lá. 50 milhões !

Rinaldo Nery
Visitante
Rinaldo Nery

Os EUA precisam formar Mission Commanders e líderes de esquadrilha em missões reais. Os Operações tem que cumprir os “quadrinhos”. Por isso mantém algum conflito em algum lugar… Afeganistão é o da vez.

Jacinto
Visitante
Jacinto

O Afeganistão e um local estratégico. Basicamente os EUA tem uma base no coração da Ásia Central que dá acesso ao Irã e a China sem precisar de um porta aviões. De quebra ainda treina em condições reais seus soldados testa seus equipamentos e aumenta o cerco a Rússia…

Wagner
Visitante
Wagner

Jacinto, alí é tudo montanha. Uma m* para infantaria e blindados.

Wagner
Visitante
Wagner

Tireless…

Sempre foi uma região conturbada. Pelo menos desde o tempo de Alexandre o Grande. E o que chama de paz, envolveu guerras tribais. Dá uma olhada no google Acadêmico, tem muita coisa interessante lá!

Abraço!

Questionador
Visitante
Questionador

Já imaginou se alguma(s) potência(s) estrangeira estivesse treinando e armando eles. A OTAN teria se complicado ainda mais, os prejuízos e as perdas, seriam muito maiores.

camargoer
Visitante

Caro Leonardo. Os EUA municiaram os mujahidins para combaterem as tropas soviéticas e o governo pró-soviético da época (rambo 3?). Havia quem achasse na CIA que uma insurreição islâmicas abalaria a URSS. Funcionou contra os soviéticos, mas deu origem à AlQaeda. O mesmo ocorreu na Líbia, após a deposição e assassinato de Kadafi. Só não aconteceu na Síria porque os russos atuaram.

TukhMD
Visitante
TukhMD

Camargoer se você procura-se se informar por fontes isentas, e não enviesadas por um antiamericanismo doentio como o de Moniz Bandeira, saberia que o principal fornecedor de armas para os Muhajedin foram os comunistas chineses. Já nesta época amuados com o Urso por se oporem ao seu programa nuclear forneceram mais armas, de tecnologia mais recente e portanto mais avançada. Aliás continuam a serem parceiros importantes do Talibã, em oposição ao DAESH que estimula o separatismo na sua província islâmica do Xinjiang.

Jacinto
Visitante
Jacinto

Wagner
Mas não afunda. Por isso “Unsinkable aircraft carrier” como Taiwan, Okinawa, Malta Chipre…. para usar como base aérea e uma beleza.

hammadjr
Visitante
hammadjr

Pois é ainda bem lá em grandes plantações de soja …. que é exportada para o ocidente e o ocidente é um baita consumidor, o império não consegue nem com ajuda da NATO impedir os manos do Talibans reinarem absoluto naqueles rincões.

sub-urbano
Visitante
sub-urbano

Os britânicos também sofreram ali após 3 guerras seguidas. Foi a guerra colonial que mais morreram ingleses.

O esquecido Império Sikh também teve seu fim após uma guerra de mais de 70 anos nas montanhas do afeganistão contra as tribos locais. No início do século XIX.

É um lugar amaldiçoado.

Bosco
Visitante
Bosco

Pessoal,
Os EUA está se lixando para conquistar o inconquistável Afeganistão. O que eles fazem é uma “vendeta”. Uma guerra de vingança. Só isso! Se lá vai ficar melhor ou pior do que antes não é problema dos EUA e muito menos do seu povo.
O ataque americano ao talibã possibilitou que o povo mudasse seu destino. Se não o fizeram eles que se danem. Que fiquem com suas glórias de nunca terem sido conquistados e que continuem vivendo na Idade Média.

Ricardo Bigliazzi
Visitante
Ricardo Bigliazzi

Nem o Brasil a URSS e os EUA conseguiriam dominar, Você pode destruir um Pais, aniquilar o seu exército, o País só passará a ser seu se Você matar todos os seres que nasceram nele ou que são contrários a Você.

Obs.: Não é a toa que em toda a América os colonizadores, ingleses, espanhois, franceses e portugueses fizeram um trabalho bem estruturado para matar todos os nativos que viviam por aqui.

Um Afegão sempre irá agredir o seu agressor, não importa a nacionalidade dele, se não possuir uma arma, o fará com sapatos ou mesmo cusparadas.

Jack
Visitante
Jack

Bosco…Seus comentários são geralmente ácidos, objetivos e diretos!! Porem bem embasados, continue assim…É interessante ver aqui nesse espaço, vários pontos de vista diferentes sobre o mesmo tema! Saudações.

Martins_PA_18
Visitante
Martins_PA_18

Vendo o comentário do forista Delfim citando a frase do Frank Castle (“No Afeganistão todo mundo morre”) me atrevo a sugerir, com base em matérias pequenas e antigas, que a CIA propositalmente não acaba(va) com as plantações de papoulas na região de Kandahar, e envia(va) muita heroína para os EUA dentro de caixões funerários, diferente da atuação no Iraque, onde as tropas agiam dentro dos regulamentos, no Afeganistão a CIA se utiliza(va) de black ops, com sequestros, torturas, assassinatos, era(m) temidos pela população local e conhecidos como o “Taleban americano”, dado o mesmo modo ilegal de agir, mas isso é… Read more »

Martins_PA_18
Visitante
Martins_PA_18

Ah, e nesse mesmo roteiro de ficção, os militares que participam(vam) dessas operações criminosas ao longo do tempo iam morrendo de “acidentes”, se “suicidavam”, não sobravam testemunhas além do General responsável e Diretor da CIA envolvidos, que ficaram muito ricos.

Resolvi verificar qual foi o destino daquele time de elite q supostamente teria capturado o Osama Bin Laden, usando até um Black Hawk Stealth, e para minha surpresa, hoje estão todos falecidos…

Daria um bom filme ou série de ficção.

Alex II
Visitante
Alex II

Quem sabe o que é o Afeganistão são os ingleses. Desde o século XIX.

Mas a impotência americana ( e de todos) ali não deve ser comemorada pelos anti-yankees, o Talibã é uma praga que deveria ser exterminada. Mas não vai.

Luiz
Visitante
Luiz

É isso mesmo, Bosco Você está certíssimo.
Eles podem , digamos assim, se dar ao luxo de promover uma vingança com gasto bilionário.
Isso é pra quem pode, não pra quem quer.
abs
Luiz

Andrigo
Visitante
Andrigo

Falando do B-52, já são mais de 50 anos de serviço e batendo recordes! Se este não foi um projeto bem sucedido, nenhum mais é!

Delfim Sobreira
Visitante
Delfim Sobreira

É só o Ocidente sair de terras islâmicas e pedir desculpas, falha nossa, erramos de endereço.
Nós nos metemos com eles, eles se metem conosco. Cada um a seu jeito.

Hawk
Visitante
Hawk

Bosco 20 de dezembro de 2017 at 9:39 concordo contigo.
Mas pra mim é o pior problema do mundo hoje.
Se ninguém consegue viver unido, então que viva cada um quieto no seu canto e de preferência com respeito.
Pelo menos a gente não veria tanta doutrinação de ambos os lados!
Quando a “rã” oferece carona ao “escorpião” mesmo sabendo no que vai dar, é que a coisa tá feia mesma!

Augusto
Visitante
Augusto

Gente ngm falou do b-52, ainda que é o topico.

Antonio M
Visitante
Antonio M

E quanto ao B52, acho que deveriam mudar o nome na próxima modernização (sim, acredito que terá) para “B52 Ad Eternum” .

Wagner
Visitante
Wagner

Antonio M!

Gostei do B52 AE!
Que projeto incrível!
Li uma vez que a peça que faz a junção das asas/fusalegem (acho que era isso, devo ter lido há mais de uma década) compõe a estrutura mais forte já colocada em uma aeronave. Eu aposto que o Big Ugly Fat F***** vai ser o primeiro a continuar voando com 100+++ anos.
Mas lembremo-nos do Bear! Essa árvore de natal russa também pode passar dos 100!
Que era vivemos!

Abraços!

Tadeu Mendes
Visitante
Tadeu Mendes

O problema nao e a querra assimetrica, o problema e o dano colateral. Acabar com guerrilheios/terroristas talibans seria muito facil atraves de um bombardeio intenso. Um ataque aereo usando B-52s. acabaria com eles em questao de dias. Mas os EUA prefere usar drones disparando Hellfire missiles (que custam entre 65.000 e 99.000 mil dolares a unidade) dependendo do pacote tecnologico, para exterminar um terrorista ou um grupo deles, justamente para evitar o dano colateral. Os talibans nao estao vivos por que tem amor a patria, ou porque sao melhores que os inimigos. Talvez possa ter sido o caso em guerras… Read more »

Tadeu Mendes
Visitante
Tadeu Mendes

Martins PA-18,

Todos os Navy Seals enovlvidos na morte de Bin Laden continuam vivos. Ate mesmo o militar que o matou de frente e a curta distancia, esta sempre dando conferencias e aparecendo na televisao.

A sua versao da historia esta totalmente fora da realidade.

André Bueno
Visitante
André Bueno

Sobre a modernização dos Buffs considerando os motores, quais as últimas notícias?

Martins_PA_18
Visitante
Martins_PA_18

“Tadeu Mendes 21 de dezembro de 2017 at 11:41 Martins PA-18, Todos os Navy Seals enovlvidos na morte de Bin Laden continuam vivos. Ate mesmo o militar que o matou de frente e a curta distancia, esta sempre dando conferencias e aparecendo na televisao. A sua versão da historia esta totalmente fora da realidade.” Na verdade apenas dois dos 25 estão vivos, recomendo vc pesquisar a respeito antes de opinar assim. E um dos dois estaria com “problemas de memória” no momento. De fato me equivoquei ao dizer q “todos” já estavam “falecidos”. Mas vc está totalmente enganado ao achar… Read more »

Agnelo
Visitante
Agnelo

Prezado Tadeu Mendes Uma guerrilha não se acaba bombardeando, pois não se estabelece em uma posição definida. Uma organização desse tipo é dividida em 3 forças. A força de guerrilha: q executa ações armadas. Seus integrantes atuam em grupo. É um grupo armado, q se cumprir seu objetivo de fortalecimento, torna-se como uma força paramilitar. Esta, se estiver mais concentrada, pode sofrer mais com grandes ataques de tropas ou aéreos. A força de sustentação: q fornece apoio financeiro, logístico, recrutamento, apoio em comando e controle etc. É quem mais mantém Ctt com uma nação estrangeira q financia o movimento. Essa,… Read more »