Home Aviação de Ataque Índia vai integrar míssil BrahMos em 40 aeronaves Sukhoi

Índia vai integrar míssil BrahMos em 40 aeronaves Sukhoi

3987
32
Míssil BrahMos sendo testado no Sukhoi Su-30

NOVA DELHI – Começou o trabalho para integrar o míssil de cruzeiro supersônico BrahMos em 40 aeronaves de combate Sukhoi, que deverão atender às necessidades críticas da Força Aérea Indiana para atender a evolução da dinâmica de segurança na região.

A variante lançada do ar do BrahMos, o míssil de cruzeiro supersônico mais rápido do mundo, foi testada com sucesso de um avião de combate Sukhoi Su-30 em 22 de novembro, marcando um ponto importante para melhorar a capacidade de ataque de precisão da força aérea.

O trabalho para integrar o míssil BrahMos em 40 aviões de combate Sukhoi foi iniciado. Um cronograma para o projeto está sendo definido, disseram fontes oficiais sem elaborar.

Foi divulgado que o projeto deverá ser concluído até 2020.

A frota de 40 jatos Sukhoi sofrerá modificações estruturais na principal empresa aeroespacial estatal Hindustan Aeronautics Ltd (HAL) para a integração do míssil nas aeronaves.

O míssil de 2,5 toneladas voa a quase três vezes a velocidade do som atingindo Mach 2.8 e tem um alcance de 290 km.

O alcance do míssil, fruto de uma “joint venture” indo-russa, pode ser aumentado até 400 km, já que certas restrições técnicas foram levantadas depois que a Índia se tornou um membro do regime de controle de tecnologia de mísseis (MTCR) no ano passado.

O míssil BrahMos é a arma mais pesada a ser integrada no avião de combate Su-30 da Índia.

Uma vez que o projeto de integrar a arma na frota de combate termine, a capacidade da IAF de atingir alvos a grandes distâncias em qualquer alvo no mar ou na terra será multiplicada.

“É um projeto muito importante considerando a necessidade crescente de IAF para aumentar o poder aéreo quando a possibilidade de uma guerra de duas frentes não pode ser descartada”, disse um oficial.

Após o teste de lançamento da versão lançada do ar, a IAF disse que o míssil, juntamente com o desempenho superlativo da aeronave Su-30, dará à força um alcance estratégico e permitirá dominar o oceano e os campos de batalha.

A integração do míssil na aeronave Sukhoi é um processo muito complexo que envolve modificações mecânicas, elétricas e de software do jato Su-30.

O BrahMos é uma “joint venture” entre a DRDO da Índia e NPO Mashinostroyenia (NPOM) da Rússia.

FONTE: The Times of India

32
Deixe um comentário

avatar
32 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
13 Comment authors
willhorvPaulo Pontesdonitz123NonatoMarcos Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
diego
Visitante
diego

será que o sistema Phalanx CIWS consegue parar um Brahmos se deslocando a quase 3 vezes a velocidade do som??

carcara_br
Visitante
carcara_br

Boa pergunta diego, acertar é uma coisa parar é outra kkkk

MSB
Visitante
MSB

Olhando o BrahMos acoplado ao Su-30 comparativamente percebe-se como este míssil e grande, o seu alcance e bem maior que os 290 KM, este alcance e só declarado para atender ao MTCR.

carcara_br
Visitante
carcara_br

Supondo que o míssil atinja um 950 m/s na trajetória final e que Phanlanx CIWS atire a 3,6km com velocidade média do projétil de 750 m/s o encontro se daria a 1,5km do alvo protegido o que sobrasse do míssil voaria por mais uns 1,5 segundos até atingir alguma coisa.
Sei não mas acho que viria uma chuva de detritos que danificaria qualquer coisa no caminho… melhor é não depender de um sistema de tão curto alcance contra um monstro destes…

MBP77
Visitante
MBP77

“… quando a possibilidade de uma guerra de duas frentes não pode ser descartada”.
*
Paquistão e China?
Sds.

Gustavo
Visitante
Gustavo

Só a inercia desse monstro já afunda alguns navios… sem contar com com a cabeça de guerra (300 kg de explosivos), viajando a 3.700,00 km/h. Haja coragem pra esperar o impacto.

Fernandes
Visitante
Fernandes

Podemos ter certeza que o conjunto Su-30 e BrahMos é capaz de esfriar o ânimos de China, Paquistão e outras potências mundiais com interesse na região.

Wagner
Visitante
Wagner

Pessoal, como se daria a plotagem de alvos para um míssil desse? O tempo que ele tem para adquirir o alvo e manobrar é muito curto! Quantos g aguentaria na manobra? Usaria algum tipo de data-link? Algum UAV stealth passaria os dados para o míssil?

Wagner
Visitante
Wagner

Guiagem terminal por sensores ativos? Ou passivos? Tem cabeça IR? RADAR? Qual é a desse petardo?

carcara_br
Visitante
carcara_br

wagner,
INS+ GPS/GLONASS/Indian Regional Navigation Satellite System/GAGAN satellite guidance using G3OM

Bosco
Visitante
Bosco

O Phalanx não seria a arma de defesa ideal. A defesa se dá em camadas e a mais apropriada para ser a “derradeira” é os mísseis RAM. Mas não está descartado a utilização do Phalanx como último recurso já que ele é feito para perfurar a ogiva e fazer o míssil explodir. Muito dos destroços serão desacelerados pelo arrasto com a atmosfera ao nível do mar mas haverá sim muitos detritos que chegaram no navio. Mas é isso ou é deixar o míssil bater inteiro. – Wagner, É por radar ativo. E realmente ele tem que ser colocado na “marca… Read more »

Marcos
Visitante
Marcos

Um Gripen sairia do chão com isso?

carcara_br
Visitante
carcara_br

Pergunta interessante,
Analisando apenas a massa do míssil sim, a capacidade do Gripen é de 5300kg. O míssil ocuparia mais da metade do comprimento do caça, porém ninguém faria essa loucura ele simplesmente não foi projetado pra levar um objeto tão volumoso e pesado num único ponto, basicamente não deve possuir estrutura…

Bosco
Visitante
Bosco

Para testes defensivos (Phalanx, RAM, ESSM, Standard, sistemas soft kill) os americanos utilizam o míssil alvo GQM-163 Coyote para simular o Brahmos e o navio alvo USS Paul F. Foster, de controle remoto.

carcara_br
Visitante
carcara_br

É que nem os Flares que eles usam pra testar o AIm-9x bosco?

carcara_br
Visitante
carcara_br

Só pra explicar minha colocação, o míssil americano é bem pequeno em relação aos mísseis hipersônicos que são normalmente empregado contra navios, e este maior dimensionamento pode refletir em capacidade de processamento, equipamento de interferência eletrônica e trajetórias distintas de voo, que não necessariamente estão sendo simuladas corretamente…

Wagner
Visitante
Wagner

Obrigado pelas informações!

Bosco
Visitante
Bosco

Carcara, Não sei se entendi rsrss. Se estiver se referindo ao míssil alvo Coyote ele tem simular um ataque utilizando os diversos perfis de voo. Não acho que isso seja difícil ou exija um míssil grande. Aliás, grandeza e capacidade de processamento não andam necessariamente juntos. Sem falar que o míssil americano não tem que simular o alcance ou o tamanho da ogiva, só a velocidade e o perfil de voo. Daí a diferença de tamanho não ser muito significativa. Quanto aos mísseis cruise “hipersônicos”, ainda não existem. Só há mísseis cruise supersônicos (velocidade abaixo de Mach 5). Aliás, o… Read more »

carcara_br
Visitante
carcara_br

Opa não sei de onde saiu esse hipersônico falha minha é supersônico mesmo

Nonato
Visitante
Nonato

Muito se fala em guiagem terminal ativa.
E as contra medidas eletrônicas?
Falam em radar como se fosse algo perfeito e efetivo.
Claro que deve ter alguma proteção contra isso.
Como seria um confronto?
Um navio se aproxima da costa inimiga (digamos a 1.000 km da costa brasileira), um P3 detecta, manda um SU 35 (caso o tivéssemos), que levanta vôo e a 200 km do alvo dispara o míssil.
O navio poderia identificar a presença do SU35? (Radar? Helicóptero?)
O navio poderia detectar e acompanhar o míssil?
Ou só perceberia na aproximação?
O Brahmos boa baixo?

donitz123
Visitante

É off topic porém pertinente. Mi-8 da Força Aérea Indiana são aposentados após 45 anos de operação.
.
IAF’s Mi-8 chopper flies into history
.
http://www.thehindu.com/news/national/iafs-mi-8-chopper-flies-into-history/article21827710.ece

Paulo Pontes
Visitante
Paulo Pontes

Essa velocidade, de 3.700 km/h, é a que altitude?
Pelo que li, na fase de cruzeiro, ele voa a 14.000 mts, descendo para 15mts na fase final. Essa velocidade de 3.700km/h seria mantida mesmo com o elevado arrasto em uma altitude tão baixa?

Bosco
Visitante
Bosco

Paulo, A velocidade a 15 metros é menor que Mach 2 (2300 km/h). Há opção do míssil descer e atacar a baixa altitude e a opção dele mergulhar sobre o alvo vindo de cima a Mach 3. – Nonato, Os eventos que precedem um ataque costumam ser detectados. O navio pode detectar o radar do avião patrulha e isso já pode deixá-lo alerta e em prontidão. Também pode detectar o radar do avião de ataque. Eventualmente pode detectar o avião patrulha e até tentar interceptá-lo com um míssil de defesa de área. Mas é difícil atingí-lo já que o avião… Read more »

carcara_br
Visitante
carcara_br

Paulo Pontes.
É isto mesmo velocidade terminal supersônica semelhante aos mísseis Ar-ar…
Olhe o vídeo dos acertos, como o míssil ocidental é mais lento
Harpoon
https://www.youtube.com/watch?v=CpkA15tgozI
K-300P Bastion-P
https://www.youtube.com/watch?v=caqRJUFOMlA

willhorv
Visitante
willhorv

E quanto a CIWS como o rápido 40mm com munições 3p? Acho que não teriam capacidade de interceptação!
Os clusters são pequenos para este oponente com peso/potência/velocidade tão altos…
Aliás….foi sempre uma dúvida minha a capacidade de interceptação dos mísseis ocidentais e seus ciws contra os monstros soviéticos.

carcara_br
Visitante
carcara_br

Até postei o vídeo de comparaçao da pra ver o quão longe os destroços voam, mesmo com um impacto direto

Paulo Pontes
Visitante
Paulo Pontes

Carcara-br,

Considerando, portanto, uma velocidade de 2000 km/h, um míssil desses sendo interceptado pelo Phanlax a 1,5km, muito provavelmente, não causaria danos consideraveis ao navio. Dado que a maior parte dos destroços levariam 2,7 segundos, no mínimo (sem considerar o arraso), para atingir o navio e menos de 1,5 segundo para cair no mar.

Particularmente, acredito ser difícil que qualquer míssil (ocidental ou não) conseguiria os feitos do Exocet na guerra das Malvinas, isto é, um míssil sozinho dificilmente passaria pelas diferentes defesas do navio atacado, assim caberia ao Phanlax (ou outro CIWS) a destruição dos que passassem pelas outras camadas.

Bosco
Visitante
Bosco

Paulo, Até as Malvinas nenhuma marinha do mundo (salvo a americana que estava introduzindo o Phalanx) estava apta a enfrentar a ameaça de mísseis subsônicos sea-skimming que voam até 3 m de altura próximo a Mach 1 e com RCS reduzido (em torno de 0,1 m²). As marinhas ocidentais estavam mais preocupadas com os mísseis (supersônicos e subsônicos) soviéticos de trajetória alta, como o AS-4, lançados de bombardeiros. Para essa ameaça o sistema Aegis era considerado adequado. Hoje, os sistemas defensivos contra a ameaça sea-skimming estão generalizados. A ameaça que se vislumbra hoje é a do míssil supersônico sea-skimming de… Read more »

Bosco
Visitante
Bosco

Willhorv,
Um canhão 40 mm com direção de tiro radar/EO e munição 3P tem sim possibilidade de prover defesa contra um míssil supersônico russo.
Diferente do Phalanx o alcance útil de um projétil de 40 mm é de cerca de 4 km e apesar dos fragmentos não poderem penetrar a ogiva do míssil eles têm o potencial de fazer o míssil se despedaçar ou perder a direção e cair no mar. É o chamado “control kill”.

carcara_br
Visitante
carcara_br

Paulo, depende muito do angulo de aproximacão.
Recomendo que você olhe alguns videos dos acertos na internet mesmo impactando contra navios os destroços vão muito longe.
A tendencia pelo que eu vi é formar uma verdadeira nuvem supersônica de aço. Se os projetei disparados possuem energia pra chegar até o missil o oposto também é verdadeiro mesmo considerando o arrasto.

Bosco
Visitante
Bosco

Carcara,
Os mísseis subsônicos são mais lentos mas podem manobrar, tem menor assinatura radar e IR e podem ligar seus radares mais tarde, além do mais, uma maior quantidade podem ser levados por um avião, navio ou submarino de modo a saturar o navio alvo.

carcara_br
Visitante
carcara_br

Sabe dizer quantos G esse míssil puxa?