Home Aviação de Caça Caça Sukhoi Su-57 entrará em serviço em 2018

Caça Sukhoi Su-57 entrará em serviço em 2018

13943
50
Sukhoi Su-57 (PAK FA T-50)

A Força Aeroespacial Russa receberá vários dos caças Su-57 de quinta geração de lote de pré-produção em 2018, disse Viktor Bondarev, Presidente do Conselho de Comissões de Defesa e Segurança da Federação para a agência Interfax.

Viktor Bondarev, ex-comandante da Força Aeroespacial Russa, disse que o futuro sistema de aeronave da linha de frente (PFAS), ou Su-57, deverá ser posto em serviço no próximo ano. Segundo ele, o lote de pré-produção incluirá 12 caças. Em 2018, a Força Aeroespacial Russa receberá apenas 2 ou 3 aviões.

“Nós colocamos grandes esperanças no PFAS como o carro-chefe da futura frota nacional de aviões de combate”, acrescentou Viktor Bondarev.

O Su-57 (PFAS, T-50) é um avião russo de combate polivalente de quinta geração, desenvolvido pelo Sukhoi Design Bureau. O caça voou pela primeira vez em janeiro de 2010 e foi apresentado ao público no MAKS 2011.

O Su-57 tem uma série de características únicas que combinam as funções de uma aeronave de ataque e um caça. O avião está equipado com um sistema de vanguarda de aviônica integrada e apresenta uma ampla gama de armas, tanto ar-ar como ar-superfície, o que garante sua aptidão para as missões de caça e ataque.

FONTE: Rostec

Rússia iniciará produção de avião de combate de 5ª geração no Extremo Oriente em 2018

Sukhoi Su-57

MOSCOU — A produção em série do caça da quinta geração Sukhoi Su-57 da Rússia começará na região de Khabarovsk no Extremo Oriente russo em 2018, disse o vice-governador da região de Khabarovsk, Vyacheslav Shport, na quarta-feira.

“A empresa está concluindo testes este ano e lançará a produção em série no próximo ano”, disse o governador em resposta a uma pergunta da agência TASS.

A questão da agenda é incluir o caça no programa de armamento estatal para sua entrega aos militares russas e os trabalhos na Gagarin Aircraft-Building Enterprise em Komsomolsk-on-Amur estão seguindo o cronograma, ele observou.

“Este problema foi resolvido e não há problemas lá. Todo o trabalho está em conformidade com o cronograma”, disse o governador.

O complexo de aviação Perspective Aviation of Frontline Aviation (PAK FA, também conhecido como o avião de combate T-50), de quinta geração, voou pela primeira vez em 2010. Como foi relatado anteriormente, o caça de ponta realizou seu primeiro voo com um novo motor em 5 de dezembro.

Atualmente, o chamado motor de primeiro estágio 117S está montado no caça russo. Um novo motor que ainda não recebeu seu nome, é convencionalmente designado como  motor do segundo estágio.

Foi relatado em agosto que o avião de combate de quinta geração da Rússia T-50 (PAK FA) recebeu a designação de Su-57. O trabalho de projeto experimental no avião de combate mais avançado deve ser concluído em 2019 e suas entregas aos militares devem começar naquele momento. Como disse o CEO da United Aircraft Corporation, Slyusar, o lote de pré-produção consistirá em 12 desses aviões.

FONTE: TASS

50
Deixe um comentário

avatar
50 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
26 Comment authors
Delfim Sobreiradonitz123BoscowillhorvSérgio Luis Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Ronilson
Visitante
Ronilson

Muito bom

Clésio Luiz
Visitante
Clésio Luiz

Na época das vacas gordas isso era bem comum, empurrar uma aeronave nova no serviço em configuração provisória e depois seguir uma rápida sucessão de modificações até a versão definitiva.
.
Só que agora eles não estão nadando em dinheiro, então eu suspeito que a quantidade de unidades com o motor provisório será beeeem pequena, no máximo as 12 prometidas tempos atrás.

Jr
Visitante
Jr

Ainda esta com os motores provisórios, mas vale a pena ver ele de perto

https://www.youtube.com/watch?v=TLf6vUMT7K4

Gabriel2
Visitante
Gabriel2

Pelo jeito tudo está saindo como planejado e a Força Aeroespacial russa voltará ao pódio das mais modernas do mundo , se é que um dia saiu de lá….

carcara_br
Visitante
carcara_br

Eu fico angustiado quando vejo essa bolota do IRST bem na frente do caça, tirando isso é muito bonito esse Su-57!
Essas primeiras unidades seriam usadas para treinamento?

Manuel Flávio
Visitante
Manuel Flávio

Na edição de setembro da revista Air International, o Pak Fa é matéria de capa. Na matéria, escrita pelo o jornalista russo Piotr Butowski, página 26:
“Engine problems have resulted in several single-engine emergency landings.”

BILL27
Visitante
BILL27

Sempre gostei do design dos caças da Sukhoi ,mas este Su 57 é bem inferior no qesito estético aos outros da familia .

J.Silva
Visitante
J.Silva

Manuel,

Ele está se referindo ao motor antigo ou o novo?

Manuel Flávio
Visitante
Manuel Flávio

Infelizmente o Piotr Butowski não deixa claro com qual motor. A matéria contém um capítulo de problemas do Su-57.

carcara_br
Visitante
carcara_br

Gente o motor novo voou pela primeira vez esses dias (dezembro), a matéria é de setembro, não tem como….

Fabio Jeffer
Visitante
Fabio Jeffer

Será que esse IRST aumenta o Rcs da aeronave?
Não é possivel algo mais discreto do que essa bolota ali na frente.

Manuel Flávio
Visitante
Manuel Flávio

Bem observado, Carcará. Deve deve ser por isso que o autor não especificou com qual motor.

Wellington Góes
Visitante
Wellington Góes

As escaramuças entre caças estadunidenses e russos na Síria, seria um ótimo teatro para um encontro do F-22 com o Su-57, infelizmente (ou felizmente para os civis sírios) as forças de fora da região não permanecerão por lá por muito mais tempo, até que o Su-57 pudesse ser declarado operacional.

carcara_br
Visitante
carcara_br

Fabio Jeffer 14 de dezembro de 2017 at 21:58

Sim e sim. Pra ter ideia o canopy não pode ser “normal” porque o capacete do piloto aumentaria o RCS da aeronave, imagina uma bolota destas do IRST.
Veja as soluções que o F-35 e o J-20 adoraram. Sensores IR na parte inferior (nunca diretamente à frente) com uma proteção formando vários ângulos (lembra a fuselagem do F-117).

Manuel Flávio
Visitante
Manuel Flávio

Jeffer,

Para a detecção frontal, é como uma cabeça maior de um míssil de guiagem IIR mostrada em imagens de reflexão de radar que vc encontra em estudos sobre o assunto por aí.
Mas isso não é nada. O Su-57 deixa metade dos fans expostos. Isso causa uma tremenda reflexão frontal de ondas de radar. Os russos tentaram esconder, mas devido ao quase alinhamento das entradas de ar com as turbinas (nos 2 planos) metade ainda ficou exposta.

carcara_br
Visitante
carcara_br

Manuel Flávio 14 de dezembro de 2017 at 22:58
Verdade Flávio, mas enquanto não estiverem com os motores definitivos é difícil bater o martelo em relação a este componente específico.

Clésio Luiz
Visitante
Clésio Luiz

No fórum gringo da Key Publishing, o tópico do Su-57 é bem recheado com detalhes da aeronave que não costumam ser reportados na mídia, fruto de garimpagem dos foristas de fontes russas, como a agência de patentes de lá. Muita coisa dessa aeronave foi patenteada, incluindo bloqueadores do fan frontal, semelhante ao que é empregado pelo Super Hornet. O que se vê não é o fan da turbina, mas o bloqueador que não gira e tem formato semelhante ao do fan.
http://s48.radikal.ru/i122/0912/38/7ba23d14c6c8.jpg
.
É especulação, já que carece de confirmação de fontes oficiais.

Manuel Flávio
Visitante
Manuel Flávio

Mas ele ainda fica uma parte exposta.
Dá uma olhada na foto, Clésio:

https://ibb.co/mOFVc6

Wagner
Visitante
Wagner

O IRST não facetado é bem estranho mesmo. Resta saber se tem alguma carta nessa manga.

Nonato
Visitante
Nonato

Considerando várias matérias anteriores e o fato de que o novo motor não está pronto/operacional, esse lote inicial será com o motor antigo.
Já ir aproveitando todas as características da aeronave enquanto a versão “definitiva” (isso não existe pois sempre há evolução) não entra em operação.

Ricardo Da Silva
Visitante
Ricardo Da Silva

Engraçado que para alguns tudo no Su-57 está redondamente enganado e tudo no F-35 está perfeita mente normal.
Quem não esta em nenhum dos dois “times”, costuma ser hostilizado por ambos.

Seria muito interessante uma publicação sobre os históricos de erros e acertos de ambos, fica a dica.

Jorge F
Visitante
Jorge F

É impressão minha ou o armamento não é ‘escamoteado’, digo, não fica inteiramente dentro do bomb Bay… Minha opinião de leigo é a de que seria um custo extremamente alto para deixar a anv stealth e depois colocar o armamento debaixo da asa inibindo sua furtividade…

Bosco
Visitante
Bosco

Ricardo,
Não há histórico de erros do Su-57. Isso “non ecziste”.
Você para não ser reconhecido como fazendo parte nem de um nem de outro grupo tem que citar que também tem aqueles em em que tudo no F-35 está redondamente enganado e tudo no Su-57 está perfeita mente normal. Aliás, esses são a maioria em blogs de defesa e inclusive é a linha editorial reinante na blogosfera.
Malhar o judas… quer dizer, malhar os EUA…. ops, errei de novo… malhar o F-35 é meio que uma praga zumbi. Pega em quase todo mundo. rsrssss

Gustavo
Visitante
Gustavo

Acho válido qualquer mínima perda de rcs pelo irst, pois ele é quem pode definir inúmeros combates no futuro próximo.

Jacinto
Visitante
Jacinto

Os russos têm uma concepção diferente dos americanos no que se refere à tecnologia stealth. Eles mesmo admitem que a redução do RCS nos aviões russos não chega ao mesmo nível dos americanos, mas na concepção deles isso não é tão relevante porque a evolução na tecnologia de detecção, seja por radar ou IRST, torna esta vantagem americana marginal, que não vale os comprometimentos em termos de custo e de desempenho que a redução do RCS tem.
Não tenho bola de cristal, então não arrisco a dizer qual concepção é a correta.

Marcelo-SP
Visitante
Marcelo-SP

Grande parte da espinha dorsal do poder aéreo russo ainda é formada pelo SU-27. As opções G 4.5 (SU-35) e G 5 (SU-57) receberam encomendas tímidas (para quem se quer uma superpotência, obviamente). Acho que por causa da falta de grana, a possibilidade de um Hi-Lo está em suspenso. Se o SU-57 engrenar e resolver o que está pendente nos próximos 2 anos, o SU-35 vai virar basicamente produto de exportação. Se o SU-57 empacar, aí a Rússia vai ter que apelar majoritariamente ao SU-35 para nanter seu pode no ar. Ou seja, a grande aposta é o SU-57, por… Read more »

Marcelo-SP
Visitante
Marcelo-SP

Eu, no lugar dos russos, cuidaria de gastar com o SU-35 e iria aprimorando, sem pressa, o SU-57 (ou seu sucessor) até o final dos anos 2020, quando faria a transição G 4.5 para G 5.

Mas a guerra de propaganda, levada tão a sério quanto a guerra real, apressou as coisas na Rússia. Se tem algo que o F-35 está cumprindo é isso! Pressiona a Rússia e a China a correrem e gastarem com sua opção G 5.

Renan
Visitante
Renan

Marcelo-SP 15 de dezembro de 2017 at 9:37 Na minha opinião, Gastaria boa parte do orçamento com os SU-35, pois estes vão carregar o piano e 20% apenas de investimento no SU-57, pois seria razoável a cada 10 SU-35 se ter 1 SU-57. É desperdício investir muito em aeronaves que não estejam full, e que não sejam relativamente de um preço acessível, nos EUA, podem investir mais nos F-35, pois boa parte da sua força aérea é moderna, avançada e numerosa, sem conta os F-22. O EUA é outro cenário, e eles podem errar. Se daqui uma década descobrir que… Read more »

Ralfo Penteado
Visitante
Ralfo Penteado

Quem sustenta uma diversidade desta e em um país corrupto ? Donde vem tanta grana ? Das vendas é que não é. E o povão, passa bem ? Nos USA medicina é caríssimo. Na China sabemos que qualquer vilarejo tem por baixo 1.000.000.000 de carentes. Neste mundo dinheiro para canhão nao falta não.

Bosco
Visitante
Bosco

Jacinto, Radares nas bandas C, X e Ku não detectam os stealths senão em distâncias muito curtas. Radares nas bandas S, L, UHF e VHF são mais aptos a detectarem os stealths em maiores distâncias, mas o controle de tiro tem que ser feito por um radar de banda C, X e Ku. A esperança dos russos é nos seus grandes radares terrestres banda VHF AESA que teriam uma resolução inédita pra essa frequência e tida como satisfatória e que em tese seriam capazes de vetorar mísseis com orientação terminal autônoma até as proximidades do contato (avião stealth) a ponto… Read more »

Marcelo-SP
Visitante
Marcelo-SP

Renan 15 de dezembro de 2017 at 10:26

Concordo 100% Renan! Por isso estranho que as encomendas de SU-35 sigam passos de tartaruga, na Rússia. Aí que acho que eles devem estar com os dois projetos sendo pesados, cada um em um prato da balança.

hugo
Visitante
hugo

Vamos lá…
Ao contrario do f-22 e do j-20 que são claramente stealth. O foco do su-57 é claramente ser apenas pouco observável… a notar o irst, a interseção entre as peças da fuselagem, a ausência de pintura ram. É mais como um gripen voando limpo, ou seja um avião com baixo eco por uso da material composto com um superfície facetada pra ajudar, o que tem seu valor tático, mas não se observa o mesmo desenvolvimento dos f-22 ou dos chineses.

Leonel Testa
Visitante
Leonel Testa

Se os americanos estao tendo dificuldade com os quinta geraçao acredito que Russia e China vao camelar muito ainda . Esses prazos pra mim é pura propaganda

Jacinto
Visitante
Jacinto

Bosco, Hoje a tecnologia stealth já não é exclusiva dos americanos e os próprios americanos estão desenvolvendo sistemas para detectar os aviões de 5ª geração dos russos e chineses. O que os americanos estão propondo – ou mais precisamente, o que a marinha americana está propondo – é usar o APY-9 (que segundo eles, é capaz de detectar aeronaves de 5ª geração com suficiente resolução para atuar como diretor de tiros) que equipa o E2-D como o centro do que eles chama de “Naval Integrated Fire Control – Counter Air (NIFC-CA)”, funcionando como o diretor de tiro. No fundo, conceitualmente,… Read more »

Sérgio Luis
Visitante
Sérgio Luis

O problema é que o mundo não tem acesso aos problemas desse Su-57 e outra, não acredito que os russos vão vender para quem quiser comprar! ( idem F-22)

Sérgio Luis
Visitante
Sérgio Luis

Essa teoria da furtividade é relativa!
” Tudo que ocupa lugar no espaço aéreo é de uma forma ou de outra captado!”
Esse negócio de minimizar assinatura é balela!

willhorv
Visitante
willhorv

No caso, uma ave de rapina e tanto! Tem um leque de armas de respeito.
Imaginaram os gripen em esquadrões por este brasilzão (o que um dia deve ocorrer pela baixa dos A1 e F5) e um esquadrão destes operacional no GDA??
Seria quase uma utopia não!!
Agora…como nossos mísseis são sub especificados em relação a estes não! Mesmo os futuros…

Clésio Luiz
Visitante
Clésio Luiz

Manuel Flávio, essa é justamente a função do bloqueador, permitir que um desenho não muito curvo do duto da tomada de ar não exponha a face do motor. Na foto que postei, que é mostra o bloqueador do Super Hornet, cumpre a mesma função do modelo que será empregado no Su-57.
.
Lembre-se que o que é considerado o ápice dos contornos stealth em caças, o YF-23, também expunha a face do motor e empregaria semelhante bloqueador na versão de série.

Bosco
Visitante
Bosco

Jacinto, Não tenho dúvidas que o APY-9 funcione como o prometido, inclusive podendo vetorar o SM-6 contra alvos abaixo do horizonte radar do navio lançador, mas ele é pensado para funcionar bem tendo em vista aeronaves convencionais. Do mesmo modo que tenho certeza que o radar russo Nebo também possa fazê-lo em relação a aviões convencionais e stealths. Minha dúvida é em relação ao trancamento final do míssil que obrigatoriamente utiliza radares banda X ou K. Com certeza um SM-6 não terá vida fácil se for trancar num B-2 (hipotético) mesmo que tenha sido vetorado com precisão aceitável pelo APY-9.… Read more »

Bosco
Visitante
Bosco

https://www.ausairpower.net/XIMG/Irbis-BARS.png
Só de curiosidade, esse gráfico do ausaipower mostra a distância estimada de detecção do seeker de um R-77 contra “alvos” com diversos RCS. Pode-se ver que contra um F-22 a distância é praticamente equivalente a “zero” milhas.

Bosco
Visitante
Bosco

Au-au pegou e levou pra casinha.

Jacinto
Visitante
Jacinto

Bosco, Acho que aqui eu vou discordar de você em dois pontos. O primeiro, é que a minha impressão é de que a intenção da marinha americana, em relação a alvos stealth, é usar o APY-9 como diretor de tiro durante todo o engajamento, incluindo a fase terminal, por meio de datalink – justamente porque, como você apontou, os aviões stealths são otimizados para as frequências utilizadas pelos misseis AA. O segundo é sobre o APY-9. Parece-me que se ele está usando frequência na banda UHF é porque ele tem por objetivo também a detecção de aviões stealths. Agora, a… Read more »

Manuel Flávio
Visitante
Manuel Flávio

Clésio Luiz 15 de dezembro de 2017 at 12:26

Clésio, esse bloqueador é uma aparelho? Tem algum link com mais informações?

O Super Hornet esconde quase todo o fan. Além da entrada ser sinuosa, as turbinas são acima e centrais, nada a ver com o Pak Fa, como eu havia explicado. Ele não precisa de nenhum aparelho. Observa a foto frontal:
https://ibb.co/n8bDzm

Manuel Flávio
Visitante
Manuel Flávio

Clésio, complementando:
Eu já debati sobre isso em outros espaços: pegam foto de maquete e desenho do Super Hornet e desenho do Pak Fa. Abre o olho.

Bosco
Visitante
Bosco

Jacinto, Eu acho que não. Por melhor que tenham desenvolvido radares AESA de baixa frequência (UHF e VHF) com incremento da resolução jamais poderão ser utilizados (tendo em vista antenas de tamanho minimamente práticos) como diretores de tiro. No máximo servem para dirigir mísseis guiados por radar operando nas bandas C (semiativo), X (semiativo ou ativo) ou ku (ativo) e IR. Quanto a utilizarem no APY-9 a frequência UHF é por ser ela menos sujeita à atenuação atmosférica sendo de uso comum para radares de vigilância. Claro, nessa época de aviões stealth serve também para detectá-los (???). Vale salientar que… Read more »

Clésio Luiz
Visitante
Clésio Luiz

Manuel, acho que você olhou a foto que eu postei e não entendeu o que é o tal bloqueador. Aqui vai a foto de novo: http://s48.radikal.ru/i122/0912/38/7ba23d14c6c8.jpg Agora, olhe a foto com calma, e perceba que tem uma peça separada, que parece um fan, em frente da turbina, mas é fixa, não gira e possui um orifício no meio. . Esse é o tal bloqueador. A função dele é permitir a passagem de ar e ao mesmo tempo evitar que a face da turbina fique completamente visível olhando de fora. Se funciona bem ou mal, se atrapalha o fluxo de ar,… Read more »

donitz123
Visitante

É a pré-série para tirar todos os bugs quem possam ser encontrados no dia a dia de operação antes da versão com o motor definitivo começar a entrar em operação. Sábia decisão.

Manuel Flávio
Visitante
Manuel Flávio

Obrigado Clésio.

Delfim Sobreira
Visitante
Delfim Sobreira

Renan
Concordo consigo em parte, pois acredito que se o F-35 falhar muita gente irá para a cadeia. A opinião pública americana não aceitará pizza.
De resto concordo que os russos estão conservadores com o projeto. Como de praxe.

J.Silva
Visitante
J.Silva

Eu ainda não vi nenhum teste de mísseis ou bombas das baias internas, será que vão começar a operar com os misseis de forma tradicional.