domingo, maio 9, 2021

Gripen para o Brasil

Holanda entrega seis últimos caças F-16 à Jordânia

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

F-16 da Jordânia, ex-Holanda, via Twitter

A HAGA — A venda de quinze aviões de combate F-16 excedentes para a Jordânia gerará receitas de mais de 76 milhões de euros para o Ministério da Defesa dos Países Baixos. O governo está de acordo com a exportação final, disse a ministra do Comércio Exterior, Lilianne Ploumen, à Câmara Baixa do Parlamento holandês.

Os seis últimos F-16 saíram da Holanda em 25 de outubro, para voar para a Jordânia. As aeronaves passaram pela atualização MLU e é equivalente em capacidades com as aeronaves Block 50.

O acordo de princípio para a venda de aeronaves de combate excedentes foi alcançado em 2013. Também foi relatado ao Parlamento na época.

No passado, o país árabe assumiu muitos dos recursos militares do Ministério da Defesa.

Os F-16 holandeses operaram de 2014 a 2016 contra o grupo terrorista Estado Islâmico no leste da Síria e no Iraque a partir de uma base na Jordânia. Isso deve acontecer novamente com quatro F-16 a partir de janeiro de 2018.

- Advertisement -

20 Comments

Subscribe
Notify of
guest
20 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Marcos

Trocaram as asas, que estavam no osso, ou fizeram como nosso P-3?

Marcos

Os holandeses já receberam algum F-35?

Adriano R.A.

Sobrou algum F-16 na Holanda?

Tallguiese

O F-16 é igual ao gol bola. Bom de comprar, bom de usar e facil de revender e mesmo usado da lucro ainda!!

sergio ribamar ferreira

Linda aeronave!

Tiger 777

Qual a vida útil das células??
Foi um bom negócio pra Jordânia????

Carlos Alberto Soares

Lindas fotos.
Ótima aquisição, viram o preço ?

Douglas Rodrigues

Tá aí mais um exemplo de caça que serviria muito bem de tampão na FAB por esses anos que estamos só com F5M. A oportunidade passou e teremos um gap até a operacionalidade dos Gripens prevista para 2021.

Flanker

Douglas, gap seria se o GDA estivesse sem aeronaves, o que não acontece, pois está mobiliado com os F-5M citados por você. O caça tampão foi o M-2000, cuja aquisição previa a substituição provisória dos M-III ate a chegada do F-X2, mas esse processo foi postergado e arrastado por muito mais tempo do que a FAB previa, o que ocasionou a baixa do tampão antes da chegada do caça definitivo. E nesse caso, não valeria a pena a adoção de um novo tampão, devido, principalmemte, aos custos. O F-5M pode não ser o caça dos sonhos de muitos aqui, mas… Read more »

André Luiz.'.

Douglas Rodrigues 31 de outubro de 2017 at 7:47
Discordo. Independente das provadas qualidades do F-16, qualquer compra ou arrendamento de aeronave ‘tampão’ acabaria por atrapalhar todo o processo de renovação da aviação de caça da FAB, seja porque consumiria recursos para a compra ou arrendamento desses tampões mais sua estrutura logística, seja porque interferiria nos processos políticos envolvidos na escolha dos meios ‘definitivos’ (vide o que foi a aquisição dos Mirage 2000 para Anápolis…!)

gustavo

Douglas Rodrigues 31 de outubro de 2017 at 7:47 : F16 na FAB ja foi muito discutido aqui no PA. Dentre os varios topicos eu recomendo a leitura desse aqui :
http://www.aereo.jor.br/2008/08/27/lockheed-oferece-f-16br-no-lugar-do-f-35/

Gustavo

Afinal, quantos F-16 a jordânia possui agora?

Walfrido Strobel

Tem que se levar em conta que são F-16A/B anos 80 que fizeram MLU até 2003, por isso baratos.
O Chile pagou cerca de 9 milhões de dólares cada, mas junto teve que levar a empresa Daedalus que fazia a manutenção na Holanda para fazer a manutenção no Chile junto com a ENAER.
. http://www.f-16.net/f-16-news-article4282.html

Leonel Testa

De novo a historia de tampao temos que pensar num segundo lote de GRIPENS E/F isso sim

Carlos Eduardo

Concordo….

Necessidade sempre haverá, claro.
Mas não há recursos para tal e, mesmo havendo, seria melhor modernizarmos os F-5 jordanianos e comprarmos mais, modernizando também, além de concluirmos a modernização do A-1, pois já está inserido na cadeia de manutenção da força.
Um novo vetor, não tem sentido.]
Talvez nem o Gripen C/D faça sentido agora, pois sabemos que o NG terá muito maior capacidade e que o layout do Cockpit será totalemente diferente da versão suéca…

hammadjr

Parabéns para a Jordânia, compraram um bom caça vai dar conta do recado.

Ronaldo de souza gonçalves

Já temos os miragem!!! e os miragem c nos estoques ou museu se compra-se o f-16 teríamos mais no museu estou com carlos Eduardo, reformamos os jordanianos e sonho com a modernização do amx esse sim poderia atuar por muito mais tempo,lembrando que foi a Embraer que o fez e seria útil por algumas décadas mesmo com o grispen atuando.

Gavião

Segundo o Military Balance (o mais conceituado do mundo) a Holanda possuía até o ano passado 61 F-16, então considerando esta venda, e considerando que não houve perdas, temos ainda 55 aeronaves F-16, em uma força aérea de apenas 8050 efetivos. Lembrando que no auge da guerra fria a Holanda chegou a ter 171 F-16

Farroupilha

Nem tampão nem tampinha de plástico ou de lata.
Parem com isso.
As novas peças do tabuleiro fabiano já estão sendo feitas com material composto e bastante silício: GripenE
“Senta a Pua” FAB!!!

Reportagens especiais

Um pouco sobre Seção Reta Radar (RCS) e tecnologia ‘stealth’

O termo "stealth" é conhecido desde 1980 nos círculos de Defesa, mas tornou-se popular na década de 1990, com...
- Advertisement -
- Advertisement -