quarta-feira, outubro 20, 2021

Gripen para o Brasil

Campanha de testes do KC-390 emprega NVG

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

KC-390

A campanha de testes de um dos protótipos da aeronave multimissão KC-390, que está sendo realizada na Ala 5, localizada em Campo Grande (MS), tem uma característica inédita que é o emprego do Óculos de Visão Noturna (Night Vision Goggles – NVG).

Os Óculos de Visão Noturna têm a capacidade de aumentar em até 50 mil vezes a percepção de luminosidade do ambiente, o que significa que qualquer ponto de luz se torna extremamente sensível aos olhos de quem está operando com os NVGs. Sendo assim, a aeronave foi concebida para que as luzes, tanto internas quanto externas ao KC-390, sejam compatíveis para a realização de voos noturnos.

“Nestes testes verifica-se se há alguma luz da aeronave que possa dificultar o uso do Óculos de Visão Noturna. Isso tanto pelos pilotos quanto pelos demais tripulantes que o empregam, além de analisar também a luminosidade interna, para que os paraquedistas consigam se localizar dentro da aeronave, a fim de realizar o salto noturno”, explica a Engenheira da Embraer, Patrícia Boher, responsável pelos ensaios em voo.

Testes

Nesta fase de testes da campanha do KC-390, que se iniciou no dia 16 e vai até sábado (23/09), estão sendo realizados lançamentos de paraquedistas para averiguar as condições necessárias, a fim de obter a certificação da aeronave. Para isso, a missão conta com o apoio em conjunto da Brigada Paraquedista do Exército Brasileiro; do Esquadrão Aeroterrestre de Salvamento (PARA-SAR) da Força Aérea Brasileira; e do Batalhão Tonelero e Grupamento de Mergulhadores de Combate da Marinha do Brasil.

FONTE: Força Aérea Brasileira

- Advertisement -

27 Comments

Subscribe
Notify of
guest
27 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Flávio

Existem varias versões e missões que se planeja desenvolver na plataforma do KC-390.
Patrulha marítima seria uma boa.
Uma vez vi um desenho de um KC-390 com uma antena giratória, para atuar como um awacs, como substituto , no futura, dos R99A .
Existe essa possibilidade ?
sds

Matheus Ugraita

Caro Flávio, pras duas missões que citou é bem melhor usar o E2 195. Inclusive, já tem estudos da própria Embraer.

Rinaldo Nery

Não existe R99A: é E-99!

Ádson

Matheus Ugraita 24 de setembro de 2017 at 22:23
Matheus, acho que a utilização seria do 190. A autonomia dele é maior.

Walfrido Strobel

Flávio 24 de setembro de 2017 at 21:50
Flávio, possibilidade existe, já teve C-130 AWACS que a USCG usou vários anos.
Porém como a venda é muito improvável, dou a razão a Embraer que só desenvolveria com uma encomenda e com o cliente pagando todo o desenvolvimento.
. https://encrypted-tbn2.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcQds3wTxALYk2vUEuCkXIYWWgQe8glb2SP3dgRDdERcUMcdRhsugTqdha1bbw

Walfrido Strobel

Flávio, complementando, seria muito mais barato comprar um C-295 AEW&C que foi desenvolvido em parceria entre Airbus e ELTA que já está voando.
. https://2.bp.blogspot.com/-1EpI5Uh7hwU/UWKR3hf6IoI/AAAAAAAAPw0/07hFd4O3tEw/s1600/casa_c-295_airbus_military.jpg

Matheus Ugraita

Não, cara…melhor um E190 E2 AWACS…

Carlos Alberto Soares

Mais uma etapa se fazendo cumprir.

Carlos Alberto Soares

190-195
Cel R Nery já postou comentárioa aqui sobre essa questão de anv AEW&C .
Ter a SAAB como parceira etc ….

Mauricio R.

Do ponto de vista da FAB, da União e do contribuinte, a melhor opção é quela cujos custos de desenvolvimento já tenham sido amortizados ou subscritos por um outro cliente.
Assim nesse caso os sistemas ideais seriam o supracitado C-295 AEW&C, o B-737AEW&C/E-7 Wedgetail, o G-550 AEW e o Global Eye, para somente citar alguns.
Lembrando ainda que em se tratando de aeronaves “force multipliers” quem faz e acontece é o sistema integrado de solução de C2 e os sensores, não a plataforma.

Rinaldo Nery

O custo operacional da plataforma KC-390 é muito maior que o do 190. Única razão de usar a plataforma 190. Não sei porque cismam com outras aplicações pruma aeronave que é de TRANSPORTE no seu DNA.

Ádson

Rinaldo Nery 25 de setembro de 2017 at 11:30
“ingenharia”

Top Gun Sea

Se realmente no futuro próximo for consolidado como sucesso de vendas, quem sabe a Embraer poderia desenvolver um irmão mais novo porém, muito maior com 4 turbinas, um supercargueiro como um globomaster com derivações para Brigada de Incêndio, transporte de pesados Tanques e Blindados, Revo, Presidencial e Mercado Externo. Sonhar não paga nada!

LucianoSR71

Curiosidade de leigo: breu total, piloto usando o NVG e de repente um relâmpago, um sinalizador luminoso ou uma outra fonte de luz intensa ilumina a cabine, ele fica temporariamente ‘cego’ ou o NVG tem algum dispositivo de proteção p/ não saturar a visão do usuário?

Paulo Jorge

Comandante Nery,

Imagino que a insistência seja por causa da variante A-50 Beriev. Só que as pessoas desconhecem o custo estratosférico para operar um vetor desse quilate.
A FAB mal tem condições de adotar o Hawkeye, quanto mais bancar o desenvolvimento da versão “AWAC” do KC-390.
Melhor ficarmos onde estamos, com o E-99.

Sds

Walfrido Strobel

Citei o C-130 AWACS como exemplo da possibilidade tecnica, até o P-3 Orion ja teve versão AWACS usada até hoje.
Mas claro que o custo de implantar tanto no KC-390 ou do E-190 é alto e melhor é ficar no E-99 e concluir sua modernização.
Depois que todos estiverem modernizados ainda terão muitos anos de utilização antes de adquirirmos novos AEW&C.

Carlos Alberto Soares
Wellington Góes

Na medida que o uma versão ASW/ASuW, usando como plataforma os E-190/195 E2 (para substituir os P-3AM quando tiverem que dar baixa), o passo seguinte deverá ser versões AEW&C e ELINT/SIGINT (quando, igualmente, os E-99 e R-99 tiverem que pedir o boné). . Entretanto sou adepto da cultura de não se usar até o osso as aeronaves E e R-99, repassando-as para possíveis interessados. Isto ajudaria na manutenção de empregados qualificados, bem como no contínuo reinvestimento em novas tecnologias, inclusive radares nacionais. Desculpe, mas essa de usar plataformas desenvolvidas no exterior, especialmente para aeronaves de comando e controle, não faz… Read more »

JT8D

Há muitos anos houve uma concorrência nos Estados Unidos para um avião similar ao E-99, se não me engano o programa se chamava ACS. A plataforma baseada no EMB-145 praticamente ganhou a concorrência, mas os americanos acabaram”melando” o resultado, alegando que o avião não era capaz de levar todo o equipamento desejado. Essa alegação não teria sido possível se a plataforma fosse um E-190 (que não existia na época). É obvio que um E-190 E2 seria uma plataforma muito mais versátil, com maior alcance, autonomia e capacidade de levar muito mais equipamentos do que uma plataforma baseado no EMB-145. Basta… Read more »

JT8D

É visível que a Embraer tem uma limitação enorme de capacidade de investimento, o que faz com que ela deixe de desenvolver alguns programas que seriam passos lógicos na evolução da sua linha de produtos, como um avião de patrulha marítima baseado nos E-Jets, por exemplo. Essa limitação faz também com que ela se retire de mercados que ainda poderiam lhe render um bom lucro, como foi o caso da descontinuação do desenvolvimento do Tucano. A empresa simplesmente não tem “braço” nem capital para fazer tudo aquilo que ela tem potencial de fazer

Flávio

Amigos , obrigado pelas respostas.
Pensei na possibilidade do AWACS devido ter visto uma imagem, desenho, de um KC-390 configurado dessa forma.
Vendo as respostas , percebo que deve haver opções com melhor custo/beneficio.
Aprendi com as opiniões e debates.
Abraço

Mauricio R.

A USAF pretende migrar o J-STARS do E-8C, um B-707 muito modificado, para jatos executivos.
Pretendiam migrar o “Compass Call” do C-130H para algum jato executivo mas apesar do pito passado em Boeing e Bombardier, a incerteza qnto a disponibilidade de verba pode ser decisiva.
Em ambos os casos não há propostas baseadas em plataforma Embraer.

Walfrido Strobel

Flávio, vc deve ter visto esta versão imaginada pelo “Leandro88” que gosta de viajar em novas versões para aviões, ele pensou em um KC-390 AWACS da Argentina.
.comment image

Carvalho2008

Vcs lembram daquele ensaio que fiz de um kit bomber para o kc390?
https://projetosalternativosnavais.wordpress.com/2016/02/10/embraer-kc-390-bomber-emprego-de-container-drone-planador/
.
LEMBRAM DESTA POSTAGEM QUE FIZ EM 2014…..OLHA SO QUE INTERESSANTE!!!!

Conceito desenvolvido por Universidade Israelense….

http://aerospace.technion.ac.il/projects/ghost-glider/

André Gomide

LucianoSR71 25 de setembro de 2017 at 13:59

Também gostaria de saber. Alguém pode tirar nossa dúvida?

André Bueno

Carvalho2008 26 de setembro de 2017 at 14:40

Já comentei de outra feita. Sua ideia é muito boa, principalmente porque, aparentemente, precisa de pouco ou nenhuma alteração. Cabe produzir um pallet ou algo do tipo e o KC-390 poderia levar alguns misseis cruzeiro ou bombas planadoras.
Mas sou leigo e certamente é bem mais complexo do que imagino!

LucianoSR71

André Gomide 26 de setembro de 2017 at 16:00 Pesquisando encontrei no wiki ( https://en.wikipedia.org/wiki/Night_vision_device ) um trecho que fala no dispositivo que deve ser essa proteção : “Auto-gating The ATG function was designed to improve the BSP feature to be faster and to keep the best resolution and contrast at all times. It is particularly suitable for Aviator’s Night Vision goggles, operations in urban areas or for special operations. ATG is a unique feature that operates constantly, electronically reducing the “duty cycle” of the photocathode voltage by very rapidly switching the voltage on and off. This maintains the optimum… Read more »

Últimas Notícias

FAB realiza enlaces de dados entre aeronaves usando o LINK-BR2 pela primeira vez

Os voos foram realizados durante a execução da Operação Íris, como foi denominada a segunda fase de ensaios de...
- Advertisement -
- Advertisement -