segunda-feira, março 1, 2021

Gripen para o Brasil

AEL entrega protótipos do WAD ‘Modelo B’ para o Gripen brasileiro

Destaques

Defesa aérea da Sérvia atingiu outro F-117 durante a Operation Allied Force

A história de como um jato de ataque stealth F-117 Nighthawk da Força Aérea dos Estados Unidos foi abatido...

HENSOLDT: Sistemas antidrone e de proteção de áreas críticas e estratégicas

Nos últimos anos, a venda de drones cresceu muito no mundo. Esses objetos voadores, cada vez mais comuns em...

FAB coordena Operação Escudo Antiaéreo

Operação aconteceu de forma conjunta entre a Marinha do Brasil, o Exército Brasileiro e a Força Aérea Brasileira No período...
Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

WAD Modelo B – Divulgação: AEL

Porto Alegre, 15 de setembro de 2017 – A AEL Sistemas (AEL) entregou à Saab, com sucesso e dentro do cronograma, o primeiro protótipo “Modelo B” do display panorâmico Wide Area Display (WAD) para o Gripen brasileiro. Trata-se de um protótipo com mecânica e hardware finais para uso em laboratório, simulador e aeronave (no solo), o que permitirá à Saab dar continuidade às atividades de desenvolvimento de software e sistemas.

Uma extensa campanha de testes em voo será ainda realizada com o futuro protótipo Modelo C, previsto para ser entregue em 2018, em estreita cooperação entre a AEL e a Saab, em Linköping, na Suécia.

“Estamos orgulhosos de entregar os protótipos dentro do cronograma e com qualidade, permitindo que os engenheiros da Saab avancem no trabalho de integração para a aeronave. Este fato evidencia o compromisso da AEL com a Saab e a Força Aérea Brasileira (FAB) para fornecer a próxima geração de cockpit para a próxima geração de caças”, afirma Sérgio Horta, presidente da AEL.

“Este é um passo muito importante no desenvolvimento do Gripen para o Brasil. Demonstra uma cooperação muito eficaz entre a AEL e a Saab e é mais uma etapa de sucesso na cooperação industrial entre as empresas brasileiras no programa Gripen”, diz Mikael Franzén, chefe da unidade Gripen Brasil na Área de Negócios Aeronáuticos da Saab.

O WAD é um sistema inteligente com tela panorâmica (19 x 8 in) de alta resolução, que permite exibir uma imagem contínua e redundante em toda a sua extensão, e é capaz de receber entradas de teclas multifuncionais, touchscreen ou interfaces externas. É a principal fonte de todas as informações de voo e missão na cabine de piloto.

A AEL no programa Gripen
Em fevereiro de 2015, a Saab anunciou a seleção da AEL como nova fornecedora no Brasil. Saab e AEL também assinaram um contrato de transferência de tecnologia. A empresa foi selecionada para fornecer o Wide Area Display (WAD), o Head-Up Display (HUD) e o Helmet Mounted Display (HMD), que serão integrados ao Gripen para o Brasil como parte do contrato F-X2.

O programa de desenvolvimento do WAD começou em janeiro de 2015. O novo programa de sistemas aviônicos para a aeronave está planejado para ser executado ao longo de cinco anos e inclui o desenvolvimento, a integração e o trabalho de produção, que serão realizados em Porto Alegre (RS), na sede da AEL. A integração do WAD com a aeronave será feita pela Saab e pela Embraer, com o suporte da AEL.

Em 2 de setembro de 2015, a AEL entregou à Saab, também dentro do cronograma, os primeiros protótipos “Modelo A” das unidades do WAD para o Gripen brasileiro. Em maio de 2016, a AEL anunciou a entrega, com sucesso, da aplicação de Interface Homem-Máquina (Human-Machine Interface – HMI) para o WAD, uma versão preliminar de software que demonstra os conceitos de HMI da Saab para o futuro WAD. Em 2017, mantendo o cronograma de desenvolvimento da Saab, a AEL está entregando o modelo B.

Como parte do programa WAD, está em curso uma intensa transferência de tecnologia para a AEL, permitindo à empresa gaúcha desenvolver competências anteriormente inexistentes e colocando-a na vanguarda da tecnologia em displays panorâmicos. Um escopo adicional tem ocorrido no desenvolvimento da interface Homem-Máquina (HMI) para os avançados caças, juntamente com a capacidade de realizar manutenção de aviônicos.

Protótipo do WAD do Gripen brasileiro em testes

Sobre a AEL Sistemas
A AEL Sistemas é uma empresa brasileira, situada em Porto Alegre, que há 35 anos dedica-se a projeto, desenvolvimento, fabricação, manutenção e suporte logístico de avançados sistemas eletrônicos, com foco nos mercados aeroespacial, de defesa e de segurança pública. Capacitada para o fornecimento, projeto e desenvolvimento de aviônicos, optrônicos, sistemas de comunicação, sistemas espaciais, ARP (aeronaves Remotamente Pilotadas) e simuladores. A empresa participa de projetos estratégicos das Forças Armadas Brasileiras como Gripen, KC-390, Guarani e SISFRON – Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras. Através de tecnologias e conhecimentos avançados, infraestrutura moderna e treinamento sistemático, a AEL produz soluções de última geração, confiáveis e inovadoras, com a qualidade de seus produtos e serviços reconhecidos internacionalmente.

Sobre a Saab
A Saab atende o mercado global com produtos, serviços e soluções de ponta nas áreas de defesa militar e segurança civil. A Saab possui operações e funcionários em todos os continentes. Graças a suas ideias inovadoras, colaborativas e pragmáticas, a Saab desenvolve, adota e aprimora novas tecnologias para atender às necessidades, em constante mudança, de seus clientes.

DIVULGAÇÃO: FSB Comunicação

- Advertisement -

19 Comments

19 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Bruno

E o caça? Ninguém da mais notícias, estou deixando de ser gripeiro =/

Marcelo Andrade

calma Bruno, o mundo não foi feito em um dia só.

O primeiro avião de série da Suécia já esta sendo construído e o nosso começa em breve.

Lembre-se que o deles não terá o WAD. A integração de sistemas é uma parte muito complexa, não adianta só construir a estrutura, os sistemas são sinistros tb.

Cara, show de bola esse WAD. Parece que só o F-35 tb utiliza.

Walfrido Strobel

Eu nunca vou entender esta compra do WAD da AEL, a versão sueca vem com o sistema de 3 displays da Rockwell Collins, esta empresa fornece atualmente os sistemas com displays do KC-390 e Legacy 450/500, portanto trabalha bem com a Embraer.
A RC está no Brasil em São José dos Campos a 40 anos trabalhando no atendimento de aeronaves civis e militares.
Além disso ficou bem cara esta personalização da versão brasileira.

André Bueno

Walfrido Strobel 15 de setembro de 2017 at 18:41

Imagino que vá apresentar um grande diferencial em relação ao que há hoje, somente assim para entender a opção.

Carlos Alberto Soares

Pergunta ao pilotos, principalmente os militares:
Tanta concentração de informações numa única tela poderá confundi-los ?
Ou terão um sistema de cores-crhoma ou algo que defina muito bem cada função ?

Carlos Alberto Soares

*aos

Paulo Jorge

O problema maior não é a “confusão” nos dados apresentados, mas sim o risco de um Display único apresentar defeito no ar ou em combate e deixar o piloto no escuro. A Suécia optou por 3 MFD por esse motivo.
Ah, mas o F-35 também é assim e nem HUD tem…. pois é, problema nele é o que não falta.

Sds

Walfrido Strobel

Em relação a pane no display unico, todo avião com esta caracteristica tem na verdade um segundo display pequeno para o piloto poder voltar em segurança.
Este é o cockpit conceito demonstrado pela Elbit onde se ve claramente o segundo display, o F-35 e o Gripen NG são assim também.
. http://r2.aviationpros.com/files/base/image/CAVC/2012/07/16×9/1280×720/uc–elbit-systems-cockpitng-ne_10739408.jpg

Clóvis Henrique Arrué

Todo mundo vive reclamando que no Brasil não se produz tecnologia, mas quando uma empresa faz isso aqui (e em um setor especialmente sensível, como tecnologia militar), o chororô chega a ser insuportável!!

Jeff

Empresa gaucha/nacional produzindo itens de alta tecnologia embarcada. E tem gente que ainda pergunta porque não escolhemos a opção do fabricante?
A FAB pode não ter todos os recursos de uma grande FA de outros países, mas de bobos eles não tem nada.

marcos10

Sujeito sem dentadura compra óculos Rayban último lançamento, todo folheado a ouro.

Carlos Alberto Soares

Reitero,
Tanta concentração de informações numa única tela poderá confundi-los ?
Ou terão um sistema de cores-crhoma ou algo que defina muito bem cada função ?

Antonio de Sampaio

Pessoal, são duas telas, existe uma tela por baixo dessa principal, o sistema é redundante, uma outra tela é acionada se a primeira der defeito. O problema é que estatisticamente falando, a probabilidade de que isso venha a ocorrer é quase nula. A engenharia trabalha com probabilidades, o Pilatus de passageiro voa todos os dias, no mundo inteiro, avião turbo hélice monomotor, quantos caem por pane de motor??? partindo desse princípio, ele seria proibido de voar, pois uma pane de motor seria morte certa, mas a probabilidade de tal pane ocorrer nem é considerada. Essa mesma empresa israelense que fabrica… Read more »

Topol

Pelo “precinho” que custou isso aí tem que fazer tudo e mais um pouco… 1 Bilhão!!! Particularmente eu preferia que viessem com os displays padrão da SAAB e destinassem esse 1 Bilhão a compra de um sistema anti aéreo de médio alcance, pode ser qualquer um… pouca vergonha um país desse tamanho fazer defesa estratégica com Igla e bofors

Antonio de Sampaio

Topol 16 de setembro de 2017 at 0:11
Seu comentário é válido, e eu diria que esse dinheiro também poderia ser usado para a compra de alguns Gripen CD ou Leopard 2 para o EB. Seriam alternativas válidas.
Coment ret.

Rodrigo

Minha avó já dizia pra nunca colocar todos os ovos numa unica cestinha.

Nonato

Realmente, como querem entregar em 2018, se quase no final de 2017, o avião não voa? Se tem voado, a Saab não divulga O que é estranho. O kc 390, cujo desenvolvimento é considerado rápido, voa há uns dois ou três anos sem parar. É estranha essa demora da Saab… Se bem que o gripen ng não passa de um gripen c alongado e com um motor novo (um pouco mais potente), um radar novo, novos aviônicos. Nada que não pudesse ser acrescentado em um gripen c sem maiores dificuldades. Não entendo a Saab se fazer de difícil. Até porque… Read more »

_RJ_

Não vou me acostumar com touchscreen dentro da cabine tão cedo, vão ter que trocar as luvas dos pilotos, senão o display vai pifar rápido pela “insensibilidade” dos dedos do piloto cacetando a tela. Quanto ao cockpit do gripen BR, pelo menos mantivemos os botões ao redor do display, ao contrário dos conceitos touchscreen dos outros países. Ponto positivo para a AEL.

tony

sobre a pane da tela, ela e feita em setores se não me engano são 6 , então se um setor de pane ou queimar o restante permanece normal, e as informações da seção queimada podem ser visualizadas nas outras partes.

- Advertisement -

Combates Aéreos

Rafale é o melhor em ‘dogfight’, dizem pilotos franceses na Aero India

Se há algo que os Rafales franceses podem fazer melhor, é o combate aproximado (dogfight). Pequeno e ameaçador, o...
- Advertisement -
- Advertisement -