Home Aviação de Caça Há 35 anos, voava o caça Northrop F-20 Tigershark

Há 35 anos, voava o caça Northrop F-20 Tigershark

19529
73
Northrop F-20 Tigershark com dois mísseis ar-ar BVR AIM-7F Sparrow

Em 30 de agosto de 1982, o Northrop F-20A Tigershark fez seu primeiro voo. Durante o voo de teste de 40 minutos, o protótipo subiu a 40.000 pés e atingiu uma velocidade de Mach 1.04.

O desenvolvimento do Northrop F-20 Tigershark (inicialmente F-5G) começou em 1975 como uma evolução do F-5E Tiger II da Northrop, com um único motor GE F404 e uma suite de aviônica digital no estado da arte.

O famoso piloto Chuck Yeager, veterano da Segunda Guerra e o primeiro a bater a barreira do som, foi empregado como porta-voz da Northrop na época, e disse que o F-20 Tigershark era “magnífico”, o melhor caça que tinha pilotado.

A Northrop teve grandes esperanças para a F-20 no mercado internacional, mas as mudanças de políticas após as eleição de Ronald Reagan significaram que o F-20 tinha que competir por vendas contra o F-16, o último projeto de combate da USAF. O programa de desenvolvimento foi abandonado em 1986, depois de três protótipos terem sido construídos e um quarto parcialmente concluído.

O F-20 tinha alta performance, voava a Mach 2, podia disparar mísseis BVR como o AIM-7 Sparrow, tinha ECM e 97% de disponibilidade. Igualava o F-16 em taxa de curva, tinha baixo consumo de combustível (relativamente), aviônica digital, radar multimodo APG-67, INS, GPS, Tacan etc.

O F-20 chegou a ser oferecido ao Brasil e a Northrop trouxe até a Base Aérea de Santa Cruz o mock-up do cockpit para apreciação dos nossos pilotos.

Graças à turbina GE F404, o F-20 tinha 60% a mais de potência que o F-5E, melhorando a razão empuxo/peso de 1 para 1.13, o que fazia com que a performance dele igualasse a do F-16. O F-20 alcançava Mach 2 de velocidade (contra Mach 1.6 do F-5E) e subia até 40 mil pés, em apenas 1 minuto.

A capacidade de giro instantâneo aumentou 7% em relação ao F-5E, indo para 20 graus por segundo; o giro sustentado a Mach 0,8 e 15 mil pés de altitude subiu para 11,5 graus por segundo, bem próxima dos 12,8 graus do F-16. As razões de curvas em velocidades supersônicas eram 47% maiores que no F-5E.

O F-20 tinha um radar desenvolvido para ele, o APG-67 e podia disparar mísseis BVR AIM-7 Sparrow de guiagem semi-ativa. O protótipo do F-20 chegou a disparar o Sparrow antes que o F-16 o fizesse.

Quando estava sendo oferecido ao mercado internacional, o F-20 custava US$ 8 milhões por unidade, enquanto o F-16 custava US$ 15 milhões e o F-15, US$ 30 milhões. Segundo o fabricante, em serviço o F-20 consumia 53% menos de combustível, requeria menos 52% de homens/hora para manutenção, e tinha o custo de manutenção 63% menor que os caças de primeira linha da época.

F-20 e Chuck Yeager
Mockup do F-5G
Mockup do F-5G com casulo de canhão de 30mm sob a fuselagem e mísseis Maverick sob as asas
Os três protótipos do F-20 Tigershark em voo
O F-20 Tigershark na vertical
As belas linhas do F-20A
O F-20 lançando um míssil ar-ar BVR AIM-7F Sparrow
F-20 na Base Aérea de Edwards e o Space Shuttle Challenger ao fundo
O F-20A voando sobre o Mojave
F-20 com casulo buddy-buddy de reabastecimento em voo
Cockpit digital do F-20 Tigershark: para a época era o estado da arte

73
Deixe um comentário

avatar
71 Comment threads
2 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
32 Comment authors
Luiz Floriano AlvesRafael LRonaldo de souza gonçalvesMarcelo Silveira MichelucciGunter Vand Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Daniel
Visitante
Daniel

Cheguei a vê-lo num museu em Los Angeles.
Muito parecido, pessoalmente, com o F-5E.

AL
Visitante
AL

Uma dúvida: qual seria a raio de combate dele?

Cadu
Visitante

Era uma boa, principalmente se o Brasil tenta-se comprar o projeto, poderia ser assim o início do domínio de um avião de caça supersônico. Óbvio que A empresa americana teria que ser “uma parceria”, além desenvolvem o projeto, tinha tecnologia que nós não dominavamos.

André Luiz.'.
Visitante
André Luiz.'.

Galante, uma sugestão de pauta: já que falam por aí que o Gripen é um “F-5 melhorado”, façam um artigo comparando F-20 e Gripen JA-39 E/F (ou ao menos com as versões C/D) ! Olha, embora não seja óbvia a semelhança de design por conta da configuração ‘delta+canards’ do Gripen, se repararem bem, a deriva vertical do F-20 é muito parecida com a do Gripen! Não fosse o nariz adunco (herança do F-5 ?…), de perfil ele lembraria ainda mais o avião da Saab!
Abraços!

Gustavo
Visitante
Gustavo

Qual dos dois comentários virá primeiro?
O Brasil que deveria comprar ou a Argentina enviar um comitiva? hahah

Segatto
Visitante
Segatto

A família do F-5 tem ótimos elementos, a plataforma foi aperfeiçoada a cada geração, é incrível pensar que hoje voa o Super Hornet na linha de frente, sendo um derivado do projeto original, ainda que com inúmeras alterações. A Northrop acertou bem ao criar um caça menor porém bom desempenho e os resultados vemos hoje. Esse F-20 seria ótimo para países que possuem orçamentos baixos até para F-16s e precisavam de um caça com desempenho similar, o projeto foi quase dado ao Brasil e Taiwan, mas falhou por falta de vontade política no primeiro e embargo no último.

Adriano A.R.
Visitante
Adriano A.R.

Interessante ele poder disparar o AIM-7 em uma época que os americanos se recusavam a permitir a venda de mísseis de médio alcance para países como o Brasil… Se viesse, viria “capado”…. e aí não dá… Quantos aos aliados da Otan, esses já tinham se encantado pelo F-16.
O F-20 foi o avião certo que nasceu na época errada…

Joshua
Visitante
Joshua

IGUALZINHO O GRIPEN NG. RSRS

Clésio Luiz
Visitante
Clésio Luiz

Com a F404 o projeto ganhou muito peso, ao mesmo tempo não alterando o combustível interno, fez com que ele tivesse perna curta comparado ao F-16, por exemplo.
.
Comparado ao Gripen, em termos de agilidade é até covardia, o sueco é muito superior. O Gripen C, com a mesma turbina, é superior em tudo, carga de armas, desempenho de pista, visibilidade do cockpit, etc, etc. Não vejo nem a possibilidade do Tigershark ter pernas mais longas nas missões.

André Luiz.'.
Visitante
André Luiz.'.

Segatto 4 de setembro de 2017 at 17:07 “ A família do F-5 tem ótimos elementos, a plataforma foi aperfeiçoada a cada geração, é incrível pensar que hoje voa o Super Hornet na linha de frente, sendo um derivado do projeto original, ainda que com inúmeras alterações” — o amigo pode citar as fontes? Desconheço que o F/A-18 fosse um desenvolvimento da família F-5, embora sejam ambos projetos da Northrop… Que eu saiba, o F/A-18 é o desenvolvimento do YF-17 ‘Cobra’, que concorreu com o YF-16 no Programa ‘Lightweight Fighter (LWF)’, e perdeu… Mas… ‘renasceu’ como caça naval que conhecemos… Read more »

Ivanmc
Visitante
Ivanmc

Excelente matéria! O F-5G foi o caça que poderíamos ter adquirido nos anos 80. Eu admiro esse caça. Matérias assim povoam a imaginação de entusiastas de aviação de caça.

Ivanmc
Visitante
Ivanmc

Alexandre Galante 4 de setembro de 2017 at 16:30.

Excelentes gráficos demostrativos.

AL
Visitante
AL

Valeu Galante!!!

Ivanmc
Visitante
Ivanmc

Corrigindo: Demonstrativos.

Alex Nogueira
Visitante
Alex Nogueira

Um verdadeiro “Fighter”, lindo demais! Acredito que ainda hoje seria um adversário e tanto, ainda mais se fosse armado com mísseis AIM-120 ou MICA que são menores e mais leves.

pangloss
Visitante
pangloss

Alexandre Galante 4 de setembro de 2017 at 16:30
AL, seguem os dados de raio de combate do F-20 para diferentes missões:
———————————————————————————–
Pô, Galante, missão de superioridade aérea com 2 AIM-9???? E 5 minutos de tempo estimado para combate?
Isso é missão de inferioridade aérea, isso sim!
E também desconheço essa continuidade evolutiva que liga o F-5 ao F/A-18. São dois produtos bem diferentes.
Esses aviões que nunca entraram em serviço são como o Tancredo Neves: sem sofrer o desgaste da realidade, são amados por muitos. Imaginem o que a Força Aérea Indiana faria, se pudesse comprar F-20, Mirage 4000, F-16 XL, Su-47 Berkut…

Alex Nogueira
Visitante
Alex Nogueira

Antigamente superioridade aérea era na base do dogfight rsrs, até mesmo o F-16 foi pensado primeiramente para utilizar um par de Sidewinder apenas, era encontrar o inimigo, atirar de primeira se conseguir, caso contrario, manobrar, conseguir a solução de tiro e voltar para casa hehe. Hoje em dia que vemos caças com 6-14 mísseis, mas duvido muito que em missões reais carreguem mais do que 4-6 (2 IR e 2-4 BVR). Tirando a perna curta, de resto o F-20 era top demais.

Nunão
Visitante
Nunão

Pangloss, cinco minutos é o padrão para tempo de combate, em estimativas de diversos tipos de caças.
.
Certamente havia estimativas para missão de superiorisade aérea com mais mísseis, com tanque externo, mudando-se evidentemente as capacidades de manobra e velocidade indicadas. Esse é só um exemplo.

Tomcat
Visitante

O F-20 é o xodó dos editores! 🙂

Impossível deixar de mencionar o comentário do Vader… Rs

http://www.aereo.jor.br/2015/08/31/ha-33-anos-voava-o-caca-northrop-f-20a-tigershark/

Vader 3 de setembro de 2015 at 10:45
O Galante ama tanto essa aeronave que na mesma data, uma vez por ano, ele comemora fazendo um post sobre o F-20, hehehehe..

Leonardo M.
Visitante
Leonardo M.

Os EUA perderam uma grande oportunidade de usar esse caça para exportação.

Países de 3 mundo iriam comprar aos montes
Argentina, Brasil, México,África do sul, Chile,países africanos,Paquistão, e países usando esse vetor como treinamento avançado.

Deveriam ter comprado 120 unidades pra USAF e o resto serviria de exportação.

Mas os EUA estão mais preocupados em ter para si primeiro é o resto que se dane.

Ivanmc
Visitante
Ivanmc

Corroborando: TO Pontiac M39A2 do Mike tem capacidade de 4 rajadas de 4 segundos cada, e depende de alguns fatores: um canhão bem calibrado preferindo o ponto médio de rajadas ex: Velocidade padrão de tiro no canhão revolver 1500 tiros p/min, teria que levar o batente a 750 tiros p/min para não haver um super aquecimento ou estrias no cano preservando a sua alma, munições em perfeito estado de conservação sem umidade, enfitadeira lubrificada, sem elos rompidos etc… Invariavelmente os canhões dos caças tem 4 ou 6 rajadas de 3 a 5 segundos cada em média, cito os caças supersônicos.… Read more »

Clésio Luiz
Visitante
Clésio Luiz

Ivanmc, se você segurar o gatilho do canhão num caça europeu ou russo por 3 segundos, a munição acaba antes disso. Rajada é coisa de meio segundo segurando o gatilho, e ainda assim é um grande desperdício de munição, porque uma fração dos obuses que saíram do cano nesse meio segundo é suficiente para derrubar qualquer caça.
.
Caça europeu ou russo leva em média 150 obuses de 27 a 30 milímetros. Só os americanos costumam levar mais por causa da menor potência da munição padrão deles, de 20 milímetros.

Alex Nogueira
Visitante
Alex Nogueira

O bom do Gripen é que o canhão pode ter suas rajadas configuradas, assim evita desperdício no “stress” do combate.

Clésio Luiz
Visitante
Clésio Luiz

Ivanmc, ignore o que escrevi acima, estava com outros dados na cabeça quando fiz as contas.

Gallina
Visitante
Gallina

Não foi adiante e nada é por acaso. Colocando de forma simplificada, não manobrava tão bem quanto um F-16, principalmente em curvas sustentadas. E isso numa época em que manobrar era muito mais importante do que hoje em dia, com HMD + míssil de quinta geração. Além disso, ainda em relação ao F-16, tinha menos autonomia e raio de combate. Como pontos fortes, era mais barato e tinha, em tese, a vantagem de operar o míssil BVR AIM-7 Sparrow, coisa que o F-16 normalmente não fazia (aliás, até hoje não entendo isso direito). De qualquer modo, iria entrar em operação… Read more »

Walfrido Strobel
Visitante

Gallina, mesmo sendo inferior ao F-16 valeria a pena o ter fabricado para exportação.
Taiwan fez uma concorrencia entre o F-20 e o F-16 e optou pelo F-16, mas diante da recusa na venda do F-16 tentaram comprar o projeto F-20 para fabricar, tambem foi vetado para não provocar a China.
Tiveram que pedir ao Pres.Reagan para autorizar a LM a participar de um projeto onde nasceu o F-CK-1.

Ivanmc
Visitante
Ivanmc

Clésio Luiz 4 de setembro de 2017 at 19:48.
.
É isso aí, quando eu comecei a ler o seu comentário eu já tinha entendido.
Sds.

Ivanmc
Visitante
Ivanmc

Walfrido Strobel 4 de setembro de 2017 at 20:27 .
.
Essa história da origem do FCK-1 é bem interessante, esse projeto nasceu da negativa de venda do F-5G para Taiwan.
.
Desculpe-me pela intromissão da conversa.

camargoer
Visitante

Olá colegas… apenas especulando, ou testando hipóteses… e se ocorreu um lobby sobre o Pentágono para forçar a mão em benefício do F16? Temos que lembrar que o F16 da GenDynamics tinha vencido o F17 da Northrop. Pode ser apenas que a estratégia era garantir que o F16 ampliasse ao máximo as vendas no exterior para reduzir de desenvolvimento, e com isso reduzir os custos de aquisição do F16 pela USAF.. mas como disse, apenas especulando.

Bavaria Lion
Visitante

A Northrop e a Grummann (mães do F-5 e do F-14 especificamente, e depois da fusão, pai do B-2), sempre fizeram projetos muito a frente de seus tempos. É interessante comparar o F-5 com o F-4 contemporâneo. O F-5 é limpo, fluído, manobrável, belo, esguio e ágil. Já o F-4 é um “camburão com 2 motores de Porsche”, todo torto, cheio de anexos aerodinâmicos sem os quais não poderia sequer sair do chão, voa torto, e, entrava em parafuso sem avisos prévios… O problema do F-5 foi justamente a premissa de concepção: um caça diurno. O tamanho diminuto dificultou o… Read more »

Alex Nogueira
Visitante
Alex Nogueira

Ainda hoje o F-20 teria mercado, creio que sairia no preço de um F/A-50, levando em conta a uma configuração (atualizada) na mesma proporção de que foi inicialmente concebido.
*Acredito que o JF-17 Thunder, que é um tanto quanto semelhante em desempenho e configuração, só não estourou de vendas por ser um projeto Chinês, que não passa confiança aqui no ocidente.

Clésio Luiz
Visitante
Clésio Luiz

Realmente Alex, o F/A-50 hoje está suprindo o nicho de mercado que seria do F-20. O JF-17 por seu lado parece tomar o lugar do MiG-21 no mesmo nicho de mercado.

Karl Bonfim
Visitante
Karl Bonfim

É, o F-20 era um belo caça, pena realmente que não deu certo tigershark, o Galante tem razão . Seria uma bela opção para o Brasil. Vale a pena relembrar a memória póstuma desse pelo espécime de pássaro de metal já extinto…

Manuel Flávio
Visitante
Manuel Flávio

A edição atual da revista Força Aérea entrevistou um dos engenheiros-chefe do projeto da SAAB que está no Brasil. Há bastante informação sobre o projeto.

Gallina
Visitante
Gallina

Walfrido Strobel 4 de setembro de 2017 at 20:27
Talvez no contexto atual, tivesse dado certo sim. O cenário que se delineia mostra que a imensa maioria das nações simplesmente não tem ou terá $$ para comprar e operar “caças de verdade”, como F-16, F-18, Gripen, Rafale, operando no futuro com treinadores armados.
E já que estamos falando de treinadores… ninguém me tira da cabeça que, se o projeto da Boeing no T-X for vencedor mesmo, iremos operar um esquadrão deles como lift/ataque leve. Algo como 12-14 aviões.
Abraços

Zarapa
Visitante
Zarapa

Como muitos admiro o F-20 e penso que a decisão de não fabricá-lo pela Northrop teria sido uma ótima oportunidade de construí-lo por aqui a um custo baixíssimo. Contudo, os anos 80 foram economicamente muito complicados no Brasil. E ainda por cima estávamos envolvidos com com o Tucano e o AMX. Por outro lado, nossa primeira linha de caças (M-III e F-5) estava equiparada com o que havia na América Latina. Como muitos publicaram: Foi o avião certo no momento errado.

Tomcat3.7
Visitante
Tomcat3.7

Ai meu Deus já apareceu outro “Tomcat”no site.rs
Gente, se o Brasil tivesse adquirido o projeto e feito uma joint venture sei lá com a fabricante para fabrica lo aqui na Embraer, hoje estaríamos anos luz na capacidade de desenvolver/construir caças, além de que estariamos muito bem na fita em matéria de caça de superioridade aérea.

Alex Nogueira
Visitante
Alex Nogueira

Uma dúvida que ainda tenho em relação ao F-20 é se tinha ou não FBW full, ou se era algum tipo de FBW parcial como parece ser o do JF-17, pois como o Roberto descreveu acima, a aceleração devia ser bruta, o que acredito eu, nos dias de hoje poderia ser facilmente controlada por um sistema de FBW moderno.

Walfrido Strobel
Visitante

Estes preços do texto com 8 Mi por um F-20 foi a ideia no início do projeto nos anos 70, quando era o F-5G ainda com o F-16 que custaria 15 Mi.
Quando foi oferecido nos anos 80 com painel glass cockpit e uso de novos materiais na construção ja como como F-20, uma alternativa ao F-16A a diferença ficou pequena, 15 Mi contra 18 Mi do F-16, Mi de dólares americanos é claro.

Alex Nogueira
Visitante
Alex Nogueira

Na missão Hi-Lo-Hi, nada mal para o magrelo do F-20 hehehe, com o advento das bombas guiadas e SDBS, onde menos são necessárias para cumprir com os objetivos, creio que daria para melhorar um pouco esse alcance.

Tomcat
Visitante

Tomcat3.7 5 de setembro de 2017 at 9:26
Ai meu Deus já apareceu outro “Tomcat”no site.rs

Xará, tenho postado muito pouco por aqui, mas sou leitor assíduo e com posts bissextos desde quando havia somente o Poder Naval e a Trilogia ainda nem era um esboço…

Portanto, o original sou eu… Rs
🙂

Grande abraço

Bavaria Lion
Visitante

Alex, era full FBW, porém, esse sistema viria a ficar defasado ainda na década de 80.

Hawk
Visitante
Hawk

Eu sempre o achei um lindo caça.

Manuel Flávio
Visitante
Manuel Flávio

Não sei porque perdem tempo exaltando um caça fracassado…E pior desejam que o Brasil o tivesse.
Ah sim, o Brasil tem F-5, mas é digamos, um mal menor.

André Luiz.'.
Visitante
André Luiz.'.

Manuel Flávio 6 de setembro de 2017 at 17:29 “Não sei porque perdem tempo exaltando um caça fracassado?i>” — ‘Fracassado’? Como saber?, se o F-20 não chegou a entrar em operação nem combater contra os adversários potenciais de então? E também não participou de um concorrência formal contra o F-16 (a exemplo da concorrência YF-22 vs YF-23, na qual o primeiro foi o escolhido); o F-20 foi um desenvolvimento do próprio fabricante, mas que não encontrou espaço no mercado internacional por conta de um falta de apoio do Governo Americano. Tivesse o Brasil ou outro operador do F-5 adquirido o… Read more »

carvalho2008
Visitante

Mestre Manuel, . Sempre é interessante analisar projetos do passado e realidades alternativas, pois elas frequentemente demonstram onde houve erros ou acertos. . Da mesma forma, muitos projetos acabaram não sendo levado a cabo não por ser ruim, mas apenas por contextos das mais variadas dimensões, quer seja logistica, politica, doutrina, etc… . O F-20 é emblematico pois era um otimo custo benefício mas que enfrentou reveses que não tinham nada a ver com capacidades tecnicas de projeto. . Eu particularmente tambem acho que ele tinha a cara da necessidade brasileira a época. ele possui um airframe que uma vez… Read more »

carvalho2008
Visitante

Reforçando e complementando acima….outro exemplo que sou fã convicto era o Boeing skyfox….uma solução que possuia um custo beneficio superlativo e extremado por diversas dimensões, mas que tambem encontrou fortes reveses e uma torcida de nariz de eventuais clientes prospects….o que os kits de conversão do T-33 para Skyfox permitiam de aumento de desempenho era absurdo, mas esbarrava na falta de charme em se operar um caça treinador baseado na 1a geração ao tempo de projetos como o Hawk, Alphajet, Mig At, etc…o bicho era feinho e estranho, parecendo o cruzamento de um learjet com um ME-262….mas os resultados….nossa….!!

Manuel Flávio
Visitante
Manuel Flávio

André Luiz.’. 6 de setembro de 2017 at 18:11 Não ter conseguido ser vendido não mostra?? Se o F-20 não é fracasso é o quê? O F-20 em termos de capacidade de carga e alcance tem pouca diferença em relação ao F-5E F-5F Peso vazio 15.650lb Combustível interno utilizável 4.400lb Combustível interno e externo 10.023lb MTOW: 24.722lb MTOW-(peso vazio+combustível interno): 4.672lb F-20 Peso vazio 17.890lb Combustível interno utilizável 4.400lb Combustível interno e externo máx 9.792lb MTOW 27.500lb MTOW-(peso vazio+combustível interno): 5.210lb Tem de escolher um projeto que se encaixe nas capacidades. E não contrário. Produção/ desenvolvimento local de um projeto… Read more »

Manuel Flávio
Visitante
Manuel Flávio

Corrigindo: F-5E e não F-5F.