Home Aviação de Caça Reino Unido quer reduzir os custos operacionais do Typhoon para o nível...

Reino Unido quer reduzir os custos operacionais do Typhoon para o nível do F-16

2737
15
Eurofighter Typhoon

O Reino Unido Royal Air Force vai reforçar a capacidade de seus Eurofighter Typhoons usando o dinheiro economizado através de um novo modelo de suporte em serviço para o caça multimissão

Conhecido como esforço de disponibilidade total do Typhoon, ou Tytan, o novo acordo de 10 anos entre a RAF e os parceiros da indústria, BAE Systems e Leonardo, deverá reduzir o custo operacional do Typhoon por hora em 30-40%. Isso deve equivaler a uma economia de pelo menos £ 550 milhões (US$ 712 milhões), que “serão reciclados para o programa”, de acordo com o diretor-gerente da BAE Systems Military Air & Information, Chris Boardman.

Introduzido há um ano nas bases RAF Coningsby em Lincolnshire e RAF Lossiemouth na Escócia, o framework Tytan já está entregando economia e atraindo interesse “fenomenal” de outros programas, incluindo o F-35 da Lockheed Martin, diz Boardman. Seu objetivo é que a iniciativa acabe por resultar no Typhoon com um custo operacional por hora “equivalente a um Lockheed F-16”.

“Você não pode reduzir custos usando o mesmo sistema”, diz Boardman. “Precisamos conseguir mais por menos se avançarmos”.

As iniciativas específicas do Reino Unido já introduzidas através do contrato Tytan incluem o aumento dos intervalos entre as principais atividades de manutenção programadas, o que aumentará a disponibilidade da aeronave e reduzirá os custos de reparação. A manutenção profunda inicialmente agendada após cada 400 horas de voo foi previamente estendida para um intervalo de 500h, e espera-se que seja esticado até 750h.

Agora, em um estágio avançado de avaliação antes de serem adotadas, as “mudanças fundamentais” irão “impedir que as coisas sejam separadas, as partes serem consumidas e o tempo das pessoas sendo consumido na atividade de manutenção que não é necessário no regime atual”, diz Boardman. Isso envolverá a indústria assumindo “mais risco e responsabilidade” nos intervalos de serviço necessários e no pedido de peças, acrescenta. A BAE já embarcou num modelo similar com a Royal Saudi Air Force, ele observa.

“Vamos levar essa economia e investir para manter a aeronave relevante zté 2040”, disse Boardman no Royal International Air Tattoo na RAF Fairford em Gloucestershire, em 14 de julho.

Enquanto isso, os aprimoramentos de capacidade não ligados à atividade da Tytan estão perto da disponibilidade em esquadrões operacionais, diz o comandante da Força RAF Typhoon, Air commodore Ian Duguid. O padrão de software Phase 2 Enhancement (P2E) do avião já está em testes com a unidade de avaliação e teste 41 Sqn, e estará disponível para a linha de frente no início de 2018, diz ele. Um padrão P3E subsequente seguirá no próximo ano.

Phase 2 Enhancement (P2Ea) Typhoon

As principais atualizações incluem capacidade adicional de armas, com o míssil ar-superfície Brimstone da MBDA — que teve um primeiro disparo de sucesso de um Eurofighter em 13 de julho — míssil de cruzeiro Storm Shadow e mísseis ar-ar Meteor além de alcance visual .

Sob um projeto associado chamado Centurion, a RAF trará recursos de ataque com Brimstone e Storm Shadow para o Typhoon antes da aposentadoria do Panavia Tornado GR4, no início de 2019.

Duguid diz que os Typhoons da RAF já voaram mais de 900 missões contra militantes do Estado Islâmico no Iraque e na Síria, inclusive trabalhando em conjunto com seus Tornado GR4s. Ambos os tipos estão operando apartir da RAF Akrotiri no Chipre como parte da contribuição da Operação Shader do Reino Unido para uma coalizão liderada pelos EUA.

Os cinco esquadrões do Typhoon da primeira linha da RAF estiveram envolvidos desde que as operações começaram em dezembro de 2015 e Duguid observa: “Nenhuma missão foi perdida devido a problemas técnicos”.

A força do Typhoon da RAF deve ser aumentada com a adição de dois esquadrões adicionais — em Coningsby e Lossiemouth — que estarão equipados com caças padrão de produção Tranche 1. Anteriormente ameaçados de aposentadoria, pelo menos 24 dos jatos serão mantidos em uso até 2030.

Embora uma decisão final ainda não tenha sido alcançada, as operações com as aeronaves Tranche 1 provavelmente serão dedicadas às missões ar-ar, como Quick Reaction Alert, enquanto eles também podem apoiar atividades de treinamento, atuando em um papel de agressor . Atualmente, o Reino Unido não possui financiamento para permitir que as aeronaves iniciais de produção levem mísseis Meteor, então continuarão a operar com o AIM-120 AMRAAM da Raytheon.

Duguid diz que 10 Typhoon Tranche 3 estão agora operacionais com esquadrões da RAF, com o serviço que já tendo recebido exemplares adicionais que foram colocados em armazenamento temporário.

Em um novo impulso para a força Typhoon da RAF, o ministro da Defesa, Sir Michael Fallon, anunciou a assinatura de um contrato de 40 milhões de libras esterlinas que atualizará o equipamento do subsistema de auxílio defensivo do tipo nos próximos dois anos. A atualização “proporcionará uma proteção ainda mais forte contra a evolução das ameaças ar-ar e superfície-ar”, diz ele.

E, no âmbito de um acordo no valor de 9,5 milhões de libras esterlinas, a Qinetiq permitirá que os simuladores das duas bases de operação do Typhoon da RAF sejam vinculados ao Air Battlespace Training Center da RAF Waddington em Lincolnshire, com “10 semanas de treinamento de batalha simulada por ano”.

Typhoons RAF do esquadrão 11F – foto Eurofighter

FONTE: Flightglobal.com

15
Deixe um comentário

avatar
15 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
13 Comment authors
Tadeu 54NonatoBardiniJeffJuarez Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Everton Matheus
Visitante
Everton Matheus

Sempre concordamos que o custo de voo do Typhoon fosse um absurdo até mesmo para os Padrões Europeu.

HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

O ideal seria aumentar a frota. Mais 40-50 exemplares bipostos para cobrir a aposentadoria dos Tornados.

Roberto Santana
Visitante
Roberto Santana

O ideal era o Reino Unido ter adquirido o F-16 ao invés de ter entrado no programa Eurofighter.

Paulo Jorge
Visitante
Paulo Jorge

Sei não…
Dilatar cronograma de manutenção e reduzir surtidas pode significar economia o curto prazo, mas vai transformar a aeronave em rainha do Hangar e potencializar os riscos de acidentes por falha humana ou mecânica.
Entendo que simuladores são instrumentos auxiliares, mas não conseguem substituir a experiência de voo na aeronave.
Só quero ver como farão o mesmo com o F-35 embarcado.

Gustavo
Visitante
Gustavo

Estão tentando sair de um problema e ao mesmo tempo estão entrando em outro (F-35). Vai entender…

HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

Gustavo 24 de julho de 2017 at 10:45

E o que você sugere? Que o RU abdique de ter uma força aérea ou que venha a comprar o Gripen, o Rafale ou o Su-35? Cada uma que a gente vê por aqui….

Carlos Alberto Soares
Visitante
Carlos Alberto Soares

HMS TIRELESS 24 de julho de 2017 at 10:54
O Bob Santana já te respondeu ai pra riba.
F 16 Block 60 e se desfaz dessas porras todas impagáveis.

Wellington Góes
Visitante
Wellington Góes

Não existe retorno, o negócio é trabalhar para diminuir os custos operacionais e aumentar as capacidades de combate do Typhoon. Os Tornados ADF estão mais pra lá do que pra cá, vão precisar ser substituídos, não haverá como esticar demais a vida útil dessas aeronaves, sem torná-las mais caras do que o próprio Typhoon e do Lightining II.

Luiz Trindade
Visitante
Luiz Trindade

Eu vi muitos comentários sobre o custo operacional do Typhoon. Mas convenhamos que o Reino Unido aprendeu e o próximo caça vai ser bem mais operacional com menos custo.
Agora não podemos esquecer que os custos operacionais são exponencialmente aumentados conforme participação de operações conjuntas e envelhecimento da frota de aviões!
Acredito que com o Brexit vai ser mais fácil economizar com os mesmos!

HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

Carlos Alberto, o que você sugere, deixar de gerar empregos altamente qualificados no país para gerá-los nos EUA tal como fizeram os lambanceiros e incompetentes trabalhistas nos anos 60 quando cancelaram o TSR-2 e o P.1154 para comprar o F-4 Phantom?

Juarez
Visitante
Juarez

Não HMS, ele disse que, seo Reino Unido entrar em combate solito no mas, com alto desgaste, como por exemplo uma surgida por dia durante trinta dias, poderá talvez vencer mas ao fim deste prazo com 40 mil euros a hora de voo estará quebrado e com diagonal de manutenção em frangalhos.
Entendam uma coisa, isto ai é impagável.

G abraco

Jeff
Visitante
Jeff

“HMS TIRELESS 24 de julho de 2017 at 10:54
Gustavo 24 de julho de 2017 at 10:45”
.
Rafale no Reino Unido?? Muito mais fácil a rainha cantar todo o hino inglês arrotando, em cadeia nacional…

Bardini
Visitante
Bardini

A RAF pretendia ter 4 esquadrões de F-35B, se não me engano, para poder operar nos 2 PAs… Mas ultimamente, estão comentando muito a respeito do F-35A e reduzir o número de aeronaves embarcadas e substituir o Tornado.

Nonato
Visitante
Nonato

Sinceramente, não entendo o que encarece a manutenção.
Se levo um uno para a concessionária e pago 250 reais ou se levo um Mercedes e pago 2 mil reais a única diferença é a grife.
Em tese são os mesmos itens a serem verificados e trocados.
Traduzindo: imagino que a manutenção de um typhoon seja cara porque o fabricante cobra uma nota. Não sei se pela mera mão de obra ou se por peças.
Pensei que o governo tinha colocado a BAE contra a parede para reduzir custos…
Combustível não há o que fazer.

Tadeu 54
Visitante

O problema desse avião ser tão caro para manter deve-se às injunções políticas, vários países europeus junto com a Grã-Bretanha o desenvolveram, o resultado é uma salada de fornecedores impondo custos adicionais, resultando numa fortuna por hora-vôo.