Home Armée de l´air Índia negocia compra de jatos Jaguar da França

Índia negocia compra de jatos Jaguar da França

4679
19
SEPECAT Jaguar da França

O Defensenews informou que a Índia iniciou negociações com a França para a compra de 31 caças Jaguar desativados, que anteriormente foram utilizados pela Força Aérea Francesa.

O governo francês fez a oferta de venda dos aviões há cerca de seis meses, e a Índia está buscando ativamente a oportunidade, de acordo com um alto funcionário indiano do Ministério da Defesa.

A oferta será discutida ativamente durante a visita oficial à França, de 17 a 20 de julho, do chefe da Força Aérea da Índia, o Marechal do ar Birender Singh Dhanoa, observou o oficial do Ministério da Defesa.

O funcionário do governo se recusou a comentar sobre o preço oferecido pela França para os caças Jaguar, mas afirmou que a Índia está ativamente considerando a aquisição deles após uma adequada revisão.

Durante sua visita, Dhanoa inspecionará a produção de licenças do Rafale para a Índia nas instalações de fabricação da Dassault Aviation e fará uma saída em uma aeronave Rafale.

HAL Jaguar DARIN III

Enquanto isso, a empresa indiana Hindustan Aeronautics Limited está realizando o processo de modernização dos aviões Jaguar DARIN III bipostos. Até agora, três protótipos atualizados do Jaguar DARIN III foram desenvolvidos e cerca de 60 aeronaves Jaguar serão modernizadas em três anos, o que dará vida operacional à aeronave por mais 20 anos.

A HAL fabricou 120 aeronaves de ataque de penetração profunda Jaguar sob transferência de tecnologia da BAE Systems do Reino Unido.

Cerca de uma década atrás, a Índia estava negociando a compra de 12 aviões Mirage 2000-5 usados do Qatar e 40 variantes Mirage 2000, incluindo o Mirage 2000-9 dos Emirados Árabes Unidos, mas as negociações falharam com relação ao preço.

Subscribe
Notify of
guest
19 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
JT8D
JT8D
3 anos atrás

A India compra qualquer coisa

Otto Lima
3 anos atrás

Essa aquisição de caças-bombardeiro Jaguar do Armeé de l’Air pela Índia deve ser pelos mesmos motivos da aquisição de caças F-5 da Jordânia pela FAB: uma parte, para modernização e reposição de aeronaves perdidas, e outra parte, para fornecimento de peças de reposição.

Juliano Bitencourt (JB )
Juliano Bitencourt (JB )
3 anos atrás

A India vai bater o recorde mundial de caças diferentes em uma mesma Força Aérea.

JT8D
JT8D
3 anos atrás

Juliano Bitencourt (JB ) 18 de julho de 2017 at 21:04
Deve ser uma tática para confundir os inimigos

Renan
Renan
3 anos atrás

Parabéns a eles, uma visão diferente da estratégia militar da maioria dos países.
Pois um modelo único favorece a logística e o custo de operação. Isto é bom.
Mas uma vez que o agressor domine a fragilidade deste modelo é questão de tempo para a derrota.
Agora lute contra um força variada. E quero ver como se sai.
Pois cada uma das aeronaves terá uma qualidade específica, e o que vale é vencer, não economizar. Dificilmente um agressor terá êxito.
Apenas uma opinião

JT8D
JT8D
3 anos atrás

Renan 18 de julho de 2017 at 21:17
Essa é uma possível explicação. Outra possível explicação, menos nobre, é que a grana deve rolar solta nesses negócios

Gallina
Gallina
3 anos atrás

Tudo leva a crer que a FAB irá fazer algo parecido com os AMX: serão utilizados os M (modernizados, 15 células sob contrato), junto com os aviões do terceiro lote, que embora não tenham passado por modernização, podem usar o Litening e bombas inteligentes. E o restante serviria apenas para scrapper.
ps: espero que alguém se sensibilize para colocar o cabeamento e tudo o que for necessário, para que esses AMX (os modernizados e do terceiro lote) possam operar com mísseis ar-ar na ponta das asas.

Antonio de Sampaio
Antonio de Sampaio
3 anos atrás

Renan 18 de julho de 2017 at 21:17 A questão não é essa, a finalidade me parece, é evitar problemas com possíveis embargos, seja por qualquer motivo, em guerra ou não. Imagina a França embargando a Índia??? seus Rafales teriam dificuldades em operar, imagina se o Rafale fosse seu único e principal caça??? no limite, eles ficariam sempre a mercê de um país estrangeiro, então o uso de vários modelos de aviões, e de vários países diferentes, tem por finalidade manter sempre uma parte da frota não sujeita a embargos ou outros problemas. Eles operam o Rafale, mas também poderosos… Read more »

Paulo Jorge
Paulo Jorge
3 anos atrás

Eles devem servir de treinadores para os esquadrões que operam o Jaguar ou de fonte de peças.
É uma aeronave datada, mas tem lá seu potencial se operada em boas mãos e estiver devidamente modernizada, principalmente em mãos de quem detém artefatos nucleares.

Sds.

fonseca
fonseca
3 anos atrás

Roberto Santanna: tunneau? eixo longitudinal?

Agnelo
Agnelo
3 anos atrás

Conversei com um Major Paquistanês q me disse o seguinte, corroborando com o q já li: A India possui meio de “lados diferentes”, porque não quer depender do lado errado, quando em um conflito. Percebam q Paquistão era muito alinhado com os EUA, e agora está se alinhando com a China. Em 1948, se não me falha a memória, a maioria do CS votou q a Caxemira deveria realizar um plebiscito para escolher com quem ficaria. De maioria muçulmana, fica meio óbvia a tendência para o Paquistão. A Russia ainda veta este plebiscito. De lá pra cá, os interesses na… Read more »

Otto Lima
3 anos atrás

Antonio de Sampaio,

Creio que seria mais sensato para a Índia, a médio prazo, substituir o Mirage 2000 e o Jaguar pelo Rafale e os MiG-21 e MiG-27 pelo HAL Tejas, que poderia ter uma versão LIFT. Assim, para missões de alta responsabilidade, a Índia poderia contar com os Su-30, MiG-29 e Rafale, enquanto o HAL Tejas ficaria com outros tipos de missão, mantendo assim as múltiplas opções de fornecedores, mas com uma logística menos complexa.

Marcelo Andrade
Marcelo Andrade
3 anos atrás

Um dos aviões mais lindos já construídos!!! Podemos ver um de perto aqui no Museu Aeroespacial do RJ.

A RAF nos presenteou em 2014!!!

carvalho2008
3 anos atrás

Gosto muito do jaguar e acho que ele foi pouco explorado. . Se os franceses tivessem persistido mais na evolução deste caça as vendas teriam surgido em maior quantidade. . Um exemplo era a versão embarcada em que pese ser um bom avião com caracteristicas stol, os motores careciam de maior potencia….depois decidiram investir no na modernização dos SUE e criar o Rafale e o projeto ficou no tempo… . Se tivessem prosseguido, talvez pudessem abocanhar a fatia de Mig-29K da India e seriam uma opção ao Nae SP…e talvez a China em suas tentativas iniciais antes de se calcarem… Read more »

JT8D
JT8D
3 anos atrás

Um pais com mais de 400 idiomas e dialetos e centenas de deuses não se intimida com meros problemas logísticos

J.Silva
J.Silva
3 anos atrás

Eu até simpatizo com essa opção Indiana de não depender de um único fornecedor, mas a quantidade de modelos é muito acima do aceitável: Su-30, Mig-29, Mig-21, Tejas, Rafale, Mirage, Jaguar, Su-50(mais pra frente), e ainda procurando Gripen ou F-16. Não há justificativa razoável para isso.

Não dava para reduzir para três categorias?

– um ocidental (Rafale ou Gripen ou F-16)
– um não alinhado (Su-30 MKI)
– um 5ª g com participação nacional (Su-50)

JT8D
JT8D
3 anos atrás

J.Silva 19 de julho de 2017 at 20:40
J. Silva, eu concordo plenamente. Embora a independência em reação aos fornecedores possa ser usada como uma desculpa para essa bagunça, ainda acredito que o motivo principal é o dinheiro por fora que rola nessas compras

Renan
Renan
3 anos atrás

Ai que pergunto, teremos só o Gripen?
No meu ver mais dois vetores de diferentes origens
seria bem vindo.
Poderia ter 100 Gripen, mas uns 20 vetores Russos e quem sabe mais 20 dos EUA ou China.
abraços

Ivan Recife
3 anos atrás

Amigos, Vamos com calma. . A notícia não fala em aumentar a diversidade de caças e aviões de ataque no inventário da Indian Air Force – IAF (Bhāratīya Vāyu Senā), mas em aumentar o número de jatos SEPECAT Jaguar, já operado por eles com sucesso. . Hoje eles já operam cerca de 130 aviões de ataque Jaguar, inclusive duas ou três dezenas das versões bipostas T. Conforme pode ser checado no link – http://www.aereo.jor.br/2016/11/26/jaguar-darin-iii-indiano-atinge-ioc/ – também disponibilizado na matéria, os indianos devem modernizar 110 dos robustos atacantes. Alguns dos itens da modernização: • Motores mais potentes (substituição dos Rolls-Royce Adour… Read more »