sexta-feira, agosto 19, 2022

Gripen para o Brasil

KC-390 agora na Namíbia

Destaques

Guilherme Poggio
Guilherme Poggiohttp://www.aereo.jor.br
Membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

Após apresentar-se na Irlanda o cargueiro da Embraer KC-390, matrícula PT-ZNJ, partiu para a África. Fez escala na Mauritânia e seguiu para a África Subsaariana.

Ontem a aeronave pousou no Aeroporto Internacional de Windhoek (Namíbia) após um voo de quase onze horas (segundo o site flightradar). No momento, conforme mostra a tela do site flightradar abaixo, o avião realiza um voo sobre aquele pais.

Pelo comportamento da aeronave, com mudanças consecutivas de rumo, altitude e velocidade, tudo indica que este seja um voo de demonstração para autoridades e militares da região.

- Advertisement -

37 Comments

Subscribe
Notify of
guest

37 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Alex Nogueira

É isso ai! Excelente treino essa corrida pelo mundo, e vamos que vamos.

Luciano

Segundo o Wiki, eles só tem Antonov An-26 e Harbin Y-12, ou seja só aeronaves bem menores que o KC-390.

Jr

Parece que a tática da Embraer e tentar vender o KC-390 para países que não usam o C-130, primeiro Irlanda e agora Namíbia. Pelo que li por ai, a Irlanda esta procurando adquirir duas aeronaves de transportes maiores que o C-235 que eles tem para patrulha marítima.

Zampol

Poggio: qual seria a velocidade de stol do KC390?

Robson Ce

Seria algo em torno de 250 km..?!
Acho ainda alta

Mas sou so um entusiasta

timuskukii

Será que existe alguma possibilidade de venda a Namíbia e/ou países vizinhos ?

Rommelqe

Entendo que uma das provaveis metas desta demonstração do KC390 era provar que pode executar transferencia de combustivel a helicopteros. Se considerarmos que um NH90 tem velocidade de cruzeiro da ordem de 250km/h a velocidade de 130 nós é totalmente compativel. Mais uma centena de exemplares vendidos!!!!!

Rommelqe

Mais um detalhe: sem turbulencias excessivas induzidas pelos propulsores, que é o maior problema encontrado no emprego do A-400 nesta função. De quebra ainda reduz o mercado de KCs centrados em plataformas de C235 e C285. Aí temos reaceso interesse dos alemães, por exemplo?

Antonio de Sampaio

Roberto Santana 26 de junho de 2017 at 20:51
De novo e como sempre torcendo contra, cara?

Rommelqe

Roberto, citei o NH90 a esmo. Poderia ser o Super Puma-EC225 ou um BH ou outro nome que vce queira.Mas vc entendeu muito bem sim, por que é do ramo: o KC390 pode perfeitamente rebastecer helicopteros. Se eu tivesse competencia teria o maior przaer de pedir a honra de trabalhar pra Embraer. Voce não? Prefere os franceses né? Vai la e arruma a MGB e depois tenta ser reabastecido por um A400. Boa sorte! Olha, sinceramente, torço muito pra Helibras passar a ser brasileira , desenvolver novos produtos e que sejam presos aqueles que desviaram preciosos e escassos recursos na… Read more »

Zampol

Poggio 15:OO horas, obrigado pela pronta resposta.

Sr. Roberto Santana: faz algum tempo, numa discussão sobre os E2 eu pedi ao Sr. que enumerasse as características positivas, do seu ponto de vista, daqueles aviões e fui atendido satisfatoriamente, pelo que hoje agradeço.

Novamente venho pedir que o Sr., com a experiência que acumulou no ambiente da Defesa, revele para nós quais seriam, na sua opinião, os pontos fortes do KC 390, especificamente quais seriam aqueles que podem estar atraindo a atenção de clientes pequenos como Irlanda e Namibia que nem mesmo operadores de velhos Hercules são.

Caerthal

Quanto a tão falada capacidade de reabastecer helicóptero, ainda que totalmente secundária, o KC-390 com apenas 2 propulsores terá mais facilidade que o A400, onde há propulsores bem mais perto do sistema de transferência. Mas até mesmo o A400 já tem uma solução em implementação,a custo de uma menor taxa de transferência de combustível, pela mangueira mais longa e com menor diâmetro.

Fato é que as ferramentas de simulação melhoraram muito nos anos recentes, o foco todo hoje nos testes é validar o “Modelo”. E este modelo diz que o abastecimento de helicópteros será viável.

Bille

(Off tópico) Sr. Roberto Santana: . Já saíram 3 boletins pra fazer uns cabritos na MGB do EC725, com o objetivo de parar com a baixaria de lavar o radiador de óleo a cada 10 horas. Sim meus caros, 10 horas. . Vão instalar um detector de limalha entre a MGB e o radiador (cabrito), saiu mais um boletim pra nova troca do módulo epicicloidal (as engrenagens que “seguram” o mastro no lugar, e um upgrade do software do MFDAU (o programa que compila os dados dos sensores da aeronave). . Essa novela dessas kombis caras vai longe… só quero… Read more »

Tikuna

Antonio de Sampaio 26 de junho de 2017 at 22:24
É a profissão de fé dele, destratar tudo o que é do Brasil e da Embraer, deve ser doloroso, pois não é nada fácil desmerecer os produtos Embraer. Tão pouco ele disfarça, sempre foi assim.

Delfim Sobreira

Para um cargueiro que quer substituir o C-130, óbvio que procure reproduzir ao máximo suas baixas velocidades de pouso e estol.

EParro

Roberto Santana 27 de junho de 2017 at 11:21

Meu, que sensacional!

“…existem coisas boas no Brasil, por exemplo, eu mesmo sou daqui, sou brasileiro…”

Também sou brasileiro, logo sou mesmo uma “coisa” muito boa.
Infelizmente, há bem menos tempo que V.S.ª.

Saudações

caerthal

Os comentários do Roberto Santana estão destoantes. Muitos adjetivos, figuras de linguagem e filosofia de botequim. Se você se esforçar vai melhorar o blog. Se for torcer, que torça a favor. Mais importante ainda, traga análises, dados e fatos. O bacana das soluções de engenharia é que sempre existem vantagens e desvantagens. Equilibrar funcionalidade útil e custo adequado é uma obrigação para uma país como o nosso, relativamente pobre. Já os EUA podem se dar ao luxo de optar por soluções de altíssima performance, a custo fora de alcance dos demais países. Pois bem, depois de 60 anos o Hércules… Read more »

Rommelqe

Prezado Caerthal, tambem li a respeito dessa mangueira mais longa e de menor diâmetro no A400 (solução essa ja aventada aqui nos blogs). Parece que torna mais viavel a transferencia para os helis. De qualquer fprma, quanto ao desenvolvimento de simuladores numericos (no caso CFD-RAns) e modelos em escala reduzida existem ainda muitas dificuldades para simular esse caso. Nos modelos em escala nao é possivel simular o efeito da esteira turbulenta a jusante dos turbo-props principalmente na sustentação assimetrica conferida ao rotor do helicoptero e, quanto ao CFD, essa iteração é extremamente dificil e com resultados nao muito confiaveis. Assim,… Read more »

Rafael Oliveira

Um avião militar não é um filme que deve arrebentar logo no primeiro final de semana de lançamento. Nem mesmo um carro que se mede o sucesso pelas vendas nos primeiros meses e se acompanha ano a ano se o modelo é rentável. . Claro que a Embraer quer assinar contratos o quanto antes, mas não assinar nenhum contrato nos próximos anos, enquanto se fabrica os aviões da FAB, não será sinal de fracasso. A aeronave só vende se houver clientes com a necessidade de comprar um avião do tipo e que se interessem e aprovem o modelo KC-390. E… Read more »

Rommelqe

Caro Roberto, obrigado pela indicação da referência que vc postou. Concordo que é necessário testar os aviões primeiro e do depois os helis. Como vc sabe a mangueira pressurizada tem uma resposta dinâmica muito distinta daquela vazia, seja pela massa seja pela rigidez. Por isso eu faria uma série de testes sem outras aeronaves, com água mesmo (torna o teste até mais rígido), simulando perda de fluido, etc. Certamente a Cobhain, Embraer, Fab e outros envolvidos tem um procedimento muito complexo e será realizado paulatinamente. Agora, não há indícios de que haverá maiores problemas, concorda? Creio que a hipótese do… Read more »

José lemos filho

gente, estou preocupado com a permanência do KC 390 na Namíbia!! Porquê sera ele continua aí??

JT8D

José lemos filho 27 de junho de 2017 at 22:10
Porque a tripulação precisa dormir ?

Clésio Luiz

Está em voo agora, mas curiosamente não está indo para a África do Sul, e sim indo na direção noroeste, voltando de onde veio. Será que vai visitar outro país na África ou vai tentar atravessar o continente mais ao norte?

Clésio Luiz

O site do Flight Radar anda meio falho esses dias. De vez em quando você clica em um voo e não aparece no mapa.
.
https://www.flightradar24.com/data/aircraft/pt-znj#de4396e

Antonio de Sampaio

Clésio Luiz 28 de junho de 2017 at 9:10
Acho que está fazendo o caminho de volta pra Europa, a não ser que tenha sido chamado para uma apresentação, dessas que a compra é quase certa.
Achei que da Namíbia iria atravessar para Nova Zelândia, final de semana tem que estar em Portugal para uma comemoração da FAP.

Antonio de Sampaio

Guilherme Poggio 28 de junho de 2017 at 10:13
Tava no caminho, por isso minha estimativa, via escala na Austrália.

José Lemos filho

Jt&d , obrigado pela colaboração amigável, mas me explica uma cousa: como vc fica sabendo dessas informações tão rápidas assim??kkkkkk, no mais, valeu a atenção, fiquei mais aliviado.

Wellington Góes

Eu tinha dúvidas do que o KC teria ido fazer na Namíbia. Sei do bom relacionamento que temos dito com aquele país africano, especialmente no que concerne ao setor naval, mas não tenho certeza se eles têm condições financeiras e operacionais (necessidade) de adquirir o avião brasileiro. Pelo menos não o KC-390. Mas o Poggio deu uma ideia que pode ser verdade, ou seja, concentrou num único país, uma demonstração para autoridades de países vizinhos, no caso África do Sul e Angola para, num segundo momento, após demonstração de interesse destes, uma demonstração para cada um e de forma mais… Read more »

Últimas Notícias

B-52, JAS Gripen e F-35 em missão conjunta sobre a Noruega

Hoje cedo, caças suecos e noruegueses escoltaram bombardeiros estratégicos americanos B-52 sobre o território norueguês. Esta é a primeira...
Parceiro

LAAD 2023

- Advertisement -
- Advertisement -