Home Aviação de Caça O Programa Lavi

O Programa Lavi

5555
17
Protótipo do IAI Lavi em voo

O Programa Lavi (לביא – Leão Jovem) teve início no final dos anos 1970, quando a IAI concordou em desenvolver um caça multifunção para substituir os jatos A-4 Skyhawk e Kfir da Força Aérea Israelense.

Com uma perspectiva de fabricação de 300 caças, incluindo 60 bipostos de treinamento, o Lavi foi projetado primariamente como plataforma de ataque e apoio aéreo aproximado, e secundariamente com capacidade de superioridade aérea.

Embora Israel tenha conseguido um financiamento dos EUA para o desenvolvimento da aeronave, quase todo o trabalho do projeto foi feito localmente. Os únicos grandes envolvimentos estrangeiros foram a Pratt & Whitney, subcontratada para desenvolver o motor e a Grumman, que auxiliou no projeto e fabricação da asa feita de material composto.

O projeto resultante ficou muito similar ao F-16, embora menor e mais leve. O Lavi também tinha asas em delta e canards com sistema fly-by-wire de controle de voo, para alta manobrabilidade.

Protótipo do Lavi preservado

Além disso, a IAI equipou a aeronave com avançados aviônicos num glass cockpit, sistema de mira no capacete, heads-up display (HUD) e um radar multimodo pulso-Doppler. Um aspecto interessante foi o desenvolvimento inicial da versão biposto e depois a versão monoposto, com os aviônicos e sistemas ocupando o espaço do segundo assento.

Embora o Lavi tenha progredido bem nos testes e os dois protótipos tenham completado cerca de 80 voos, fatores políticos e econômicos deram fim ao projeto. Os EUA, que tinham fornecido cerca de 40% dos recursos para o desenvolvimento do novo caça, recusaram-se a permitir que certas tecnologias empregadas fossem exportadas.

Como resultado, o custo unitário do avião entrou numa espiral, muito além do que os EUA e Israel tinham previsto. Para complicar, as capacidades do Lavi ficaram muito parecidas com as do F-16 e o Congresso dos EUA temia que o caça israelense prejudicasse as exportações do caça americano.

Lavi escoltado por Kfir em voo de teste

Como resultado, o Congresso interrompeu o financiamento do projeto do Lavi, em meados da década de 1980. O governo israelense rapidamente percebeu que não poderia continuar sem o apoio americano e foi obrigado a cancelar o Lavi em agosto de 1987.

Dos cinco protótipos completados ou em construção, três foram vendidos como sucata e um foi preservado em museu. Entretanto, o terceiro protótipo B-03 foi completado usando recursos da própria IAI. A aeronave serviu como demonstrador biposto de tecnologia com uma instalação completa de aviônicos.

O Lavi TD foi usado como peça de marketing até meados dos anos 1990, quando foi convertido em veículo terrestre de testes. Aparentemente o esforço de marketing teve grande sucesso na China e a IAI acabou fornecendo assistência à Chengdu para o desenvolvimento do similar caça J-10.

Tipo

Caça multifunção

Dimensões

Comprimento: 14,57 m; envergadura: 8,78 m; altura: 4.78 m;
á
rea alar: 33,05 m2

Capacidades

Velocidade máxima: Mach 1.85; Carga máxima: 7.200 kg; Alcance: 2.100 km 

Peso
Peso básico de decolagem: 9,990 kg 
Propulsão
Motor Pratt & Whitney PW1120 com empuxo de  9.344 kg 

 

VEJA TAMBÉM:

Subscribe
Notify of
guest
17 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Ivanmc
Ivanmc
3 anos atrás

Ótima matéria. Artigos ou reportagens do IAI Lavi sempre são interessantes, este caça foi um ícone histórico da aviação militar. Hoje, como ilustra bem a matéria, o Lavi está personificado no J-10, materializando e modernizado, sem dúvidas. Matérias assim enchem os sentidos de entusiastas da aviação, com certeza.

Clésio Luiz
Clésio Luiz
3 anos atrás

Existe pelo menos uma foto conhecida de engenheiros chineses diante de um protótipo do Lavi. Embora a aeronave final não seja uma cópia do Lavi, é evidente que os israelenses forneceram apoio ao programa do J-10.

sergio ribamar ferreira
sergio ribamar ferreira
3 anos atrás

Uma ótima matéria. Excelente ver um país desenvolver localmente seu material de defesa. Israel é sensacional.

MadMax
MadMax
3 anos atrás

Essa seria a escolha natural do Brasil se tivesse existido. Uma pena não ter dado certo.

teropode
3 anos atrás

Ele foi mais um destes projetos que nao teve sorte , foram cancelados por motivos pifios de natureza humana , pelas suas dimensoes ele seria uma especie de Skyhank moderno , a lista de aeronaves militares que nao entraram em serviço deixa bem claro que na maioria dos casos o fator FRESCURA foi determinante no seu cancelamento !

João Bosco
João Bosco
3 anos atrás

IAI Lavi, irmão mais velho do J-10.Tá na cara….

Marcos Alonso
Marcos Alonso
3 anos atrás

Os USA perceberam o potencial israelense e temendo perder mercado exerceram seus poderes. O pequeno caça iria ser um substituto natural para f5, a4, f104, mirage 3/5,além de caças de origem soviética su 22 / mig 21 /23, pois com o fim da guerra fria iria se abrir um novo mercado gigante no oriente. Assim, disputaria com os produtos americanos em toda a europa oriental, china, india, indonesia etc.Realmente foi uma pena. Talvez hoje estivessem projetando um concorrente stealth para o f35.

Pangloss
Pangloss
3 anos atrás

Dentre os projetos que nunca entraram em serviço operacional, o Lavi é um dos meus preferidos, ao lado do Mirage 4000 e do F-16XL.

Mauricio_Silva
Mauricio_Silva
3 anos atrás

Olá.
Pangloss, teve um caso, mais antigo, ainda mais “estranho” que os por você citados: o Avro Canadian CF-105.
O detalhe é que a cadeia de produção e logística (inclusive dos motores) era praticamente toda canadense.
SDS.

Wellington Góes
Wellington Góes
3 anos atrás

Se tivesse sido produzido, com certeza teria disputado muito mercado com o próprio F-16 é Mirage 2000.

Ricardo Da Silva
Ricardo Da Silva
3 anos atrás

Ainda me Lembro de uma revista da “velha guarda” que fez uma matéria de um suposto Avião de Combate Futuro para a FAB (ACX), Tendo como impressão artística um desenho similar do IAI LAVI, desde então tenho “sonhado” com a FAB em adquirir um vetor desse quilate. E ainda achava que em uma versão simplificada poderia substituir os xavante e complementar os A-1.
Sonho meu, sonho meu . . . . .

Ricardo Da Silva
Ricardo Da Silva
3 anos atrás

“João Bosco 11 de junho de 2017 at 17:00
IAI Lavi, irmão mais velho do J-10.Tá na cara….”

Se é assim qual o grau de parentesco ou afinidade do F-15 Eagle com o A-5 Vigilante, o F-14 Tomcat e o MiG-25 Foxbat ?
Já sei ! o A-5 é “pai”, o MiG-25 é sogra e o F-14 irmão mais velho !

Ricardo Da Silva
Ricardo Da Silva
3 anos atrás

Alguém aí também lembra do ALR Piranha ? O caça leve que deveria custar 1/20 de um ATF ?

Gustavo
Gustavo
3 anos atrás

Não vejo problema algum o Lavi ser pai do J-10 (se é que é), inclusive, parabéns aos chineses, que copiaram bons caças, mas se desenvolveram para aprender a fazer, pois até para copiar precisa evoluir…
Deixaram o orgulho de lado e hoje são auto-suficientes em defesa. As cabeças fechadas e orgulhosas preferem ficar 40 anos atras tecnologicamente à evoluir… É por isso que o Brasil, hoje, está assim…

Chokoeater
3 anos atrás

Com o ocaso do F-16 e sendo o F-35 o que é, um suposto Lavi NG com nível de desempenho mínimo acima de Master FT, TA/FA-50, ou o que vier a sair do TX, seria viável????

Zmun
Zmun
3 anos atrás

Uma vez eu vi (não sei se não vi aqui) uma ilustração de um AMX com uma asa parecido com a do F-16. Parece que era uma versão de caça do AMX que a Embraer propôs, mas a FAB não aceitou. Outro dia passei quase 3 horas procurando por essa imagem, mas não tive sucesso. :/

Algum dos amigos sabe alguma coisa dessa versão do AMX e tem a dita ilustração?

Carlos Alberto Soares
Carlos Alberto Soares
3 anos atrás

Essas imagens nos trechos que destacam o nariz mostram bem os irmãos:
https://www.youtube.com/watch?v=6DkucBWHg3M