Home Aviação de Caça O Mirage III na Força Aérea de Israel

O Mirage III na Força Aérea de Israel

4040
2
Mirage IIICJ No. 745 do Esquadrão “First Jet” retratado aqui durante uma exibição oficial após a Guerra dos Seis Dias em 1967. Ele mostrava três marcas de “kills” (uma libanesa e duas iraquianas). Assentado em primeiro plano estava o então Comandante das Forças de Defesa de Israel, o General Isaac Rabin

Quando Israel usou o Mirage para um bom efeito nos ataques de abertura da Guerra dos Seis Dias de 1967, a Dassault não poderia ter pedido uma publicidade mais efetiva. O Mirage da Dassault conseguiu abocanhar uma grande parcela do mercado mundial para caças de Mach 2 da primeira geração, obtendo o tipo de sucesso de exportação eludido pelo British Electric Lighting ou pelo Lockheed Starfighter. O nome “Mirage” tornou-se sinônimo de “caça avançado” e várias nações fizeram encomendas para o tipo.

Com o Mirage, a Dassault adotou uma configuração totalmente nova, um delta sem cauda de 60°, projetado para promover o desempenho de subida e altitude em um caça. Tanto o original MD 550 Mirage (que voou em 25 de junho de 1955) sem pós-queimador e o subseqüente Mirage II não construído foram projetos austeros de dois motores, desenvolvidos com as lições da Guerra da Coreia em mente. O design deles assumiu que a fórmula de uma mira de arma com radar, um sistema IFF (Identificação Amigo/Inimigo) e um rádio seria suficiente para o combate supersônico. Este conceito, no entanto, foi logo abandonado para uma aeronave melhor equipada e mais pesada.

O protótipo do Mirage III

O protótipo do Mirage III, um projeto de empreendimento privado, propulsado por um único motor Atar de pós-combustão, levantou voo em 18 de novembro de 1956, demonstrando uma velocidade de Mach 1.6 em dez semanas. Isso levou a um pedido da Força Aérea Francesa para o caça de pré-produção Mirage IIIA, que evoluiu para o avião de produção Mirage IIIC, o primeiro entregue em outubro de 1960. Numerosas nações do mundo operaram versões de Mirage, incluindo Austrália, Brasil, Paquistão, África do Sul e Argentina, que perdeu um par de Mirages durante a Guerra das Malvinas de 1982.

Mirage IIIA com míssil Matra R530 na barriga

A Força Aérea de Israel (IAF) seguiu de perto o desenvolvimento do Mirage III. Como uma empresa privada ansiosa para promover seus produtos, a Dassault convidou o pessoal da IAF para visitar sua fábrica e voar a nova aeronave. Com o advento do MiG-21 nos inventários árabes, Israel finalmente colocou sua primeira encomenda para o Mirage em 1959.

Enquanto os Mirages franceses foram projetados para interceptar bombardeiros voando muito alto, o requisito israelense era para um caça tático e interceptador. Os Mirages israelenses, portanto, tinham mais tanques de combustível em vez do foguete de decolagem instalado no Mirage francês, e também tinha dois canhões DEFA de 30 mm. A encomenda inicial para 24 aeronaves foi ampliada em 1961 para abranger 72 Mirages.

Os primeiros Mirages da IAF chegaram à base aérea de Hazor em 7 de abril de 1962 e entraram em serviço com o 101º esquadrão “First Fighter”. Em junho de 1962, o 117º esquadrão “First Jet” em Ramat-David tornou-se o segundo esquadrão da IAF a operar o Mirage e, em março de 1964, o 119º esquadrão Atacu (“Bat”) em Tel-Nof começou a receber suas aeronaves.

Mirage III israelense com marcações de 5 kills na fuselagem

Os três esquadrões também operavam a variante de dois assentos do Mirage, o IIIB, que diferia dos IIIC por ter o seu radar de intercepção removido. Os primeiros IIIB chegaram a Israel em 1966. Israel também recebeu dois jatos de foto-reconhecimento (PR) Mirage IIICJ (R) que entraram em serviço com o esquadrão “Atalef”. À medida que Israel começou a fabricar suas próprias instalações de PR como narizes de câmeras intercambiáveis, 4 ou mais IIICJs foram modificados para complementar os IIICJ (R).

O “Shahak”, como o Mirage era conhecido em Israel, foi o primeiro caça da IAF equipado com mísseis ar-ar. Podia levar tanto o francês Matra 530 como o israelense Shafrir I, mas estes eram tão pouco confiáveis ​​que os pilotos da IAF preferiam usar os dois canhões DEFA de 30 mm.

Enquanto os primeiros meses de serviço foram dedicados ao treinamento extensivo, como todos os caças da IAF, os Mirages logo se envolveram em combate. Durante a década de 1960, Israel engajou a Síria no que se tornou conhecida como a “Guerra pela Água”, rechaçando as tentativas sírias para desviar as fontes de água de Israel.

Mirage III da IAF com fuselagem em alumínio natural

Em 19 de agosto de 1963, os combates mais uma vez se desencadearam depois que dois soldados israelenses foram mortos em uma emboscada síria. No primeiro engajamento do Mirage, um par de caças do 117º Esquadrão encontrou 8 caças MiG-17 e conseguiu acertar um, voltando com segurança para a base.

Em 13 de novembro de 1964, a primeira missão de ataque terrestre foi realizada contra a artilharia síria nas colinas Golan. No dia seguinte, pela primeira vez um par de Mirages encontrou caças MiG-21 sírios. Tanto os Mirages quanto os MiGs lançaram mísseis ar-ar, embora nenhuma aeronave tenha sido abatida.

A IAF entrou em ação novamente durante julho de 1966 depois que soldados israelenses foram mortos por uma mina terrestre síria. No dia 14 de julho, os Mirages estavam dando cobertura superior para outros aviões da IAF que atacavam posições sírias quando 4 MiG-21 sírios foram detectados se aproximando da zona de batalha. O 101º Esquadrão de Mirages foi dirigido para os MiGs e o 4º avião da formação, do capitão Yoram Agmon, conseguiu derrubar um dos MiGs usando seus canhões. Este foi a primeiro abate mundial para o Mirage, bem como o primeiro abate de um MiG-21 (com direito a marca na fuselagem). Outro MiG foi derrubado no mar da Galileia no dia 15 de agosto, depois de tentar atacar um navio israelense encalhado.

As linhas do Mirage III visto por baixo

Em 11 de novembro de 1966, três soldados israelenses foram mortos por uma mina terrestre perto da fronteira da Jordânia. Durante os ataques de retaliação subseqüentes, um caça jordaniano Hawker foi derrubado pelo comandante do esquadrão “Atalef”. Dois MiG-19 egípcios caíram presas de um único Mirage em 29 de novembro, depois de infiltrarem-se no espaço aéreo israelense. Um dos MiGs foi derrubado usando o míssil ar-ar Matra 530, a primeira vitória com míssil da IAF.

7 de abril de 1967 é considerado o dia em que começou a contagem regressiva para a Guerra dos Seis Dias. Um incidente que começou com o bombardeio sírio de tratores israelenses em uma área agrícola tornou-se um bombardeio de assentamentos israelenses ao longo da fronteira conjunta. Ao meio dia, cinco esquadrões da IAF, incluindo o 117º Esquadrão de Mirage, receberam ordens para realizar ataques contra posições sírias nas colinas de Golan. O ataque foi interrompido antes de ser concluído depois que os MiG-21 da Síria foram detectados na vizinhança e as aeronaves atacantes recuaram para abrir espaço para os Mirages do 101º Esquadrão “First Fighter” para engajar os MiGs. Na disputa subseqüente, dois MiGs foram derrubados em Damasco. Ao mesmo tempo, mais MiGs foram detectados no mar do sul da Galileia, mas conseguiram evitar a intercepção pelos Mirages do 117º Esquadrão. Quando o bombardeio sírio dos assentamentos israelenses retomou às 14h45, a IAF mais uma vez entrou em ação. Como antes, os MiGs sírios tentaram interromper o ataque e mais um MiG-21 foi abatido, desta vez por um Mirage do 119º Esquadrão. Às 16h30, seis Mirages em patrulha no norte de Israel encontraram mais 4 caças MiG-21 e conseguiram derrubar 3 deles, trazendo o total do dia para seis kills.

Shahak 780

Os Mirages da IAF são mais conhecidos por seu desempenho durante a Guerra dos Seis Dias de 1967. Os Mirages lideraram o ataque preventivo decisivo contra aeródromos árabes, na Operação “Moked”, dizimando as forças aéreas árabes, e superando as poucas aeronaves inimigas que sobreviveram para desafiar a IDF.

Israel entrou na guerra com 65 exemplares e todos, exceto 12, participaram dos ataques lançadas na manhã de 5 de junho de 1967. Quatro por quatro, todo o inventário de combate da IAF desceu sobre as bases da Força Aérea Egípcia, destruindo a maioria de sua aeronave no solo. Os Mirages, principais caças da IAF, foram encarregados de atacar as bases aéreas mais distantes e melhor defendidas: Abu-Sweir, Cairo West, Helwan e muito mais.

Quando a operação “Moked” foi voltada contra outras nações árabes, os Mirages voltaram a estar na vanguarda da luta, atacando bases aéreas jordanianas, sírias e iraquianas. Tendo destruído dezenas de aeronaves inimigas durante as atividades do primeiro dia, quatro Mirages também foram perdidos. Mais Mirages foram perdidos durante o restante da guerra, um deles em uma desastrosa saída contra o H3 do Iraque. No final da guerra, Mirages também derrubaram 48 caças árabes, aviões que sobreviveram aos ataques iniciais. Ao “Shahak” também foi creditado o fato de o Líbano ficar fora da guerra, derrubando um Hawker Hunter libanês perto de sua fronteira na manhã de 5 de junho.

A surpreendente vitória alcançada na Guerra dos Seis Dias não trouxe o fim das lutas entre Israel e seus vizinhos árabes. A Guerra de Atrito que surgiu pouco depois se intensificou até 1970, proporcionando muita atividade para os vários esquadrões de Mirage. A frente mais volátil da guerra foi a frente egípcia, afastada da antiga fronteira do deserto do Sinai até o Canal de Suez.

Para lidar com o aumento da distância à frente, os esquadrões de Mirage começaram a se desdobrar para a antiga base aérea egípcia em Bir Gifgafa, renomeada Rephidim pela IAF. O primeiro “kill” pós-guerra da IAF ocorreu no dia 8 de julho, quando o esquadrão “Atalef” de Mirages derrubou um MiG-21 tentando interromper as operações da IAF contra a artilharia egípcia. Mais seis MiGs foram derrubados no dia 15 de julho, incluindo o primeiro kill com mísseis ar-ar Shafrir. Outro “kill” com Shafrir ocorreu em 29 de maio de 1968, quando um Mirage do Esquadrão do “First Fighter” derrubou um MiG-21 sírio. Os  Mirages também haviam voado ocasionalmente em missões de ataque terrestre, mas o advento do A-4 Skyhawk na IAF tornou isso desnecessário e, a partir de 4 de agosto de 1968, eles eram exclusivamente destinados a missões de interceptação.

Mirages III de Israel em foto clássica

Embora a luta tenha ocorrido regularmente desde o final da Guerra dos Seis Dias, a Guerra de Atrito começou oficialmente apenas em 3 de março de 1969, com uma declaração egípcia sobre o cancelamento do acordo de armistício de 1967. Esta declaração sinalizou o início de uma grande escalada na luta, com o aumento da atividade da Força Aérea Egípcia na zona do Canal de Suez e a introdução de um maior número de mísseis superfície-ar (SAM) soviéticos para dificultar as operações da IAF.

Os anos de 1969 e 1970 tiveram um extenso combate ao longo do Canal de Suez, com repetidos ataques das Forças Aéreas Egípcias e Israelenses. Os Mirages participaram da maioria dos 97 encontros entre caças israelenses e árabes da época, derrubando um grande número de aeronaves. O primeiro kill com novo míssil Shafrir 2 ocorreu em dia 24 de junho de 1969 por um Mirage do Esquadrão “First Fighter”. Onze MiGs egípcios foram derrubados somente em 11 de setembro, enquanto dezenas mais foram derrubadas até o final oficial da guerra em 7 de agosto de 1970.

Provavelmente o engajamento mais conhecido de todos ocorreu em 30 de julho de 1970, quando Mirages e Phantoms da IAF derrubaram cinco MiG-21 tripulados por pilotos russos, dos quais três foram abatidos por Mirages. As escaramuças entre Israel e a Síria resultaram em jatos sírios derrubados, entre eles quatro MiG-21 abatidos em 11 de dezembro de 1969.

Ilustração: mais um MiG-21 para a coleção de “kills” do Mirage III

Tanto quanto na véspera da Guerra dos Seis Dias, os Mirages também estiveram envolvidos no prelúdio da Guerra do Yom Kippur. Em 13 de setembro de 1973, quatro F-4 Phantom israelenses estavam em uma missão de reconhecimento sobre o noroeste da Síria, quando 16 MiG-21 se lançaram contra eles. No que já foi especulado como uma emboscada da IAF, os F-4 atraíram os MiGs ao Mediterrâneo, onde mais jatos da IAF estavam patrulhando, incluindo 8 Dassault Mirages. Durante a luta inicial, 8 MiGs sírios foram derrubados, enquanto Israel sofreu uma única perda de Mirage. Mais combates ocorreram durante as tentativas subsequentes de resgate, e mais quatro MiG-21 foram abatidos.

Com o início da Guerra do Yom Kippur em 6 de outubro de 1973, o desgaste levou a frota de Mirage a apenas 40 exemplares. Dois esquadrões da IAF foram equipados com Mirage durante a guerra: o 117º Esquadrão “First Jet” e o 101º Esquadrão “First Fighter”, que também operava o IAI Nesher.

Operado como um caça de superioridade aérea dedicado, o Mirage teve grande sucesso durante a guerra, marcando inúmeros “kills”. Nos primeiros dias da guerra passaram a patrulhar o espaço aéreo israelense contra possíveis ataques às cidades e instalações israelenses. Durante uma dessas patrulhas, um Mirage derrubou um míssil AS-5 Kelt lançado de um Tupolev Tu-16 egípcio.

No terceiro dia da guerra, Mirages conseguiram decolar de Rephidim em meio a um ataque de quatro jatos Su-7 egípcios e derrubaram toda a esquadrilha. Em 24 de outubro, o último dia de combates entre Israel e o Egito, ocorreu um grande “dogfight” envolvendo 8 Mirages e 12 MiGs sobre o Egito. Sete dos MiGs foram derrubados, enquanto todos os Mirages retornaram com segurança para a base.

Giora Epstein, piloto da pontuação máxima da IAF (com 17 vitórias), conseguiu em uma única semana, entre 18 e 24 de outubro, derrubar 12 aviões egípcios enquanto voava o Mirage. Em uma única saída, ele conseguiu derrubar quatro aeronaves, enquanto em outra derrubou três. Ao fim da guerra, a IAF perdeu 12 Mirages.

O número decrescente de Mirages na IAF e a chegada de novos caças, primeiro o F-4 Phantom e depois o F-15 Eagle, tornaram a Mirage irrelevante. O tipo continuou a servir com a IAF até 1982 e, embora os Mirages restantes estivessem preparados para possível uso durante a operação “Paz para a Galileia” em junho de 1982, eles não participaram da luta.

Um único exemplar, Mirage número 58, ainda reside no Museu IAF em Hatzerim. Esta é a aeronave que derrubou o primeiro MiG-21 sírio em 14 de julho de 1966, e também o avião com melhor pontuação da IAF com 13 vitórias aéreas. Esta conquista é compartilhada por apenas mais duas aeronaves: o Mirage IIICJ nº 59 e o IAI Nesher (nº 510), ele próprio um derivado do Mirage.

 Especificação  Dassault Mirage IIICJ
 Tipo  Interceptor monoposto e caça de ataque ao solo
 Propulsão Um turbojato SNECMA Atar 9B com pós-combustão
 Desempenho Velocidade máxima: Mach 2.2; teto de serviço: 17.000 metros; alcance: 1.350km
 Pesos Vazio: 5.915 kg; máximo de decolagem: 12.700 kg
 Dimensões Comprimento: 14.,75m; envergadura: 8,22m; altura: 4,25m
 Armamento 2 canhões DEFA 30 mm e até 2.268 kg de armamentos  transportados sob a fuselagem e 4 pontos duros nas asas

 

FONTE: IAF Inventory

2
Deixe um comentário

avatar
2 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
2 Comment authors
henrique maximianoGuilherme Poggio Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Guilherme Poggio
Editor
Famed Member

O “Shahak 45” da primeira foto é um ‘Hunter killer’. Os três aviões derrubados por ele eram Jatos Hawker Hunter.
.
O primeiro Hunter foi abatido pelo major Ronen. Era pilotado pelo tenente jordaniano Muwaffaq Salti, uma lenda naquela força aérea. Tanto é que virou nome de base. Por ironia do destino a Real Força Aérea Jordaniana operou caças Mirage (do tipo F1) nesta base entre 1997 e 2007.
.
Maia detalhes no livro “Do Shahak ao Kfir”, ainda no prelo.

henrique maximiano
Visitante
henrique maximiano

Porque o Mirage de Israel tem um “J” – Mirage IIICJ.
O que significa esse J?