Home Artigo Malvinas 35 anos: por que as bombas não explodiram? (PARTE 2)

Malvinas 35 anos: por que as bombas não explodiram? (PARTE 2)

7595
8

por Guilherme Poggio

Há 35 anos argentinos e britânicos se enfrentaram na gélidas águas do Atlântico Sul para disputar a posse das ilhas Malvinas (Falklands, como se referem os britânicos). Foi durante esse conflito que a Força Aérea Argentina (FAA – Fuerza Aérea Argentina) entrou pela primeira vez em combate contra um inimigo externo. O batismo de fogo ocorreu no dia 1º de maio de 1982. O blog do Poder Aéreo está publicando em partes um artigo exclusivo sobre os vetores, os armamentos e as táticas empregadas pela FAA para atacar e destruir os navios da Força-Tarefa britânica. Para ler as partes anteriores clique nos links abaixo.

Parte 1 – Introdução 

Parte 2 – Vetores e armamentos

Diante do desafio que surgiu (enfrentar uma das mais bem equipadas e preparadas marinhas do mundo) as opções da FAA não eram muitas. Os vetores mais indicados para a missão eram os IAI Dagger, versão israelense do Mirage 5, e o McDonnell Douglas A-4B/C Skyhawk. Estes últimos se assemelhavam muito ao modelo A-4Q da Aviação Naval Argentina, também empregado em ataques navais contra os britânicos.

Dagger M-5 C-401 estacionado em Río Grande configurado para missão de ataque onde é possível distinguir duas bombas espanholas BR-250 no cabide central (“Nafgan”) e dois tanques de 1700 litros (configuração “Hotel”). Este avião foi empregado na missão do dia 8 de junho. O ataque eventualmente danificou a fragata HMS Plymouth. FOTO: Museu de Aviação Naval

A questão dos armamentos era mais delicada. O único artefato com guiagem disponível era o míssil ar-superfície Martín Pescador. Este míssil, ainda não totalmente operacional naquela época, foi ensaiado no mês de abril de 1982 pela FAA utilizando um avião IA-58 Pucará como vetor. Em função do tipo de guiagem (via rádio) e da distância de disparo a aeronave ficava demasiadamente exposta ao fogo antiaéreo. Por estas razões abandonou-se a possibilidade do emprego desse artefato na guerra.

Na ausência de armas guiadas a FAA avaliou o emprego de armamentos de queda livre. A FAA possuía basicamente quatro tipos de bombas de emprego geral de queda livre para uso em combate. A primeira delas eram bombas de 454 kg (1.000 libras) de origem britânica. Os argentinos denominavam estas bombas de MK-17. Embora fossem exatamente iguais às bombas empregadas pelos britânicos, estes últimos utilizavam a nomenclatura MK 13/15 para as suas. Estas eram bombas de alto arrasto que podiam ter cauda lisa ou frenada por paraquedas. As bombas MK-17 haviam sido adquiridas pelos argentinos 12 anos antes do conflito como parte do pacote de armas dos bombardeiros English Electric Canberra B.62/T.64.

Bomba MK-17 de origem britânica ao lado de um bombardeiro Canberra da FAA. Essas bombas foram adquiridas juntamente com o bombardeiro 12 anos antes do conflito de 1982. FOTO: FAA

Mais novas que as bombas MK-17 eram as bombas espanholas produzidas pela Expal (Explosivos Alaveses S.A.). Estas eram bombas de baixo arrasto baseadas na série norte-americana MK 80. Havia dois modelos: um de 250 kg e outro de 125 kg. As primeiras podiam empregar cauda lisa ou cauda frenada por paraquedas. As de 125 kg apenas cauda lisa. Elas foram adquiridas em 1978 ante a ameaça de um conflito fronteiriço com Chile. Há informações de que bombas espanholas de 500 kg de alto arrasto também faziam parte do inventário da FAA em 1982.

O A-4B matrícula C-235 da  FAA já nos estágios finais do conflito. Em primeiro plano estão dispostos num único cacho três bombas espanholas BP-250 de cauda lisa. Elas eram carregadas no pilone central, sob a fuselagem (estação 3). FOTO: FAA

A terceira opção eram as bombas de fabricação nacional BR-BK de baixo arrasto de 125 kg. Estas eram produzidas pela Fábrica de Armamentos na cidade argentina de Córdoba. Essas bombas foram designadas somente para os IA-58 Pucará que operavam a partir das ilhas Malvinas (e consequentemente não estavam envolvidos nas operações aeronavais). Os motivos que levaram os argentinos a não empregar essa bomba em ataques navais serão discutidos mais adiante.

Outra opção que foi avaliada, mas não empregada no conflito, era a bomba israelense IMI Mod. 4 de 130 kg, adquiridas junto com os IAI Dagger poucos anos antes do conflito (detalhes sobre este caso também serão comentados mais adiante).

Um par de bombas israelenses IMI Mod. 4 de 130 kg instaladas num caça M-5 Dagger. Não foram encontrados registros do uso dessa arma durante o conflito de 1982. FOTO: FAA

Há relatos de que a FAA também possuía, na época do conflito, algumas bombas de origem norte-americana de 1.000 libras AN-M65A1 que vieram com os bombardeiros Avro Llincoln. Em depoimento ao canal “The History Channel” o Brigadeiro Sergio Mayor (V Brigada Aérea – A-4B) informou que bombas AN-M65A1 foram empregadas nas Malvinas. Porém, não há outros documentos que atestam esta versão e é possível que o oficial-general tenha confundido as bombas norte-americanas com as bombas MK-17.

Outra possibilidade pouco convencional seria o emprego de bombas incendiárias contra a esquadra britânica. Segundo relatado pelo então vice-comodoro (tenente-coronel) Arturo Pereyra, encarregado do Departamento de Operações das FAS (Fuerza Aérea Sur – ativada para coordenar os meios em missões de combate), elas não foram utilizadas por “razões humanitárias”.

A opção pelo emprego de Bombas incendiárias contra os navios da Royal Navy foi descartada por “questões humanitárias”. No entanto, diversas bombas de Napalm foram enviadas para os aeródromos das Malvinas onde operavam os IA Pucará em ações meramente terrestres. FOTO: arquivo

Também se avaliou o uso de torpedos aerotransportados. A Argentina possuía algumas unidades do velho torpedo norte-americano Mk 13, empregado pelos PBY Catalina. Logo após o início do conflito um programa de ensaios com o torpedo tomou forma, tendo como vetor um IA Pucará modificado. O último ensaio foi programado para o dia 14 de junho, mas com o encerramento das hostilidades o programa foi suspenso.

Um Pucará modificado para ensaios em voo armado com torpedo norte-americano Mk-13 no cabide central. Os ensaios foram realizados pouco antes do término do conflito. FOTO: FAA

Por fim, deve-se destacar que a FAA ensaiou bombas de queda livre de 454 kg de origem francesa e bombas tipo cluster de origem soviética. Ambas foram enviadas pela Força Aérea Peruana. No entanto, não são conhecidos ataques reais empregando esses artefatos.

O quadro abaixo, elaborado exclusivamente para este artigo, resume as bombas de emprego geral da FAA disponíveis na época do conflito.

Bombas disponíveis no inventário da FAA em 1982 para emprego contra os navios da Royal Navy

(CONTINUA…)

8
Deixe um comentário

avatar
7 Comment threads
1 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
4 Comment authors
Guilherme Poggiocvn76Clésio Luizcarvalho2008 Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
carvalho2008
Membro
Famed Member

Exemplos do porque é muito melhor possuir doutrina e preparo, do que necessariamente o melhor equipamento. Caso os Pucaras tivessem já desenvolvido doutrina de uso de torpedos, poderiam ter atuado satisfatoriamente contra navios fundeados na Baia de San Carlos… seria impressionante ver esta experiencia ser levada a cabo 40 anos depois de Pearl Harbour… Um outro ponto que já comentei algumas vezes, os A-4 argentinos mesmo rusticos e ainda com bom valor para a época, tinham de operar vindos do continente no limite operacional e em taticas da 2a. guerra em rasantes com as ilhas sombreando as costas nos radares… Read more »

carvalho2008
Membro
Famed Member

Perfeito mestre Poggio, é que a atuação do MB 339 muito muito incipiente…pois o grupamento era muito pequeno de 06 aeronaves ( de um inventario total de 10)…operando numa pista mais remota em Peabble Island, sem qualquer infra estrutura minima. Não conseguiam nem dar partida no motor do bicho. Se estivessem uns hipoteticos 40 em Port Stanley, a infraestrutura seria muito melhor, permitindo uma real operação e ai sim exigindo que o GT adversario mantivesse uma distancia mais segura ocasionando assim que a face continental das ilhas ficassem abertas para a continuidade dos voos de ressuprimento argentino. As Caps dos… Read more »

Clésio Luiz
Membro
Active Member
Clésio Luiz

Interessante a foto do Dagger com os tanques de 1.700 litros. Que eu saiba os israelenses nunca usaram ou fabricaram tal modelo. Então devem ser unidades francesas que vieram junto com o Mirage IIIEA. Em anos recentes, só se viu os tanques israelenses de 1.300 litros tanto nos Dagger quanto nos Mirage.

Clésio Luiz
Membro
Active Member
Clésio Luiz

Aliás, o desempenho da plataforma do Mirage mostra o acerto da FAB em ter adquirido o modelo francês no início da década de 1970. Nem um dos outros modelos avaliados era tão versátil e possuía o mesmo alcance, especialmente o Lightning inglês.

cvn76
Membro
Famed Member
cvn76

Se a memória não me engana, o Perú repassou alguns dos seu Mirage V para a Argentina durante a Guerra.