quinta-feira, março 4, 2021

Gripen para o Brasil

Detalhes da cooperação anglo-nipônica em projeto de caça de nova geração

Destaques

Defesa aérea da Sérvia atingiu outro F-117 durante a Operation Allied Force

A história de como um jato de ataque stealth F-117 Nighthawk da Força Aérea dos Estados Unidos foi abatido...

HENSOLDT: Sistemas antidrone e de proteção de áreas críticas e estratégicas

Nos últimos anos, a venda de drones cresceu muito no mundo. Esses objetos voadores, cada vez mais comuns em...

FAB coordena Operação Escudo Antiaéreo

Operação aconteceu de forma conjunta entre a Marinha do Brasil, o Exército Brasileiro e a Força Aérea Brasileira No período...
Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

Conceito do Future Fighter japonês

Tóquio e Londres exploram a construção de um avião de combate em conjunto

Por Bradley Perrett e Tony Osborne

Grã-Bretanha e Japão vão buscar desenvolver um caça em conjunto, provavelmente para entrada em serviço na década de 2030. O movimento surpreendente é o mais recente aproximando os dois países em tecnologia de defesa.

Mesmo que um caça anglo-nipônico não surja no final, a BAE Systems provavelmente estará interessada em ajudar a Mitsubishi Heavy Industries (MHI) em um programa de aviões de combate autóctones. Mas na busca de cooperação, Tóquio provavelmente espera por um parceiro nacional de custo compartilhado, não apenas um consultor técnico de de peso.

Isso pode ser um problema para a França, a nação provavelmente mais inclinada a trabalhar com o Reino Unido em um novo caça. Os dois já concordaram em fazer um trabalho de aquisição de tecnologia juntos.

REQUISITOS DE CAÇAS JAPONESES E BRITÂNICOS

  • Tóquio precisa substituir o MHI F-2 nos anos 2030;
  • O Eurofighter Typhoon deve deixar o serviço NA RAF antes de 2040
  • Os tecnólogos de defesa do Japão estão certos de que seu futuro caça deve ser tripulado
  • Os esforços britânicos concentraram-se em aeronaves não tripuladas, deixando a porta aberta a alternativas tripuladas

Tóquio e Londres começarão por trocar informações sobre as ambições de seus atuais projetos preliminares: o Futuro Caça Japonês e o Future Combat Air System do Reino Unido (FCAS). Ao avaliarem a viabilidade de um programa conjunto, eles também se aconselharão mutuamente sobre suas capacidades, diz o Ministério da Defesa japonês, presumivelmente significando que colocarão suas cartas de tecnologia na mesa.

Londres não é o único parceiro em potencial de Tóquio. O Japão continuará a discutir a possibilidade de desenvolvimento conjunto com outros países, incluindo os EUA, disse o ministério ao anunciar o acordo em 16 de março. Em junho, emitiu um pedido internacional de informações a empresas interessadas.

Os dois países acordaram em 2012 fortalecer a cooperação bilateral, mesmo antes de Tóquio ter formalmente declarado em 2014, após anos de discussão, que permitiria exportações de armas em circunstâncias limitadas. A decisão de exportação permitiu o desenvolvimento conjunto e a fabricação, porque as empresas japonesas agora podiam fazer peças para um parceiro.

Em 2016, os dois governos disseram que iriam considerar a integração de sensor de bsuca japonês avançado ao míssil ar-ar MBDA Meteor, cujo desenvolvimento foi liderado pelo Reino Unido.

O Ministério da Defesa em Tóquio não dá nenhum prazo para entrada em serviço do caça conjunto contemplado, mas os cronogramas nacionais não parecem muito longe de coincidir. O Japão precisa que o Future Fighter esteja pronto na década de 2030 como um substituto para o MHI F-2. O Eurofighter Typhoon deve deixar a Royal Air Force (RAF) antes de 2040; um substituto terá de estar pronto alguns anos antes disso.

Depois que o Japão e a Grã-Bretanha compreenderem as necessidades e tecnologias de cada um dos caças, eles decidirão até o final deste ano se prosseguirão com um estudo conjunto para um caça, diz o jornal The Nikkei.

Uma diferença crucial entre os dois lados poderia ser sobre se o seu próximo avião de combate precisa realmente de um piloto. Depois de anos de estudos sobre o Future Fighter, o mais recente dos quais é um design conceitual chamado 26DMU, todos previram uma aeronave tripulada, porque tecnólogos japoneses de defesa acham que o combate ar-ar é demasiado complexo para um programa de computador. Mas o trabalho do FCAS britânico se concentrou em um jato não tripulado.

Sublinhando este ponto, o Japão está voando um demonstrador de subescala para um caça tripulado, o MHI X-2, enquanto a Grã-Bretanha tem avaliado suas tecnologias com o BAE Taranis não tripulado. Além disso, o Reino Unido e a França concordaram em construir dois demonstradores de tecnologia em grande escala para um avião de combate não tripulado até 2025.

Ainda assim, o Ministério da Defesa britânico disse que o desenvolvimento do FCAS poderia resultar em uma aeronave tripulada.

Tecnólogos de caças japoneses querem um jato de grande porte. Seus projetos enfatizam o alcance, a autonomia e o volume da baía de armas em relação à manobrabilidade, contando com uma grande carga de mísseis grandes e de alto desempenho para o engajamento a grandes distâncias. O conceito é um pouco semelhante ao do Tornado F3 agora desativado na RAF.

O Caça do Futuro, a ser chamado de F-3 quando em serviço, seria construído pela MHI, o especialista nacional em caças. O Japão quer decidir, em seu ano fiscal encerrado em março de 2019, se vai adiante com um projeto autóctone. Não é de todo claro se o Reino Unido iria querer se comprometer já, mesmo que o desenvolvimento em grande escala só precise começar alguns anos mais tarde, para a entrada em serviço em meados da década de 2030.

Vista longitudinal do conceito do Future Fighter japonês

A tecnologia Stealth seria um foco do estudo anglo-nipônico, diz a Nippon News Network television. Ganhar know-how nesse aspecto do design de caça é a mais importante entre as várias prioridades para engenheiros de caças japoneses, que têm trabalhado no suporte tecnológico para o Future Fighter, mas recentemente desenvolveram um caça, o F-2, apenas com ajuda considerável da Lockheed Martin.

Alguma tecnologia furtiva britânica foi desenvolvida em cooperação com os EUA e não pode ser compartilhada com outros países. Mas o resto foi adquirido de forma independente e pode ser fornecida ao Japão, na medida em que Londres esteja disposta a compartilhar. De fato, Tóquio pode achar que Londres é um pouco mais generosa nesta área do que Washington.

A IHI Corp. está construindo um demonstrador para um motor avançado de 33.000 libras de empuxo para o Future Fighter. Lar da gigante de propulsão global Rolls-Royce, o Reino Unido não usaria um motor japonês, então um propulsor desenvolvido em conjunto seria necessário. No entanto, pode não ser muito difícil para os japoneses se afastarem de seu projeto; eles poderiam oferecer sua tecnologia recém-desenvolvida para um motor comum. Além disso, a Força Aérea Japonesa, provavelmente se perguntando se a IHI tem experiência suficiente para o projeto, pode ficar mais do que satisfeita com a ideia do envolvimento da Rolls-Royce.

Do ponto de vista britânico, as discussões exploratórias podem abrir caminho para a BAE Systems sustentar e ampliar suas habilidades em engenharia de aeronaves de combate – mesmo que não haja resultado de um avião de combate conjunto – atuando como um parceiro tecnológico. Esse é apenas o tipo de trabalho que a empresa tem procurado, porque não tem nenhum programa imediato no Reino Unido para um caça além do Typhoon.

A BAE ainda está construindo Typhoons em cooperação com a Airbus e Leonardo e, após o trabalho de desenvolvimento, mudou-se para um papel em grande parte de fabricação no programa Lockheed Martin F-35. Tendo construído e testado o Taranis, seus engenheiros têm o projeto anglo-francês de demonstrador de tecnologia para trabalhar, sem garantia de que ele vai se transformar em um programa de desenvolvimento e produção completo.

Mas sob um contrato de 123 milhões de libras assinado entre os governos turco e britânico em janeiro, a BAE ajudará a Turquia a desenvolver o caça TF-X. Essa nação usará a experiência e as instalações da BAE, inclusive para simulação e testes de seção transversal de radar – enquanto incidentalmente estará ajudando a manter a BAE no jogo.

A cooperação com os japoneses poderia se transformar em algo semelhante e provavelmente seria executado alguns anos após o programa da Turquia, distribuindo convenientemente a carga sobre os principais engenheiros da BAE. O Reino Unido teria a opção de se juntar eventualmente aos programas turco ou japonês como um sócio de desenvolvimento e produção.

Mas o Japão também pode querer o dinheiro da Grã-Bretanha. Esses dois países e a França têm orçamentos de defesa de tamanho semelhante. O Japão precisa de um parceiro tanto quanto os outros dois, para desenvolver um caça de primeiro nível. Na verdade, as negociações exploratórias ameaçam a desbancar a França como parceiro prospectivo do Reino Unido.

Em outro sinal de Londres e Tóquio se aproximando dos assuntos militares, o Ministério da Defesa britânico afirmou em 15 de março que ele e sua contraparte japonesa concordaram em fornecer uns aos outros material e serviços ao desdobrar suas forças.

Uma esquarilha de Typhoons da RAF visitou o Japão em novembro, dando à Força Aérea Japonesa sua primeira oportunidade de exercitar em casa com um país que não os EUA. Foi a primeira missão britânica de caça ao Japão em décadas.

FONTE: Aviation Week

- Advertisement -
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Combates Aéreos

Força Aérea Indiana participará do Exercício Desert Flag VI nos Emirados Árabes Unidos

O Exercício Desert Flag é um exercício anual de guerra de emprego de grande força multinacional organizado pela Força...
- Advertisement -
- Advertisement -