A-10 Thunderbolt II e A-29B Super Tucano voando juntos na mesma missão no Exercício Green Flag, em setembro de 2016

BASE AÉREA DE WRIGHT-PATTERSON, Ohio (AFNS) – A Força Aérea dos EUA (USAF) lançou um convite à indústria para participar da avaliação da utilidade militar de plataformas de ataque leve na futura estrutura da força.

O convite faz parte de um esforço mais amplo da Força Aérea para explorar opções de plataforma de ataque econômicas. O experimento de “live-fly” é um elemento da Campanha de Experimentação de Capacidades de Ataque Leve dirigida pelo Gabinete de Planejamento e Experimentação de Desenvolvimento Estratégico da Força Aérea da Base Aérea de Wright-Patterson e está programado para o verão na Base Aérea de Holloman, no Novo México.

“Esta é uma evolução do esforço de experimentação de apoio aéreo aproximado que agora ampliamos para incluir uma variedade de missões ar-terra típicas de operações prolongadas desde a Tempestade no Deserto”, disse o Tenente Gen. Arnie Bunch, o Secretário Adjunto da Força Aérea para o vice-comandante de Aquisição.

Os membros da indústria são convidados a participar com aeronaves que podem atender a uma necessidade da Força Aérea para uma capacidade de baixo custo que é suportável e sustentável. Nesta primavera, a Força Aérea analisará os dados recebidos de fornecedores que pretendem participar da campanha de experimentação e, em seguida, convidará os proponentes selecionados a participar de uma avaliação de capacidades de “live-fly” neste verão.

A Força Aérea será o anfitrião da experiência “live-fly” para avaliar as capacidades destas aeronaves de ataque off-the-shelf”. Participantes da indústria participarão com aeronaves adequadas, que serão pilotadas pelo pessoal da Força Aérea em cenários projetados para destacar aspectos de várias missões de combate, como apoio aéreo aproximado, reconhecimento armado, busca e resgate de combate e controle de ataque e reconhecimento.

O experimento “live-fly” também inclui o emprego de armas comumente usadas por outros caças/aeronaves de ataque para demonstrar as capacidades de aeronaves de ataque leve para missões tradicionais contra alvos em terra.

“Após 25 anos de operações contínuas de combate, nossa Força Aérea está com mais demanda do que nunca”, disse o tenente-general Jerry Harris, vice-chefe de gabinete para planos estratégicos e requisitos. “Como não esperamos que os requisitos de desdobramentos diminuam, temos que procurar formas inovadoras e acessíveis de atender às demandas de capacidade em ambientes permissivos, ao mesmo tempo em que criamos e mantemos a prontidão para atender às ameaças emergentes em ambientes mais contestados”.

A experimentação de “live-fly” incluirá um número de eventos de missão incluindo o ataque básico de superfície de dia e de noite em altitude média, o ataque à superfície com munição da precisão, o reconhecimento armado e o apoio aéreo aproximado.

“Esta é uma experiência, não uma competição”, disse Harris, enfatizando que o evento não pode necessariamente levar a qualquer aquisição.

A experimentação e a prototipagem são vistas como caminhos potenciais para identificar novos conceitos operacionais e capacidades candidatas que podem ser enviadas de forma rápida e acessível. A Força Aérea está interessada em usar soluções ágeis, alavancando as autoridades de aquisição rápida onde apropriado, para atender às necessidades antecipadas.

Os resultados da Campanha de Experimentação de Capacidades de Ataque Leve serão usados ​​para informar os requisitos e critérios para futuras decisões de investimento.

Para ver o convite à indústria para participar no site Federal Business Opportunities, clique aqui.

FONTE: USAF

Previous articleÍndia quer receber 123 caças Tejas até 2024-25
Next articleMais A-29s chegam a Cabul para a temporada de combate
Subscribe
Notify of
guest
2 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Guilherme Poggio

Interessante a USAF encabeçar uma proposta como essa. Uma força que décadas atrás dizia “Not a pound for air to ground.”

Bosco

Eu sou fã do OV-10 Bronco. Pra mim deviam reeditar essa aeronave.
Claro, nada contra o conceito do A-29, mas o O-10 tem mais cara de mau.
Mas se fosse apostar, apostaria num jato e aí o Scorpion, pra mim, sai na frente da concorrência.