terça-feira, dezembro 7, 2021

Gripen para o Brasil

Lockheed Martin revela conceito de avião-tanque ‘stealth’

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

Lockheed Martin Hybrid Wing Body (HWB) – Foto: Graham Warwick

A Lockheed Martin revelou seu conceito de aviões-tanque da próxima geração para reabastecer caças como o F-22 e o F-35. As imagens foram divulgadas por Graham Warwick, editor da Aviation Week.

O conceito de novos aviões-tanque stealth foi exibido pela primeira vez no fórum AIAA SciTech 2017. A Lockheed já iniciou testes de túnel de vento em um modelo em escala de quatro por cento denominado Hybrid Wing Body (HWB), projetado para maximizar a eficiência aerodinâmica.

O Comando de Mobilidade Aérea da Força Aérea dos Estados Unidos anunciou recentemente o programa “KC-Z” destinado a desenvolver um avião-tanque de próxima geração que poderia voar em espaço aéreo contestado para apoiar caças de ataque furtivo como o F-22 e o F-35 até 2035.

A USAF quer um novo avião-tanque que seja capaz de operar em ambientes “anti-acesso e de negação de área” de adversários como a Rússia e a China.

- Advertisement -

8 Comments

Subscribe
Notify of
guest
8 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Bosco

Um avião como esse pode até servir como reabastecedor mas com certeza terá outras utilidades, como por exemplo ser ele mesmo um atacante. Se o avião pode penetrar em espaço aéreo contestado ele pode fazer o ataque.

Clésio Luiz

Do ponto de vista prático, tanto o F-35 quanto o F-22 tem menor autonomia do que seus antepassados, pois precisam estar limpos externamente por causa da furtividade. O F-22 tem que abrir mão dos tanques externos mas o F-35 nem isso tem, por causa de cortes no orçamento de desenvolvimento. Isso significa que, ou você opera esses vetores mais perto da fronteira, perdendo a maior utilidade deles que é operar profundamente no espaço inimigo, ou você leva os reabastecedores mais para perto de onde está acontecendo a ação, correndo o risco deles serem facilmente abatidos pelo inimigo. E se você… Read more »

Ivan

http://www.aereo.jor.br/2016/10/02/forca-aerea-dos-eua-quer-avioes-tanque-furtivos-armados-com-laser/ . Aqui no AEREO já foi publicado matéria sobre o futuro KC-Z. . Esta demanda do Air Mobility Command (AMC) da USAF é plenamente justificada. . Qualquer aeronave REVO convencional, normalmente uma aeronave derivada de avião de linha ou de transporte militar, com 2 (dois), 3 (três) ou 4 (quatro) turbofans e MTOW (algo como Peso Máximo de Decolagem) entre 80 toneladas (Embraer KC390) e 250 toneladas (McDonnel-Douglas/Boeing KC-10 Extender), tem em comum um enorme RCS. Afinal de contas, furtividade não era uma prioridade dos seus projetos, normalmente não eram sequer um dado a ser considerado (notadamente nos derivados… Read more »

Ivan

Anexo um PDF de 2013 muito interessante sobre o assunto:
An Overview of the Air Force’s Speed Agile Concept Demonstration Program

http://enu.kz/repository/2013/AIAA-2013-1097.pdf

Boeing e Lockheed Martin estão nessa batalha.

Ivan

Por fim (ao menos por enquanto) repito aqui comentário do experiente Rinaldo Nery de 3 de outubro de 2016, sem licença prévia e abusando da compreensão do mesmo. (Na esperança de não ser processado… 🙂 ) . Rinaldo Nery 3 de outubro de 2016 at 12:39 “Pra entender um pouco o posicionamento dos HAV (High Asset Value), antes do início da campanha é confeccionado o PCEA (Plano de Controle do Espaço Aéreo), ou ACP (Airspace Control Plan), onde serão definidas as áreas DRINK (Tanker) e WATCH (AWACS), antes da linha de contato, e atrás das áreas FAOR (Fighter Area of… Read more »

Bosco

Ivan, Como patrulhas de combate são feitas em área não contestada o que se pode deduzir é que esses aviões reabastecedores serão utilizados somente para missões de interdição e ataque. Por que então eles mesmos não efetuar o ataque? Não vejo lógica em se utilizar um reabastecedor stealth (parece que não tripulado) em espaço aéreo contestado para reabastecer um caça para que este possa realizar o ataque. Seria o mesmo que utilizar um B-2 como avião tanque. Até entenderia se o projeto visasse primariamente um avião de transporte tático furtivo e com capacidade VTOL ou SSTOL (super short) , com… Read more »

Ivan

Honorável Mestre, . O amigo escreveu: “…esses aviões reabastecedores serão utilizados somente para missões de interdição e ataque.” . Necessariamente não. Considerando apenas missões REVO, acredito que devem apoiar caças furtivos (caríssimos de adquirir e operar) em missões de superioridade aérea, inclusive algumas mais agressivas sobre a linha inimiga, considerando que poderão revoar mais próximo das linhas de SAM sem denunciar os caças em CAP. Ainda no REVO, há sempre o C-SAR… . “Seria o mesmo que utilizar um B-2 como avião tanque.” Necessariamente não. Um B2 – ou B21 – provavelmente tem um desenho mais furtivo que os requisitos… Read more »

Rommelqe

Caros, como dito pelo Ivan, entendo que o REVO provido será relativamente distante da linha dos SAM, ate porque o TO certamente seria de alta/altissima intensidade. Assim a geometria tipicamente angulada deve priorizar uma otimização considerando que os radares de defesa, principalmente aqueles baseados em terra, estarão a algumas dezenas de quilometros, tornando o RCS talvez equivalente aquela dos caças que irão apoiar. Isso tambem ajuda com que a solução aerodinâmica seja melhor tratada, permitindo com que o corpo da fuselagem seja largo o suficiente para alojar reservatorios de combustivel e ao mesmo tempo não representar um ônus importante para… Read more »

Últimas Notícias

Desaer apresenta o ATL-300, turboélice para 40 passageiros

A nova fabricante brasileira Desaer apresentou nesta terça-feira (7) na 6º edição da Mostra BID Brasil o novo modelo...
- Advertisement -
- Advertisement -