terça-feira, dezembro 7, 2021

Gripen para o Brasil

Brasil recebe satélite francês e reavalia investimentos na Defesa

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

satelitesgdc

ClippingNEWS-PAO ministro da Defesa, Raul Jungmann, receberá nesta quinta-feira na França o primeiro dos três satélites de Comunicação e Defesa previstos em um acordo com a empresa Thales, que espera lançá-lo ao espaço em 21 de março de 2017.

Mas enquanto o país atravessa sua pior recessão em mais de um século e o Congresso discute um pacote de austeridade fiscal, muitos projetos estão sendo reavaliados e ajustados às restrições orçamentárias de tempos de crise.

Jungmann deu uma entrevista à AFP na sexta-feira (25), pouco tempo antes de viajar para Cannes, onde receberá o dispositivo de quase seis toneladas e de 2,1 bilhões de reais, que logo será levado à base de Kourou, na Guiana Francesa.

AFP: A crise permite pensar que haverá novos projetos de Defesa?

Raul Jungmann: Sabemos que vamos passar a um novo regime fiscal, chamado teto de gastos (que congela os gastos públicos por 20 anos). E sabemos que vamos ter que racionalizar, cortar projetos. Alguns estão em um grau de maturação que não têm volta, como o submarino atômico, ou os quatro submarinos convencionais também desenvolvidos com a França, dos quais três já estão em construção. O satélite está concluído e, no caso dos Gripen [caças comprados da Suécia], o acordo financeiro é suficientemente elástico. Há outros que vamos ter que reavaliar.

A situação nos levou a fazer certos ajustes, que são sempre difíceis mas que são reais e, como disse ao presidente da DCNS [grupo do setor naval de Defesa francês, de propriedade do Estado e do grupo Thalès], a decisão deste governo é manter a sociedade com a França. Agora, teremos que nos adequar à nossa realidade orçamentária e ao novo regime fiscal que está sendo votado no Congresso.

AFP: Por que um programa de satélite?

Jungmann: É um projeto estratégico para a Defesa brasileira, para o governo, e representa um salto tecnológico das Comunicações. Permite a nós uma aquisição e uma transferência de tecnologia essencial para que, no futuro, possamos alcançar um padrão tecnológico que hoje não temos. Vai estar estacionado sobre o Equador, e seu primeiro foco será toda a América do Sul, incluindo o Atlântico Sul e chegando até a costa ocidental da África – o que chamamos o entorno estratégico do Brasil.

AFP: Que mudanças vai trazer?

Jungmann: Permitirá uma grande expansão da banda larga, sua universalização, o que é um enorme avanço para toda a sociedade. Vai permitir que chegue a lugares remotos, como a Amazônia, por exemplo. Significará um enorme avanço em termos de comunicação, rapidez e fluxo. Dará suporte (…) ao sistema de informações segregada e segura de toda a Defesa brasileira.

Passaremos a controlá-lo em território brasileiro (e) todas as comunicações governamentais também serão realizadas através do satélite.

AFP: Por onde passam as principais preocupações hoje?

Jungmann: Nossa principal preocupação é a segurança. Estamos passando por um momento difícil, especificamente no Rio de Janeiro, mas também em todo o Brasil, e isso tem relação com as fronteiras.

O Brasil tem a terceira maior fronteira terrestre do mundo, com 17.000 km e a Marinha é a maior do Atlântico Sul: tem 7.500 km. São um ponto crítico, porque alguns dos nossos vizinhos são grandes produtores de drogas, e o Brasil e tornou, infelizmente, sobretudo nos centros metropolitanos, um consumidor de drogas. Gerou-se um mercado integrado, tanto em drogas quanto em armas.

FONTE: AFP

- Advertisement -

2 Comments

Subscribe
Notify of
guest
2 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Guilherme Poggio

Se tivéssemos feito a lição de casa poderíamos lançá-lo a partir do Maranhão.

Guilherme Poggio

Mais uma coisa. Nossos vizinhos argentinos estão muito, mas muito mais avançado que nós em tecnologia de satélites.

Últimas Notícias

Alto oficial da Força Espacial diz que a China está desenvolvendo capacidades ‘duas vezes mais rápido’ que os EUA

Para o general David Thompson, China pode ultrapassar os EUA em capacidades espaciais em 2030 O vice-chefe de Operações Espaciais...
- Advertisement -
- Advertisement -