Home Aviação de Caça O Poder Aéreo da FAB nos anos 80

O Poder Aéreo da FAB nos anos 80

11232
79

fab-1

Fotos aéreas feitas na Base Aérea de Santa Cruz, no Rio de Janeiro, nos anos 80.

Dezenas de jatos F-5E, AT-26 Xavante e alguns Mirage IIIEBR no pátio ao lado do Hangar do Zeppelin.

fab-2

fab-3

fab-4

FOTOS: Coleção de Ricardo Pereira, do site Assuntos Militares

79
Deixe um comentário

avatar
79 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
43 Comment authors
Emerson MottaAlex Faulhaber, RJcarvalho2008Marcio Venancioaugusto Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Matheus
Visitante
Matheus

Època em que tínhamos uma força aérea de verdade. SDS!!

julio buzoli
Visitante
julio buzoli

Força aérea de verdade? Peraí…
O que temos hoje? Os F-5M, A-1, A-29, R-99 e futuramente o Gripen…
Não vejo mta vantagem para a FAB de 1980 não…

ivanmc
Visitante
ivanmc

Que época boa aquela.

Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa
Joao Moita Jr
Visitante
Joao Moita Jr

futuramente o Gripen…Hahaha!!!
E bota “futuramente” nisso…

horatio nelson
Visitante
horatio nelson

pergunta: vocês não cansam não ? é muito conteúdo diário aqui na trilogia tem q ter muito pique muito ânimo e correr atrás de muita coisa em muitos lugares ainda tomar cuidado para não repetir nada tbm tem que ter muito saco para aguentar muita coisa…mais uma vez parabéns a toda a equipe 😉

Jeff
Visitante
Jeff

haaa uns 24 SU-30 hein?? que sonho isso.

Ednardo de oliveira Ferreira
Visitante

publicaram recentemente o que a Argentina tinha de combate em 1982. Alguém sabe o que nós tínhamos naquela época?

1 linha era F5, Mirages e Xavantes. Isso mesmo? Quantos de cada?

Matheus
Visitante
Matheus

Cara, o brasil patrulhava os céus com o Mirage III, o que temos hoje? F-5 isso é vergonhoso amiguinho.

Seal
Visitante

Esqueça o SU-30. Saiu uma notícia em que a KnAAPO (Komsomolsk-on-Amur Aircraft Production Association) revelou que produziu e entregou os dois últimos Su-30MK2 destinados ao Vietnã. A linha de produção agora, situada em Komsomolsk-on-Amur, no Extremo Oriente russo, vai se concentrar na produção do Su-35 e no PAK-FA.

Marcelo Andrade
Visitante
Marcelo Andrade

Estou com o Julio. Que poderio era aquele? F-5 voando com misseis Sidewinder AIM-9B, Xavantes com metralhadoras 0,50 e bombas de 250 kg burras, Mirages com radar bichado e Matra R-350. francamente, nem o AMX tinha entrado em serviço ainda. Hoje, pelo menos, a FAB consegue combater dentro do ambiente BVR, tem aviões de AEW, possui um vetor estratégico, mesmo que limitado, mas ótimo no TO da AL, que e o A-1, datalink, A-29, já escolheu o novo vetor de combate, fora os KC-390 e, futuramente, os KC-X. Os problemas de orçamento são os mesmos, mas, pelo menos, voamos dentro… Read more »

Glasquis 7
Visitante

Marcelo Andrade,

“possui um vetor estratégico, mesmo que limitado, mas ótimo no TO da AL,”

De onde você tirou isso?

Marcelo Andrade
Visitante
Marcelo Andrade

Matheus, Leia a Revista Força Aérea, sobre os Mirages, não lembro se uma ou duas edições atrás. O relato de um Jaguar que disse que na década de 80, os radares Cyrano dos F-103 já estavam completamente defasados e eles nem ligavam, a interceptação era feita em contato com o controlador militar. Os Mirages nunca passaram por uma modernização de ponta, somente colocaram uns canards e só, não havia dinheiro, bem que a FAB queria, mas ai passou o time! Os F-5M , pelo menos, atuam com HMD, mísseis BVR Derby, datalink, radar Grifo, etc, não é um caça no… Read more »

Marcelo Andrade
Visitante
Marcelo Andrade

Glaquis7,

De onde?

O A-1 já provou várias vezes decolando de Santa Cruz, no RJ, abastecendo em voo e lançando bombas na cabeça das FARC, na fronteira com a Colômbia.

Você já ouviu falar na Operação Querari??

Fora outras ocasiões em que fizeram voos desde Santa Maria até Natal.

Se isso não é estratégico, não sei o que é. Qual pais na América do Sul, além da Venezuela, pode fazer isso?

Não fica só na net não. Leia as revistas também, igual a mim. Tecnologia e Defesa, Força Aérea, ASAS, Flap, Avião Revue, Segurança e Defesa e , ainda aguardando, Forças de Defesa.

Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa

Pois, e discordo totalmente dessas revistas em chamarem o A-1 de meio estratégico. Alcance não diz absolutamente nada em relação à ser um vetor estratégico ou não. Caso contrário podemos classificar quase qualquer aeronave ocidental ‘leve’ produzida em meados dos anos de 1950 de estratégico, o que simplesmente não é verdade.
.
A-1 é uma aeronave de ataque e interdição do campo de batalha.

Glasquis 7
Visitante

O Perú e o Chile, além da própria Venezuela fazem isso só que eles o fazem com Mig 29, F 16 MLU e F 16 Block 50 e Su 30 MKII. Agora me explica, o que os “temidos A-1” poderiam fazer, que a FAV, FAP e FACh. não façam? E quando se refere ao TO imagino que você acha qye o Brasil está melhor que os países da América do Sul.

Marcelo Andrade
Visitante
Marcelo Andrade

Sim Leandro, mas alcança qualquer capital da América do Sul. Se fosse levado a cabo a modernização de , pelo menos, dois esquadrões, seria sim um vetor de ataque respeitável. vide o seu uso na Bósnia pela AMI. Até a chegada dos F-39. E gente, o Chile está com problemas de orçamento desde que acabaram com a Lei do Cobre, a qual os royalties da mineração do cobre financiavam as Forças Armadas. Metade da frota de F-16 está com problemas de logística. Não se esqueçam que os Block 50, só são 10! o resto é F-16A/B MLU, ou seja, tecnologia… Read more »

Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa

Marcelo, nada disso torna o A-1A/B/M uma aeronave estratégica.

charly diego siqueira
Visitante

Boa noite pessoal. Qual o real estado da frota peruana? Os Mirage 2000 e os Mig 29 foram atualizados? Sobre a força aérea venezuelana, já conseguem dar manutenção sozinhos na frota de SU 30? Esses SU 30 não pertencem a um lote rejeitado pela China ou Índia devido a problemas estruturais? Com a exceção da FACH que sei que domina a complexidade da guerra centrada em redes, alguma das outras duas conseguem fazer isso? Só uma observação todos os países citados tem pendencias graves sobre suas fronteiras e acredito ser muito fácil justificar gastos militares, alias no caso dos bolivarianos… Read more »

Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa

Charly, o Brasil não tem qualquer contencioso em relação às fronteiras. Foram acertadas via tratados bilaterais e houve arbitragem internacional umas duas vezes (na figura do Papa já que se tratavam de países altamente católicos), quando houve algum tipo de controvérsia, sendo o resultado aceito por ambas as partes em questão. A maioria dos outros países da América do Sul, senão todos, tem algum tipo de controvérsia em relação às suas fronteiras.

Glasquis 7
Visitante

Marcelo Andrade, ” o Chile está com problemas de orçamento desde que acabaram com a Lei do Cobre” Isso é lenda. A lei do coedre nunca tem sido rebogada nem derogada. Só pra última para militar foram usdo 24 F 16 MLU na caítal mais 8 no norte do Chile o que significa que foram 32 MLU de uma só vez pro ar. Além disso foram usados mais 6 Block 50 o que totaliza 38 aeronaves de 46 que foram pro ar. Isso sem contar os grupos de reserva pra patrulhamento que devem permanecer em alerta obrigatoriamente. No mês passado… Read more »

Adriano Luchiari
Visitante
Adriano Luchiari

Nem naquela época, nem hoje. Culpa do projeto AMX da FAB, que só admitia ter um caça-bombardeiro se fosse de projeto e fabricação nacionais. Fez consórcio com os italianos, proporcionou alguma transferência de tecnologia à Embraer estatal na época, e recebeu as aeronaves sem todo o potencial dos similares italianos.Isso às custas de um reequipamento cujas consequências são sentidas até hoje. O apelido do A-1 na FAB é F-32, pois custou o dobro de um F-16 à época.

Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa

É o maior exemplo de país levando Defesa à sério na América Latina. Bem… ok, talvez seja o único exemplo hehehehehe

Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa

Mesmo se o A-1 tivesse saído de fábrica com as mesmas capacidade de um AMX Italiano, ele ainda seria pura e simplesmente um vetor tático. Uma aeronave estratégica tem que, por definição, não apenas cobrir longas distâncias, mas tem que possuir carga bélica suficiente para bombardear indústrias, centros logísticos, usinas, etc., com o intuito de diminuir a capacidade de fazer guerra do inimigo, ou seja, meios militares para impacto em uma guerra econômica. . Um A-1 simplesmente não carrega quantidade de bombas suficientes para fazer um impacto dessa monta, mesmo se considerarmos ataques com grandes quantidades de aeronaves (o que… Read more »

Glasquis 7
Visitante

charly diego siqueira,

Dos 18 Mig 29 2 foram perdidos. Foi feita uma licitação pra elevar os 16 restantes pra SMT mas só 8 foram contratados. Por problemas orçamentários o peru não conseguiu concluir a modernização então foram devolvidos os vetores com o que já tinha sido feito e passaram a se denominar SMP. Na atalidade nem mesmo os peruanos sabem dizer quantos voam mas os 8 modernizados continuam sendo aeronaves perigosas frente aos Mike. Estes Mig estão armados com R 77 e R27 ao igual que os SU da Venezuela.

RICARDO DA SILVA
Visitante
RICARDO DA SILVA

Desculpem-me o excesso de sinceridade, mas o único período em que a FAB foi realmente moderna foi operando os P-47 na Segunda Guerra Mundial. Nunca mais estivemos emparelhados com o que havia de mais moderno, basta comparar as datas de entrada em operação na FAB com a do país de origem de qualquer avião.
A única exceção talvez fosse o JAS-39E, mas estou desesperançoso.
Convém aqui uma colocação:
Sugiro uma postagem de esclarecimento sobre os efeitos da PEC-241 sobre os orçamentos militares incluindo os programas em andamento.

Glasquis 7
Visitante

Adriano Luchiari,

Só uma correção, os AMX não foram construídos pela EMBRAER, apenas foram ensamblados no Brasil e só os da FAB. Os Italianos foram construídos pelo consórcio AMX.
A EMBRAER apenas absorveu tecnologia pra fornecer freios, trem de pouso dianteiro, os cabides sub alares e parte da fuselagem e asas mas tenho entendido que estes últimos deram problemas no protótipo e acabaram sendo fabricados pela AMX também ficando apenas os trens, cabidas e algumas válvulas o sistema de freios pra EMBRAER.

Bueno
Visitante
Bueno

Qual o tamanho da FAB anos 80 comparado com a FAI anos 60 guerra 6 dias?

maximusrs
Visitante

Se a FAB dos anos 80 “enfrentasse” a FAB de 2016 quem levaria a melhor?

Roberto F Santana
Visitante
Roberto F Santana

As fotos têm na borda a data de revelação de 1986.
Parece ser algum tipo de “William Tell”, uma competição de tiro, armamento, algo assim. Pelo número de aeronaves, ao que tudo indica, todos os esquadrões de caça estão presentes com algum número de aviões. Interessante também, é a insólita presença de um T-6 no pátio, provavelmente o precioso Celacanto.

Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa

Roberto, pode ter sido durante uma RAC (Reunião da Aviação de Caça).

camargoer"
Visitante

Olá G7, você está equivocado. Existem vários posts no PA que explicam como o trabalho foi dividido entre as três empresas, cada uma ficando responsável para fabricação de uma parte do avião. Se não me engano, as entradas de ar e as asas foram fabricadas pela Embraer, O meio da aeronave os os estabilizadores foram fabricados pela Aeritáloa e a frente e a saida dos gases foi fabricado pela Airmachi. Assim, a Embraer enviou para a Itália as partes feitas no Brasil para serem montados os AMX italiandos, e as empresas italianas enviaram as peças fabricadas lá para serem montadas… Read more »

Rinaldo Nery
Visitante
Rinaldo Nery

Roberto, a RAC acontece anualmente em Santa Cruz, nos dia 21 e 22 de abril. 22 de abril é o Dia da Aviação de Caça, comemorando o dia em que o 1° Grupo realizou a maior quantidade de missões durante a Campanha da Itália. Tem palestras, reuniões, Almoço do Caçador, apresentação da Ópera do Danilo, solenidade militar com demonstração operacional.

danilojfsn
Visitante

De qualquer forma belas fotos ! Parabéns, não lembro de ter visto antes tais imagens.

Rinaldo Nery
Visitante
Rinaldo Nery

As atuais instalações do Grupo e o hangar do 1°/16° GAV não existiam à época. Nem os hangaretes. Parece foto bem do início dos anos 80, ou do final dos 70. Acho que as instalações do Grupo foram construídas no comando do Ten Cel Baptista (depois Ministro da Aeronáutica e Presidente do STM).

Rinaldo Nery
Visitante
Rinaldo Nery

comentário retido.

Cláudio PQDT
Visitante
Cláudio PQDT

Pessoal, se analisarmos o cenário da AL nos anos 80, até que tínhamos uma força aérea de respeito.
O que acontece é que os nossos vizinhos melhoraram comprando equipamentos de “ponta”(Aviões mais capazes) ou quase isso e nós só modernizamos o que tínhamos.
Ex. Um fusca 76, por mais equipado e modernizado que esteja, será sempre um fusca(F-5M), não dá pra comparar com um CRUIZE(F-16/SU-30)

Alguém discorda???????????

Farroupilha
Visitante
Farroupilha

Em 1983 nossos F-5 novos já eram considerados obsoletos perto dos F-16 recém comprados e recebidos pela Venezuela.
Infelizmente nossa FAB e sua aviação de caça só na WW2, como disse colega acima, esteve atualizada.
http://www.aereo.jor.br/2012/09/11/venezuela-29-anos-de-f-16/

Carlos Alberto Soares-Israel
Visitante
Carlos Alberto Soares-Israel

Juarez Martinez
“Ter não significa operar”
SU na chon
Venefavela 0 x 1 Brazil
_________________________

Na década de 70 e 80 “os inimigos” eram outros e suas FA’s também
_________________________

Camargoer
Olá, melhor matéria do “abelinha” (AMX)
http://www.aereo.jor.br/2015/12/27/programa-amx-da-concepcao-a-modernizacao/

Carlos Alberto Soares-Israel
Visitante
Carlos Alberto Soares-Israel

Marcelo Andrade
Concordo !
___________________________

Cel R Nery
Socorroooooooo
Leu ai pra cima Cel sobre o A 1M ?

Carlos Alberto Soares-Israel
Visitante
Carlos Alberto Soares-Israel
Carlos Alberto Soares-Israel
Visitante
Carlos Alberto Soares-Israel

Voltando, 72 F 39 seria o mínimo aceitável.
A modernização de todos A 1 admissíveis é fundamental,
assim como todos A 4 (VF 1) admissíveis para padrão M – REVO,
consórcio liderado pelos Israeli com Harpoon integrado,
operados da BAeNSPA e desdobrando-se quando necessário.
MRTT 767-300 IAI (3) imprescindíveis.
_______________________________

Cadê a grana ?

Carlos Alberto Soares-Israel
Visitante
Carlos Alberto Soares-Israel

Esqueci:
Modernização dos 99 urgentíssima;
péssima notícia trazida pelo Cel R Nery,
o data link não está integrado aos Mike, quiça os ……

Rodrigo M
Visitante
Rodrigo M

Bom, cheguei tarde, e pelo jeito perdi muita coisa.
Em outro post lí que um F-5 derruba o SU-30 a mais de 300 Kms..
Neste lí que o A-1 é um bombardeiro estratégico, capaz de tocar o terror em toda a América do Sul..
É… a cada dia uma surpresa.

Carlos Alberto Soares-Israel
Visitante
Carlos Alberto Soares-Israel

Viram ?
Não precisa nem bombardear !
Kkkk rsrsrsrs

Glasquis 7
Visitante

camargoer”, Você tem o direito de acreditar naquilo que desejar. Não pretendo mudar a sua visão apenas quero dizer que a EMBRAER não fez a fuselagem, estava programado que a fizesse assim como as asas mas tenho entendido que na produção não fez nem as asas nem a fuselagem. Mas vamos ao básico: “A Embraer forneceria tanto para as aeronaves brasileiras quanto para as italianas, os conjuntos dos trens de pouso principais, válvulas e atuadores de acionamento, conjuntos de rodas, freios e conjuntos de suporte e alijamento de cargas sub-alares. Todos estes componentes seriam de fornecimento brasileiro. Para isso, foi… Read more »

Roberto F Santana
Visitante
Roberto F Santana

Obrigado prezados Leandro Costa e Rinaldo Nery,
.
Essas ocasiões devem ser bem interessantes, onde quase todos os pilotos de caça se reúnem.
Segue um link com antigas fotos do Hangar do Zeppelin, são do início da década de quarenta, quando a FAB, operava na base, o Vultee A-35 Vengeance, antes da chegada dos Republic P-47 Thunderbolt vindos da Europa e Estados Unidos.
O site é excelente, é bom explorar, nele há mais fotos desse antigo hangar.
.
http://www.sixtant.net/2011/artigos.php?cat=u.s.-navy-zp-squadrons-in-brazil&sub=zp-squadron-41-42-&tag=1)-zp-squadrons-in-brazil
.

Jony
Visitante
Jony

25 F-5, 22 Xanvante, 8 Mirage III
Total 55 aeronaves

Marcelo Andrade
Visitante
Marcelo Andrade

Glasquis7, não sei qual sua idade , mas eu tenho 49 anos e acompanhei todo o Programa AMX. Posso dizer, com certeza que a Embraer ficou com as entradas de ar, pilones, tanques de combustível e Asas. Ela enviava para a Aeritalia na época, onde a Aermacchi Tb enviava as duas partes. O A-1, quase foi para o brejo pois na década de 80 ocorreu uma crise econômica seria com inflação muito alta e até moratória. O Programa só não foi cancelado porque era um acordo governamental e as multas eram altíssimas, por isso houve atrasos e até o fato… Read more »

Carlos Alberto Soares-Israel
Visitante
Carlos Alberto Soares-Israel