Home Indústria Aeronáutica Sobre aviões e produtividade

Sobre aviões e produtividade

3402
52

Ozires Silva 010a

Em post recente sobre a aquisição duma empresa norte-americana pela Embraer discutiu-se muito sobre a produtividade e sobre o custo de mão-de-obra no Brasil e nos Estados Unidos. Para dar mais luz ao tema, trouxe um fragmento do livro “A decolagem de um sonho”, escrito por Ozires Silva detalhando a criação da Embraer.

Nele o autor, fundador e ex-presidente da companhia, relata a sua experiência quanto à decisão de se fabricar (sob licença) no Brasil aviões da Piper Aircraft. Muito esforço foi dedicado para equiparar a produtividade no Brasil com a produtividade da Piper norte-americana para os mesmo produtos. Mesmo assim os desafios estavam muito além da capacidade da Embraer em reduzir o “gap”.

Segue o texto (páginas 354-356)

Um aspecto sempre tinha sido do nosso maior interesse. Queríamos compreender como era possível nos Estados Unidos empregar-se um número tão reduzido de homens-horas por quilo de estrutura fabricada. Durante nossas discussões com a Piper, quando da colocação dos dados básicos no contrato, ficamos realmente surpresos com a pequena quantidade de mão-de-obra requerida para montar cada avião. Os números americanos, baseados na própria experiência industrial da linha de produção, eram basicamente a metade do que conseguíamos no Brasil.

Buscávamos explicações e, contudo, em todas as visitas que fazíamos as linhas de produção americanas, não somente da Piper, mas também da Cessna e da Beech, encontrávamos mais ou menos os mesmos métodos de trabalho, sem grandes diferenças no que se refere à automação da montagem. Apesar de todo esforço colocado para compreender as diferenças entre os métodos empregados pelas duas empresas, as únicas explicações possíveis vinham do nível cultural e de treinamento dos operários e da maior eficiência global do sistema de vida norte-americano em relação ao nosso.

Por essa razão decidimos enfatizar ao máximo o treinamento do pessoal para que, no resultado final, tivéssemos a possibilidade de chegar perto dos índices de performance da nossa parceira. Ao nosso departamento de pessoal foi solicitado preparar adicionalmente cursos de elevação de nível que funcionassem como uma espécie de supletivo educacional, que acabou por ter grande aceitação entre nossos empregados. Através desse mecanismo muitos deles lograram conseguir melhores níveis de escolaridade que foram reconhecidos pelo sistema educacional, dando-lhes oportunidade de fazer outros cursos de progresso pessoal.

Contudo, a despeito de todo esforço do nosso pessoal, nunca conseguimos igualar o número de horas, por avião produzido, que Piper ostentava na produção dos seus aviões. Esse aspecto particular de nossas linhas de produção, para frustração nossa, não afetava somente a Embraer. Tivemos inúmeras oportunidades de discutir o problema com dirigentes de outras empresas brasileiras, também fabricantes de artigos licenciados de produtores norte-americanos, e o resultado observado era o mesmo. Enfim, da nossa experiência, parece que isso está mais ligado à cultura local do que efetivamente aos métodos de trabalho implementados pelas empresas. Creio que a explicação é simples demais para ser aceita sem análises mais profundas, e, no momento em que a produção e a comercialização internacionais ser globalizam, os fatores detectados em nossas linhas de fabricação podem tornar-se cruciais na capacidade competitiva do país.

A partir dessas referências decidimos nos filiar ao centro das Indústrias do estado de São Paulo (da Fiesp – Federação das Indústrias do estado de São Paulo) para encontrar um fórum mais amplo para troca de ideias e conseguir mais dados sobre o assunto para trabalhar no sentido de encontrar solução a fim de superar essa desvantagem que, por todos os modos, não deveria subsistir, sob pena de reduzir drasticamente a competitividade da produção nacional.

No Brasil, sempre que colocamos esses aspectos em discussão, as pessoas buscavam argumentos técnicos para justificar a disparidade dos dados confrontados. Uns diziam que eram os métodos de trabalho, outros argumentavam a favor dos custos de capital no Brasil serem significativamente mais caros que nos Estados Unidos, requerendo assim mas intervenção humana dos operários, que não era solicitada naquele país. Entretanto, após muito pensar e discutir, prefiro concluir que a cultura da sociedade, e agindo de forma diversa perante os problemas em geral, gera maior ou menor eficiência do sistema produtivo. O fato de o Brasil ser realmente um país de decisões demoradas e complicadas afeta, sem dúvida, a eficiência com que o sistema produtivo nacional trabalha.

Isso tudo gera uma grande frustração, pois um povo mais pobre, como o nosso, na realidade deveria ter o direito de comprar produtos mais baratos, produtos com maior eficiência e, por consequência, mas acessíveis. No entanto, vivemos numa situação inversa. Nos Estados Unidos, em geral os custos de produção são menores e por esta razão, os americanos, melhor remunerados que os brasileiros, conseguem sempre os mesmos produtos a preços mais baixos. Um paradoxo que trabalha contra nós, os brasileiros.

52
Deixe um comentário

avatar
52 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
22 Comment authors
FredFarroupilhasergio ribamar ferreiraaugustoTadeu Mendes Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Carlos Alberto Soares-Israel
Visitante
Carlos Alberto Soares-Israel

Um Homem com uma “cabeça” impar no Brasil, O Cel Osires transpira inteligência e simplicidade. Já tive a honra de cumprimenta-lo. O Brasil precisa de muitos Osires !
Leiam no Blog do Cel o pensamento dele sobre educação, abaixo:
http://www.blogdoozires.com.br/biografia/

Carlos Alberto Soares-Israel
Visitante
Carlos Alberto Soares-Israel

G Poggio Bela postagem. O ambientes dos países Brasil e USA são muito distintos. Esse texto curto sintetiza os motivos que a EMB está transferido parte de sua produção para fora do Brasil. Acrescento: Fui EMB de crachá, final dos anos 70 a década de 80, como fornecedor etc etc. Somente quem teve ou tem ligações com a Empresa tem noção do quanto investem e sempre investiram no Capital Humano. Mesmo assim, ficamos para trás. Voltando ao início deste texto, realmente cultura e ambiente no país pesam contra nós ! Baixa produtividade, carga tributária e ineficiência na aplicação dos tributos,… Read more »

Rui chapéu
Visitante

Ai começam a pensar em reforma trabalhista e vem trocentos mortadela fazer greve pq “vai acaba cu direito du povu”.
Sobre esse tema, trabalho x produtividade, segue esse link que mostra pq uma faxineira americana ganha mais que engenheiro no Brasil:

http://spotniks.com/5-razoes-por-que-deveriamos-acabar-com-fgts-13-salario-e-inss/

Nonato
Visitante
Nonato

Não sou do ramo. Mas concordo apenas em parte. Hoje em dia, muitas montadoras de automóveis são, em grande parte, automatizadas. É só a fábrica definir o nível de automação, e implantar. Se há restrições das leis trabalhistas é outra coisa. Claro que há um fundo de verdade, mas produtividade tem muito a ver com processos de produção. No próprio texto fala sobre “supletivo”. Então, tinham funcionários com nível fundamental? Por exemplo, os IFs geralmente têm alto grau de excelência nos cursos profissionalizantes. Conheço técnico brasileiro que trabalha no exterior contratado por multinacional estrangeira (mas mora no Brasil). Por exemplo,… Read more »

Bille
Visitante
Bille

Senhores De fundamental importância seria que esses textos chegassem a ser debatidos por educadores e parlamentares. Mudança de cultura é basicamente um redesenho da sociedade com investimento na educação. O interessante é a reação em cadeia na história: A) baixo investimento em educação; B) aparece o sistemas de cotas (e não de mérito). Se a intenção é dar oportunidades, melhor por renda do que por cor ou origem. C) profissional com preparo técnico deficiente, demandando investimento em educação básica por parte das empresas, entretanto com forte cultura a bradar pedindo mais direitos (sindicalismo, doutrinação,etc); D) as empresas com altos gastos… Read more »

Carlos Alberto Soares-Israel
Visitante
Carlos Alberto Soares-Israel

“Um exemplo a ser seguido ________________________________________ Nós, brasileiros, hoje, estamos preocupados com o país e, nos perguntamos sobre nosso futuro. E mais, para onde caminha o gigante, que era nosso orgulho até bem pouco tempo, questionando o que ele nos oferece de volta, contribuindo para o nosso crescimento na sociedade que construímos. Escola-coreana _______________________________________ Olhando para o mundo vemos o exemplo da Coreia do Sul, cujos produtos são consumidos com satisfação pelo valor de sua compra. Poucos se dão conta que, analisando profundamente, podem encontrar um pequeno país da Ásia, apaixonado pela Educação. Que compram produtos criados por estudantes, possivelmente,… Read more »

Marcio
Visitante
Marcio

Ozires Silva, homem de inteligência e honestidade inigualável, é o que falta para nosso país.

Carlos Menk
Visitante

Infelizmente no Brasil impera a cultura da malandragem, do menor esforço, do jeitinho, orgulho nacional, mérito é palavrão, assim como lucro, eficiência, praticidade e para alguns honestidade, repetir alunos, impensável, suja as estatísticas, cobrar desempenho, avaliar, seja o aluno ou o professor, isso é pecado mortal. A maior parte de nossos recursos são gastos para sustentar o ensino superior gratuito, o básico e o médio ficam com as sobras, nossas maiores universidades públicas são dominadas por servidores mais preocupados em garantir suas regalias do que ser eficientes, opa, desculpem o palavrão. E essa cultura se espalha como praga por sindicatos… Read more »

Humberto
Visitante
Humberto

Bom, a uns 15 anos atrás, estava trabalhando na customização de uma ferramenta de CRM americana (trabalho com TI). Antes vou explicar a diferença entre customizar e configurar (de forma bem genérica). Uma ferramenta de mercado já está relativamente pronta para uso, voce CONFIGURA telas, campos etc, coisa simples de fazer sem ter que mexer muito na ferramenta (coisa de dias e sem necessidade de grandes testes). Já CUSTOMIZAR é marretar mesmo, vc inclui campos a fórceps, monta telas com uma lógica que precisa estar aderente a ferramenta, isto é bem mais trabalhoso e dependendo do que é feito, corre… Read more »

André Bueno
Visitante

Carlos Alberto Soares-Israel 23 de setembro de 2016 at 9:10

Priorizar o ensino básico, tal qual em nosso país…

Marcelo Bardo
Visitante
Marcelo Bardo

O ensino deve ser visto como o fator de mudança que é. Só assim poderemos alterar a realidade em que o país se encontra. Infelizmente os que estão no poder, cientes disto, querem apenas manter o controle das massas, então o ciclo de sabotagem da educação nacional segue adiante sem o menor sinal de mudança de rumos.

JT8D
Visitante
JT8D

Na verdade cada povo colhe os resultados daquilo que planta. Será que realmente queremos ser produtivos? Ou queremos apenas arrumar um emprego público para nos encostarmos e passarmos o tempo entre um feriado e outro? Não adianta uma minoria ter um projeto de país industrializado se a maioria está interessada apenas em carnaval e futebol. Talvez devêssemos deixar de dar murros em ponta de faca e nos dedicarmos à nossa real vocação: a exploração do folclore e o turismo sexual

- Marcelo
Visitante
- Marcelo

A cultura do “ixperto”, querer tirar vantagem, pensar nos direitos e não nos deveres contaminou toda a sociedade, e mesmo quem por ela não tem como padrão pessoal de conduta com essa cultura tem de lidar, conviver já que o rodeia (o exemplo do Humberto é muito bom), Isso sem entrar no debate do direito trabalhista em que o empregador deixa de acionar diversos dispositivos legais contra o empregado pois sai caro e nem o raro juiz que lê a integra do processo lhe dará ganho de causa. O Legal e sua torpe interpretação transformou muito a sociedade, diferente do… Read more »

Jacinto Fernandes
Visitante
Jacinto Fernandes

Dois livros, em minha opinião, são obrigatórios para compreender a diferença de produtividade entre os EUA e o Brasil. O primeiro, é a “Ética protestante e o espírito do Capitalismo”, do Max Weber; e o segundo é “Raízes do Brasil” do Sergio Buarque de Holanda. Ambos são antigos, então precisam ser lidos com essa ressalva. Contudo, ambos se mostraram proféticos.

Maria do Carmo Lacoste
Visitante
Maria do Carmo Lacoste

Avião da FAB Airbus VC-1A saiu de Brasília e esta neste momento em trajetória de pouso na região de Pirassununga. Tem alguma coisa por lá hoje?
O E-190E2 também está voando agora.
KC-390 já fez um voo de quase três horas e está no ar, mas não achei seu sinal.

Maria do Carmo Lacoste
Visitante
Maria do Carmo Lacoste

Achei que ia pra Leme, deu uma volta e pousou em Pirassununga mesmo.
Tem alguma coisa na AFA hoje?

camargoer"seria,
Visitante

Olá a todos. FIco feliz que nossa discussão anterior rendeu um post dedicado. O tema não é simples e o risco de fazer uma discussão no achismo muito grande. Enquanto lia o post do Col.Ozires, lembrei de vários livros. Ele tem razão quando diz que a produtividade de uma sociedade depende muito de sua história e valores culturais. Marx identificou que a riqueza está na produtividade de um sistema de produção. Tocqueville ficou impressionado com a jovem democracia norte americana e pelo mecanismo descentralizado de tomada de decisão. Weber escreveu sobre a ética protestante (em oposição à nossa ética católica)… Read more »

Mauricio R.
Visitante

OFF TOPIC…, mas nem tanto!!!!

OMC: UE falha em não remediar os subsídios fornecidos a Airbus:
.
Adopted in 2011, these addressed launch aid and member state financing provided by France, Germany, Spain, and the UK for the development of the A300 and A310, the A320, A330 and A340 families, and the A380. A year later, US trade officials formally complained that the EU had failed to remove financial incentives that the WTO had ruled constituted illegal subsidies.
.
(https://www.flightglobal.com/news/articles/wto-eu-failed-to-comply-with-airbus-subsidy-remedie-429617/)

camargoer"
Visitante

Olá Jacinto. Lembrou bem do “Raízes”, e incluiria um texto curto de Darcy Ribeiro “Sobre o óbvio”.. tem pdf na internet para quem se interessar.

Celso
Visitante
Celso

Vou dar um pitaco aqui advindo da experiencia q vivenciei. Em sa consciencia qualquer investimento externo acaba por ser enquadrado e se sujeita sujeitar as normas impostas aqui em terra brasilis. O investidor vem pra se atualizar e escolher o caminho e se depara c burocratas e politicos mediocres q so visam seus interesses pessoais e locais ( os famosos caciques e ou coroneis) e isso em em todas as esferas. Ai comeca aquela imposicao politica do tipo…….vcs tem q contratar X numeros de empregados, para q possam obter estes tais e nefastos isencoes fiscais de todos os tipos q… Read more »

JT8D
Visitante
JT8D

camargoer”seria, 23 de setembro de 2016 at 11:31 “Então o problema não é o material humano.” —————————————————————- Camargoer, essa afirmação me parece muito genérica e muito vaga. Como assim, “não é o material humano”? É óbvio que não é o material humano, no sentido de que nós brasileiros somos seres humanos praticamente idênticos aos povos dos demais países, e qualquer afirmação contrária seria puramente racismo. Entretanto, é também obviamente algo cultural, e a cultura é muito difícil de dissociar do “material humano”. Embora eu ache que nossas características culturais expliquem em boa parte a questão da produtividade, não acredito que… Read more »

- Marcelo
Visitante
- Marcelo

Educação é o b-a-ba, mas não é a fonte do problema em questão; virou um mantra lhe atribuir responsabilidade a tudo no Brasil e como já há resposta prévia não haveria porque debater o problema.

PS: camargoer, Darcy Ribeiro é uma péssima referência.

Alexandre Galante
Visitante
Member

Senhores, é bom lembrar que esta questão da montagem dos aviões da Piper na Embraer ocorreu há muito tempo e que a Embraer hoje é a terceira maior indústria aeronáutica do mundo.

Se com todos os problemas conseguimos estar em terceiro lugar, imaginem quando os problemas forem eliminados? 😉

camargoer"
Visitante

Olá JT&D. Legal seu comentário. O tema sobre produtividade e sociedade é complexo e não sou um especialista, então vou com calma para não cair no achismo. Contudo, li vários comentários antes do meu que apontaram o problema como se fosse culpa das pessoas, do brasileiro. Isso eu não concordo. Por outro lado, tenho dúvidas se temos que mudar nossa cultura para nos integrarmos de modo periférico a um sistema que não nos beneficia. Não seria o caso de pensarmos como sugere D.Ribeiro, e enfim criamos nossa própria civilização, adaptando o sistema às nossas características culturais ao invés de anular… Read more »

JT8D
Visitante
JT8D

– Marcelo 23 de setembro de 2016 at 12:15
Bem observado Marcelo. Note que eu não falei sobre educação, mas sobre cultura. Cultura basicamente se refere aos comportamentos que são incentivados e que são reprimidos numa sociedade. Acabar com a impunidade e incentivar a meritocracia são duas formas de transformar nossa cultura que não passam necessariamente pela educação formal

camargoer"
Visitante

Olá Macerlo, Discordo elegantemente quando a Darcy Ribeiro. Sobre a questão da escolaridade e qualidade do ensino, não seria preciso muito esforço para encontrar estudos que relacionam o bem estar, renda, produtividade, etc, á educação de qualidade. Ninguém afirma que como as saúvas, o único problema do Brasil é a educação, mas ainda é um problema que não está resolvido. E ouso dizer que ontem as coisas pioraram.

JT8D
Visitante
JT8D

camargoer” 23 de setembro de 2016 at 12:21
Bom ponto Camargoer. Como eu disse num comentário anterior, tudo depende do que nossa sociedade deseja. Eu sei o que quero, mas não posso impor minhas preferências ao restante da população. Se quisermos entrar no jogo da competitividade industrial, vamos ter sim que nos modificarmos culturalmente. Mas sempre há a opção de nos dedicarmos às artes e ao turismo.
Abs

camargoer"
Visitante

Caro T&D, em uma sociedade industrial baseada na inovação científica e tecnológica, não há alternativa à educação formal de qualidade.

JT8D
Visitante
JT8D

camargoer” 23 de setembro de 2016 at 12:30
Você tem toda a razão meu amigo. Eu apenas estou argumentando que a educação formal é uma condição necessária, mas não suficiente

camargoer"
Visitante

Olá JT&D, acho que podemos aproveitar do benefício de uma sociedade industrial sem com isso tentarmos anular nossa herança cultural. O Galante colocou de modo exemplar que a Embraer hoje é extremamente produtiva, tendo se tornado uma multinacional com sede no Brasil. Existem outros exemplos positivos de sucesso, inclusive a indústria de turismo, agronegócio, bioenergia, medicamentos naturais, TI, etc.

camargoer"
Visitante

Riso. Caro JT&D, quando começamos a concordar um com o outro, pode ser que ambos estejamos errados. Riso. Mas felizmente, em relação à necessidade de uma educação formal de qualidade como condição necessária e basal, estamos certos.

JT8D
Visitante
JT8D

camargoer” 23 de setembro de 2016 at 12:38
Entendo seu ponto de vista. Entretanto não estou falando em “anular nossa herança cultural”. Apenas encaro a cultura como algo dinâmico, e não como uma camisa de força. Veja o exemplo incrível dos japoneses, que se mantém fieis à sua cultura milenar, mas que procuram se adaptar aos tempos atuais para se manterem competitivos. Falando um português mais claro: se a cultura local for ficar coçando o saco, a produtividade não vai rolar

- Marcelo
Visitante
- Marcelo

Obrigado pelos comentários JT8D e camargoer (apesar de termos diferenças). Tentei tratar de algo amplo (cultura) como fonte de negativa influência em algo delimitado (produtividade), se inverter a abordagem aí a conversa não tem limites pois, sim, a correlação produtividade x renda é inquestionável em qualquer corrente de economia, mas daí afirmarmos que renda é pré-condição pra “bem estar” ou felicidade dependerá do entendimento subjetivo/ideológico/religioso do que estes termos significam e isso não faz o menor sentido aqui. . Entendo a educação como condição NECESSÁRIA MAS NÃO SUFICIENTE pra produtividade e o próprio Col. Ozires pôs em debate esta questão,… Read more »

Tadeu Mendes
Visitante
Tadeu Mendes

A educacao no Brasil ja foi melhor, pelo menos nos anos 70 e talvez metade dos anos 80. Quanto a Coreia do Sul, eu quero comentar algo que vai parecer inaceitavel para muita gente. Eles (sul coreanos) praticam uma forma de eugenia, a qual eu descreveria como Eugenia Cognitiva passiva. Atraves de provas de QI, eles incentivam economicamente aos casais com mais altos QIs. a terem maior numero de filhos. Aos casais com QIs. inferiores a media, eles incentivam economicamente a que que tenham somente um filho por casal. Desta maneira, eles estao fazendo uma engenharia social, na base da… Read more »

camargoer"
Visitante

Olá Marcelo. Apesar das diferenças, temos mais em comum do que poderiam supor nossos críticos. Uma vez assisti a um debate com o Zuenir Ventura, e ele mencionou que veio fazer o ensino médio no RJ, pois em seu estado no NE não havia escolas. E também que se orgulhava que ele estudou no ensino médio com colegas que se tornaram juízes, ministros, diretores de redação, presidentes de empresas, etc. E era uma escola pública. O que dá para entender é que o acesso ao ensino publico era restrito, e apenas os melhores iam para poucas escolas. Hoje, praticamente toda… Read more »

augusto
Visitante
augusto

A solução para nossos problemas é simples, fácil não!, mas simples se a Coreia do Sul conseguiu porque nos não. Um pouquinho de historia para saber como os países ocidentais chegaram onde estão https://en.wikipedia.org/wiki/Great_Divergence

Celso
Visitante
Celso

Otimos comentarios e c certeza tocam em sintese no grave problema educacional neste pais q comecam principalmente na pessima formacao dos ditos educadores ( que deveriam ser professores, educadores sao os pais). A partir, deixaram todo este assunto nas maos de politicos, ideologos, socialista, palpiteiros de toda a especie, esquecendo-se q no primeiro lugar da questao estao os criancas. Eu ja participei em minha vida de inumeras convencoes, debates, etc….onde sempre estiveram presentes inumeros politicos de todas matizes. Todos os discurso e ideias sempre convergiram para a educacao entre outros assuntos e onde tbm diversas personalidades da industria, bancos, etc..tbm… Read more »

camargoer"
Visitante

Olá Celso. Há uma diferença entre uma proposição inicial, geralmente ainda não testada, e aquela final que é executada as vezes em caráter experimental. As proposições iniciais podem ser loucas mas terá que convencer a muitos e durante esse processo, pode ser melhorada e revisada. É necessário que se testem ideias novas sempre porque é assim que as coisas são otimizadas. Algumas dão certo, outras não. As que funcionam são reproduzidas e copiadas atá se tornarem um novo padrão. As outras são descartadas. Um exemplo engraçado? As canetas esferográficas foram proibidas nas escolas por muitos anos pois os professores mais… Read more »

sergio ribamar ferreira
Visitante
sergio ribamar ferreira

Educação é investimento. Concordo com todos que assim pensam. “A maior miséria do ser humano é a ignorância esta torna um povo subserviente e fraco em todos os sentidos… Não há nada pior do que ver o ser humano sem ter o mínimo de conhecimento e tornar-se dependente de tudo que lhe oferecem. Quem já não “provou” da sensação de vitória em se conseguir aprender e conquistar por seus próprios méritos qualquer aprendizagem que seja…A explosão de alegria…Cultura é mais abrangente, mexer ou preparar de forma diferente um alimento numa panela não deixa de fazer parte da cultura. Não há… Read more »

Nonato
Visitante
Nonato

Nossa educação nem é das melhores nem das piores… Nem sei se a Coreia é esse filé todo… O que há de avançado lá? Samsung, LG e Hyundai… São empresas bem sucedidas. Mas nós temos a Embraer. A vale, a Petrobrás, a AmBev, a Friboi… A Marcopolo… Nossos bancos privados estão entre os melhores do mundo. Um amigo foi a nova Iorque. E disse que o sinal de internet lá é péssimo… O Brasil não é tão ruim assim. Precisa melhorar muito. Temos vários médicos, cientistas, pesquisadores entre os melhores do mundo. Ivo Pitangui, por exemplo… Conheço professor universitário brasileiro… Read more »

camargoer"
Visitante

Olá Nonato, sem entrar na partidarização, os problemas de qualidade não estão localizados na faixa superior, mas na média e nas faixas inferiores de desempenho. O número de alunos (seja na escola primária ou nas universidades) é da ordem de milhões, então é fácil fazer uma distribuição que vai dos piores (alguns) passando pela média (muitos) até chegar nos melhores (outros poucos). Os centros de excelência são o resultados do trabalho dos melhores (óbvio) e necessitam de constante investimento para se manterem assim e custam muito caro, mas sempre serão poucos. O problema é como tornar os alunos medianos melhores… Read more »

Celso
Visitante
Celso

Prezado Camargoer, realmente entendo suas colocacoes, de fato como coloquei ouvi e vi inumeras personalidades colocando centenas de proposicoes e ideias…….retornando a este passado e obserando o q ai esta, a conclusao q cheguei ehque o todo so fez piorar nestes ultimos 25 anos. A cada decisao ou reformulacao da educao, o Brasil da inumeros passos para traz. Tudo isso q ai esta so trouxe o atraso e os maiores culpados somos nos mesmos q aceitamos de forma passiva estas mudancas. Meus filhos estudaram nestes periodos de transicao pior e escaparam por um triz desta cina assasina q eifou a… Read more »

Farroupilha
Visitante
Farroupilha

Coréia do Sul, Educação sul coreana? Sim , sim… E o Código Penal lá como é, defende o bandido? – Brasil está dominado pela bandidagem… não adianta educação para termos ainda mestres, doutores etc com diplomas também de bandidos. Precisamos em primeiro lugar (para ontem) de um novo e duro CP. A tentação do crime impune (punições que só fazem cócegas) arrasta todos tenham educação ou não. – A cultura socialista implantada no Brasil, que favorece o bandido desde a sala de aula infantil, não se combate com argumentação intelectual. Mas com ações penais. Ou ela acaba com nosso país.… Read more »

camargoer"
Visitante

Caro Celso. É um prazer trocar ideais com você. Geralmente ouço colegas dizendo que a carreira de docente é um sacerdócio, ou um sacrifício e sei-lá-o-que. Acho que já chegamos no ponto de considerar que ser professor (da creche á universidade) é apenas uma profissão, e como todas as profissões demanda dedicação e contínuo aperfeiçoamento. Contudo, a maioria das opiniões sobre a educação são formadas a partir de uma falsa impressão pois é muito difícil termos acesso aos dados estatísticos e aos relatórios de avaliação. As exceções e casos esquisitos impressionam mais do que o comportamento geral. É muito interessante… Read more »

Nonato
Visitante
Nonato

Camsrgoer e demais foristas.. Muito interessante o tema. Todo mundo enche a boca para falar em saúde e educação. Em toda campanha política, aparece alguém para prometer educação em tempo integral. Mas com que dinheiro? Se nem com um turno de aulas há dinheiro? Educação integral exige o dobro de professores. Se muitos municípios e estados mal têm dinheiro para pagar os salários. Ah, vamos valorizar o professor. Piso nacional, etc. Aumentar salário com canetada é muito bonito. Mas não há dinheiro. Tudo nas costas do Estado… Tipo em alguns estados. 20 mil professores, 20 mil policiais. Como pagar dez… Read more »

Nonato
Visitante
Nonato

É preciso um projeto de educação. Não adianta falar em investir mais. Se dobrar os gastos por dobrar não há garantia alguma de melhoria. É preciso melhorar sem gastar mais. Os professores precisam largar as greves, a política sindicalista. Servir à população e não a sindicatos. O governo e a sociedade precisam mudar. Deixar de apoiar a bagunça hierárquica. Filho não pode fazer o que quer. Aluno tem que obedecer professor (desde que não seja para humilhar aluno nem ensinar comunismo). Hoje em dia, filho não respeita mais os pais, aluno não respeita professor e bandido não respeita mais a… Read more »

JT8D
Visitante
JT8D

Nonato 25 de setembro de 2016 at 10:28
Nonato, concordo contigo. É por isso que eu bato na tecla da cultura, e não simplesmente na educação formal. Com uma cultura que enfatize a meritocracia, o fim da impunidade e a conscientização dos cidadãos a respeito de seus deveres, poderia se fazer muito mais gastando-se muito menos. Procura-se resolver tudo no Brasil criando-se mais leis, mais instituições, mais obras públicas, aumentando-se os gastos e qual o resultado? Alguns se beneficiarão (principalmente políticos e empreiteiras) e a população continuará precariamente assistida. Precisamos mudar a mentalidade e não continuar com o “mais do mesmo”.

Nonato
Visitante
Nonato

E esses bancários em greve? O país em crise e querem 14% de aumento mais outros penduricalhos?
12 milhões de desempregados e alguns querem aumento real.
Em parte é isso que vem bagunçando a economia. Gerando distorções.
E os professores universitários federais também vão parar.
Talvez tudo por política…
Onde fica a produtividade?
O cara ganha dez mil reais e vem falar em elites…
Se bem que dez mil reais não dá para muita coisa.
Mas o cara fala mal das elites e a opinião pública e o governo anterior categoriza isso como rico. Quem ganha mil reais é classe média…

Farroupilha
Visitante
Farroupilha

Caro Nonato e demais, Vc tocou no ponto… bagunça, esculhambação, desordem, anarquia, caos, bandidagem, ou seja a inversão de valores-direitos-deveres. – Só mais dinheiro e mais dinheiro na educação, não resolve nada. Primeiro, qual a fonte? Segundo, ele vai realmente atingir seus fins divulgados, ou apenas os escamoteados? – Na minha opinião todo esse descalabro tem origem na impunidade do criminoso, tenha a idade que tiver, e esteja onde for. Tanto a criança rebelde e anarquica precisa aprender a autoridade paterna e docente, quanto o adulto a autoridade legal. Acredito inclusive que um dos motivos da baixa produtividade nas empresas… Read more »

sergio ribamar ferreira
Visitante
sergio ribamar ferreira

colegas comentaristas. a gradeço a todos pela preocupação que vocês têm com respeito à Educação. Gostaria que mais pessoas pudessem debater sobre o assunto, daí é que se mostra a preocupação de todos nós pelo progresso tecnológico de nossa nação no ramo de defesa e segurança e os meios para garantir nossa soberania. Vamos em frente .Deus os abençoe.