Home Indústria Aeronáutica Índia e Rússia detalham produção conjunta de caça de quinta geração

Índia e Rússia detalham produção conjunta de caça de quinta geração

6873
51

fgfa

Por Manu Pubby

NOVA DÉLHI — Depois de vários meses de negociações agitadas sobre detalhes técnicos, Índia e Rússia estão prontas para um acordo detalhado de trabalho compartilhado para a produção conjunta de um avião de caça de quinta geração (FGFA). A Rússia vai agora compartilhar novas tecnologias críticas de aeronaves de nova geração como parte de um acordo que incluiria a produção de mais de 100 caças na Índia.

Também se espera que os dois países possam incorporar uma nova empresa até outubro para a produção de helicópteros leves Kamov Ka 226, o que implicaria a participação significativa do setor privado.

Ambos os projetos foram acelerados adiante da reunião de cúpula indo-russa em Goa no próximo mês, que será atendida pelo presidente Vladimir Putin.

Funcionários informados sobre as negociações em curso contaram ao Economic Times que o programa FGFA em particular vai render ricos dividendos para a Índia devido ao grande salto de tecnologia em oferta.

“A partir de um documento preliminar que era de apenas duas dúzias de páginas, chegaram a um acordo sobre um plano detalhado de 650 páginas que especifica exatamente tudo o que será compartilhado”, disse o oficial.

fgfa-weapons

Ao contrário do passado, quando um acordo geral foi assinado na compra de caças como o contrato do Su-30 MKI, desta vez os negociadores indianos foram profundamente em detalhes no plano de produção conjunta.

O projeto FGFA teve um impulso no ano passado com o ministro da Defesa Manohar Parrikar, depois de estar à beira do colapso.

A assinatura do acordo de compartilhamento de trabalho é esperada para breve, com a Índia comprometendo-se a investir US$ 4 bilhões ao longo dos próximos anos para desenvolver uma versão feita sob medida do caça. Uma das principais preocupações do lado indiano foi o desenvolvimento de um novo motor a jato para o caça e seu pacote de armas.

A Índia já gastou US$ 300 milhões em um contrato de projeto preliminar para o projeto com a Rússia, que foi concluído em Junho de 2013.

Joint Venture para o helicóptero Fabricação

Na fase inicial, HAL e Russian Helicopters vão criar uma empresa conjunta, mas do lado indiano está claro que um parceiro do setor privado será trazido numa fase posterior para ajudar o projeto.

A Kalyani Strategic Systems baseada em Pune é apontada para esta parceria para a fabricação de motores de helicópteros do KA 226.

No contrato de helicóptero, disseram que o trabalho está sendo acelerado para garantir que uma nova empresa conjunta seja incorporada no momento em que as conversações de nível de cimeira começarem.

FONTE: Economic Times

Subscribe
Notify of
guest
51 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Maria do Carmo Lacoste
Maria do Carmo Lacoste
3 anos atrás

Brasil é BRICS, as mesmas empresas do Gripen poderiam se associar.
Quanto há que investir? Será que não é negócio?

Ederson Joner
3 anos atrás

Mesmo sendo Brics, o mercado para itens russos é bem restrito, sem falar, que os atuais fornecedores do Brasil poderiam não gostar da mistura…
Acredito que a China seria mais negócio para eles.

Rui Chapeu
Rui Chapeu
3 anos atrás

BRICS….. OIHEOIHEAOIEHIOAEHIOAEHAIOEHAOIHEAIOEHIOAEHIOEHEIOAHEIOHE

Rui Chapeu
Rui Chapeu
3 anos atrás

Sobre o Pakfa/ T-50, os indianos querem mudar o sistema de armas por qual motivo? eles tem alguma arma diferente?

Nonato
Nonato
3 anos atrás

O que a Rússia ganha ao transferir tecnologia de ponta? E esses 4 bi. É pagamento pela tecnologia?
Não há o risco de ser repassada para outros países?
Ou é dinheiro para construir galpões e pagar salários?
Se for tecnologia mais simples, faz sentido.
Mas tecnologia stealth não.

Ednardo de oliveira Ferreira
3 anos atrás

Nem Rússia nem Índia têm cacau para desenvolverem sozinhas um Stealth. Não são adversários, têm diversas ameaças em comum e já têm parcerias comerciais a muito tempo. Não terão quem lhes venda tal tecnologia.

faz sentido quererem algo junto. Mas aí temos países com histórico de puxada de tapete e bagunça.

Ednardo de oliveira Ferreira
3 anos atrás

Outro problema é que ambos os países têm orçamentos restritos, um zilhão de lobbies internos, onde cada um tem uma dezena de aeronaves de combate voando e todos querendo um naco da grana disponível.

mbp77
mbp77
3 anos atrás

“… com a Índia comprometendo-se a investir US$ 4 bilhões ao longo dos próximos anos para desenvolver uma versão feita sob medida do caça. Uma das principais preocupações do lado indiano foi o desenvolvimento de um novo motor a jato para o caça e seu pacote de armas.” * Agora ficou mais claro que a Índia vai financiar a construção pela Rússia de um novo motor para a aeronave. Os dois saem ganhando com isso, no fim das contas. Por outro lado, demonstra que a Rússia estava sem fundos necessários para bancar sozinha o desenvolvimento do propulsor. Se nem os… Read more »

Tamandaré
Tamandaré
3 anos atrás

Se não me falhar a memória, há uma série de armamentos/equipamentos israelenses que a Índia opera (mísseis ar-ar, bombas, pods…). Se eu estiver certo, então deve ser a isto que o texto se refere….
.
Boa tarde a todos! 😉

Trollbuster
Trollbuster
3 anos atrás

Eu sempre fui e sempre serei crítico do projeto do NG e ainda acho que se ele cair na Lava Jato acaba de vez…

Mas entre o Gripen e este Flanker carenado…

Prefiro que o Sérgio Moro deixe esta passar.

Iväny Junior
3 anos atrás

Primeira imagem lindíssima.

Marcos
Marcos
3 anos atrás

versão biplace o da imagem

ederjoner
3 anos atrás

Realmente a imagem é muito bela! É uma montagem ou já existe um prototipo biplace?

JPC3/Deagol
JPC3/Deagol
3 anos atrás

“”Mas entre o Gripen e este Flanker carenado…””

Certamente o gripen se encaixa melhor na nossa estrutura acostumada com F-5 e sem dinheiro, mas fora isso não vejo comparação.

O PAK-FA está em outra categoria e outro nível de capacidade.

Carlos Alberto Soares-Israel
Carlos Alberto Soares-Israel
3 anos atrás

Sonhar é livre, mas na hora de ….. $$$$$ …..
Ter não significa operar
entre o querer e poder ….. há o infinito ….

Carlos Alberto Soares-Israel
Carlos Alberto Soares-Israel
3 anos atrás

“Iväny Junior 12 de setembro de 2016 at 18:16
Primeira imagem lindíssima.”
O Tufão acusou essa, tá chorando …. (rs)
Abraço

fonseca
fonseca
3 anos atrás

A Rússia não tem dinheiro para desenvolver o motor?
Dinheiro para quê?
Pagar salário de engenheiros? Comprar ouro para os motores?
Dinheiro para a Rússia é sempre bem-vindo.
Se a Índia não consegue fabricar um motor para o tejas, fabricará um estado da arte para o T 50?
Sem dúvida, juntando o expertise russo com os indianos, brasileiros, chineses, quem sabe suecos. Poderia sair alguma coisa.
inteligência todos têm, nem sairia tão caro…

Delfim Sobreira
Delfim Sobreira
3 anos atrás

A Índia vai pagar US$ 4 bilhões só pra desenvolver ?
Aqui por US$ 4,3 bilhões se conseguiu o joint-venture do F-39 + treinamento + 36 unidades. Choraboys de esquerda…
(tem a historinha malcontada do widescreen de US$ 1 bilhão, com o dedo daquele que falta dedo, mas isto é outra história, que só macula a esquerda também)

Johan
Johan
3 anos atrás

Segundo já noticiado o motor já vai entrar na fase de testes. Dinheiro é sempre bem vindo e ainda mais vido de um parceiro de longa data.

kfir
kfir
3 anos atrás

se eu Fosse a Índia iria de F35, o custo de desenvolvimento do f35 é algo assombroso, como acreditar que com 5 bilhões de doletas a Índia teria algo maravilhoso? só o custo de desenvolvimento da turbina usada no F22 custou 4 bilhões de dólares.. Mas é verdade que os Russos , no passado, conseguiram construir boas solução, como a mira usando o olho do piloto, mas a URSS ainda existe e hoje o que dá pra fazer? É o problema do dinheiro, como todo mundo espiona todo mundo, menos o Brasil, este avião deve ficar inferior ao F-35, talvez… Read more »

Johan
Johan
3 anos atrás

Acredito que o PAK FA não será superior em muitos quesitos ao F-35, mas a India quer desenvolver a sua industria aeronáutica a novos patamares e nisto estão levando em consideração o custo-benefício do projeto conjunto com a Rússia. Na questão de motor a reação a India definitivamente tomou pau, pois não conseguiu os objetivos com o Kaveri, este torrou uma fortuna para no final descobrirem que não atenderia as exigências para ser utilizado em um caça.

Delfim Sobreira
Delfim Sobreira
3 anos atrás

Considerando que o T-50 deva ter velocidade, manobra e alcance superiores ao F-35, não sei se dá pra dizer que seja inferior. Sim, tem a aviônica, tática e armamentos, mas uma aeronave com desempenho superior em teoria pode engajar e desengajar em melhores condições. . Indianos atiram pra todos os lados, tome Rafale, Tejas, upgrade de M2000, desenvolvimento de T-50… não sei como os contribuintes e os intendentes indianos não reclamam. . F-35, se, SE, for oferecido para países que não fazem parte do consórcio JSF, só a partir de 2025/2030 (Dinamarca no rabo da fila do consórcio inclusive pensa… Read more »

Ednardo de oliveira Ferreira
3 anos atrás

Republicando de outros posts, mas o tema é o mesmo: A ‘doutrina’ indiana nem é das piores. Ela seria (no papel, claro): – Índia quer fornecedores de pelo menos 3 países diferentes, e pelo menos 1 fora da OTAN; – Índia quer reduzir seus pelo menos 12 modelos/versões de caças para uns 5 (Tejas, PAK-FA, Su 30 + 1 ou ocidentais) – Ìndia quer adquirir linhas de produção locais (as chamadas 2 pedidas) – ìndia quer desenvolver sua própria força Olhando a salada um pouco mais a fundo segundo (en.wikipedia.org/wiki/List_of_active_Indian_military_aircraft): Força Aérea: Su-30MKI 242 + 30 tejas 9 + 119… Read more »

Jacinto Fernandes
Jacinto Fernandes
3 anos atrás

Ednardo – e não se esqueça da China. Índia e China também são adversárias e já estiveram em guerra na década de 60. Há quem diga que o desenvolvimento de armas atômicas pela Índia não se deu em virtude de seu conflito com o Paquistão, mas como instrumento de dissuasão contra a China

Delfim Sobreira
Delfim Sobreira
3 anos atrás

PS, Dinamarca confirmou o F-35 este ano, pra receber a partir de 2021 a 2026. Holanda recebeu seus 2 primeiros só agora. Canadá ainda é incógnita se continua ou não.

kfir
kfir
3 anos atrás

Mas a turbina do F-35 esta especificada para gerar de 35 k a 40 k libras de empuxo..
.
especificações do F-35
http://www.globalsecurity.org/military/systems/aircraft/f-35-specs.htm

Delfim Sobreira
Delfim Sobreira
3 anos atrás

Ednardo.
.
Enquanto isso a FAB só pensa em ter A-29 e F-39 como vetores de combate, racionalizando custos, treinamento, armamento, doutrinas…
Se vai precisar de um caça intermediário/LIFT como o FA-50, ou um F-35… isto é para o futuro.
.
Graças a Deus, a queda do bolivarianismo afastou o medo que o F-39 fosse demorado.

Nonato
Nonato
3 anos atrás

Desenvolvimento conjunto de que se o pak fa já está praticamente pronto?

Rodrigo
Rodrigo
3 anos atrás

Poderíamos estar neste projeto tranquilamente, ou no do F-35, minha preferencia enquanto entusiasta. Dinheiro não nos falta, pois só em perdas no setor elétrico nos últimos 4 anos chegamos a R$160 bilhões. Pagaremos 14,25% de Juros de uma divida de R$2,5 TRI enquanto deveria ser a metade disto e ainda assim, seriam os mais altos juros do mundo! Reparem que apenas nestes dois itens, a conta já chegou em R$500 bilhões. Esta critica não é politica, pois estamos convivendo com desmandos a 516 anos.

Jodreski
Jodreski
3 anos atrás

O motor de 5ª Geração para o T-50 já está em desenvolvimento, não será desenvolvido um novo motor do zero, a previsão é que ele seja testado já no final de 2017, logicamente que os custos de desenvolvimento são pesados e os indianos vão ajudar a financiar. Se não me falha a memória o T-50 entra em produção já em 2018 já com os novos motores, resta saber se estes prazos serão cumpridos. Na minha opinião ainda há muito a ser desenvolvido em cima do projeto do T-50 e a Rússia precisa de dinheiro para isso. Corpo técnico eles tem,… Read more »

Alexandre
Alexandre
3 anos atrás

O T-50 responde a uma doutrina já sinalizada no berkut.Historicamente os russos produzem respostas distintas às do ocidente. Como exemplo cito o Mig- 25/31 sem analogos no ocidente.T-50 é uma resposta ao F-22 dentro de uma percepção doutrinaria especifica .O x da questão não é se o T-50 é superior ao F-22 ou ao F -35! Mas se a doutrina que o concebeu é mais eficiente da ocidental ou não! O T-50 é pensado e projetado numa visão holistica, como uma pequena peça de um sistema maior, e não como uma bala de prata! Nesse sentido analises sobre tal vetor… Read more »

ScudB
ScudB
3 anos atrás

Pelo que li o segundo motor da segunda fase já foi entregue para os testes e mostrado aos indianos que resultou na retomada das negociações entre a Rússia e Índia e promessa de grana 🙂 . Pelo cronograma este prototipo (T-50 com motor “definitivo”) deve ser entregue em 2017.
Um abraço!

Jefferson Renato
Jefferson Renato
3 anos atrás

Bela imagem..

Carlos Alberto Soares-Israel
Carlos Alberto Soares-Israel
3 anos atrás

“Ednardo de oliveira Ferreira 13 de setembro de 2016 at 9:51”
Bom texto, boa explanação, com fatos e dados ….. gostei mesmo ….
___________________________________________________

“Jacinto Fernandes 13 de setembro de 2016 at 10:04”

Verdade, desavenças com Sri Lanka, China e Paquistão de vizinhos.
Os Hindus obtiveram alguns avanços muito significativos em alguns itens militares, advinhem em parceria com quem ?
Sim, ISRAEL ! Esse sim um parceiro de verdade.

Tiago Jeronimo ☠ (@TiagoJL)
3 anos atrás

Essa primeira imagem é montagem, não tem como o PAK-FA ter espaço para que dois tripulantes sentem lado a lado. É só olhar como foi necessário alterar o Su-27 Flanker para fazer o Su-34 Fullback.

ScudB
ScudB
3 anos atrás

Eu pessoalmente gostei assim :
militaryaviationnews.files.wordpress.com/2014/11/336973c_zps8e3e8398.jpg (colocar https:// antes de link)
Nada de fotoshop. Pura imaginação! kkkkkk
Um abraço!

Lyw
Lyw
3 anos atrás

Tiago Jeronimo, se você olhar direitinho na foto os assentos não estão lado a lado e sim em tandem, um a frente do outro, como é o padrão em caças bipostos. Mas é claro, isto é pura computação gráfica, Isto ocorre porque a Índia pretende que seu FGFA seja bibposto então nada mais lógico que fazerem esse tipo de arte para representar a futura aeronave de combate 5G indiana.

bosco123
3 anos atrás

Alexandre, Acho suas considerações equivocadas. Os caças americanos igualmente são pensados dentro de uma doutrina muito bem formulada onde eles são apenas e tão somente parte de um todo. Não entendi a parte das bases aéreas destruídas. Primeiro, existem apenas uns 100 Iskanders. Pra destruir uma única base seria necessário uns 20 a 30, e 90% das bases estão fora do alcance dos Iskanders. Ou seja, os Iskander não existem pra destruir bases aéreas. Salvo é claro se armados com ogivas nucleares, mas não existe nenhuma assim. E se vier a existir um dia irá provocar uma reação na OTAN… Read more »

galeao123
3 anos atrás

Bosco,

Seria possivel ativar varios drones com IRST ou ate mesmo um IRST terrestre para localizar e guiar misseis contra uma frota de avioes stealth invasores por exemplo?

Salve a viagem!
sds
GC

bosco123
3 anos atrás

Galeão, Cada vez mais veremos sistemas IRST de superfície (em terra e em navios) ocupar o lugar ou fazer parceria com o radar de curto alcance para dar alerta de aproximação de ameaças. As vantagens em relação aos radares é que os sistemas que se baseiam na captação das emissões de radiação térmica do alvo operam de modo passivo e não estão sujeitos às contra-medidas eletrônicas convencionais. A desvantagem é que não tem capacidade de operação “todo tempo”. Sistemas eletroóticos são utilizados há muito tempo para adquirir ameaças para sistemas antiaéreos, mas isso é feito a curta distância. Distancias maiores… Read more »

bosco123
3 anos atrás

Mudando de pato pra ganso, pra que um caça stealth precisa de um míssil da classe do Tomahawk com 1500 km de alcance como o Nirbhay?
Qual a lógica disso??

Clésio Luiz
3 anos atrás

Bosco, você já ouviu falar algo sobre sistemas de detecção sonora? Eu lembro de ter lido sobre um sistema para tropas em terra que era capaz de detectar a direção do tiro dado por um sniper com grande precisão. Imagino que um sistema voltado para detectar aeronaves baseado em terra poderia apontar o local ou direção de um ataque, dando um aviso antecipado aos defensores. Claro, não serviria para trancamento de alvo, mas já ajudaria as defesas para onde concentrar seus esforços.

Clésio Luiz
3 anos atrás

E a intenção é colocá-los em rede longe do ponto a ser defendido, do modo a dar aviso antecipado, onde o radar falharia contra uma aeronave stealth.

Jacinto Fernandes
Jacinto Fernandes
3 anos atrás

Clesio os japoneses tinham, na 2ª Guerra Mundial, um sistema de detecção de aeronaves com base na captação dos sons do motores. Era chamado de war tuba

ScudB
ScudB
3 anos atrás

Amigo Clesio!
Ja existem tais sistemas (Rússia, Israel, etc) e continuam evoluindo com a base de aperfeiçoamento dos sensores acústicos de vetor.
Exemplo : microflown-avisa.com/capabilities/uav-localisation/ (colocar http:// antes).
No momento a tecnologia esta focada na localização dos drones.Mas , um dia 🙂 ..
Um abraço!

bosco123
3 anos atrás

Clésio,
O sistema de detecção sonora para localizar atiradores está em franco uso, inclusive pode fazer parte do equipamento individual de soldados. É utilizado pelos americanos desde salvo engano 2012. Em veículos ou em postes fixos em cidades também é utilizado já há uns 10 anos.
Quanto aos detectores sonoros de aeronaves salvo engano tiveram seu desenvolvimento maior na Grã Bretanha antes da SGM. Não acho que seriam úteis hoje tendo em vista a ameaça stealth.
Os stealths voam mais alto o que prejudica a propagação sonora. Mas quem sabe!

Felipe Silva
3 anos atrás

Bosco, sabe informar qual é o modelo desse equipamento usado pelos americanos?

ScudB
ScudB
3 anos atrás
galeao123
3 anos atrás

Valeu Bosco pela resposta! mas isso a principio seria possivel, como vc disse, nem tudo que e possivel e viavel!

sds
GC