A empresa de defesa e segurança Saab apresenta seus resultados para o período de janeiro a junho de 2016.

Mensagem do Presidente e CEO, Håkan Buskhe:

Situação do mercado
Håkan Buskhe
A crescente turbulência no mundo todo tem impactado o mercado de defesa. Como consequência da restrição orçamentária, a Saab tem visto um aumento na demanda de curto prazo por soluções de defesa através de produtos e soluções de menor custo. Isso torna mais importante do que nunca os nossos esforços de aumento da eficiência e redução do tempo de resposta (lead time). O foco da Saab divide-se entre o aproveitamento das oportunidades do mercado e a execução de diversos grandes projetos.

Forte crescimento da carteira de pedidos
No primeiro semestre de 2016, a Saab conquistou diversos novos contratos, com destaque para contratos de vigilância aérea, munição para o sistema de armamento Carl-Gustaf e o desenvolvimento e produção do novo Sistema de Torpedos Leves para o governo sueco. A carteira de pedidos atingiu MSEK 11.462, em comparação a MSEK 18.996 no ano anterior. É importante destacar que o resultado do primeiro semestre de 2015 havia sido impactado pela encomenda da Administração de Materiais de Defesa da Suécia (FMV) de submarinos A26 e da reforma de submarinos classe Gotland, no valor total de SEK 8,6 bilhões. Ao final do período, a carteira de pedidos atingiu MSEK 111.593.

Gripen-E-rollout-6

Gripen E oferece novas funções de defesa
O Gripen E foi apresentado em 18 de maio. Os usuários do Gripen E podem permanecer mais tempo em voo, contando ainda com melhores sensores e equipamentos eletrônicos de guerra, que fornecerão maior inteligência sobre o inimigo, além de carregar mais e melhores armamentos. Ao mesmo tempo, o Gripen E é altamente eficiente em termos de custo. As entregas da última geração de caças Gripen para a Suécia e o Brasil terão início em 2019.

Aumento das vendas
A receita bruta atingiu MSEK 13.854 no primeiro semestre, um aumento de 22%.

Todas as unidades de negócio registraram aumento de receita no período. O crescimento está associado principalmente ao programa Gripen, na unidade de negócios Aeronautics, um pedido recebido em 2015 por uma nova versão do sistema de vigilância aérea GlobalEye, nas unidades de negócios Surveillance e Support and Services, e ao desenvolvimento do submarino A26 pela unidade de negócios Saab Kockums.

O lucro operacional atingiu MSEK 611 (367) no primeiro semestre do ano, acompanhado de margem operacional de 4,4% (3,2). Com exceção das unidades Industrial Products and Servicese Saab Kockums, todas as unidades de negócio registraram aumento da margem operacional. Nesse sentido, o destaque foi a unidade de negócios Dynamics, com o maior aumento do lucro bruto, explicado por um número maior de entregas e mudança no mix de produtos.

O lucro bruto foi impactado mais uma vez pelos investimentos no desenvolvimento de um novo simulador de treinamento de aviões a jato em parceria com a Boeing (programa T-X), bem como por diversos grandes projetos em estágio incipiente, quando é esperado um nível menor de lucro.

Sólido fluxo de caixa
O fluxo de caixa operacional no primeiro semestre foi de MSEK 4.193 (-1.806). O fluxo de caixa foi fortalecido em diversas áreas. O aumento está relacionado principalmente a grandes pagamentos ligados ao fluxo de pedidos do Gripen e do pedido de GlobalEye.

A dívida líquida atingiu MSEK 405 ao final do período, comparada a uma dívida líquida de MSEK 3.217 no final de 2015.

Projeções inalteradas para 2016:

  •  Em 2016, esperamos crescimento da receita em linha com o objetivo financeiro de longo prazo da Saab: crescimento orgânico anual da receita de 5%.
  •  A margem operacional em 2016, excluindo itens não recorrentes, deve permanecer em linha com 2015.

Destaques financeiros

MSEK  Jan-Jun 2016 Jan-Jun 2015 Var. % 2T16 2T15 Exerc. 2015
Pedidos 11.462 18.996 -40 6.848 14.196 81.175
Carteira de pedidos 111.593 67.853 64 113.834
Vendas 13.854 11.329 22 7.064 5.940 27.186
Receita bruta 3.080 2.674 15 1.569 1.358 6.486
Margem bruta (%) 22,2 23,6 22,2 22,9 23,9
EBITDA  1.075  830  30  551  392  2.859
Margem EBITDA (%)  7,8  7,3  7,8  6,6  10,5
Receita operacional (EBIT) 611 367 66 317 157 1.900
Margem operacional (%) 4,4 3,2 4,5 2,6 7,0
Lucro líquido 414 257 61 191 167 1.402
Lucro diluído por ação (em SEK) 3,71 2,21 1,71 1,42 12,79
Retorno sobre o patrimônio líquido (%) 13,0 8,6 11,5
Fluxo de caixa operacional 4.193 -1.806 1.137 -1.001 -500
Fluxo de caixa livre 4.051 -2.082 1.096 -1.141 -726
Fluxo de caixa livre diluído por ação
(em SEK)
37,91 -19,57 10,25 -10,72 -6,82

Para mais informações e explicações com relação à utilização dos principais indicadores, acesse http://saabgroup.com/investor-relations/financial-data/key-ratios/

DIVULGAÇÃO: MLS Group / Publicis Consultants

 

11
Deixe um comentário

avatar
11 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
8 Comment authors
Mateus S. de SouzaMARCELO BASTOSLeandro CostaandreTiago Silva Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Delfim Sobreira
Visitante
Delfim Sobreira

2019 ? Estamos por entrar na lista de alvos do terror e de vizinhos bolivarianos, e só vamos receber o F-39 em 2019 ?

Jr
Visitante
Jr

A data de 2019 e conhecida desde que o contrato foi assinado, não há surpresa nenhuma nisso, quanto aos vizinhos bolivarianos, até 2019 creio que não teremos mais nenhum, ou você acha que o Maduro e sua turma vai aguentar no poder até lá, se sim, ele e seus parceiros vão ficar mais preocupados em controlar os inimigos internos do que pensando em invadir qualquer outro país. O cocaleiro boliviano perdeu o referendo que permitia ele se reeleger indefinidamente, e a turminha da Cristina na Argentina vai para cadeia antes do rei sol. Quanto ao terrorismo, não vai ser um… Read more »

Wilton Feitosa
Visitante
Wilton Feitosa

Delfim… você imagina combater o terrorismo com um caça?
Os Franceses tem dezenas de caças… a Alemanha tem dúzias, os americanos tem centenas…
Meu amigo, o terror se combate com alta tecnologia aliada aos serviços de inteligência..
Caça não serve pra nada pra nós…

Delfim Sobreira
Visitante
Delfim Sobreira

E se formos atacados pelo EIIL e resolvermos ir pra lá, vamos de F-5 ?
Já caiu um a pouco, e todos sabem o que o EIIL faz com pilotos ejetados, vide o piloto jordaniano que caiu em suas mãos.

Tiago Silva
Visitante
Tiago Silva

Delfim, no dia que o Brasil enviar caças para combater o ISIS eu ganho na mega sena sem jogar.

Nossa postura é de neutralidade em qualquer tipo de conflito praticamente, e como já informaram desde a época que o Gripen ganhou a licitação sabíamos que a entrega dos primeiros exemplares seria em 2019.

andre
Visitante

Acredito que nesse evento ocorra tudo bem como planejado mais em caso de um ataque o brasil não ia contra ataca mais sim os países da Otan que talvez seja o alvo principal dos grupos.

Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa

Delfim, quem me dera o Brasil oferecesse uma resposta à um ataque desse nível. Só vi o Brasil fazer algo semelhante em duas ocasiões passadas, uma em 1864 e outra em 1942. E numa situação extremamente hipotética, o que lhe diz que a contribuição do Brasil na luta contra o Daesh teria que ser apenas de caças? Contribuições importantes poderiam ser feitas com os R-99 e os Super Tucano. . Nesse assunto, essa atitude brasileira de querer ser amigos de todos, é algo que faz sentido se olharmos para um país pequeno. Mas o Brasil jamais será considerado um país… Read more »

MARCELO BASTOS
Visitante
MARCELO BASTOS
Delfim Sobreira
Visitante
Delfim Sobreira

Bem, deixando o EIIL de lado, um AF-1 caiu.
Será que dá pra esperar até 2019 ?

Delfim Sobreira
Visitante
Delfim Sobreira

Leandro.
Concordo com muitas coisas que vc diz, mas como ex-aluno do Senai e atual Perito, quando me perguntam porque tenho tantas ferramentas, respondo : melhor ter e não precisar, que precisar e não ter.

Mateus S. de Souza
Visitante

Porque todos Gripen tem a mesma camuflagem?? Saudades do estilo “agressors”…