Embraer E2

Kalstar Aviation assinou pedido firme e direitos de compra para 10 aeronaves E190-E2, Nordic Aviation Capital fez pedido firme para 4 jatos E190, e Arkia assinou carta de intenções para até 10 aviões E195-E2

Na segunda-feira, 11 de julho, dia de abertura da feira aérea internacional de Farnborough 2016, a Embraer anunciou em sua página de notas à imprensa a assinatura de três acordos com companhias aéreas para pedidos firmes e intenções de seus jatos comerciais E190 (atual geração dos chamados E-Jets), E190-E2 e E195-E2. O evento aeronáutico, realizado na Inglaterra, vai até o dia 17.

E-190 E2 - cena 3 video primeiro voo - EmbraerKalstar Aviation – A operadora regional da Indonésia, assinou pedido firme para até 10 jatos E190-E2, segundo a empresa, divididos num pedido firme para cinco aeronaves e cinco direitos de compra para o mesmo modelo, elevando o potencial total do pedido para até dez jatos. A encomenda tem valor estimado de USD 582 milhões, a preço de lista atual, se todos os direitos de compra sejam confirmados.

A transação será incluída na carteira de pedidos da Embraer do terceiro trimestre de 2016, com início das entregas programado para o primeiro trimestre de 2020. Segundo John Slattery, presidente & CEO da Embraer Aviação Comercial, “a Kalstar Aviation tomou um caminho diferenciado no mercado indonésio, utilizando os E-Jets da geração atual, e logo os E2s, para crescer seu negócio de forma sustentável e de proporcionar aos seus passageiros uma experiência de cabine sem precedentes”. O executivo completou: “O jato E190-E2 promete ser o melhor avião de sua categoria e irá proporcionar à Kalstar Aviation ainda maior eficiência.”
De sua parte, o CEO da Kalstar Aviation, Andi Masyhur, afirmou: “Estamos ansiosos pelo melhor desempenho operacional que o E190-E2 trará, mantendo um alto nível de comunalidade da cabine com os atuais E-Jets. Isto significa uma transição fácil para os nossos pilotos quando operarem ambos, os E-Jets da geração atual e os E-Jets E2. Os comentários de passageiros têm sido muito positivo sobre os E-Jets operamos atualmente e estamos ansiosos para impressioná-los ainda mais com os novos E190-E2 nos próximos anos.”
Ainda segundo o informe da Embraer, a Kalstar Aviation, em homenagem a ‘Kalimantan Star’, tem transportado passageiros para cidades na província de Kalimantan, uma área conhecida pela mineração e agricultura. A companhia aérea opera atualmente um E190 e dois E195 em rotas domésticas na Indonésia.
E-Jets - foto Embraer

Nordic Aviation Capital – A empresa Nordic Aviation Capital (NAC), que atua no mercado de leasing, fez um pedido firme para quatro jatos E190, geração atual dos chamados E-Jets da Embraer. Estas novas aeronaves, cujo contrato é estimado em 199 milhões de dólares (no atual preço de lista) se somarão a 69 E-Jets atualmente gerenciados pela NAC, globalmente. Os pedidos foram incluídos na carteira do segundo trimestre deste ano da Embraer.

Comentando esse pedido, John Slattery afirmou que “os  E-Jets são uma ferramenta muito flexível, com uma vasta gama de aplicações, o que os torna muito atraentes tanto para as companhias aéreas como para empresas de leasing.” Um exemplo destacado pela empresa em sua nota à imprensa foi a entrega recente pela NAC, sob arrendamento, de um jato E190 à BA CityFlyer do Reino Unido, que elevou para dois o número de aeronaves da NAC atualmente operando sob leasing com a companhia aérea britânica.

O CEO da NAC, Søren M. Overgaard, afirmou que “os E-Jets em geral, e o E190 em particular, têm uma aceitação de mercado muito, muito boa”. Overgaard complementou: “Como líder no mercado de leasing, estamos sempre buscando o melhor avião para atender às necessidades dos nossos clientes e o E190, em virtude de seu excelente custo operacional, conforto para os passageiros e confiabilidade, é o avião ideal.”

aerospace-embraer-e190-e2-rollout-erj

Arkia Israeli Airlines – Também em 11 de julho, a Embraer anunciou em Farnborough uma Carta de Intenções (Letter of Intent – LoI) da companhia Arkia Israeli Airlines para até dez jatos E195-E2. Segundo a nota divulgada pela Embraer, a encomenda consiste em seis pedidos firmes e quatro direitos de compra, num contrato potencial de USD 650 milhões, se todos os direitos de compra forem exercidos, de acordo com o atual preço de lista.

Ainda segundo a Embraer, a Arkia irá configurar todos os E195-E2 em um confortável layout de classe única com 134 assentos. A companhia aérea opera atualmente quatro aviões da atual geração de E-Jets, sendo dois E190 e dois E195.

Nir Dagan, presidente & CEO da Arkia Israeli Airlines, afirmou sobre o negócio: “Com a melhor economia no segmento, o E195-E2 será o complemento perfeito para nossa frota. O alcance do E195-E2, de 2.450 milhas náuticas, permitirá à Arkia cobrir todos os seus destinos na Europa e lançar novos em todo o continente. Adicionalmente ao alcance, o E2 mantém o mesmo nível de conforto inigualável na cabine, o qual é muito apreciado pelos nossos passageiros.”

A Embraer ressaltou que, nos últimos anos, a Arkia aumentou a estrutura de rotas regionais e internacionais ao mesmo tempo em que introduziu os E-Jets para substituir a frota de turboélices servindo o popular resort de Eilat, no Mar Vermelho. Para a fabricante, os E-Jets são os aviões perfeitos para abrir novas rotas e os únicos jatos comerciais que operam em Dov, no aeroporto da cidade de Tel Aviv, o que é possível graças ao excelente desempenho de pista, a capacidade de manobra no solo e ruído reduzido.

e-jets - foto embraer

Estimativas de mercado – A Embraer também divulgou em Farnborough as suas perspectivas de mercado (Market Outlook) de 2016 a 2035, detalhando as previsões da demanda de mercado para novos jatos nos próximos 20 anos. A empresa projeta demanda de 6.400 novos jatos no segmento de capacidade de 70 a 130+ assentos (2.300 unidades no segmento de 70 a 90 assentos e 4.100 unidades na categoria de 90 a 130 assentos), cujo valor é de aproximadamente USD 300 bilhões, até 2035.

Ainda segundo as projeções da Embraer, a frota global de jatos em serviço no segmento de 70 a 130+ assentos aumentará de 2.670 aviões em operação em 2015 para 6.690 em 2035, sendo o crescimento mais rápido entre todos os segmentos. O crescimento do mercado será responsável por 63% da demanda enquanto a substituição de aeronaves antigas será responsável pelos 37% restantes.
Phenom 300 - foto Embraer
Entregas e carteira – Ainda em 11 de julho, a Embraer informou a totalização de suas entregas de aeronaves, nos segmentos de aviação comercial e executiva, ao longo do segundo trimestre deste ano (2016). Segundo a empresa, foram entregues 26 jatos para o mercado de aviação comercial e o mesmo número de unidades para o de aviação executiva. Neste último, foram 23 jatos leves e 3 jatos grandes.
Em 30 de junho, conforme a nota divulgada pela Embraer, a carteira de pedidos firmes a entregar (backlog) totalizava USD 21,9 bilhões. A empresa também divulgou arquivo pdf detalhando os números.
A Embraer ressaltou também, nas notas divulgadas em 11 de junho, sua posição no mercado como  líder mundial na fabricação de jatos comerciais com até 130+ assentos, com100 clientes em todo o mundo operando jatos das famílias ERJ e E-Jets. Na família E-Jets, a empresa afirma ter registrado mais de 1.700 pedidos firmes, 1.200 já entregues.
E190-E2 primeiro voo - 1
Subscribe
Notify of
guest
16 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Delmo Almeida

Notícias boas, mas não tão expressivas. Uma pena. Se você quiser um A320 NEO ou 737 MAX precisa entrar em uma fila de anos, mas o E-Jets são de entregas no curto prazo, a produção é flexível, não está o tempo todo no máximo. Esses E-190 são um exemplo, a encomenda foi feita agora, em dois anos teremos no mercado uma versão com desempenho bastante superior à atual geração, quando será a entrega e por que não vale a pena esperar? Menos de dois anos pow!!!

Luiz Fernando

Não é bem assim…. note que os E190 de primeira geração foram encomendados por uma empresa de leasing, e deverão ser destinados, principalmente, a operadores atuais que desejem ampliar suas frotas (Não valeria a pena incluir apenas poucos E2 numa frota de E1).

Mais para frente estes operadores podem optar então pelos E2.

Jr

Até agora esse é o Farnborough mais fraco dos últimos 5 anos em relação a vendas, ninguém tá comprando nada.E como os grandes anúncios geralmente são feitos logo nos dois primeiros dias, parece que a coisa vai ficar mais ou menos por ai. Parece que o Brexit assustou muita gente

Wilton Feitosa

Demo Almeida

Caraca, simples assim né, como esse monte de executivos não pensaram nisso? Devem ser despreparados de certo, né não?

Jr

off topic
Entrevista que o Jackson Schneider deu para um jornal Sueco em Farnborough, parece que a parceria saab/Embraer vai além do Gripen, no último parágrafo da entrevista ele da uma dica

http://www.svd.se/gripen-ar-ratt-plan-for-alla-flygvapen-i-latinamerika/om/gripenaffarerna

Delfim Sobreira

OFF – as 20 melhores companhias aéreas do mundo :
.
http://economia.uol.com.br/album/2016/07/12/conheca-as-melhores-empresas-aereas-do-mundo-em-2016.htm
.
A primeira ocidental só aparece em 11ª lugar.

Delfim Sobreira

OPs, uma australiana em 9ª e uma alemã em 11 [
Falha nossa.

paulo dias

Bombardier detonou com a venda dos seus novos C-series para a Bombardier… li um texto de jornalista estrangeiro que dizia que os e-jets tinham “interior parecido com os velhos 727” e, assim, como Comac e Sukhoi não eram páreo para os Cseries. A guerra pela aviação regional de 100 a 160 lugares com corredor único embolou feio com este C-300 da Bombardier chegando no filão da Boeing e Airbus… teremos Boeing e Airbus passando a próxima década tentando refazer o caminho perdido pelos anos de concorrência miníma. A Embraer tem que ir para outros ares e diversificar, sim, o seu… Read more »

Renato Vieira

Paulo Dias ….diversas vezes ja foi falado aqui que microfone, papel e teclado aceita tudo. Voce misturou algumas coisas e não ficou bem claro, mas uma crítica tem que ter embasamento técnico, e se for de midia comprada essa que não tem valor mesmo. Bombardier bem que ta precisando pagar propaganda para ela pois as coisas la não andam bem, espero que não queira vender seus produtos detonando concorrentes e sim mostrando a qualidades dos seus.

paulo dias

Renato, vc tem razão… é o que eles têm feito… disse que o texto é do jornalista estrangeiro, não a minha…só acho que a Bombardier está embolando… ninguém sabe, mas há um certo dumping de mercado. Todos receberam dinheiro governamental (Boeing, Embraer, Bombardier), mas no caso deles acho que foi além… agradeço e retirarei o post.

Heyarth

A Embraer postou hoje um vídeo sobre o KC390 no Farnborough Airshow 2016
https://www.youtube.com/watch?v=OkRRUZbeSwM

Renato Vieira

É Paulo Dias, na verdade todas devem em maior ou menor número, todas recebem subsídios aqui ou acolá, mas a Bombardier possivelmente enfrentará um novo processo junto a OMC porque a ajuda foi em demasia. A Bombardier tava num atoleiro danado com os sucessivos atrasos e os custos estratosféricos do projeto dos novos CSeries, felizmente agora um pouco mais aliviada pela ainda recente encomenda da Delta Airlines de 75 CS100 e com opções para mais 50. No mais é isso, tanto o sol quanto a sombra podem ser para todos, basta saber trabalhar e se ajustar as mudanças, espaço e… Read more »

paulo dias

A questão que as entrelinhas demonstram é que a Bombardier está mexendo com os lobos (Boeing e Airbus), querendo comer antes deles contando com dinheiro do contribuinte canadense. A Embraer é bela empresa, mostrou sua competência ao sair de uma empresa praticamente falida na década de 90 para os níveis atuais. Daí a vejo como uma queridinha da Boeing, pois a Embraer não quis brigar com os lobos, comeu sabiamente pelas beiradas. O fato é que me preocupa o fato da Boeing englobar a Embraer para prepará-la para “fulminar” a Bombardier… Veja que há uma intensa parceria Boeing-Embraer nos últimos… Read more »

paulo dias

Colaboração da Boeing com a Embraer num campo estratégico: aviões de baixo consumo de combustível

http://www.gizmag.com/boeing-ecodemonstrator-testbed-embraer/44236/