A400M em Brasília-DF - 4

FRANKFURT: O diretor da Airbus, Tom Enders, admitiu em entrevista a um jornal no último domingo que alguns dos “grandes problemas” que afetam o novo avião de transporte militar do fabricante de aviões europeu, o A400M, foram causados pelo grupo.

“Nós subestimamos os problemas de motor”, Enders disse ao jornal Bild am Sonntag.

No início do programa, a Airbus “deixou-se persuadir por alguns líderes europeus bem conhecidos em usar um motor feito por um consórcio inexperiente”, disse Enders.
Além disso, ficou amarrada em assumir total responsabilidade por esse novo tipo de motor turbo-hélice, ele continuou.

“Estes são dois grandes problemas pelos quais agora estamos pagando.”
Mas para além da “qualidade insuficiente do fornecedor … problemas caseiros também estão desempenhando seu papel”, disse Enders.

Apesar dos atrasos de entrega e limitações na sua prontidão operacional, Enders disse que os governos não devem começar a procurar alternativas.
“Cancelar o A400M seria o maior erro, porque este avião tem um potencial enorme”, disse Enders.

Um dia, o novo transporte irá “formar a espinha dorsal das frotas transportadoras europeias” e será um sucesso de exportação, argumentou.
O A400M visa substituir os velhos Transall do exército alemão.

O novo transporte militar foi encomendada em conjunto em 2003 pelos governos da Alemanha, Bélgica, França, Grã-Bretanha, Luxemburgo, Espanha e Turquia.
Originalmente planejado para ser lançado em 2011, sua entrega foi substancialmente atrasada por uma série de problemas técnicos e diferentes solicitações dos governos.
E novas falhas foram descobertas nos hélices dos motores no início deste ano.

FONTE: AFP

Previous articleQuer estudar nos Estados Unidos?
Next articleSaab recebeu encomenda de US$ 130 milhões no segmento AEW&C
Subscribe
Notify of
guest

72 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
a12comanf

Deve até dar pra ver os olhos dos diretores comercias da Embraer ‘brilhando’… he he he

Wilton Feitosa

Não sei a Embraer lucra algo com isso… KC-390, apesar de estar no estado da arte, éde uma categoria completamente diferente…
Ou estou enganado?

Rinaldo Nery

Sim, Wilton. Estamos falando numa diferença de carga de mais de 18 ton.
O controle do passo dessas pás de hélice é eletrônico. Complicadissimo. Foi o grande causador do atraso da certificação da aeronave.
Em 2009, o Presidente da COPAC, em conversa com o comandante da Força Aérea Francesa, relatou que o mesmo reclamava desse atraso. Disse, naquela época, que caso atrasasse mais, a França enviaria um RFI para a EMBRAER, para a aquisição de 70 KC-390.

Clésio Luiz

Vamos dar nomes aos bois, um dos principais responsável pelos problemas nos motores é a Rolls Royce, que vem apanhando para fazer o FADEC funcionar direito.

E esse “consórcio inexperiente’ tem nomes de peso como Snecma, MTU e Rolls Royce, que de novatos não tem nada.

kfir

http://www.reuters.com/article/us-airbus-a400m-engines-idUSKCN0X22G7 Estão falando de problemas na” caixa de velocidade” da hélice que estão atrasando as entregas e pode demorar de muitas semanas a muitos meses… para resolver, erro de projeto, poucas horas de testes etc… . [i] O A400M é alimentado por dois pares de motores turboélice cujas hélices giram em sentidos opostos, exigindo duas versões diferentes da caixa de velocidades. Apenas um par de motores é afetado pelos problemas, que foram descobertos durante a produção, disse Petitcolin. “Não há nenhum problema no curto prazo, mas afeta a confiabilidade a longo prazo. Ele está sendo corrigido”, disse ele. [/i] .… Read more »

kfir

Mais elucidativo… . Fadiga de material. . [i]O jornal “Bild” informou que partes dos motores a hélice não poderia lidar com temperaturas extremas e que partes individuais do motor foram encontrados para ter “falhas materiais.” O jornal também afirmou que um motor em um A400M britânico tinha cortado durante um voo, embora isso ainda não tinha acontecido com os três planos já detidos pela força aérea da Alemanha. [/i] . http://www.dw.com/en/airbus-a400m-military-transport-plane-hits-more-trouble/a-19158917 . me lembrou o problema ocorrido com o helicóptero acidentado. . já custou 23 bi doletas o desenvolvimento… . . acho que a Embraer ta bancando sozinha o termino… Read more »

Lemes

O core desse motor é baseado no M88 da snecma. Interessante notar, que fora a França, para o programa rafale, ninguém mais se interessou nesse motor.

Jeff

Quem sabe o que o futuro reserva? O KC-390 pode ser um grande produto no mercado, ou não, não tem como saber. Mas com certeza todo o aprendizado com este projeto serve como base para desenvolvimento de um jato de maior capacidade, se for necessário, no futuro.
Pelo que sei, a marca Embraer é sinônimo de qualidade e confiabilidade no mercado mundial.

Marcelo Pamplona

É o preço que se paga por se querer “reinventar a roda”, expressão bem lembrada e usada pelo Nunão.
Por quê complicar o simples, diabos?
Não era melhor ter usado motores turboélice de concepção mais tradicional?
A concorrência agradece, Airbus.
Sds.

Jr

Marcelo Pamplona, diria mais, isso é que da deixar ser persuadido por políticos que não entendem nada de motores de avião. O político passa, a bomba fica e quem paga o pato é a Airbus e seus operadores

Marcelo Andrade

Se não me engano, não existe no ocidente motores turbo-hélice para um cargueiro deste porte. O TP-400 é o maior e mais potente turboélice ocidental, acho que só perde para o Kutnetzov dos TU-142.

Como disse o Marcelo Pamplona, eles podem ter pecado na concepção e não na potência e tamanho, a engenharia dele é muito complexa e a manutenção também. Estão pagando pelo pioneirismo e olha que o time do motor não é ruim não!!

Sou fã incondicional de cargueiros militares, esses aviões levam as Forças Armadas nas costas em se tratando de logística.

Marcelo Andrade

Ah, o KC-390 não é concorrente deste avião, é outra categoria, pode complementar!!!

Rinaldo Nery

Marcelo, sabe a potência desse TP-400? Quem fabrica?
Em Toulouse, em 2013, vi um dos protótipo do A-400 efetuando toque e arremetida. Lindo avião. É bem grande.

Marcelo Pamplona

Rinaldo Nery;

Segundo consta na Wikipédia (a Barsa do século XXI):
“Potência : 8.203 kW ou 11.000 shp
Seu projeto começou em 2003, pela Europrop International, uma joint-venture formada em 2002 pela espanhola ITP (Industria de Turbo Propulsores S.A.), a alemã MTU Aero Engines AG, a britânica Rolls-Royce Group PLC e a francesa Safran-Snecma*.”
Sds.

*Já bem citado pelo colega Clésio, mais acima.

ronaldo de souza gonçalves

Complicado pois reuniu varias nações ai cmplica mesmo e um item para agradar um pais outro item para agradar outro o motor para agradar tal consorcio tal firma Politicos causas problema em tudo que põem,verdadeiras mãos de satanás, Salvo as proporções a Embraer tá tocando praticamente sozinha se ela deixa-sse os Politicos Brasileiro optar,estariamos com um sucatão na maõs.

Marcos

Rinaldo Nery
“Em 2009, o Presidente da COPAC, em conversa com o comandante da Força Aérea Francesa, relatou que o mesmo reclamava desse atraso. Disse, naquela época, que caso atrasasse mais, a França enviaria um RFI para a EMBRAER, para a aquisição de 70 KC-390.”

Se sai um pedido desses, vamos ter de fazer uma vaquinha para comprar uma hélice do Hércules para alguém pular de uma ponte do Tietê abraçado com a mesma.

Matheus

A400M é sim o concorrente do KC-390.

ederjoner

Certamente não se pode comparar a capacidade do KC 390 com a do A-400, inclusive quando se lê o nome das aeronaves já se imagina que são de pesos diferentes. Agora não se pode ignorar que havendo muito mais atrasos no A-400, potenciais clientes podem partir para outras opções, e se descartarmos a Rússia e a China, uma decisão óbvia, mesmo que de menor porte seria o C-130, mas tem uma variável chamada KC-390 “no ar”, ou melhor, duas unidades do mais novo projeto de cargueiro militar. Sem o A-400, os países próximos da OTAN tem o C-130 (menor, menos… Read more »

Maria do Carmo Lacoste

De forma paradoxal, o A400M não é concorrente para o KC-390, mas o KC-390 é concorrente para o A400M. Ocorre que quem pensa em comprar um KC-390, muito dificilmente estaria pensando em comprar um A400M. Países com forças aéreas sem os mesmos compromissos de grandes potências, eu diria que todas da América Latina por exemplo e a maioria dos casos em outras regiões, mas o contrário é verdadeiro, quem pensa em comprar um A400M, seja por razões orçamentárias restritivas ou pelo atraso nas entregas, pode ir de KC-390, e para países que têm melhores condições financeiras, o KC-390 pode funcionar… Read more »

Marcelo Andrade

Rinaldo, tem um vídeo no YouTube da Airbus Military onde aparecem os 5 protótipos voando juntos em HD , espetacular!!!!

Wilton Feitosa

Deixa eu entender.. preciso de caminhão, mas se não tiver disponível no mercado, compro duas S-10… Será?

Maria do Carmo Lacoste

Wilton Feitosa 31 de maio de 2016 at 20:16 Tem gente que entra numa concessionária pensando num Honda Civic e sai de lá num Gol 1.0. Procure no google por: “Linha de restrição orçamentária”, isso vale tanto para um consumidor como para um país, aliás, a palavra economia vem do grego, é a junção de “oikos” e “nomos”, ou num sentido mais familiar, “reger a casa”, a ciência econômica estuda como administrar um ambiente de “escassez”, o ar que respiramos não é objeto de estudo da ciência econômica pois ele existe em abundância, como não é escasso, não precisa de… Read more »

EduardoSP

Em termos de capacidade de carga os únicos aviões modernos existentes que se comparam ao A-400 são o AN-70 e o Kawasaki C-2. O Il-476 também está nessa categoria, mas é um projeto da década de 60 atualizado.
O KC-390 não concorre com o A-400. Não apenas pela capacidade de carga mas também pelo alcance.
Por outro lado é verdade que a necessidade às vezes é imperiosa. A França acaba de comprar um lote de KC-130J para reabastecer seus helicópteros, uma vez que o A-400 ainda não atende ainda esse requisito, e vai demorar para atender, se conseguir.

Wilton Feitosa

Maria do Carmo Lacoste 31 de maio de 2016 at 21:06 Só pra esclarecer tenho pós graduação em Economia/Finanças, mas agradeço a sua preocupação em mostrar o quanto conhece de grego.. Dito isso, neste momento não saberia dizer se você não entendeu a minha “analogia lúdica”, ou apenas quis “puxar minha orelha” como um velho professor rabugento… rss… Mas enfim, penso que, quem busca um A-400, e por fim sai com um KC-390, não esta fazendo uma troca, e sim buscando um paliativo até que meu objeto de desejo (necessidade) esteja pronto, ou outro que se assemelhe em características …… Read more »

Ederson Joner

Claro que uma S10 não faz o serviço de um caminhão! Mas vc iria usar sempre este caminhão totalmente carregado? Ou vai levar alguns tonéis de combustível a maior parte do tempo?
O Valor do A400 dá para comprar quantos Kc 390? Não sei ao certo, mas eu chutaria uns três! Mas que sejam dois, dois Kc 390 contra um A400, só ficam devendo no quesito de transporte de grandes veículos, pois se for para transportar tropas…
A grande sacada aqui, é que se os atrasos do A400 se confirmarem, a Embraer pode começar a flertar com os possíveis clientes…

Luiz Lopes

Marcelo Pamplona falou algo muito importante sobre o A400M: não adianta reinventar a roda se o custo for muito maior que o benefício. Por isso que admiro a filosofia da SAAB quando construiu o Gripen. E o projeto do Sea Gripen “M” vai seguir essa mesma filosofia e não vai inventar algo que não pode ser prático. Vai, sim, melhorar e aperfeiçoar algo que já existe !

Nonato

A Embraer poderia começar a desenvolver o KC 490???
E o A 400?
Quem o compra transporta o quê? Se for tropas o KC dá conta. Mas se for algum tanque específico que não caiba no KC, não é possível trocar…

Carlos Campos

Acreduto q a Embraer não vá fazer um avião de transporte maior q o KC39 entraria em confronto com os americanos, prefiro uma fab com KC 390 e C17

Nonato

Esse suposto KC 490 é outra elucubração. Pensar não custa nada. Seria um avião um pouco maior que pudesse transportar alguns equipamentos militares que não cabem no C 130, nem no KC 390. 35 a 40 toneladas, talvez. Apesar da atual predileção pelo uso de dois motores, quem sabe usar quatro motores, os mesmos usados pelo KC 390, gerando menores custos de manutenção. Ou talvez motores da nova geração, mais econômicos. Mas consumiria muitos recursos para um projeto de um avião que talvez tivesse pouca saída. O KC pretende-se vender umas 700 unidades, para países de todos os continentes e… Read more »

Nonato

Carlos, mas confronto com os americanos já existe com o KC 390. Bate de frente com o c130…

Luiz Fernando

Do KC390 pretende-se vender 700 unidades… de onde você tirou isso? Essa nunca foi a meta de vendas…

camargoer

Ola Luiz Fernando. Quando o projeto KC390 foi lançado, talvez uns 5 anos atrás, havia um estudo da Embraer sobre um mercado para cerca de 700 aeronaves de transporte militar do porte do KC390. Claro que não se falou em fabricar 700 aeronaves mas de ocupar uma fração desse mercado. Talvez a Embraer venda 100 ou 200 desses aviões… talvez fique em apenas 28 para a FAB. Nunca foi divulgado qualquer meta, contudo existe essa estimativa que as diversas forças armadas necessitarão de cerca de 700 aeronaves novas nos próximos 30 anos para substituir os velhos ou ampliar suas frotas… Read more »

kfir

O problemas hj no A400 parece se concentrarem nos motores, então pq hélices? Economia com velocidade próxima ao uso da turbina, então estes motores quando confiável se constituem sim uma vantagem na operação, mesmo em relação ao c17 , que se não me engano esta descontinuado. É a mesma questão que levou a russia a ter um bombardeiro usando hélices contra rotativas, maior alcance e menor consumo…coisa muito importante com aviões. Então este motores não pode ser desprezados, pois acredito que proporcionem menor consumo, maior alcance com velocidade satisfatória ( Velocidade máxima 780 km/h) . . O problema é o… Read more »

kfir

velocidade:
.
a400m Velocidade máxima 780 km/h
c17 C-17 Velocidade máxima: 829 km/h
C-130J Super Hercules 670 km/h
kc390 Velocidade máxima: 850 km/h
.
.
payload máx
.

c17 C-17 77,500 kg
C-130J 19,958 kg
kc390 até 23 000 kg
a400m up to 37 tonnes
.
.
.
consumo
.
alguem sabe de alguma tabela, mas o a400m é mais barato 20% em consumo segundo a RAF, isso durante o ciclo de vida deve pesar muito na escolha final…mesmo o custo unitário sendo maior.

Rinaldo Nery

Kfir, imaginei que o C-130J estivesse na faixa dos US $ 80 milhões. Com relação à capacidade de carga do KC-390, em 2009 a COPAC realizou vários workshops com os possíveis usuários, dentre eles a Brigada Paráquedista, Brigada de Operações Especiais, Comandos Anfíbios, Parasar, DECEA, DIRSA, COMGAP etc. A aeronave foi dimensionada para o transporte do veiculo blindado Guarani, de um radar móvel do GCC, do hospital de campanha da DIRSA, do material necessário ao deslocamento de uma Unidade de Caça, dos equipamentos e pessoal das Forças de Ação Rápida comentadas anteriormente. Daí passou-se das 19 ton inicialmente propostas pela… Read more »

kfir

Rinaldo Nery . Eu pesquisei na net, de forma meia rápida, posso estar errado e vc certo, vi também o kc 390 por 80 milhões de dólares… . o importante é descobrir aqui uma tabela que compare : carga paga x consumo de combustível x distancia x custo de aquisição…nenhum fabricante vai dar isso… . . achei o custo por milha náutica do c17 o custo do c130j mas do a400m só falam que é mais barato, tipo assim: muito mais, é super, 20% no site da raf…o custo do kc390 não vi, mas a Embraer sustentou que o turbofan… Read more »

Jeff

Quando eu leio aqui sobre o projeto do KC-390 e seus desdobramentos, eu acabo lembrando da Engesa e o projeto do EE-T1 Osório. Não acho que a Embraer esteja na mesma situação, visto que ela tem um amparo muito bom ($$$$) no mercado de jatos comerciais, coisa que a Engesa não tinha. Mesmo sabendo disso, imagino que a Embraer tenha tido o cuidado para não cometer os mesmos erros daquela época.

Matéria é muito interessante, pra quem ainda não leu – Engesa Osório: Começo, meio e fim de um bom projeto e um mau negócio

http://www.forte.jor.br/2015/12/27/engesa-ee-t1-osorio/

donitz123

Germany looking at other military transports besides A400M – sources
.
http://www.reuters.com/article/airbus-germany-idUSL8N18S32X

Nonato

Jeff. A Embraer pode ter estudado. O problema é que neste ramo tudo pode mudar muito rápido… Para melhor ou para pior.
Teoricamente, tentou fazer o dever de casa. Entrar em um nicho bem específico, carente de alternativas e tentar oferecer uma bem vantajosa…

kfir

Em tempo, o kc 390 faz mais viagens em tempo menor que o c130j, ou seja no mesmo espaço de tempo ele vai e volta mais vzs, o que permite deslocar muito mais carga no mesmo tempo, ou seja, com uma quantidade menor de aviões vc faz o mesmo que um numero de c130j, sem contar que carrega mais carga…
.
,
Com certeza já deve estar sendo planejado um substituto para o c130

Maria do Carmo Lacoste

Rinaldo Nery 1 de junho de 2016 at 7:53 Nobiliárquico, eu assisti uma entrevista com *Frederico Curado, onde ele diz que quando a FAB pediu a Embraer um avião para substituir os Hércules, um dos requisitos era que ele pudesse transportar umas 16-18 toneladas, uma espécie de carga padrão do C130, falou até a distância, Rio de Janeiro – Manaus, então partiram dessa meta, mas segundo Curado, logo no início do projeto, eles perceberam que poderiam oferecer um avião com muito maior capacidade de carga que o pedido da FAB, chegando nas 23 Toneladas, ou seja, neste caso, foi a… Read more »

Ednardo de oliveira Ferreira

excelente análise de Maria do Carmo Lacoste.

Quantos países podem manter uma frota de A400? lembrando: frota. Porque quem quiser comprar este bichão tem que ter pelo menos 4 ou 5.

E como foi dito, são macacos velhos que estão engasgando com este avião. E como em qualquer avião, ainda mais num cargueiro, a motorização é 50% do projeto.

kfir

A cada 100 percursos de 2000 km ( Rio ==> Recife)
o c130j gasta 63 horas a mais que o kc 390 para completar a mesma missão.
.
o kc 390 transporta a mais 304200 kg na mesma quantidade de viagens
.
o que dá 13 c130j a menos na frota.
.
uma economia de mais de 1 bilhão de doletas ( avião custando 80 milhões) em aeronaves a menos.
.
ta morto o c130j…

kfir

È absolutamente certo a Embraer ter uma linha deste produto nos EUA. perdão não to fazendo flood, mas não tem como editar acima.

Nonato

A Embraer dá mas tacadas boas. Se a demanda é de 700 aviões e ela oferece um bom produto, como disse carmagoer, que inclusive corrigiu e explicou essa informação, ela fica numa boa posição. Tipo, tô aqui. Se quiserem, tenho produto bom…Grande probabilidade de vender. Ao estilo ST para os EUA. Não há garantias. Mas fica na boca da caçapa esperando alguém para bater…

camargoer

Cara Maria Lacoste, Posso estar enganado, mas se alguém tiver a coleção completa da Tecnologia e Defesa, lá nos anos 90, havia uma proposta da FAB para a Embraer produzir um substituto para o C130, talvez antes da privatização da Embraer. Imagino que essa proposta foi reformulada ao longo do tempo tanto pela FAB quanto pela Embraer até chegar ao KC390. Eu acreditaria que foi um processo colaborativo entre a FAB e a Embraer. Parece-me razoável imaginar que os requerimentos originais da FAB fossem parecidos ao do C130, mas como Rinaldo Nery explicou, foi necessário readequar o dimensionamento da aeronave… Read more »

Nonato

Kfir essa conta não se faz assim. Porque um avião leva, digamos meia hora a mais para chegar, somar o número de horas ao longo do tempo e comprar mais aviões. Ele faz mais viagens ou a turma espera mais um pouco e pronto.

kfir

Nonato

Obrigado pelas criticas…e escolhi um trecho que amo fazer… pq eu gosto de forró =P.

então, fiz a conta considerando urgências ou necessidades ao longo do tempo. o trecho rio recife da umas 230 horas de voo a cada 100 viagens.

Sergio Prado

A Airbus tem “pisado muito na bola” ultimamente e isto gera desconfiança no mercado de aeronaves. Acho sim que nossa poderosa EMBRAER tem chance sim em substituir o modelo problemático, porém ai entram outras questões com por exemplo, a questão política.
É de interesse (veemente) dos estados envolvidos que o projeto se complete e seja uma opção confiável no mercado. Por outro lado estes estados terão que injetar mais uma “graninha” para as correções necessárias fora o ônus de ter que arcar com os acidentes já reportador. E isto manda o nome de uma empresa deste setor.

camargoer

olá Sergio. Excelente observação. Assim como o Gov. Brasileiro bancou o KC390 ele também confirnou a sua aquisição, Assim, tanto por questões políticas quanto economicas (eles tmbém precisam garantir empregos) é certo que a França, Alemanha e outros parceiros irão adquirir agora ou no futuro o A400. Talvez por questões operacionais eles adquiram alguns C130 ou KC390… ou apenas uma solução tampão… talvez caibam algumas vendas do KC390 além daquelas previstas no plano de negocio.