Home Espaço Satélite de Defesa e Comunicações Estratégicas em fase de testes

Satélite de Defesa e Comunicações Estratégicas em fase de testes

6008
63

Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas SGDC - foto FAB

Contagem regressiva: Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC) está em fase de testes e profissionais se preparam para controlar o equipamento que vai levar banda larga a todo o País e garantir comunicação segura ao governo brasileiro

ClippingNEWS-PAÉ em Cannes, cidade ao sul da França, que o Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC) passa, a partir do mês de abril, por testes para simular as condições encontradas no espaço. Com 5,8 toneladas e cinco metros de altura, o satélite será levado para um suporte que o faz vibrar, simulando as condições de lançamento.

Já para os meses de junho e julho está prevista a campanha de testes de comunicações. Dentro de um câmara anecóica, que não reflete as ondas de rádio, serão avaliadas a qualidade do sistema e das antenas responsáveis por transmitir e receber os sinais. O primeiro teste do satélite, iniciado em março, foi o térmico: o equipamento foi colocado em uma câmara de vácuo e submetido a temperaturas entre -100 °C a 125 °C.

Os testes fazem parte da fase final de preparação para o lançamento, previsto para o segundo semestre de 2016. O SGDC ficará posicionado a uma distância de 36 mil quilômetros da superfície da Terra, cobrindo o território brasileiro e o oceano Atlântico. Veja, na página 49, o infográfico que representa a cobertura do SGDC.

De lá, o satélite vai se comunicar com uma antena de 18 metros de altura, 13 metros de diâmetro e 42 toneladas, localizada em Brasília (DF). Uma segunda antena, em um centro de controle secundário, ficará no Rio de Janeiro (RJ).

No espaço, por meio da banda Ka, o SGDC terá capacidade para tramitar 54 gigabits por segundo, sendo considerado pelo Governo Federal como prioritário para expandir o acesso à banda larga em regiões remotas do país. Ao mesmo tempo, por meio da banda X, o satélite será utilizado para transmissões militares.

O projeto, uma parceria entre os ministérios da Defesa, das Comunicações e da Ciência, Tecnologia e Inovação, é um investimento da ordem de R$ 1,7 bilhão. A expectativa é entrar em serviço no início de 2017, após um período de ajustes, e permanecer ativo durante quinze anos.

Participação brasileira – De olho no desempenho do satélite estão brasileiros como o Tenente-Coronel Christian Taranti. Engenheiro eletrônico da Força Aérea Brasileira e doutor pela Naval Postgraduate School (EUA), o militar atua na definição dos procedimentos de controle da órbita do satélite, nos procedimentos de voo e na engenharia de sistemas do satélite. “Minha atuação é particular, tanto no segmento de solo quanto no satélite. Isto me permite uma visão global, identificando interdependências entre o satélite, a estação de solo e os clientes, no caso militares e civis”, explica o engenheiro.

A participação dos brasileiros em todas as etapas, construção, montagem e testes, permite a cada um conhecer melhor os procedimentos e também as dificuldades práticas encontradas em cada área de atuação (térmica, mecânica e comunicações). Outros parâmetros devem ser levados em consideração e contornados para que os resultados previstos durante o projeto do satélite, possam ser validados e confirmados durante os ensaios.

São cerca de 30 profissionais brasileiros, oriundos da Agência Espacial Brasileira, Telebras, Visiona, Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), Ministério da Defesa, que acompanham o processo, cada um dedicado a uma área específica. A presença de profissionais brasileiros, militares e civis, faz parte do processo de absorção de tecnologia. O conhecimento detalhado vai permitir que eles identifiquem e resolvam possíveis falhas de funcionamento que possam vir a surgir durante os 15 anos de vida útil do satélite. A expertise também será útil às organizações em projetos futuros de novos satélites.

A visão geral sobre o funcionamento, desenvolvimento e fabricação do SGDC é considerada pelas organizações brasileiras como um passo importante para que o Centro de Operações Espaciais (COPE) possa, futuramente, especificar e contratar novos satélites, tanto em relação à infraestrutura de solo como a parte espacial. “Cada um está sendo exposto não só a novas tecnologias, mas principalmente novos conceitos, novas formas de trabalhar. Diversos pontos do projeto e da operação de satélites vão sendo, aos poucos, compreendidos e desmistificados”, analisa o Tenente-Coronel.

FONTE:
FAB

63
Deixe um comentário

avatar
63 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
37 Comment authors
José Carlos MoreiraGustavo BarrosSoldathoratio nelsonBardini Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
marlon
Visitante

sera que agora vai ou vai explode como o outro ……..sera que nao vai aver sabotage…vamos ver

Marcos
Visitante
Marcos

Deveriam lançar com russos.
Nisso eles são mais confiáveis.

Aéreo
Visitante
Aéreo

A necessidade de um satélite militar de comunicações é indiscutível, apenas o modelo de negócios que foi implementado que é altamente questionável.

Mauricio R.
Visitante

Questionável além do modelo de negócios, é a participação dessa Visiona, esbirro da Embraer, nem sabem o que é rojão de São João e estão lá metidos em mais um programa da União.
Quem tem que estar presente, são os departamentos de pesquisa e desenvolvimento da FAB e não uma empresa privada.

paulo cesar o. de souza
Visitante

Este satelite será lançado em qual foguete?

Marcelo
Visitante

sim, quem deve receber toda a tecnologia é a FAB e organizações do governo, que estão tentando kançar um satélite de 200 kg à quanto tempo? 40 anos? e não empresas privadas, como por exemplo, a SpaceX. Note bem, não quero comparar a Visiona ou Embraer à ela, só destacando que a tecnologia é mais bem utilizada pelas empresas privadas, aqui ou em qqer lugar do mundo.

ronaldo de souza gonçalves
Visitante
ronaldo de souza gonçalves

Fico aliviado, espero que seje uma plataforma russa ,chinesa,lá os americanos não sabotam.o Brasil precisava desta independencia principalmente as FA. Isto de temos satelite com americanos nunca aqueles caras querem nos espionar não são dignos de confiança já controlam nossas industrias,nosso comercio nossa imprensa e tudo que eles podem por as mãos

André LUis
Visitante
André LUis

Ronaldo. Foi a tecnologia dos Americanos que salvou a humanidade dos Nazistas e que salvou a humanidade da União Soviética.
Veja a qualidade de “vida” dos Cubanos e dos Venezuelanos e veja o que teria acontecido no Brasil se tivéssemos adotado outro tipo de sociedade.

Alias o primeiro satélite funcional de Telecomunicações privado foi dos Estados Unidos. Os Estados Unidos importam produtos do mundo inteiro e tem liberdade comercial.

O primeiro satélite de comunicação comercial do mudo, o Telstar 1 em 1962

https://www.youtube.com/watch?v=9vdf_Y-zFcM

Tamandaré
Visitante
Tamandaré

Até quando esa mania desgraçado de dizer que tudo que dá errado aqui é “sabotagem americana”? Desde quando um país que tem _________ _____________, etc. precisa de sabotagem externa pra dar errado?!

COMENTÁRIO EDITADO. NOTA DOS EDITORES: PEDIMOS PARA NÃO LEVAR O DEBATE PARA A BRIGA POLÍTICA RASTEIRA QUE ASSOLA O PAÍS PARA NÃO INICIAR UMA BOLA DE NEVE QUE FOGE COMPLETAMENTE DO TEMA. PRIMEIRO AVISO.

Zé Mané
Visitante
Zé Mané

Caramba! Como a língua portuguesa é assassinada nos comentários! Pérolas do tipo “à quanto tempo”, ao invés de “há quanto tempo”‘, “seje”, ao invés de “seja”, e outras barbaridades do gênero. Dá vontade de mudar para Saturno.

FRL
Visitante
FRL

O português é a língua conhecida como “a última flor do Láscio”. O que se fala e o que se escreve em “terrae brasillis”, já faz bastante tempo, e infelizmente, não é o português, mas qualquer outra língua ainda não catalogada… resultado das progressões obrigatórias adotadas nos ensinos básico e fundamental…

junior
Visitante

Seria interessante se pudessem contratar uma empresa privada como a SpaceX para lançar enquanto o Brasil não tem capacidade para colocar 5,8 toneladas em órbita, já vi uma notícia de que permitirão até pessoas comuns a colocar satélites em órbita. É melhor do que depender de favores de outros países.

Zé Mané
Visitante
Zé Mané

Esqueci de comentar o “aver”, ao invés de “haver”, e o “sabotage”, ao invés de “sabotagem”. Vou pegar uma carona neste satélite e me mudar para o espaço.

Ednaldo Queiroz
Visitante
Ednaldo Queiroz

Andre luiz, fiquei surpreso com as suas colocacao sobre ”salvar a humanidade da Uniao Sovietica”. Procure os livros de historia e comprove que o exercito sovietico combateu o nazismo com sucesso, e foi o responsavel por estourar o mais famoso campo de concentracao nazista (AUSCHWITZ), libertando milhares de judeus em varios outros campos. Quanto tecnologia que serviram a humanidade, certamente voce desconhece que as duas primeiras estacoes espaciais foram criadas pelos sovieticos: SALYUT e SOYUZ. Em seguida a MIR, ( Mir foi a primeira estação de pesquisa continuamente habitada em órbita e estabeleceu o recorde da mais longa presença humana… Read more »

Luiz Antonio
Visitante
Luiz Antonio

A noticia e os comentários dos colegas são interessantes, uma vez que são efeitos de uma mesma causa. A falta de capacidade do nosso país em lançar quaisquer tipos de satélites por seus próprios meios, a tragédia que se abateu sobre Alcântara, quando a elite técnica do setor aeroespacial brasileiro foi perdida e sem capacidade de recuperação, a tragédia no setor da educação que com suas progressões (bem lembrada por um colega) transformou a língua pátria em algo quase ininteligível (escrevem como falam), a política do “Coitadismo” tratando pessoas com evidentes limitações intelectuais como se fosse Gênios oprimidos, tudo isso… Read more »

EParro
Visitante
EParro

Sabe Zé Mané 29 de maio de 2016 at 11:19

Atire a primeira pedra aquele que não comete erros de português ao falar ou ao escrever, excetuando-se aqueles que escrevem ou falam por obrigação de ofício.

“Em vez de” ficaria mais adequado (se não, correto) no lugar de ao invés!
Em tempo: “mudar-se para o espaço, seria o fim final!”

Pois é! Inculta e bela a língua portuguesa.

Carlos Crispim
Visitante
Carlos Crispim

Kkkkk… FRL, muito bom o seu texto! A língua evolui, se é para o bem ou mal, isso cada um decide internamente, aliás, dizem que a língua portuguesa é dinâmica, o certo é como o povo fala nas ruas, a finalidade é o entendimento, a comunicação, já a forma erudita é outra coisa… Não entendo como ainda tem gente que fala em sabotagem dos EUA, são pessoas completamente alienadas, vivem numa redoma de vidro, o inimigo é INTERNO, quebraram o Brasil, roubaram tudo que podia, erraram em tudo que não se podia errar, defendem o indefensável, não pensam na qualidade… Read more »

EParro
Visitante
EParro

EParro 29 de maio de 2016 at 12:17

Ou seria “senão o correto”?

EParro
Visitante
EParro

A meu ver, mais uma ótima notícia em tempos tão inseguros e tristes.
Qual será o “vetor” que colocará em órbita um satélite de 5,8 toneladas? De onde será lançado?
Aliás, senhores editores, é possível obter-se o endereço do tal conteúdo “…Veja, na página 49, o infográfico que representa a cobertura do SGDC…?

Carlos Cintra
Visitante
Carlos Cintra

paulo cesar o. de souza 29 de maio de 2016 at 7:55
Este satelite será lançado em qual foguete?
__________
Tenho a impressão que em algum modelo da família Ariane.
Sem dúvida uma ótima notícia para a FAB e para o Brasil, melhor ainda com a participação da Embraer, sinônimo que qualidade e respeito no mundo todo.

EParro
Visitante
EParro

EParro 29 de maio de 2016 at 12:29

“Aliás, senhores editores, é possível obter-se o endereço do tal conteúdo “…Veja, na página 49, o infográfico que representa a cobertura do SGDC…?”

Desculpem a minha pressa em questionar antes de procurar! Já achei aquilo que procurava. Terei mais atenção na próxima vez.
Saudações.

Marcos
Visitante
Marcos

Teste

André LUis
Visitante
André LUis

Para o pessoal que perguntou sobre o lançador do satélite. Segundo o vídeo desta matéria, deve ser um Ariane-5
http://www.aereo.jor.br/2015/01/09/satelite-de-comunicacao-e-defesa-brasileiro-e-aprovado-para-fabricacao/

Aqui a animação da Telebrás descrevendo as características do satélite –

https://youtu.be/rXhuAIUB3Z0

André LUis
Visitante
André LUis

Para o pessoal que perguntou sobre o lançador do satélite. Segundo o vídeo desta matéria, deve ser um Ariane-5
Aqui a animação da Telebrás descrevendo as características do satélite –
https://youtu.be/rXhuAIUB3Z0

André LUis
Visitante
André LUis

O link da matéria do Poder Aéreo sobre a aprovação da revisão do satélite. Para o pessoal que
http://www.aereo.jor.br/2015/01/09/satelite-de-comunicacao-e-defesa-brasileiro-e-aprovado-para-fabricacao/

Antônio Carlos Alocer
Visitante

O satélite será lançado através de um foguete Ariane 5 a partir do Centro Espacial da Guiana em Kourou, na Guiana Francesa.

http://www.arianespace.com/press-release/arianespace-to-launch-brazilian-government-satellite-sgdc/

Mauricio R.
Visitante

A Space X trabalha p/ um ente estatal, a NASA.
Além dela só tem a USAF, que compra o que precisa no mercado, mediante concorrência e não pq contribuiu financeiramente p/ a campanha política de algum “zé arruela”.
Aliás existem condições favoráveis, ambiente de negócios adequado, p/ uma eventual “Space X brazuca” prosperar???? Não, creio que não, nem que a vaca tussa.

Araújo Lima
Visitante
Araújo Lima

Ótimas notícias, e é muito bom saber que a Embraer participa do programa.

Luiz Antonio
Visitante
Luiz Antonio

Alguém tem noticias a respeito do VLS 1? As ultimas que encontrei foram sobre os testes de separação dos motores e dos ensaios de integração na nova torre. Enviei emails para a AE há quase três meses e nenhuma resposta.

Mauricio R.
Visitante

“…melhor ainda com a participação da Embraer, sinônimo que qualidade e respeito no mundo todo.”
.
Diz ai então qual a capacitação da Embraer em conceber, projetar, construir, integrar, lançar e operar satélites????
Quanto de dinheiro próprio a Embraer investiu p/ se capacitar e qnto de dinheiro usou do da União????
Qntos e quais satélites a Embraer concebeu, projetou, construiu, integrou, lançou e opera????
Que respeito é esse, uma empresa que já foi condenada, na Justiça americana, por pagamento de propina.
Isto não é aviação regional, não.

Mauricio R.
Visitante

Srs administradores, postagem retida no anti spam. Ou devo dizer censurada… Pois os ____________________, que somente fazem proselitismo, masnão debatem nada, estão sendo publicados. – NOTA DOS EDITORES: O COMENTÁRIO ESTAVA PRESO NO ANTISPAM E FOI LIBERADO. SUA ACUSAÇÃO DE CENSURA É RIDÍCULA E OFENSIVA AO TRABALHO E POSTURA DOS EDITORES AO LONGO DE ANOS E ANOS EM QUE VOCÊ COMENTA AQUI SEM CENSURA DE QUALQUER TIPO SOBRE SUAS OPINIÕES, E A SUA PROVOCAÇÃO AOS DEMAIS COMENTARISTAS, QUE FOI EDITADA, É ABSOLUTAMENTE INÚTIL AO DEBATE. VOCÊ JÁ TEM UM GRANDE HISTÓRICO DE ADVERTÊNCIAS ACUMULADO E OS EDITORES ESTÃO DECIDINDO AGORA… Read more »

Marcelo
Visitante

cadê o Zé Mané? Já está em Saturno? :^)

ivo
Visitante
ivo

___________________
COMENTÁRIO APAGADO POR PROVOCAÇÃO INÚTIL. NOTA DOS EDITORES: SERÁ QUE DÁ PRA MANTER O FOCO NO DEBATE AO INVÉS DE FOCAR EM PICUINHAS?

Nonato
Visitante
Nonato

Não entendo esses testes. Quer dizer que têm um trabalho enorme para projetar tudo. Depois de pronto colocam em testes. Temperatura. Calor e frio extremos. Resistência mecânica, vibrações. E se não passar no teste? Vão reprojetar tudo do zero? Ah o chip do transmissor quebrou com a vibração. Ligue para o pessoal da China e digam para fazer mais reforçado. Coloquem titânio no chip…

Marcos
Visitante
Marcos

Se engenheiros qualificados trabalham para a Embraer, não pode.
Se engenheiros qualificados trabalham para o Estado, pode.

Nonato
Visitante
Nonato

A Embraer defesa atua em várias áreas. Satélite está começando. Parece que junto com a Telebrás que nunca fez satélite também, contrataram no exterior, não?
A Embraer não teria construído, mas participaria da construção? TOT?

Nonato
Visitante
Nonato

Falando sobre advertências, etc, outro dia vi alguém falando sobre o forista CAS, que postava para caramba. O que aconteceu exatamente?

NOTA DOS EDITORES: O REFERIDO COMENTARISTA FOI SUSPENSO PELO ACÚMULO DE ADVERTÊNCIAS SEGUIDAS E POR OFENDER EDITOR DO SITE, SENDO REINCIDENTE NESSA CONDUTA. SOLICITAMOS A TODOS QUE ENCERREM ESSE ASSUNTO DE SUSPENSÕES E FOQUEM NO TEMA EM DISCUSSÃO.

Marcos
Visitante
Marcos

Nonato:
Troca-se, conserta-se, modifica-se aquilo que foi detectado o defeito.
Tem custo? Tem. Mas é melhor quer perder o satélite.
E se a peça chinesa quebrou? Bom… encomenda-se uma nacional, que é melhor.

EParro
Visitante
EParro

André LUis 29 de maio de 2016 at 13:43
Antônio Carlos Alocer 29 de maio de 2016 at 13:55

Obrigado André LUis e Antônio Carlos.
Aliás, Kourou é logo ali; pertinho de Alcântara – MA, né?

Trovão Azul
Visitante
Trovão Azul

Ainda fico me cogitar; -cadê? o investimento do vls do Brasil? Gastamos tanto lá fora e ficamos aqui sem ser capaz de lançar o nosso próprio satélite, em território nacional é lamentável e inaceitável. Espero que com este ou um outro governante venham dá as devidas atenção ao projeto especial brasileiro.

Arthur Duval
Visitante
Arthur Duval

Desejo de todo coração, que depois deste lançamento nós despertemos em um Brasil melhor, que o programa espacial deja continuo, que os monitores das CPUS dese Brasil profundo veiculem o saber e a amizade.

Luiz Fernando
Visitante
Luiz Fernando

Pelo que soube, a participação da Embraer neste programa se dá através da Visiona, cuja função não ė projetar o satélite, como disse o M.R… e sim atuar como gestora do projeto. E temos de admitir que gestão de projetos complexos ė sim um expertise que a Embraer possui, já provando isso inúmeras vezes.

Maria do Carmo Lacoste
Visitante
Maria do Carmo Lacoste

Parabéns a Embraer por fazer parte deste programa, aliás faz todo o sentido, pois trata-se de um satélite de uso militar, e é provável que o Gripen deva ser capaz de se conectar via satélite também através de seus modernos sistemas de comunicação, então é mais do que imperioso que esta empresa brasileira que será a encarregada de fabricar o Gripen para a FAB, faça parte da construção e operação deste satélite.
https://saab.com/globalassets/commercial/air/gripen-fighter-system/communications_eng.jpg

Farias Cardoso
Visitante

Quem contratou a compra desse satélite foi a Dilma ou o FHC? Enquanto os militares brasileiros sofrerem dessa paranoia _______
___________________________

COMENTÁRIO EDITADO. A MATÉRIA NÃO É SOBRE POLÍTICA, ENTÃO NÃO USE ESTE ESPAÇO PARA PROSELITISMO E PROPAGANDA POLÍTICA. VOCÊ GASTOU MENOS DE UMA LINHA PARA TOCAR LEVEMENTE NO ASSUNTO E MAIS DE UMA DEZENA DE OUTRAS PARA FAZER APENAS PROPAGANDA POLÍTICA. VOCÊ JÁ FOI AVISADO E ADVERTIDO ANTES. LEIA AS REGRAS DO BLOG. ESTE JÁ É SEU SEGUNDO AVISO.

Silvio Crispin Arruda
Visitante
Silvio Crispin Arruda

Farias Cardoso 30 de maio de 2016 at 9:00
Poxa amigo, você ainda está nessa? acorda pra vida, rapaz…

COMENTÁRIO EDITADO. O COMENTARISTA EM QUESTÃO JÁ FOI ADVERTIDO. PEDIMOS QUE VOLTEM AO TEMA.

Tamandaré
Visitante
Tamandaré

Editores, desculpem-me pelo desvio. Não pensei que apenas citar os nomes dos políticos seria considerado contra as regras / errado. No mais, peço desculpas e não irá se repetir!! Bom dia a vocês! 😉 Aos demais, perdoem-me os erros de português. Teclado de celular e corretor automático é osso…. 🙁 _ NOTA DOS EDITORES: NÃO É QUESTÃO DE “APENAS CITAR” OU SER “CONTRA AS REGRAS / ERRADO”, E SIM UM PEDIDO DE BOM SENSO NA HORA DE COMENTAR PARA EVITAR DESVIOS DO FOCO DO DEBATE QUE GERAM BOLAS DE NEVE INTERMINÁVEIS, AINDA MAIS LEVANDO EM CONTA A SITUAÇÃO ATUAL DE… Read more »

Bosco
Visitante

Pessoal,
Por essa lista dá pra saber qual o foguete capaz de colocar uma carga de 5,8 t numa órbita geoestacionária.
https://en.wikipedia.org/wiki/Comparison_of_orbital_launch_systems

Gerson Carvalho
Visitante
Gerson Carvalho

E falando em satélites o SCD-1 (Satélite de Coleta de Dados) fabricado pelo INPE, que tinha expectativa de apenas um ano de vida útil quando foi lançado pelo foguete norte-americano Pegasus, em 1993, e ainda está em funcionamento até hoje.

EParro
Visitante
EParro

Bosco 30 de maio de 2016 at 12:15

Grato pela atenção.
Saudações.

Andre
Visitante
Andre

Que comédia de erros virou este post… Nazismo, URSS, erros de português, sabotagem, chip de titânio, EMBRAER, etc. O projeto do VLS foi descontinuado. Atividade espacial no Brasil se resume a exportação do motor foguete VSB 30 , projeto dos anos 70, O SARA projeto de 12 anos não saiu do chão. Literalmente. O futuro é o VLM (futuro????) Este satélite foi construído e será lançado por empresas estrangeiras. A participação brasileira é mínima. A transferência de tecnologia nesse caso é risível, apesar do que afirmam as fontes militares (acompanhar não é saber fazer) Informações atualizadas sobre as atividades espaciais… Read more »