Fernando “Nunão” De Martini

O evento de apresentação do primeiro protótipo do Gripen E, programado pela fabricante Saab para esta quarta-feira (18 de maio), teve um “pré-evento” para a mídia nesta terça-feira à noite. Jornalistas do Brasil, da Suécia, e de outros países como Índia, Bélgica e Colômbia compareceram a um jantar no Museu da Força Aérea Sueca (Flygvapenmuseum), em Liköping (cidade sueca onde estão as principais instalações da Saab).

O acervo do museu é vasto, com várias áreas temáticas, mas nesta matéria focaremos principalmente nos jatos de combate suecos exibidos no espaço dedicado à chamada Guerra Fria. Aquele conflito latente iniciado poucos anos após o final da Segunda Guerra Mundial e terminado na virada dos anos 1980-90, no qual o mundo se dividia principalmente entre as áreas de influência dos Estados Unidos e da União Soviética, é contextualizado pelas aeronaves exibidas no espaço. E serviu também de inspiração para breve discurso do CEO da Saab, Håkan Buskhe.

Saab evento Museu Forca Aerea Sueca 16-5-2015 - foto 8 Nunao - Poder Aereo

O executivo lembrou que, na época da Guerra Fria, a Suécia gastava perto de 5% de seu PIB em Defesa, operando cerca de 1.000 aviões de combate – parte significativa composta de caças e aviões de ataque desenvolvidos e produzidos pela Saab.

Um ponto ressaltado no discurso foi o tempo de desenvolvimento das aeronaves de combate, que no início da Guerra Fria (assim como havia sido à época da Segunda Guerra Mundial) não podia ser longo, devido às inúmeras urgências operacionais que se deveria atender, no contexto de uma enorme competitividade entre as duas grandes potências. Isso também forçava outros países com indústria aeronáutica militar própria, como a Suécia, a serem céleres nesse trabalho.

Saab evento Museu Forca Aerea Sueca 16-5-2015 - foto 5 Nunao - Poder Aereo

Porém, Buskhe lembrou que já nas últimas décadas da Guerra Fria o tempo de desenvolvimento dos caças foi aumentando, chegando a 10 ou mesmo 20 anos mais recentemente. O projeto do Gripen, segundo o executivo, buscou quebrar essa tendência ao enfatizar desde o início curtos tempos dedicados ao desenvolvimento e ao início da produção (contados a partir das efetivas assinaturas dos contratos para essas finalidades).

Saab evento Museu Forca Aerea Sueca 16-5-2015 - foto 11 Nunao - Poder Aereo Saab evento Museu Forca Aerea Sueca 16-5-2015 - foto 9 Nunao - Poder Aereo

Para ilustrar a história desses desenvolvimentos que levaram ao Gripen, vale a pena passear um pouco pelas imagens dos caças que foram seus predecessores nas pranchetas e linhas de produção da Saab, exibidos no Museu da Força Aérea Sueca, cada um deles representando (grosso modo), o desenvolvimento tecnológico de três viradas de década do século XX.

Saab evento Museu Forca Aerea Sueca 16-5-2015 - foto 12 Nunao - Poder Aereo

Saab evento Museu Forca Aerea Sueca 16-5-2015 - foto 7 Nunao - Poder Aereo Saab evento Museu Forca Aerea Sueca 16-5-2015 - foto 2 Nunao - Poder Aereo

São eles o Tunnan (virada dos anos 40/50) com sua personalíssima forma de barril, o Draken (anos 50/60) com seu elegante e impactante duplo delta, o jato de ataque Lansen (também anos 50/60), um pouco mais convencional mas não menos eficaz em sua arena, e o inovador Viggen (anos 60/70) com seus canards e porte imponente.

Saab evento Museu Forca Aerea Sueca 16-5-2015 - foto 4 Nunao - Poder Aereo Saab evento Museu Forca Aerea Sueca 16-5-2015 - foto 3 Nunao - Poder Aereo

Mostraremos em futuras matérias mais imagens e informações sobre o museu. Já para a próxima, ao invés do passado, o foco será o futuro.

O editor Fernando De Martini viajou à Suécia a convite da Saab

Saab evento Museu Forca Aerea Sueca 16-5-2015 - foto 1 Nunao - Poder Aereo

10 COMMENTS

  1. Cheiro forte, na atmosfera virtual, de estofamento, de lubrificante, de fiação elétrica, de borracha etc, tudo novo.
    Enfim…
    .
    .
    Aroma suave de champagne.

  2. Como o Delfin disse o Draken é realmente fora de série… pra min simplesmente muito loco !! parece caça de ficção cientifica …. Mas acho que o CEO da Saab quis dizer com essa apresentação é que a história precede o Novo Gripen E; e com certeza vem ai um novo avião que marcara e muito mais este capitulo da história da Saab; esse DNA é garantia de qualidade, Eu espero e realmente acredito que sim.

    Existe um grande temor por parte de muitos aqui de que o novo Gripen se torne um novo AMX na FAB devido a sua baixa escala de produção, mas eu sinceramente não acredito nisso, pelo contrário o GRIPEN E vai ser o novo F-16 escrevam ai e me cobrem depois. Abraços

  3. Concordo, o Gripen ja e uma grata realidade. A minha expectativa – mesmo partindo de um leigo e sem base material (ainda)- foi superada!

    Parabéns a COMPAC/FAB e à SAAB. Que a Embraer, Akaer e todas demais empresas brasileiras enganjadas neste programa tenham uma total dedicação ao seu desenvolvimento e, principalmente, a responsabilidadede de cumprir de forma competente as metas estabelecidas.
    Façam por merecer a confiança que lhes estão sendo conferidas por nos.
    Felicidades e bom trabalho a todos. Liguem o pos combustor.

  4. Corrigindo duas falhas:
    1. Nunão parabens pelo excelente cobertura;
    2. ” …merecer a confiança que lhes esta sendo conferida …”

    Grande abraco aos brasileiros.

    Um recado aos escassos mas raivosos bolivarianos, o que não inclui a grande maioria das populaçōes amigaveis de nossos amistosos vizinhos: não esqueçam que este podera ser o nosso instrumento de retaliação. Espero que respeitem a nossa vontade soberana e democratica, de autenticos brasileiros..

  5. “Alexandre Galante 18 de maio de 2016 at 0:00
    Excelente cobertura Nunão! Parabéns! Curtiu o museu?”

    .
    Boa noite, Galante.
    .
    Curti sim, excelente museu. Pena que não tive muito tempo para ir além dessa seção, devido ao evento em si, então não deu para ver tudo. Ficará para uma próxima vez – quem sabe no roll out do Gripen F…

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here