Home Aviação de Caça Novela do Rafale na Índia: a seguir cenas dos próximos capítulos

Novela do Rafale na Índia: a seguir cenas dos próximos capítulos

3848
51

Rafale - foto Forca Aerea Francesa via Dassault

Durante a visita do presidente francês à Índia, ficou tudo acordado menos o… preço! Empresa francesa Dassault, fabricante do Rafale, informou que espera finalizar um acordo completo em quatro semanas

A expectativa do capítulo final da novela do Rafale na Índia, mais uma vez, deu lugar ao tradicional aviso de “a seguir, cenas dos próximos capítulos”. A visita do presidente francês François Hollande à Índia, para participar das celebrações do “Republic Day”, foi noticiada nas últimas semanas como a ocasião para enfim formalizar a encomenda de 36 caças franceses Dassault Rafale para a Força Aérea Indiana. Mas essa formalização ficou, de fato, apenas nos aspectos ditos “formais”: foi assinado um pacto intergovernamental entre a França e a Índia para a compra, mas detalhes cruciais e que vêm estendendo as negociações ao longo dos últimos meses, como o preço e o pacote de manutenção das aeronaves, ainda precisam ser negociados.

Segundo reportagem do jornal Hindustan Times atualizada nesta terça-feira, 26 de janeiro, ambos os lados envolvidos afirmaram que mais conversas são necessárias sobre o acordo. O primeiro-ministro indiano Narendra Modi deu apenas declarações vagas à imprensa após conversa com Hollande, evocando passado e futuro: “A França é um amigo especial. Dezoito anos atrás, a França foi o primeiro país com o qual assinamos uma parceria estratégica. Estamos aqui agora para levá-la mais alto.”

Ainda segundo o Hindustan Times, a compra dos 36 caças é cotada em cerca de 9 bilhões de euros, salientando que os detalhes finais de preço de compra e de manutenção ainda serão objeto de negociação. O jornal também divulgou a foto abaixo da visita de Hollande, visto entre duas autoridades indianas: à esquerda o presidente Pranab Mkhderjee e à direita o primeiro-ministro Narendra Modi.

pres India Pranab Mkhderjee - pres Franca Francois Hollande - prim min India Narendra Modi - foto Hindustan Times

Resumo dos capítulos anteriores – A trama segue o formato das novelas em duas fases. A mais recente já dura nove meses e começou quando o primeiro-ministro Modi anunciou, durante visita à França em abril de 2015, que a Índia compraria 36 caças Rafale num acordo governo a governo.

Já a primeira fase durou vários anos, com negociações que se arrastaram durante o programa original denominado MMRCA (avião de combate multitarefa de porte médio), concorrência internacional na qual o caça francês Rafale, fabricado pela Dassault, foi selecionado para negociações exclusivas em janeiro de 2012, vencendo o outro finalista Eurofighter Typhoon. O programa à época previa 126 aeronaves, das quais 108 seriam produzidas na Índia, num processo gradual de nacionalização dos componentes e transferência de tecnologia, e apenas 18 fornecidas diretamente pelo fabricante francês.

Entre o início de 2012 e o início de 2015, as negociações passaram por altos e baixos, mas acabaram travando por questões relacionadas à transferência de tecnologia, pelo alto preço total do contrato, e por divergências sobre as garantias de qualidade e prazos, para os jatos a serem produzidos pela estatal indiana HAL (Hindustan Aeronautics Limited), que os indianos desejavam que fossem assumidas pela contraparte francesa – além da Dassault, participam também as empresas francesas Thales (aviônica) e Safran (motores). O impasse só foi resolvido com o cancelamento do malfadado programa MMRCA, mudando-se o foco para a atual compra menor, “de prateleira”, objeto do acordo governo a governo assinado agora, mas ainda sem definição final sobre o preço da aquisição e da manutenção ao longo do ciclo de vida da aeronave – justamente alguns dos pontos que levaram essa novela à tradicional “barriga” de capítulos intermináveis.

Rafale - foto 3 Forca Aerea Francesa via Dassault

Últimas semanas? Se fosse uma novela da TV, após um quase-desfecho seria a hora de se anunciar as últimas semanas de exibição. Será? Para a Dassault, parece que sim, embora a empresa tenha ao longo dos últimos anos indicado, diversas vezes, expectativas que acabaram frustradas para o fim da novela. No dia 25, a empresa divulgou uma nota à imprensa afirmando apenas que as autoridades da Índia e da França assinaram um acordo intergovernamental “pavimentando o caminho para a conclusão de um contrato para a venda de 36 caças Rafale à Índia.”

Dentro do protocolo tradicional em anúncios desse tipo, a empresa disse estar “muito satisfeita” com esse progresso”, e indicou um prazo para completar o acordo, ao afirmar que “está apoiando ativamente autoridades francesas em seus esforços para finalizar um acordo completo dentro das próximas quatro semanas.”

A empresa também relembrou que o primeiro comprador internacional do caça, a Força Aérea do Egito, já recebeu seus primeiros caças Rafale em 2015 e que as entregas totais da aeronave (praticamente todas para as Forças Armadas Francesas) somam hoje 138 exemplares.

Rafale - foto 2 Forca Aerea Francesa via Dassault

Preço “de prateleira” dos 36 jatos seria de 4,5 bi – Mas isso não inclui o contrato de manutenção nem os armamentos. A informação foi dada por reportagem de hoje do periódico “The Diplomat” que, assim como o Hindustan Times, estima o valor total do contrato (ou seja, incluindo manutenção e armamento) em 9 bilhões, embora não especifique euros ou dólares.

Em vista de tantas pendências e informações incompletas sobre o valor final da compra, recomenda-se paciência para acompanhar o restante dessa novela e torcer para que se saiba, dentro de um mês, os detalhes da tão debatida venda do Rafale à Índia – é claro, se a trama reservar um final feliz para a Dasssault.

Rafale deixa Salao Le Bourget 2015 - foto Dassault

FOTOS (exceto a do encontro de autoridades) via Dassault

NOTA DO EDITOR: veja nos links abaixo alguns dos mais importantes capítulos dessa novela, ou melhor, algumas das inúmeras matérias publicadas pelo Poder Aéreo, a maioria a partir de fontes indianas e francesas, sobre as intermináveis negociações da compra do Rafale pela Índia, assim como outras relacionadas às vendas para Egito, Qatar e ao contrato de modernização dos caças Mirage 2000 indianos.

51
Deixe um comentário

avatar
50 Comment threads
1 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
24 Comment authors
Eduardo SimõesFernando "Nunão" De MartiniWellington GóesZmunDuanny D. Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Ednardo de oliveira Ferreira
Visitante

parece novela da Glória Perez. Tipo Caminho das Índias. Cheia de amores, chifres, mudanças de rumo, furos de roteiro, coisa sem noção…

carlos alberto soares
Visitante
carlos alberto soares

Adoro Delta, este é recente:

carlos alberto soares
Visitante
carlos alberto soares

Muito bom esse documentário:

Delmo Almeida
Visitante
Delmo Almeida

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Alguém sabe se acordos desse tipo (que acertam o negócio sem acertar nada) já ocorreram no passado e o que aconteceu?

Victor Moraes
Visitante
Victor Moraes

Talvez os Franceses não tenham entendido a cultura da Índia. Lá tem que dar o dote e “pedir” o dote. E provavelmente eles estão só oferecendo. Tem que pedir uns perfumes, uns relógios e alguns colares para o “casamento” sair. Os noivos jé se conhecem e já deram mais sinais de promessas. Está por um triz.

http://globoplay.globo.com/v/4358541/

carlos alberto soares
Visitante
carlos alberto soares

Delmo Almeida 26 de janeiro de 2016 at 17:23
FX + FX 2 = Novela Portuguesa !

João Paullo Sampaio e Conceição
Visitante
João Paullo Sampaio e Conceição

Com o $ que a Índia vai gastar com os 36 Rafales talvez daria pra comprar 126 SU-30…

Jose Souza
Visitante

Rafale ..custo hora/voo… U$14.000 …SU-30….U$12.500… não sei se estes valores são atuais.

Tecnicamente um piloto para reagir quase que instantaneamente a uma “situação” …precisa de 20hs voo / mês…..

como diz o ditado…. “dificil não é ter…e sim manter”.

Eduardo Simões
Visitante

Quem disse que nosso FX foi fácil?!

A Cada dia que passa vejo que acertamos com os Gripens…

Eduardo Simões
Visitante

Mesmo o Rafale estando 100% ominrole… Naval o escambau… E Francês demais…
Quando começarem a operar os Gripen NG… Com os custos prometidos… Inclusive operacionais… Escala Saab/ Embraer… Essas belezuras escondidas nas estradas das matas do nosso Brasil

Zerique
Visitante

Uma pergunta, o Eurofighter Typhoon custa mais que o rafale?? pq vi em algum lugar, pode ter sido por aqui mesmo que o typhoon tinha sido desclassificado no fx ou fx2 por ser caro demais. entao qual dos dois é o mais caro, e se for o rafale, entao pq o typhoon foi desclassificado, por nao transferir tecnologia?

carlos alberto soares
Visitante
carlos alberto soares
Juarez
Visitante
Juarez

Jose Souza 26 de janeiro de 2016 at 20:42

Rafale ..custo hora/voo… U$14.000 …SU-30….U$12.500… não sei se estes valores são atuais.

Jose, se isto for verdade, eu troco de nome e passo a me chamar Maria Jose,nem pau Jvenau, pode multiplicar por dois, ambos.

G abraço

Pereira
Visitante
Pereira

Quem tem/teve presidentes como nossos dois últimos não pode falar dos dos outros.
Mas esses três líderes me parecem um pouco estranhos, não acham?
Estilos bem incomuns. Até o francês, mesmo de terno, não tem jeito de presidente…
Parece mais personagem de filme… do que de novela…

Mauricio R.
Visitante

Os hindus escaldados pelos contratos de reforma e dos armamentos para os M-2000, pressionam por melhores condições.

carlos alberto soares
Visitante
carlos alberto soares

_RR_
Visitante
_RR_

Jose Souza ( 26 de janeiro de 2016 at 20:42 );
.
Acredito que dificilmente o custo operacional dessas aeronaves é só esse… O Rafale, no inicio de sua implantação, chegou a custar 35000 Euros por hora voada, e não creio que, se somarmos tudo, tenha se reduzido para menos de 15000 Euros por hoje…
.
Só pra efeito de comparação, os F-16 da USAF, cuja a frota é “geriátrica”, já estão custando quase 25000 dólares por hora voada, segundo o flightglobal… Tem também matéria do Nation Time acerca disso ( nation.time.com/2013/04/02/costly-flight-hours/ ).

Rodrigo
Visitante
Rodrigo

Desculpem o off topic, mas o PA nao vai repercutir as investigações a respeito de recebimento de propinas no contrato do Gripen com o Brasil?

Hoeraldo
Visitante
Hoeraldo

Novela que não finda …. enquanto isso os Su-30 MKI em tese “fazem o serviço” : http://ovnihoje.com/2016/01/27/ovni-ufo-e-abatido-pela-forca-aerea-indiana/

Vader
Visitante

Kkkkkkkkkkkkkkkk… Ganhei o dia!!! O mês!!! O ANO!!! 🙂 Quer dizer então que cada Jaca custa US$ 125 milhões? Isso, de PRATELEIRA? Quer dizer então que o Dassault Rafale é – de prateleira! – o caça (de 4a geração) MAIS CARO DO MUNDO???? Como EU sempre disse aqui??? Como falei MILHARES de vezes ao longo de todos estes anos??? Como EU mostrei, provei com números de órgãos franceses, que o preço do Rafale era impraticável para o Brasil e para qualquer país que se queira SÉRIO em Defesa no mundo??? Chupem rafaletes!!! Chupem antiamericanalhas!!! Mama que é de uva!!! Ahahahahahaha…… Read more »

Carlos Alberto Soares
Visitante
Carlos Alberto Soares

Venham fazer parte do lado negro da força e dominaremos os céus com F 35 ….

Rafael
Visitante
Rafael

Vader esse valor de 9 bilhões está incluso peças de reposição para 10 anos, além do Offset de 30 %, então dizer que o Rafale custa 125 milhões(conta de padaria ) não é certo, apesar de concordar com voce que o lejaque é caro e muito caro, mas o typhoon tbm é. Isso aí se quer um caça de 4,5 geração omnirole esse é o preço a pagar

Trollbuster
Visitante
Trollbuster

Eu tenho uma tese que os indianos desistiram deste negócio e tem o mesmo problema do Brasil de dizer isto abertamente. Dai ficam pedindo o impossível até a discussão morrer.

_RR_
Visitante
_RR_

Vader ( 27 de janeiro de 2016 at 13:17 ),
.
Carlos Alberto Soares ( 27 de janeiro de 2016 at 13:36 );
.
Só complementando:
.
O F-35A do sétimo lote de produção já está a um preço de pouco mais de 98 milhões de dólares.
.
( ttps://www.f35.com/news/detail/lrip-6-7-contract-agreements )
.
E os do oitavo lote prevem um preço de US$ 94.8 milhões por caça…
.
( ttp://www.compositesworld.com/news/us-dod-lockheed-martin-finalize-eighth-f-35-lrip )

Farroupilha
Visitante
Farroupilha

Algo que não soa, ou bate, bem… O MMRCA que previa uma aquisição de mais de cem caças, com montagens e repasse de tecnologia (questionável) emperrou e evaporou. A troco de quê agora adquirir apenas 36 dos mesmos caças caríssimos e de prateleira? O que esses Rafales podem fazer de tão diferente que um GripenNG, um SH, ou mesmo um SU-30mki, que os indianos já operam, não podem também fazer? Pois o grande lance da antiga aquisição dos Rafales pela Índia era a tal fabricação própria de um caça de ponta, porém se isso não vai mais rolar, qual a… Read more »

ivammc
Visitante
ivammc

Concordo, com o nobre debatedor Farroupilha, e digo mais: o Rafale será um bom caça de garagem no país que for adquiri-lo.

Mauricio R.
Visitante

E isso tudo pq a força aérea queria comprar mais uns M-2000, mas o governo da época que queria que houvesse concorrência, vetou.
Olha só no que deu.

Nonato
Visitante
Nonato

Se dez anos de manutenção custa o mesmo preço de um avião 0 km não é melhor comprar outro avião novo? Tipo carro. Às vezes é melhor trocar do que pagar 10 mil reais no câmbio automático. Fora as incertezas. A cada momento quebra uma peça diferente…

Duanny D.
Visitante
Duanny D.

O cancelamento ativo da Rafale foi pra frente ou deu em nada, não escuto mais falar.

Vader
Visitante

Fernando “Nunão” De Martini 27 de janeiro de 2016 at 16:36 Obrigado Nunão. É o preço que se paga pela “fama”: o camarada não lê o texto direito, não lê direito o que escrevi, e já sai contestando errado, vibrando no pé esquerdo… __________ Farroupilha 27 de janeiro de 2016 at 18:11 Disse tudo. A insistência da Índia em adquirir essa bomba de Rafale com condições e preços a cada dia que passa piores está me cheirando a alguma coisa muito mais sinistra do que mera compra de caças. Pode bem ser que no futuro descubramos que essa aquisição foi… Read more »

Eduardo Simões
Visitante

Se o Gripen NG ganhasse lá… Teriam que enterrar de vez o Tejas

Wellington Góes
Visitante
Wellington Góes

Rodrigo, esquece. Aqui no Poder Aéreo não se pode fala do Gripen se a notícia não lhe convém.

carlos alberto soares
Visitante
carlos alberto soares

Buá buá buáááá ……..

Farroupilha
Visitante
Farroupilha

Pois é Caro Vader, Isso tudo está cheirando a uma bela charada européia-asiática… Que tem vários cheiros, principalmente o de chanel, cravos, ops! Digo nuclear. Tecnologia nuclear para subnucs indianos? Tecnologia para uma pequena bombaH carregada por um Rafale? Os indianos cansaram de alugar subnuc? – Mas a gorda comissão do vendedor desses segredos tecnológicos tem que ser lícita não é mesmo? Afinal tanto os franceses como os indianos endinheirados, das tais castas superiores que tratam de assuntos de Estado, adoram luxo e coisas caras e exclusivas para lubrificarem suas vaidades de elite. Não é por nada que os franceses… Read more »

Zmun
Visitante
Zmun

Sei que soa preconceituoso, mas todos os franceses que conheço (a nível pessoal) agem como se fossem a última bolacha do pacote. Talvez seja um aspecto da cultura francesa aplicada em seus produtos militares. De qualquer forma, a indústria francesa tem se mostrado bastante arrogante. Seus produtos são bons, mas ao preço que pedem, seria mais vantajoso comprar uma nave alienígena capaz de fazer a dobra espaço-tempo.

Zmun
Visitante
Zmun

Spock, sei que o senhor é um idoso irrecuperável, mas preciso dizer que o seu tom lhe tira a credibilidade, mesmo quando o que fala é verdade.

Duanny D.
Visitante
Duanny D.

Vader, ouvi dizer que o Gripen ia adotar o BriteCloud, despistadores de mísseis guiados RF e radares de caças, aplicação do conceito do cancelamento ativo.
Por isso a pergunta se o do Rafale foi pra frente, pois o Gripen parece que vai incorporar.

carlos alberto soares
Visitante
carlos alberto soares

Off topic, nem tanto:
Novidades ?
Bloomberg e CNN em Inglês agora a tarde:
“Russia sente os efeitos dos gastos militares na Syria com o preço do óleo”.
Tradução livre.
Kkkk …. vao sobrar pros Âmis de novo ! (rs)

Wellington Góes
Visitante
Wellington Góes

Sim Nunão, já fiz e faço, mas lá eles não inventam e reinventam notícia atrás de noticia para desviar o foco. Aí aparece as “ótimas análises dos especialistas” do negócio.

Mas como o assunto é Rafale caro, daí eu faço a contra-pergunta. Se os indianos estão tão insatisfeitos com o Rafale e seus “custos”, por que então não resolveram chutar o balde e selecionar o Typhoon? O que está amarrando os hindus a este péssimo negócio? Alguém já parou para se perguntar isto?

Eduardo Simões
Visitante

Todo o mundo, que está por dentro do assunto, sabe que o Lobby existe… Principalmente em questão de Defesa… Pois não há negócios consideráveis nessa área sem governos…
Inclusive nos EUA o Lobby é legalizado!!!
Todos sabemos que “todos os concorrentes” do FX (FX 2) utilizaram o Lobby… Desde os Russos com a história do embargo das carnes… Os Franceses oferecendo vaga permanente no conselho da ONU… Os Suecos encostaram nos políticos de São Paulo…

Eduardo Simões
Visitante

…. Sindicato o escambau…
Então vans deixar de “ingenuidade” e analisar questões técnicas dos negócios!!!
Resumindo, até aqui, acho que fizemos um bom negócio no que tange vetor x TOT… O Brasil já fez sua média com a França no Prosub… Os Americanos têm que parar de embargar material sensível… Ser mais ameno para quem sabe retomar o protagonismo nas relações com o Brasil..,

Rodrigo
Visitante
Rodrigo

Eduardo, entendo o que voce quer dizer, mas o que está sendo investigado não é Lobby, até porque isto não é legalizado no Brasil, mas nos EUA… Além da encostada que os suecos deram nos politicos de SP, acho fundamentlal ser investigado também o que foi oferecido ao Lulla antes daquele anuncio desastrado da escolha do Rafale, só champagne é que não foi ( isto é possivel afirmar pois era visivel o seu estado “alterado”).Seria otimo se legalizassemos o Lobby no Brasil, as coisas seriam mais transparentes. E sobre outro assunto levantado aqui, é mesmo muito provável que tanto os… Read more »

Vader
Visitante

Wellington Góes 28 de janeiro de 2016 at 19:35 “Se os indianos estão tão insatisfeitos com o Rafale e seus “custos”, por que então não resolveram chutar o balde e selecionar o Typhoon? O que está amarrando os hindus a este péssimo negócio? Alguém já parou para se perguntar isto?” Levantei estes questionamentos acima, bem lembrados pelo amigo Farroupilha. Já há algum tempo tenho pensado nisso. Há alguma coisa de muito cabulosa por trás dessa compra indiana de Rafales. Isso porque quanto mais os franceses pioram as propostas, mais os indianos parecem querer o avião. De qualquer maneira não é… Read more »

Trollbuster
Visitante
Trollbuster

Vader 29 de janeiro de 2016 at 15:10 A melhor resposta para este cara é o vácuo, perder tempo com ele é queimar vela com defunto ruim. Eu tenho uma tese que os indianos são tão maus profissionais quanto os brasileiros. Você já viu algum programa brasileiro ser oficialmente cancelado ? Puxando de memória eu não lembro nenhum, mas seguem mantendo programas mortos-vivos somente com soro na veia por décadas. Os indianos são mais ou menos a mesma coisa… Olha há quantos anos eles estão desenvolvendo o Tejas e aquele motor deles ? Os indianos no fim só vão pegar… Read more »