A-400M Turkish

Por Tulay Karadeniz

ANKARA, 8 de Janeiro: As entregas dos dois aviões de transporte militar Airbus A400M para a Turquia em 2016 podem ser adiadas e as conversações estão em curso no momento para a entrega de um substituto para o avião que caiu em seu voo inaugural no ano passado, disse um funcionário da Defesa à Reuters.

Ancara assinou um contrato para 10 dos aviões pesados de carga e transporte de tropa ​​da Airbus em 2003, como parte de um grupo de sete países da OTAN Europeia, esperando sua encomenda ser atendida até 2018.

A Turquia recebeu dois dos aviões em 2014 e deveria receber mais dois no ano passado, mas apenas um foi entregue. O segundo avião caiu na Espanha em 9 de maio, matando quatro tripulantes de teste.

“As conversas continuam para definir a data de entrega para o substituto”, um funcionário da Subsecretaria de Indústrias de Defesa (SSM), parte do Ministério da Defesa da Turquia, informou na condição de anonimato.

“Segundo o acordo A400M, dois aviões devem ser entregues à Força Aérea Turca em 2016, em abril e junho. Mas espera-se que haverá atrasos nestas entregas”, acrescentou.

O calendário de entrega teve que ser atualizado após a queda do ano passado e uma parada subseqüente nos testes, disse o funcionário.

Um porta-voz da Airbus Defense & Space disse que a empresa estava em processo de finalização do cronograma de entregas do A400M em 2016 com Occar, uma agência europeia que gerencia programas de defesa conjuntos. “Quando estiver acordado, então vamos anunciá-lo.”

Uma fonte próxima ao assunto disse que ainda estava previsto que dois A400Ms seriam entregues à Turquia este ano, embora tenha havido uma discussão “complicada” em curso quando um substituto para o avião que caiu poderá ser entregue.

“A Turquia está amplamente no cronograma, provavelmente, alguns meses mais tarde do que eles gostariam de estar, mas essencialmente eles estão no caminho certo”, disse a fonte.

O acidente deu um novo golpe no maior projeto de defesa da Europa, que já estava lutando para superar atrasos e custos que levaram a um resgate pelos governos europeus em 2010.

A Reuters informou em julho que o acidente levou a novos atrasos de desenvolvimento de até três meses

Airbus tomou uma nova carga de 290 milhões de euros (US$ 315 milhões) em julho por causa dos atrasos, trazendo provisões acumuladas no projeto para mais de 5 bilhões de euros.

A companhia disse, em seguida, que o acidente tinha causado contratempos para o cronograma de entrega que ainda estavam sendo avaliados.

Aliado da OTAN, a Turquia ocupa uma posição estratégica fundamental, na fronteira com o Irã, o Iraque e a Síria e é um membro da coalizão liderada pelos Estados Unidos contra o Estado islâmico.

O avião A400M de transporte de tropas e carga foi desenvolvido para sete países europeus da OTAN – Bélgica, Grã-Bretanha, França, Alemanha, Luxemburgo, Espanha e Turquia – a um custo de 20 bilhões de euros (US$ 22 bilhões). Ele entrou em serviço em 2013, após um atraso de mais de três anos.

Os aviões, custando pouco mais de 100 milhões de euros cada, são montados na Espanha, que tem procurado por muito tempo emergir das sombras da França e da Alemanha na maior empresa aeroespacial da Europa.

Após o acidente de maio, foram suspensos os voos das duas aeronaves previamente entregues à Força Aérea Turca por razões de segurança. No entanto, funcionários da indústria de defesa disseram que os voos dos dois aviões foram retomados em 18 de junho do ano passado.

FONTE: Reuters

Previous articleMais um problema no F-35: risco de sobrepressurização nos tanques de combustível
Next articleEstados Unidos entregam os primeiros Embraer A-29 Super Tucano ao Afeganistão
Subscribe
Notify of
guest
49 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Alex

O A400 caiu no voo inaugural? Já imaginaram se fosse o KC-390?

Iväny Junior

Depois de informações que estão disponíveis em toda a internet é possível constatar que este avião tem um projeto podre, algum erro grotesco não detectado entre os computadores (que o projetaram) e as ligas de metal.

Ou a DASA sai ou “les briches” matarão até a última fagulha de excelência que existe naquela empresa.

Bosco

Alex,
Não foi o voo inaugural do primeiro avião A-400 M não. Foi o voo inaugural (primeiro voo de testes) do avião fabricado que seria entregue à Turquia.

Alex

Bosco, isso mesmo que eu quis dizer, de acordo com a noticia. Se fosse o KC-390 era porque é avião de brasileiro e os primeiros a sentarem o pau adivinha quem seriam?

carlos alberto soares

Alex, quem seriam ?

Aéreo

Caro Alex, Se cair um KC-390 não será nem o primeiro nem o segundo avião militar brasileiro a perder um protótipo em sua campanha de desenvolvimento. O AMX (protótipo italiano) caiu em 1984 causando a morte do piloto de ensaios. Um protótipo do Super Tucano caiu em 2000, felizmente o piloto de ensaio se ejetou com sucesso. Nem por isto foi “o fim do mundo”. Outros programas como o F-111, F-14, F-20 perderam protótipos ou aviões de pré-série de produção. Faz parte do jogo este tipo de acidente na fase de desenvolvimento onde se quer chegar aos limites da aeronave… Read more »

carlos alberto soares

Aéreo 15 de janeiro de 2016 at 23:46
Onde assino ?

Mauricio R.

Se o A-400M tem um problema, este é a sua capacidade de carga, algo anêmica p/ o que se esperava desta aeronave.
Algo mais próximo dos números do An-70, ou até mesmo 3/5 da capacidade de carga do C-17 seriam de se esperar, dado o considerável expertise da indústria aeroespacial européia.
Infelizmente aeronaves militares tendem a ter uma dimensão política, que em certos momentos mais atrapalha do que ajuda.

carlos alberto soares

Fora do tópico:
Algo me diz que a EMBRAER vai vender mais ST para Burkina Faso e países em seu entorno.
Talvez via USA (?).

Aéreo

Eu concordo com o Mauricio quando a dimensão política que atrapalhou o A400. Se os critérios fossem puramente operacionais e econômicos o programa poderia ter três desfechos. a) A incorporação do projeto base do An70 com sistemas ocidentais. b) Um projeto de aeronave com motorização a jato (a exemplo do KC-390) que embora não ideal permitiria manter custos e riscos a níveis adequados. Lembrando daquele mantra da aviação militar: Célula nova com motor velho ou célula velha com motor novo. Jamais célula nova com motor novo a menos que se tenha muito tempo e dinheiro. c) A compra de um… Read more »

carlos alberto soares

Mauricio R. 16 de janeiro de 2016 at 0:56
Aéreo 16 de janeiro de 2016 at 1:14
Concordo 110%.
Acrescento:
Operacional 100% é o C 130, ai fica difícil.
Sim eu sei, são cargas distintas, Kg/M3, mas ……
Gostei da idéia do An70, Ucrânia correto ?
Vinhamos tendo boas relações com eles, vinhamos …..
Talvez na época poderíamos ter feito algum consórcio com eles em vez do 390
http://www.aereo.jor.br/wp-content/uploads//2013/06/AN70-Le-Bourget-17.06-FOTO-JF-AURAN.jpg

carlos alberto soares

Gostei das hélis longe do solo:
https://www.youtube.com/watch?v=BvbtEQ8r1x0

fonseca

off topic. sobre testes de turbinas, conforme proposto por Nonato.
achei interessante o video de testes de fundo de quintal
https://www.youtube.com/watch?v=WHEHMFbEH8I

donitz123

O Antonov An-70 está morto e enterrado. 70% dos componentes dele eram fabricados na Rússia que não irá fornecê-los a um rival do Il-476. Há poucos dias atrás o governo russo confirmou que irá encomendar mais Il-476 para substituir os 60 An-70 cuja aquisição havia sido planejada.
Ainda dentro da área de transporte, os indianos anunciaram a intenção de adquirir mais 10 C-17 e foram “convidados” a se retirar do MTA russo.

Mauricio R.

“…e foram “convidados” a se retirar do MTA russo.”
.
Acrescentando que os hindus, estão mto contentes e aliviados com isto.

donitz123

Aliviados estão os russos que não terão mais que ouvir os indianos pedirem uma maior participação no desenvolvimento da aeronave quando eles não tem nada para contribuir a não ser com burocracia, incompetência e atrasos. Os russos também estavam certos ao colocar de lado estas “aspirações desenvolvimentistas” dos indianos de lado no PAK-FA.

Rinaldo Nery

Um dos problemas da certificação do A400 foi o controle eletrônico do passo das pás das hélices, algo muito complicado. Ouvi isso na Airbus, em Madrid, quando lá estive em 2009, em reunião do Projeto CL-X.

Aéreo

Acredito que os russos possam estar aliviados por tocarem o projeto com menos exigências dos indianos. A indústria aeronáutica indiana é notória pela sua incompetência gerencial. Basta puxar pela mente os programas indianos de aeronaves, seus prazos e escopos deturpados ao longo da execução. Porem acredito que os russos se preocupem sim com uma debandada indiana do projeto. A razão é simples: demanda. A Rússia e China, Ucrânia em menor escala, possuem problemas de demanda para seus projetos aeronáuticos novos. Na aviação comercial, aviões como o Tu-204, Superjet 100, C919, ARJ-21, são basicamente comprados por clientes cujo poder político de… Read more »

Carlos Campos

no vídeo do Fonseca da turbina de fundo de quintal, deu para ver o feero/aço se dilatando, agora imagina em caça em after burner? acho que não se pode dilatar daquele jeito

Mauricio R.

Ambos os aviões chineses usam motorização e aviônica ocidental, CFM-56 LEAP p/ o Comac C-919, aeronave bastante influenciada pelo A-320 e GE CF-34, a mesma turbina é usada nos ERJ, p/ o Comac ARJ-21.
A aviônica em ambas as aeronaves é Rockwell-Collins.

carlos alberto soares

donitz123 16 de janeiro de 2016 at 9:22
Tens o(s) link(s) ?

carlos alberto soares

Mauricio R. 16 de janeiro de 2016 at 13:10
Com certeza, muito felizes.

carlos alberto soares

Rinaldo Nery 16 de janeiro de 2016 at 13:39
Assunto de seis anos, resolveram ?
Houve outros problemas ?
Sds

carlos alberto soares

Aéreo 16 de janeiro de 2016 at 14:38
Concordo e reforço, leitura dos fatos e ponto.

carlos alberto soares

Mauricio R. 17 de janeiro de 2016 at 0:49
Portanto os Chinas continuam resolvendo suas questões com tecnologia ocidental, C 919 é uma mescla que provavelmente será vendido somente dentro da China ou onde ela tem forte influência, Ex Moçambique.

carlos alberto soares
carlos alberto soares

Eu tenho ema crença, os Ucranianos em transporte aéreo são confiáveis e o leque está crescendo, se haverá mercado para tudo isso veremos. Os Hindus devem estar olhando, outros também. A “ocidentalização” pode ajudar muito.
http://www.janes.com/article/52287/paris-air-show-2015-antonov-reveals-an-188-strategic-transport-aircraft

carlos alberto soares

* Eu tenho uma crença ….

Marcelo Andrade

pessoal, adoro Cargueiros Militares e este A400M é espetacular. Problemas todo projeto tem, os EUA não resolveram ate hoje os problemas do F-22 e do F-35, e olha que eles estão na vanguarda tecnológica. O KC-390, nem se fala de lindo e imponente que e. Vejam um vídeo da Airbus com os 5 protótipos do A400 voando juntos , e lindo!!!!!

Aéreo

Olá Mauricio Eu não afirmei que o ARJ-21 e C919 utilizam motorização e sistemas russos ou chineses. Citei estes projetos, para demonstrar que avião russo ou chines só vende quando o governo local pressiona a operadora a comprar o avião nacional. O que afirmei é que o UAC / HAL Il-214 utilizar motores e sistemas russos, por se tratar de uma aeronave militar. Mudando de assunto, eu já ouvi falar de algumas teorias conspiratórias que seriam a seguinte. Se um avião no mercado de jatos médios ou grandes, incomodar o duopólio Airbus-Boeing estas fariam pressão exatamente sobre o fabricante das… Read more »

Space Jockey

Alex, se fosse com o 390 teriamos 300 posts em 2 horas e muita critica, muita mesmo.
Quando olho pro A400 me vem em mente adjetivos como inútil, supérfluo, caro… sinceramente nao vejo perspectivas de sucesso pra um aviao desse, custa 100 milhoes de euros e pouquissimos países tem necessidade do mesmo.E tem o C17. Agora o que a Turquia quer com 2 (dois !) avioes ?! pra ter um operacional muitas vezes ?

Mauricio R.

“A “ocidentalização” pode ajudar muito.”
.
CAS,
.
O Tu-204-120, aeronave da classe do finado B-757, tem motorização RR RB-211, parte da aviônica é ocidental e o avião tem certificação ICAO; mas nem assim vende muito.

Mauricio R.

Aéreo 17 de janeiro de 2016 at 13:17
.
Sim, de fato.

Mauricio R.

“…sinceramente nao vejo perspectivas de sucesso pra um aviao desse, custa 100 milhoes de euros e pouquissimos países tem necessidade do mesmo.E tem o C17.”
.
Tínhamos o C-17, a linha de produção fechou ano passado, agora temos somente o A-400M.
Dos quais 7 países europeus encomendaram 174 exemplares.
O “carrinho de mão” da Embraer tem somente os 30 exemplares encomendados pela FAB.
.
“Agora o que a Turquia quer com 2 (dois !) avioes ?! pra ter um operacional muitas vezes ?”
.
A encomenda turca é para 10 exemplares.

Space Jockey

Mauricio: Porque todo mundo remete ao KC qdo se trata do A400 ?? “Tínhamos o C-17, a linha de produção fechou ano passado, agora temos somente o A-400M.” – tem semi novos q tio sam vende; “Dos quais 7 países europeus encomendaram 174 exemplares.” – duvido q esse num de encomendas se mantenha, pode cortar uns 30%, isso sempre aconteceu nas encomendas militares; “O “carrinho de mão” da Embraer tem somente os 30 exemplares encomendados pela FAB.” – são 28, os protótipos serão “doados”, e duvido q esse numero se mantenha tbm… – KC 390 não é concorrente direto do… Read more »

Wellington Góes

Em tempo, os alemães da DASA (lá no início dos anos 2000) chegaram a propor o uso do AN-70 (com as devidas alterações no projeto) como novo cargueiro europeu, em detrimento ao desenvolvimento do ainda projeto A400M. A ideia ai seria matar dois coelhos com uma cajadada só: * o primeiro seria um início de retirada da dependência ucraniana das “guarras” da indústria aeronáutica russa e sua demanda militar. **o segundo coelho seria o menor gasto necessário para o completo desenvolvimento do AN-70, ou seja, uma fração do que gastarão com o A400M, além de já apresentar à época desempenho… Read more »

Wellington Góes

*gastaram

Mauricio R.

“Porque todo mundo remete ao KC qdo se trata do A400 ??”
.
Foi a própria Embraer que fez isso. Tentou fazer do KC-390 o “low” do A-400M.

carlos alberto soares

Mauricio R. 17 de janeiro de 2016 at 14:13
“O Tu-204-120, aeronave da classe do finado B-757, tem motorização RR RB-211, parte da aviônica é ocidental e o avião tem certificação ICAO; mas nem assim vende muito.”
Sabemos da fama Tu Tupolev em aviação comercial.
Já os Antonov An também sabemos da fama em aviação de carga, militar e civil.

carlos alberto soares

Por 63 Milhões de Euros ou 70 Milhões de dólares, bom custo.

carlos alberto soares
carlos alberto soares
carlos alberto soares
donitz123

carlos alberto soares 17 de janeiro de 2016 at 6:05
donitz123 16 de janeiro de 2016 at 9:22
Tens o(s) link(s) ?
>>>>>>http://www.defenseworld.net/news/14892/India_Plans_Ten_C17_Aircraft_Buy_Despite_Boeing_Plant_Closure#.VpzJkE3bKHt
http://www.janes.com/article/57169/russia-freezes-india-out-of-mta-project-to-proceed-alone-as-il-214
http://www.janes.com/article/57172/russia-to-fill-gap-left-by-an-70-with-more-il-76md-90a-airlifters

Em relação ao Tu-204, os russos já desistiram de tentar emplacá-lo comercialmente tanto é que muita das células civis estão sendo convertidas para operação militar(Estão apostando no MC-21 inclusive para a missão de patrulheiro – segundo dizem). O mesmo está sendo feito com o Il-96 do qual 4 unidades serão convertidas para reabastecimento em vôo.

donitz123

carlos alberto soares 17 de janeiro de 2016 at 6:05
donitz123 16 de janeiro de 2016 at 9:22
Tens o(s) link(s) ?
>>>>>>defenseworld.net/news/14892/India_Plans_Ten_C17_Aircraft_Buy_Despite_Boeing_Plant_Closure#.VpzJkE3bKHt
janes.com/article/57169/russia-freezes-india-out-of-mta-project-to-proceed-alone-as-il-214
janes.com/article/57172/russia-to-fill-gap-left-by-an-70-with-more-il-76md-90a-airlifters

Em relação ao Tu-204, os russos já desistiram de tentar emplacá-lo comercialmente tanto é que muita das células civis estão sendo convertidas para operação militar(Estão apostando no MC-21 inclusive para a missão de patrulheiro – segundo dizem). O mesmo está sendo feito com o Il-96 do qual 4 unidades serão convertidas para reabastecimento em vôo.

carlos alberto soares

donitz123 18 de janeiro de 2016 at 8:28 1º Link, saída da Índia no MTA projeto conjunto com o Urso; 2º Link, aposta do Urso para um concorrente do An 178, este já está voando em testes e 3º Link, Aposta do Urso para um concorrente do An 70, este já tem duas células em testes e a homologação na Ucrânis se deu em Janeiro de 2015. Minha opinião: Não deve ser fácil ter 25 horas por dia o bafo do Urso no cangote. Entenderam pq eles querem “correr” para a UE. De qualquer forma gosto dos Antonov e simpatizo… Read more »

carlos alberto soares

Dois An 124 pode ser também no lugar dos 225:
http://www.aereo.jor.br/2014/06/23/prato-do-dia-caracal-a-francesa/

carlos alberto soares

Caro Bob Santana, vai gostar:
https://www.youtube.com/watch?v=8sFvCTj2GQo