SpaceX

Falcon 9 retorna de missão de lançamento de satélites e realiza pouso vertical na Terra. Feito é grande sucesso para a empresa, que tenta produzir foguetes reutilizáveis.

Um foguete da empresa espacial americana SpaceX retornou em segurança à Terra nesta terça-feira (22/12), após uma missão bem-sucedida de lançamento de satélites para uma empresa de comunicação. O Falcon 9 realizou um pouso vertical a cerca de dez quilômetros da base de Cabo Canaveral, nos Estados Unidos, de onde havia partido.

A empresa americana, liderada pelo bilionário Elon Musk, almeja produzir foguetes que possam ser reutilizados da mesma forma que aviões. O feito desta terça-feira é um grande sucesso para a empresa. A rival Blue Origin, do empresário Jeff Bezzos, dono da Amazon, havia feito um pouso semelhante no mês passado. O feito da SpaceX, porém, não foi um teste, mas uma missão comercial.

Diversas tentativas anteriores de pousar o chamado primeiro estágio (a parte que dá potência à decolagem) do Falcon 9 numa plataforma flutuante no oceano haviam fracassado. Mas, desta vez, imagens ao vivo fornecidas pela SpaceX mostraram o foguete realizando um pouso firme e seguro.

O foguete atingiu uma altitude de 200 quilômetros antes de retornar à Terra e pousar numa antiga base de lançamentos da Força Aérea americana, que não era usada desde 1978. Durante a missão, o Falcon 9 pôs em órbita 11 satélites.

Em junho, um foguete não tripulado da SpaceX, que levava suprimentos para a Estação Espacial Internacional (ISS), explodiu cerca de dois minutos após ser lançado. A empresa passou meses corrigindo o problema que levou ao fracasso da missão anterior. Após o êxito do Falcon 9, a SpaceX espera retomar as missões de abastecimento, feitas para a Nasa, em fevereiro.

FONTE: Terra/DW

31 COMMENTS

  1. É um sucesso. Embora NASA não aceite foguetes nem capsulas “usadas”, preferindo sempre foguetes novos, conforme contrato, SpaceX poderá utilizar estes para outros clientes, o que diminui muito o valor de cada lançamento. Para se comemorar, embora eu seja um pouco cético quanto à “modernidade” disto, uma vez que ainda é um foguetão que depende de “combustão externa” algo muito semelhante aos velhos trem à vapor.

    Elon Musk vendeu a sua antiga empresa PayPal por cerca de 1,5 bilhões de dólares. Dinheiro que ele fundou a SpaceX, a Tesla Motors e a empresa de energia SolarCity. Ele fez com uma fração deste dinheiro a SpaceX. Enquanto isto, o Brasil gastou mais de 1 bilhão do dinheiro do povo, para construir uma base de lançamento que não funcionou. Veja, nem o desenvolvimento do foguete o governo brasileiro iria fazer. 1 bilhão apenas na base de lançamentos! Alguma coisa está errada.

    Se o governo Brasileiro tivesse comprado a SpaceX ou contratado os engenheiros da SpaceX, teria feito muito mais vantagem, e certamente já estaria com um foguete voando. Mas… a incompetência pública cada dia se faz mais óbvia. Não apenas dos políticos, mas dos funcionários públicos, afinal, haveria corrupção e desvio de verbas se os funcionários públicos fiscalizassem?

  2. E vc acha que é assim Victor ? Acha que é só algum brasileiro comprar a Lockheed Martin para sermos donos intelectuais de F-16 e F-22 ?
    Por lá, tecnologia de cunho estratégico é algo tratado a mãos de ferro e olhos de águia pelas agências governamentais americanas

  3. Victor. Mas esse problema não é só do Brasil. A Nasa deve consumir bilhões. Deve fazer muitas coisas, tipo pesquisar o espaço, mandar sondas para marte, etc. Mas quanto ao desenvolvimento de foguetes, ônibus espaciais, etc?
    Essas empresas privadas com pouco dinheiro, desenvolvem esses foguetes de baixo custo.
    Pegam algum engenheiro aeroespacial, colocam uma pequena equipe, mandam fabricar e pronto.
    Muito parecido com os submarinos do tráfico…
    Já pelas vias oficiais, gasta-se, gasta-se, gasta-se e é uma dificuldade para sair o produto.
    Acredito ser mais uma questão política.
    No caso do F 35, fala-se que o projeto consumiu 400 bi (talvez inclua os aviões que serão fabricados). Mas é muito dinheiro para um caça “comum”. Não é feito de ouro…
    As tecnologias stealth ou até mesmo os aviônicos modernos não deveriam consumir bilhões e bilhões.
    Trata-se apenas de conhecimento. Igual a Apple vender um iphone por 3 mil porque seria moderno. Só “royalty”. Não que o produto tenha esse custo real.
    O pessoal falando em laser, na China produz-se isso em grandes quantidades. Basta ver nos camelódromos. Falo isso mas no sentido de que muitos tecnologias hoje são de uso generalizado, mas muitos insistem em dificultar…
    Ah, usa chip isso ou aquilo. Oh, central de multimídia de carro tal é de 7 polegadas, é sensível ao toque. E daí???
    Ah, caça tal se comunica com outros, tem sistema de reabastecimento x ou y? E daí, em termos de preço? Nada demais…

  4. Carlos o F-35 possui mais de 2.000 unidades encomendadas, se você considerar que cada unidade custa em média 100 milhões de dólares, temos no mínimo um total de 200 bilhões de dólares em encomendas.

  5. Alfredo Araujo. Eu apenas creio que poderia ter feito melhor com a grana investida. Creio que, se eles, estrangeiros, são capazes de fazer, nós também poderíamos, nem que fosse contratando um engenheiro americano, ou russo, ou indiano, ou chines, ou europeu. Alguém que soubesse fazer. Pagar-se-ia uma boa grana. Ou, ao menos, investir para que finalizasse o VLS. Eu ouvi notícia que o VLS não funciona porque não tem uma plataforma inercial, que a “inteligencia” brasileira não conseguiu construir, nem copiar, (uma vez que os russos deram uma plataforma inercial desmontada para os brasileiros). Total incompetência e desperdício do sagrado e necessário dinheiro público. Quem ganhou? Odebrescht, obviamente. E os funcionários públicos que ganham acima da média, trabalham abaixo da média ( emendam todos os feriados, ainda que o feriado seja na quarta-feira) e tem uma aposentadoria invejável, além de uma chefia mansa e corporativista. Resumindo, eu não sei se contratar um engenheiro estrangeiro resolveria, (ou comprar a SpaceX) mas uma coisa é certa. Já fazem décadas e nós não temos um foguete, embora muito se tenha investido em tempo e dinheiro. Isto é prova de incompetência. Incompetência absoluta. Deveriam todos ser exonerados. Uma bando de inúteis, que só sabem fazer cara de mau, para parecer que são muito superiores. Aliás, do ITA saem poucas pessoas humildes…

  6. A ênfase em recuperar estágios de lançadores semi-reutilizáveis sempre foi em relação ao último estágio, no caso de lançadores tripulados. Esse conceito da SpaceX revoluciona porque propõe recuperar o primeiro estágio.
    A nova cápsula tripulada da NASA, a Orion, será reutilizável por dezenas de vezes após ser “reciclado”. Se combinado o conceito da Orion com essa tecnologia de recuperação do primeiro estágio da SpaceX e os custos seriam reduzidos enormemente, já que apenas os estágios intermediários (segundo e terceiro) é que seriam descartáveis.
    O Space Shuttle era um sistema semi-reutilizável que prometia reduzir os custos de forma significativa mas provou-se completamente equivocado.
    Sem dúvida o futuro está nos sistema completamente reutilizáveis, que basicamente são classificados em “estágio único” e de dois estágios.
    Outra classificação interessante diz respeito ao modo de decolagem e pouso, que pode ser horizontal e vertical, tanto para um quanto para outro, inclusive havendo mesclagem das duas modalidades. Por exemplo, um lançador poderá decolar na vertical e pousar na horizontal (como o Space Shuttle).
    Quanto aos motores os futuros laçadores reutilizáveis poderão utilizar algum tipo de propulsão aspirada dentro da atmosfera (o que obriga o lançamento horizontal) em combinação com motores foguetes líquidos para além da atmosfera. Igualmente podem ter motorização totalmente baseada em foguetes.

  7. Victor Moraes, você parece ter um certo asco de funcionários públicos, isto é aceitável, haja vista o país em que vivemos, mas não se pode generalizar em nada.
    O processo de concurso é a melhor forma das empresas publicas escolherem os melhores.
    Os melhores sim! Se você duvidar, tenta fazer algum concurso para ver em qual colocação você vai ficar, assim vai ver o quanto são bons os primeiros colocados. Caso você fique entre eles, parabéns!
    Eu costumo dizer que pessoas corruptas não são de uma espécie diferente, eles saíram do meio de todos nós, portanto, precisamos mudar toda a sociedade, assim quem sabe um dia, somente pessoas de boa índole chegarão a cargos que afetem a sociedade.

    Quanto ao sucesso da empresa americana, é resultado de décadas de políticas voltadas para o lado científico, apoiando pesquisas e desenvolvimentos nas mais diversas áreas, o sucesso persegue aqueles que trabalham…

  8. Ederjoner,
    Eu, com o maior respeito, discordo veementemente da sua posição acerca do modo de seleção dos servidores públicos adotado no Brasil.
    Pode até ser a forma mais democrática de seleção, que é pra isso que serve o concurso público, mas daí a dizer que é a forma mais eficaz de escolha de um melhor profissional é coisa completamente diversa. Tanto é assim que as grandes empresas dos setor privado não adotam esse tipo de seleção de pessoal.
    E o fato de alguém passar num concurso público não diz nada acerca dele ser “melhor” em nada, salvo no objetivo específico de passar num determinado concurso, o que tem a ver com o esforço individual (meritoso, sem dúvida), mas muito mais em usar o método mais adequado para passar em concurso público, que passa pela seleção dos cursos certos, com professores certos e a prática de resolver questões típicas de uma determinada banca. Em nada essas qualidades o farão melhor servidor público.
    E pela qualidade do serviço público brasileiro não precisamos de muito pra desmontar a falácia da afirmação que concurso público ou o instituto da estabilidade no serviço público são modos eficazes de seleção de pessoal.
    Desculpem-me pelo off-topic.
    Sds.

  9. Eder Joner, parece que eu te ofendi. Talvez você seja um funcionário público. Eu acho graça a esquerda envolvida em corrupção dizer que “eles sairam do meio de nós” como se isto fosse uma atenuante. “Todos somos corruptos” esbravejam os maus. Eu sou formado em direito, gabaritei a provada OAB/MG mas não tentei concurso público justamente porque eu sei que eu iria me transformar em uma parasita do estado, servindo pessimamente meus patrões que é o povo já que eu seria tragado para um sistema de “quanto trabalhar menos melhor”. Eu sou mais livre e ganho mais dinheiro sendo um empreendedor privado. Eu assumo riscos, mas tenho perspectivas de maior crescimento profissional e financeiro. Eu fui acostumado na enxada, com mãos calejadas e por esta razão eu preferi a iniciativa privada. Eu paguei minha escola com salário de motorista de caminhão de loja de materiais de construção. Eu vejo pessoas passando em concurso, mas não sabem fazer outra coisa. E fazem muito mal o que sabem. Passam a vida inteira apenas estudando e vão trabalhar na vida pela primeira vez apenas quando passam em um concurso onde sabem tudo decorado. A primeira coisa que se tem que fazer para melhorar o Brasil ( se você quer) é fazer um limpeza profunda entre os servidores públicos, acabando com regalias, privilégios e tratamento diferenciado como fim da estabilidade. E se reclamar, rua! O mesmo tratamento das empresas privadas. Não existiria corrupção de políticos se não houvesse conivência ou participação de funcionários públicos. Toda lama que envolve as instituições brasileiras não é culpa de todos, valendo-se da máxima “todos somos corruptos”. Não! É culpa exclusiva de gente ruim que assume cargos públicos, ainda que concursados. VLS e Ciclone são provas de que tem muita gente incompetente recebendo dinheiro do estado para, ao invés de produzir algo, dar prejuízos bilionários. É fato. É a realidade.

  10. Agora, não há como negar que muitos bons profissionais, com nobres valores éticos e morais, com um forte sentimento de cidadania e respeito ao próximo, se adéqua e consegue passar em concursos públicos, mas infelizmente o método do concurso público, em regra, possibilita que indivíduos completamente inadequados passem.

  11. Eu não sou funcionário publico, sei que tem problemas, mas enquanto houver uma “democracia” no Brasil, será assim que os servidores serão selecionados, portanto, o jeito é melhorar a índole da população.
    Desculpem-me pelo off-topic também.

    Boas festas pessoal…

  12. Boas festas! Desculpe-me se eu fui grosseiro. Realmente há gente boa e trabalhadora que se sacrifica pelo bem do país, como professores, entre outros. Mas que tem uma gente arrogante e corrupta, tem.

    Boas festas! Viva SpaceX!

  13. Sou funcionário público, trabalhando em uma universidade estadual paulista. Com relação a atuação concordo que muito deve ser melhorado, por exemplo com relação a medida de desempenho. Eu já passei por uma situação em que meus emails foram revirados e muitos foram “parar” na máquina de um “colega”. O caso foi levantado Porém, o “máximo mandatário” do campus colocou panos quentíssimos no caso e quase o vilão fui eu…

    Com relação ao SpaceX, a redução de custos é o objetivo. Se mais voos obtiverem sucesso o caminho para uma grande redução de custos estará pavimentado e, de fato, uma nova era terá tido início. Mas existem outras possibilidades que o Bosco elencou em um post tempos atrás. Talvez elas sirvam para cada tipo de missão e não sejam concorrentes entre si.

  14. Eu não vejo nada errado com o processo atual de seleção dos funcionários públicos. Empresa privada contrata nas cegas do mesmo jeito que a empresa pública. Só conferindo o desempenho diário do novo empregado é que pode-se saber se foi uma boa contratação ou não. Trabalhei em empresa privada (sou autônomo) e sei bem disso.

    O problema do funcionalismo público basicamente é a falta de ferramentas eficazes de medição de desempenho e de demissão em caso de baixo desempenho ou corrupção. E digo a vocês, corrupção não é exclusividade de empresa pública não, agora mesmo fui lesado numa compra de equipamento eletrônico, de empresa privada.

    É como o colega falou acima, a corrupção está em todo lugar, o problema é o comodismo dos ditos “honestos” em apenas falar e não fazer nada. Sempre tem uma desculpa para ficar acomodado e não agir. Bom é ficar reclamando na Internet (como estou fazendo agora…) e dizendo como as coisas deveriam ser.

  15. Não é de hoje que observamos esta mania de ofensa generalizada perpetrada por “alguns muitos” quanto a esta ou aquela categoria profissional, ou se colocar numa posição de superioridade frente a outros. Aqui não seria exceção, infelizmente.
    Mas é de surpreender quando se lê tal opinião emitida por um pseudo esclarecido.
    Poderia taxar todos os operadores do Direito (em especial, os advogados) por conta de episódios como o do “Dr.” Edson Ribeiro na Lava Jato de corruptores e bandidos, por exemplo, mas sei que a grande maioria não o é.
    Aliás, como funcionário público, não me considero “parasita do Estado”, porque ingressei por concurso público (e bem concorrido), trabalho sem usufruir do rol de benesses listados pelo ilustre, não sou corrupto e sou remunerado por isso. Há alguma ilegalidade nisso? Tal situação me coloca como um “parasita do Estado”?
    Complementando, para quem se coloca como esclarecido, cabe lembrar que a estabilidade não é absoluta. Ela é condicionada a certos pré-requisitos legais e passível de ser cassada/anulada, via processo administrativo. Claro, algo que já é de vosso conhecimento, pena que se absteve de falar sobre isto.
    Por fim, é curiosa a maneira como certas pessoas creem que a estabilidade seria o maior problema da Administração Pública.
    Já pararam para pensar que ao retirá-la, os nossos (des)governantes vão entupir os quadros de com os “mui queridos” cargos de livre nomeação e exoneração, trocando o “antigo quadro”, o renovando a cada mandato com novos “aspones”?
    Sim, parafraseando o filósofo Tiririca: pior que tá, fica!
    Que o diga a OAB que “contrata” seus colaboradores sem concurso pública, fruto do corporativismo ativo junto ao STF.
    Menos generalizações e mais respeito, por gentileza.
    Separar o joio do trigo sempre é bom.
    Sds.

    Obs.: Peço desculpas aos editores, mas é difícil ler tamanha ofensa e não me ver no direito de expressar a pertinente resposta.

  16. Eu de minha parte só comentei em resposta ao comentário do Eder que afirmou o seguinte:
    “O processo de concurso é a melhor forma das empresas publicas escolherem os melhores.
    Os melhores sim! Se você duvidar, tenta fazer algum concurso para ver em qual colocação você vai ficar, assim vai ver o quanto são bons os primeiros colocados.”
    E se alguém se sentiu ofendido eu muito mais por não fazer parte do quadro de servidores e nem por isso me achar um idiota.
    E sim! Temos um péssimo quadro de servidores públicos de modo geral e o Brasil não é um dos países mais corruptos e com péssimos serviços públicos à toa.
    E se há corrupção no setor privado pelo menos eles não estão revestidos de presunção de legitimidade. A corrupção passiva existente no Estado Brasileiro é infinitamente mais danosa que a perpetrada pela corrupção ativa já que pelo meu ponto de vista cabe ao agente público a maior responsabilidade em coibir essa atividade tendo ele o dever ético de fazê-lo.
    E de minha parte continuo com a certeza que o concurso público é necessário, justo e democrático, mas está longe de ser a forma mais adequada de se escolher um “trabalhador”.
    E a culpa é desse arremedo de capitalismo que existe no País, onde a livre iniciativa paga menos que o Estado e onde ocorre o fenômeno da indústria do concurso público, onde se ensina a passar em concurso público disputando com milhares, dezenas de milhares, centenas de milhares, por algumas vagas. Fenômeno esse que não tem igual em nenhuma democracia no mundo.
    Um dia desses vi um filme muito instrutivo onde um sujeito fez prova para a polícia de Los Angeles concorrendo com uma dúzia de candidatos, e todos, com currículo e características físicas adequadas à função. Fosse no Brasil e teríamos 50.000 candidatos por vaga onde o vencedor seria aquele que teve os professores mais “expertos” e o melhor “personal trainer” pra dar conta de fazer as “barras” necessárias.
    E claro, a estabilidade do servidor público após os três anos é um instituto absolutamente necessário no país tendo em vista que não temos ética e nossa moral é mais rasa que a de um esgoto a céu aberto. As leis de um país são feitas para serem obedecidas por homens de bem e o mesmo se aplica à ética. Em nosso país um governante eleito iria trocar a cada mandato todo o funcionalismo público para colocar no lugar os seus apadrinhados e não pensaria no melhor interesse público e sim no partido ou no seu próprio umbigo, e seria literalmente o caos. A “solução” é o instituto da “estabilidade”, que sabemos bem como funciona e como nada no Estado Brasileiro, não funciona como deveria, já que simplesmente não se adotam os mecanismos de aferição e controle da eficiência que deveriam ser adotados.

  17. Amigos, como comentei no outro post, o que mais choca é a diferença abissal das 2 realidades, Br e EUA. Enquanto lá se anuncia o feito do SpaceX, aqui se fala na inauguração de míseros 12km de linha de metrô em Salvador, com mais de 1 década de atraso e pelo triplo do preço. É lamentável.
    Eu trabalho numa empresa privada que presta serviço exclusivo ao governo federal, há 13 anos conheço o ambiente de Brasília e posso dizer que sim, existe gente competente e comprometida, o grande problema no entanto, a despeito da corrupção ser inerente ao povo em geral-publico ou privado, é de timming.
    No setor privado, o que precisa ser feito em dias, no público são semanas, o que no privado leva semanas, no público são meses, e por aí vai…..não há senso de urgência de que aquilo se reverte para a população, por bem ou mal.
    No mais, governos em geral são tradicionalmente instrumentos que tornam lentos os processos de mercado, aqui ou fora. Quanto mais uma nação entender que seus governos devem adotar o conceito de “muito faz quem não atrapalha”, mais esta se desenvolverá.

    Feliz Natal e ótimo 2016 para todos!

  18. A conversa está boa, é óbvio ululante que o governo é péssimo administrador, gasta mal e é corrupto, MAS ISSO NADA TEM A VER COM O FUNCIONÁRIO PÚBLICO EM SI. Existem funcionários públicos nos EUA e lá funciona muito bem. Quem rouba são os comissionados, nomeados de políticos e terceirizados. Claro que alguns concursados caem na tentação e metem a mão também, mas como alguém já falou existem maus elementos em todos os ramos e, na maioria dos casos, no serviço público o mau servidor é demitido pois os órgãos de controle agem eficazmente nesses casos, mas, em contrapartida, os órgãos de controle são incapazes de punir secretários, ministros e chefes do executivo, justamente porque não são concursados e porque a lei criou um câncer na sociedade chamado Foro Privilegiado, os agentes públicos desta classe roubam, assaltam, ditam políticas equivocadas com prejuízos de bilhões de dólares e não acontece NADA. Eu defendo um estado mínimo, só educação, saúde, meio-ambiente e defesa, o resto pode privatizar a vontade, pois o estado ( na verdade as pessoas que são eleitas, os apadrinhados, nomeados e comissionados – os sem concurso) não sabe administrar.

  19. Fui professor durante 7 anos em cursos para concursos e em certo aspecto concordo com Bosco: quem paga mais tem a melhor preparação, basta ver quanto custa um curso bom para Auditor Fiscal da União. Porém, isso era fruto justamente das características do mercado privado, que nao tem estabilidade e que tenta, de forma geral, pagar os menores salários com as piores condições possíveis no intuito de aumentar a margem de lucro (isso de forma geral, pois há setores e empresas que pagam bem, mas isso é minoria, basta ser professor de rede particular que o diga, aliás, nunca assinaram minha carteira nos curso que ensinei e isso é praxe….alguns diriam “pq nao foi numa DRT denunciar?” Pq se vc o faz vc fica “queimado” no meio e ninguém mais lhe contrata…coisa da iniciativa privada). O perfil dos alunos era chocante: um monte de graduados, em variadas áreas, na casa dos 25 a 35 anos, que atuavam fora dos campos de formação e vinham de empregos informais (ou seja, investiram em cursos que nao lhe deram oportunidades , seja oriundos de cursos privados ou públicos) e que buscavam estabilidade, salários melhores e plano de saúde. Muitas vezes faziam concursos para 2 grau, para aumentar a chance de serem aprovados e ai repetiam na carreira pública os mesmos problemas que tinham na privada (atuarem fora da área de formação e se sentirem insatisfeitos), mas suportavam pelos motivos anteriores e com a ideia de continuarem estudando para algo melhor. Vi turmas para PRF ou PM, por exe, de pessoas sem o menor comprometimento com as profissões q seguiriam, o que nao quer dizer q depois nao pudessem se tornar bons profissionais.

  20. A seleção é falha (mais uma vez concordo com Bosco) pq, de forma geral, as provas permitem a aplicação de fórmulas. O ideal seria curso-concurso, mas vou mais longe….a seleção é falha pq ela nao é democrática! Quantos podem pagar um curso preparatório de 2 mil reais? Comprar apostilas? Pagar video aulas? Ou mais, tirar 6 meses só para isso? (quantos aqui nao conhecem casos de “fulano largou tudo para estudar para concurso…o pai dele achou isso ótimo e bancou tudo!). Aos iludidos que pensam que qualquer mendigo consegue passar num concurso para AFA ou PF, sinto lhe dizer: isso é a minoria da minoria da minoria! É a exceção completa e absoluta! É como olhar o perfil dos aprovados de medicina numa universidade federal…a maioria absoluta sao alunos de colégio top particulares (digo isso dos meus 19 anos como professor de rede privada e pública)!

  21. Acredito que a estabilidade é justamente o diferencial que permite, para o bem ou para o mal, que o trabalhador da rede pública se destaque. o X esta na forma de fiscalizar, premiar ou punir o mesmo. Aliás, há ainda que se diferenciar os trabalhadores públicos! Colocam todos no mesmo balaio e há uma grande diferença entre os mesmo, basta olhar os abonos, as jornadas de trabalho e salários entre as diversas secretarias/ministérios/autarquias. Nao da para equiparar um professor q ganha pouco mais de mil reais com um alto funcionário da justiça!

    Mas concordo lá atrás com quem disse que a base dos problemas é uma cultura de corrupção! É o “jeitinho” que tá ai em todos os lugares! Seja no colégio particular, onde somos pressionados a termos baixos índices de reprovação para nao “desagradar o cliente” ou na rede pública, onde tb somos pressionados à aprovar, para melhorar as estatísticas da unidade escolar e termos uma melhor relação com a SEC!

  22. Vou entrar no assunto.

    Fui funcionário público por 15 anos em algumas empresas e fundações do governo. O concurso público é a forma correta de selecionar os funcionários. Porém, após ter sido admitido, não há avaliação nenhuma de desempenho. O cidadão é aprovado, existe um plano de carreira por anos de serviço, sem avaliação de desempenho nenhuma. Depois que entrou, nunca será demitido (a não ser que for pego em desvios, corrupção ou matar alguém). O emprego é praticamente vitalício. Não há nada que incentive o funcionário em desempenhar bem sua função, afinal tanto o bom, quanto o mau funcionário será promovido, ou terá um reajuste salarial, depois de x anos de serviço, pouco importando se o cara vive de licença,vive doente, ou se pouco trabalha. Em algumas empresas que trabalhei, só era promovido quem puxasse o saco do chefe que era cargo comissionado ou de confiança.
    Eu passava em um concurso, assumia a vaga e continuava estudando para outros concursos, sempre buscando melhores posições e salários que o emprego em que eu estava. No fim acabei perdendo a paciencia e saindo para montar uma empresa.
    O servidor público é o câncer da nação. A maioria não está nem aí pra nada. Os que ligam, perdem a paciência e vão tentar a sorte no mercado de trabalho privado, onde a meritocracia vale alguma coisa.Os que ficam, são os acomodados que se apoiam na estabilidade de emprego para ter uma vida sossegada, sem riscos, mas também sem crescimento profissional. Simplesmente se habituam ao salário e quando não, fazem uma greve e ferram a vida de todo mundo que não tem culpa de suas insatisfações salariais. Sou da seguinte opnião: está ruím? Pede pra sair!!
    Isso sem contar a corrupção que existe em todos os níveis. Para mim ladrão e safado, não é só o funcionário de alto cargo que desvia verbas em licitações e afins, mas também o faxineiro que leva um desinfetante pra casa, bem como o funcionário que finge que trabalha e não faz porr.. nenhuma.
    Eu acho o máximo o governo cortar a verba de tudo e não manda funcionário nenhum embora!! Que comédia!! Não há solução, é gente demais mamando!!
    Na minha opnião, só tem uma solução: privatizar tudo que for possível, acabar com o cabide de empregos e poço de corrupção, que é o setor público. Privatizar inclusive a saúde. Investir pesado em educação de qualidade, na boa remuneração dos professores (desde que sejam avaliados por desempenho e percam o emprego se não alcançarem as metas estabelecidas). Somente o investimento em educação pode mudar o nosso futuro. A educação sozinha, e cerca de 20 anos de tempo, resolveria boa parte dos nossos problemas de distribuição de renda, de saúde e segurança.

  23. É realmente estarrecedor ler alguns comentários sendo necessário dizer que não existe uma verdade absoluta. Sou Engenheiro Eletricista e professor de Física na rede Estadual de Ensino.
    Culpar servidores públicos pelo desempenho em suas atividades, desconsiderando que a iniciativa privada é tão espúria quanto os maus administradores públicos (que aplicam de forma inadequada os recursos arrecadados) além de fomentarem a corrupção de políticos inescrupulosos (com objetivo de tirar vantagens nas licitações). Após longos anos trabalhando na iniciativa privada também percebi que empresas mudam de cidade, estado, país, mudam os gerentes, demitem sem critérios adequados, colocam psicopatas em cargos de chefia, aumentam seus preços em épocas de instabilidade, incorporam outras empresas que estão enfraquecidas…. já deu pra perceber que não temos um padrão de boa conduta, ética ou de caráter para empresas e seus colaboradores. O concurso público é uma das maneiras de se obter um emprego tão honesta quanto outra qualquer…basta ter a capacidade de ser aprovado (geralmente a concorrência é de 100:1 ou mais).
    Vamos culpar também os professores que recebem baixos salários e utilizam instrumentos de ensino do século XV (mas ainda são aqueles que não pularam do barco enquanto está naufragando).
    Vamos valorizar os bons profissionais independente do cargo ou função, público ou privado sem buscar os culpados por segmentos de atividade.
    Voltando ao foco, o Brasil também tem bons engenheiros, advogados, motoristas… nós somos os agentes transformadores da realidade brasileira….a indústria aeronáutica com um conhecimento significativo, a metalurgia, enfim vamos valorizar o que deveria ser nosso e não apenas o que vem de fora !!!

  24. o projeto especial brasileiro ainda naum foi pro saco ainda temos a melhor posicao do emispherio para lancamento de foguetes o que aconteceu foi que os comunistas rebeldes apoiados por putin e mae Russia invadiram a cidade aonde tinha a sede da companhia ucraniana de technologia especial toda a graninha do brasil essa foi realmente para o espaco o brasil tem que processor os comunas pelo fracasso do projeto especial brasileiro pois foram eles que acabaram com tudo

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here