KFX 103_kappa352
Modelo do caça furtivo sul-coreano KFX

O Jane’s noticiou que o governo dos EUA aprovou a exportação de tecnologias à Coreia do Sul para apoiar o desenvolvimento do Caça Coreano Experimental (KFX) de geração 4.5.

A DAPA (Defense Acquisition Program Administration) da Coreia do Sul disse em 9 de dezembro que as aprovações para 21 pacotes de tecnologia foram concedidas pelos Estados Unidos depois de negociações que se estenderam desde novembro.

As tecnologias formam uma parte central do programa de compensação (offset) de defesa anexado à venda de caças Lockheed Martin F-35 à Força Aérea da Coreia do Sul. Seul concordou em comprar 40 jatos F-35 em setembro de 2014 por cerca de US$ 7 bilhões.

As tecnologias a serem transferidos sob o acordo de offset ligadas à compra do F-35 serão canalizadas para o programa KFX.

KFX

Subscribe
Notify of
guest
58 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Marcelo
Marcelo
4 anos atrás

Notícia interessante. Agora pode ser que o KFX ande, e parece que não vai sofrer as restrições que o T-50, e FA-50 receberam . A conferir.

Ederson Joner
Ederson Joner
4 anos atrás

40 F35 por 7 bilhões de dólares, e nós vamos pagar 5 bilhões de dólares por 36 Gripens!!!!!!!
A me descupem, eu esqueci da transferência de tecnologia! !!!!!! Só no Brasil mesmo!

MARCELO BASTOS
MARCELO BASTOS
4 anos atrás

Comentário de leigo, apenas uma comparação grosseira, mas a compra pela Coreia do Sul de 40 jatos F-35 por cerca de US$ 7 bilhões com transferência de tecnologia, os nossos 36 Gripen ficaram em torno de US$ 5 bilhões, considerando a superioridade tecnológica do F-35 sobre o Gripen, fica estranho comparando as quantidades de aeronaves e os valores das 2 transações, F-35 = US$ 175 Milhões e Gripen = US$ 138 Milhões …

MARCELO BASTOS
MARCELO BASTOS
4 anos atrás

Ederson Joner, mesmo sem ler seu comentário, fiz a mesma comparação, sem contar que o F-35 já e uma realidade, e o Gripen ainda um projeto …

Fernando
Fernando
4 anos atrás

Será que esses valores estão corretos?? pergunta aos especialistas do site.

Duanny D.
Duanny D.
4 anos atrás

Mas o F35 e demais pra nós.

vmax
vmax
4 anos atrás

Blz. Seguindo a conta do padeiro Joaquim, parece mesmo um absurdo. Entendo.
Mas e depois?
Digo, imaginando que pudéssemos adquirir esses 40 F-35 por 7bi de obamas. Manter em operação e a disponibilidade para vôo 40 F-35 sai pelo mesmo custo que manter 36 Gripens?
Sério, alguém me responda. Por favor.

wfeitosa
wfeitosa
4 anos atrás

Senhores, aqui há a estranha mania de se comparar coisas completamente distintas…
Daqui a pouco alguém aqui vai comparar um bombardeiro, a uma fragata…
E o texto diz, são alguns pacotes de tecnologia, e não transferência irrestrita …
Quais as tecnologias que estão envolvidas?
Um outro detalhe, a Coréia está décadas a frente do Brasil …
Aqui, ainda teremos que aprender a derivada de x3 …

Vader
4 anos atrás

É pois é…

Mas o F-35 é “demais pra nós” (by Nelson Jobim – ex-Min Def do Lula/PT – também conhecido como “Palhaço-Veste-Fardas” ou “Fraudador-de-Constituições”). – 2

O Brasil nunca perde a oportunidade de perder uma oportunidade.

😉

Vader
4 anos atrás

“Transferência irrestrita”??????

Ora, amigo, cai na real… Icsto no ecxiste… 🙂

Não adianta dourar a pílula senhores… Graças ao MinDef e ao nosso GF bolivariano antiamericanalha ficamos com uma tecnologia inferior (pra ser humilde) por um valor bastante parecido.

Antunes
Antunes
4 anos atrás

Rapaz, “claro” que a diferença de 2 Bi é troco de padaria. Para um caça avançado pode-se forçar essa barra? Talvez. Mas ainda assim é uma diferença gigante, é uma diferença > 2/5, com 4 aeronaves a mais. E mais 138M para 175M é a mesma coisa que 138 conto para 175? Não né. isso ai não é conta de padaria. A diferença é de 37M, Ou quase dois Super Tucanos, por aeronave. Sem falar que na hora voada, e disponibilidade no correr do tempo. Não que eu seja contra o F-35 pro Brasil, mas são grandezas diferentes. Essa análíse… Read more »

Jhenison Fernandez
Jhenison Fernandez
4 anos atrás

tava demorando, sera que devemos realmente comparar a relação EUA/Coreia do Sul ? com uma suposta EUA/Brasil, sera que seriam as mesma condições ? sera que ofereceriam a transferência de tecnologia? pouco provável, acho que vocês são apenas velhos birrentos mesmo, deu Grinpen para bem ou mal, só do fato de eu saber que os F-5 vão ter substitutos finalmente já me alegra, e no mais que bom para a Coreia do Sul, boa tarde.

Antunes
Antunes
4 anos atrás

O F-39 é a solução para substituir, em tese, + de 100 aeronaves, simplesmente não faz sentido, para o Brasil hoje, investir no vetor melhor e mais caro, por que temos que repovoar a FAB em 10 anos. Caso fiquemos forevis 5 + o Fx2 em 36 unidades, não será por erro de planejamento da FAB, e a escolha tomada por ela, mas da extensa e perpetuada falta de vontade política com a renovação das forças armadas. “No hay plata” hoje. Espero que a cada eleição esses sangue sugas do PT, do PSDB e de tantos outros partidos sejam varridos… Read more »

Pangloss
Pangloss
4 anos atrás

Essa matéria demonstra como a Coréia do Sul consegue aproveitar ao máximo a presença de um vizinho inconveniente, estabelecendo relações de aliança com os EUA.
No ForTe, há uma matéria sobre a última travessura do menino Kim, em que o Colombelli comentou, muito acertadamente, que é a China quem mantém a Coréia da Morte de pé. Concordo integralmente.
E acrescento que isso vai permanecer como está por muito tempo, pois está bom para quase todo mundo: China, Coréia do Sul, a nomenklatura norte-coreana… Quem sai perdendo é apenas o povo norte-coreano.

Marcelo
Marcelo
4 anos atrás

Concordo com você Jhenison. Achar que as condições oferecidas ao Brasil e à Coréia do Sul seriam as mesmas é muita ingenuidade, mas como acredito que os velhos chatos não são ingênuos, acho que só forçam a barra mesmo, para poderem fazer a sua reclamação do dia.

gengisdu
4 anos atrás

Nada está bom para alguns aqui viu pqp. Os caras acham que compras, acordos militares e afins são como ir numa concessionaria comprar um carro, que manutenção e afins não contam tbm. Será que alguém aqui acha que uma empresa simplesmente resolve ,da noite pro dia ,trocar x funcionários por 1(um) robô sem fazer cálculos mil e lançando bem pra frente,anos afim e possibilidades extremas? Imaginem pra um acordo e compra tão complexos quanto a compra de aeronaves militares. O F-35 não é demais para o Brasil, apenas não é o momento oportuno pra tal aquisição desnecessária no nosso TO… Read more »

theogatos
4 anos atrás

Comparando os números friamente chega a deixar uma interrogação enorme na cabeça… Afinal qualquer tecnologia do F-35 transferida nesse acordo com a Coréia poderia ser um salto enorme para nós e nós aceitamos ser pequenos… Sei que do F-5 para o Gripen já é um salto e melhor não reclamar muito porque “é o que tem pra hoje” e do jeito que vão as coisas tudo vai piorar… Agora, vamos parar e analisar friamente se esses USD 7 bilhões continuariam USD 7 bilhões mesmo com 30 unidades do F-35 produzidas em solo nacional, com nossa estrutura de logística e custos!… Read more »

Nonato
Nonato
4 anos atrás

A tecnologia transferida não é do f 35. Não diz que tecnologia é. Alguém aí comparando PT com PSDB. Faz favor né. Não gostar do segundo é uma coisa. Fazer a comparação é outra.

Jose Souza
4 anos atrás

o caça que até seus criadores …dizem ser um mico…

Marcelo Bardo
Marcelo Bardo
4 anos atrás

Alguém saberia dizer se este é o design oficial do KF-X?
Se for, está show de bola.

Souza Pereirajunior
4 anos atrás

Sou fã declarado das aeronaves americanas , mas comparar o relacionamento que eles tem com o Japão ou Coreia do Sul com o que eles tem com a Banania é covardia. 1º Se comprassemos o F-35 o que receberíamos ? Qual seria o nível de downgrade ? 2º A quais restrições estaríamos sujeitos ? Contra quem se poderia utilizar as aeronaves ? 3º O que viria na Black Box do caça ? Quais segredos estariam escondidos no software do Bicho ? 4º Teriamos a garantia de peças de reposição e armamento independente de contra quem estivéssemos lutando ? 5º Eles… Read more »

Mauricio R.
4 anos atrás

Qual a serventia da Coreia do Sul p/ os EUA???? Muita. O Brasil está no mesmo nível??? Mas nem sonhando…
Mas se o T-50 é uma tentativa de fazer uma versão furtiva do SU-35, então esse KFX é um F-16 furtivo.

Mauricio R.
4 anos atrás

“…o Irã que tinha lindos F-14 e após o rompimento das relações esta tendo que fazer magica para manter aquilo voando Alah sabe em quais condições.” Os exemplares iranianos do “Tomcat” tinham a turbina mais tolerante a stall de compressor que os exemplares da US Navy. Tinham a suite de ECM degradada e não podiam empregar armas atômicas. Junto c/ as aeronaves foram adquiridos 10 anos de peças de reposição e mais material foi fornecido, inclusive atualizações p/ os mísseis AIM-54 Phoenix, naquilo que viria a ser conhecido como o escândalo Irã/Contras. Após a baixa da aeronave na US Navy,… Read more »

David Soares
David Soares
4 anos atrás

Vocês não estão levando em conta a economia de escala.

jccunha
jccunha
4 anos atrás

Seria nosso País, competente o suficiente para receber e replicar as tecnologias constantes no F-35? Haveria verba para o desenvolvimento de maquinarios, mão de obra, materiais,softwares, hardwares, avionicos e tudo o mais que implica fazê-lo? Quanto custaria tudo isso…só os 7 bi de obamas ou a conta quadruplicaria, se não tem verba para o combustivel dos forevis, teria essa outra quantia para absorver somente tecnologia….vale lembrar que tecnologia aeronáutica muda a cada dia, teríamos como acompanhar?Pega aí um piloto e prepare ele para um F-35, quanto vai custar…e a transicao, seria com qual treinador? E só mais uma pergunta, de… Read more »

carlos alberto soares
carlos alberto soares
4 anos atrás

Creio que o F 35 Adir será sucesso, veremos …..
Mas com essa grana compraria uns 60/80 F 16 versão SPF !

Alan
Alan
4 anos atrás

O barato sai caro,o gripen horas de vôo é mais barato mais isso não quer dizer que seja melhor opção,pra mim a melhor seria o super hornet pois ele já poderia ser usado na marinha também e mais do que testado e aprovado em combate,isso faz muita diferença.

GuiAmaral
GuiAmaral
4 anos atrás

Compra de armamento não é prateleira. As relações geopolíticas na maioria das vezes determinam oportunidades, preços, pacotes, etc. Não dá para comparara.

Certamente o que foi oferecido aos Sul-coreanos nunca será oferecido a nós. Simples assim.
Se quiséssemos por algum motivo o F-35, pagaríamos mais por menos.

johnatan warp drive
4 anos atrás

O detalhe é qual a previsao do futuro cenario de combate, em 10 ou 15 anos quando estivermos com todos os 36 gripens, e unidades produzidas no Brasil e por quanto tempo permaneceremos com tal tecnologia em ponto de conforto, ou seja estagnada, talvez em 2040 o cenario de combate aereo ja esteja quase completamente dominado por drones ou aeronaves de 5+++ geraçao, enquanto isso estaremos novamente em status “F5”.

Moral se nao ousarmos, nao pensarmos fora da caixa, nao tivermos vontade/força para buscarmos o melhor que pudermos, ficaremos para tras pra sempre, em modo operandi F5

Shinigami
Shinigami
4 anos atrás

A compra dos F-35 da Coreia do Sul não inclui pacote de manutenção completo, apenas revisões mais simples serão feitas em solo Sul Coreano, com supervisão de técnicos da Lockheed. Para manutenção mais pesada os coreanos tem a opção de mandar seus jatos para o Eua, Austrália ou Japão, a mais lógica seria mandar para o Japão que fica mais próximo porem por causa de problemas do passado os coreanos rejeitaram esta opção e provavelmente vão mandar seus F-35 para a Austrália. Como a Coreia do Sul tem problemas de manutenção por falta de verbas nas suas forças armadas, provavelmente… Read more »

Ednaldo Queiroz
4 anos atrás

Ao que parece, a grande maioria aqui esqueceu que na proposta de venda dos F-18, USA nao aceitou transferir tecnologia alguma para o Brasil, sem falar na restricao do pentagono em aceitar a continuidade de vender ”municao”. Segundo analistas, o Brasil ficaria com um monte de ferro voador, desarmado, alem da enorme diferenca do custo hora/voo.

Leopoldo Duarte
4 anos atrás

Vou fala coisa que muitos não tem coragem, seria muito melhor dividir o país do que fica do jeito que está, fala que somos uma nação é uma piada uns trabalho e outros sugam dos outros, parece que não tem nada ver com o assunto mais enquanto tivermos a maioria da população (povão) preocupados com novela, carnaval e futebol sempre seremos uma piada…

Carlos Campos
Carlos Campos
4 anos atrás

Leopoldo e vamos dividir como? pq se for como estou achando que vc está pensando melhor desistir e reanalisar seu pensamento. Sobre o F35 já foi, teremos Gripen vamos investir nele criar uma versão dedicada a ataque eletrônico ( Gripen GROWLER) e no futuro comprar caças 5,5G e rechear com tecnologia brasileira, mas isso vai depender de como o povo em Brasilia vai pensar e planejar o país para as próximas décadas

Vader
4 anos atrás

Caro Ednaldo, a proposta da Boeing/Super Hornet para o Brasil foi, ao contrário das concorrentes, pública e aberta, e previa quase à exaustão quais as tecnologias que seriam transferidas, e quais as armas que seriam fornecidas. Inclusive nomeava quantos mísseis, quantas bombas etc. seriam fornecidas num primeiro momento, uma exigência legal para a liberação da compra posterior de armamento. Não houve qualquer negativa americana às tecnologias que foram solicitadas pela FAB, ao revés: as tecnologias que a FAB pediu o governo americano e o Senado se comprometeram a transferir. Inclusive a tecnologia para integrar armas nacionais. A lista de armamentos… Read more »

E.Silva
E.Silva
4 anos atrás

Vader,

Concordo com você em relação a proposta americana, estava no papel, mas aquilo foi diferente de tudo que eles nos ofereciam antigamente, então essa desconfiança não era totalmente infundada, e o Snowden tratou de enterrar qualquer voto de confiança..
Agora conhecendo a sua visão sobre custos para se operar um Rafale na FAB, você realmente acharia viável operar um Super Hornet por essas bandas?
Ps: Mesmo considerando a economia de escala dos americanos.

juarezmartinez
juarezmartinez
4 anos atrás

Ednaldo, se a proposta da Boeing não estivesse de acordo com as premissas estabelecidas pela Copac que gerencia o FX 2, o F 18 não estaria no short list. Todos os armamentos solicitados pela FAB fora aprovados pelo DOD e amplamente divulgados.
O F 18 só não levou porque Tio Sam mandou o emissário “Pixuleco” enviado pelo GF para “pampa q pariu”, o famigerado “Marcondes”…..

G abraço

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
4 anos atrás

O emissário pixuleco pro Rafale não era o Jobim?

Ednaldo Queiroz
4 anos atrás

Prezado Vader, respeitosamente me dirijo a voce para assegurar que nao falo em vao, acompanhei de perto a cerimonia de anuncio aberta aos meios de comunicacao pelas autoridades ( Comandante da aeronautica Juniti Saito e ministro Celso Amorim), nessa cerimonia foi deixado bem claro pelas autoridades presentes que a unica proposta aberta e sem restricoes, no que diz respeito a transferencia de tecnologia, foi a da SAAB. Vejo porem que aqui nesse forum de opinioes tao esclarecedoras, porem as vezes beirando ”insultos anti-petistas”, a informacao se distancia em conteudo e se aprofunda em divergencias ideologicas. Assumidamente, voto no PT, e… Read more »

groosp
4 anos atrás

Esse vídeo é ridículo! Como se os EUA fossem obrigados a fornecer tecnologia desenvolvida com o dinheiro deles ou vender itens estratégicos a qualquer um. Esse vídeo só mostra a mentalidade tacanha de nossas autoridades. O Brasil nem é um aliado dos EUA. Muitas vezes nos posicionamos contra só de birra. O exemplo mais recente foi a nossa proposta de negociar com o Estado Islâmico. Quando vi este vídeo senti vergonha alheia desse brigadeiro.

groosp
4 anos atrás

Essa história de transferência de tecnologia irrestrita no caso do Gripen é coisa que só trouxa acredita. Não poderemos, por exemplo, vender o avião para a para a Argentina e nem seremos capazes de produzir os equipamentos que não podem ser vendidos aos nossos hermanos.

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
4 anos atrás

Groosp, o MB Weber mostrou a realidade. Não tem que efetuar julgamento do mérito da questão. É função dele mostrar porque temos que desenvolver tecnologia nacional. Aliás, o MB Weber (que é Doutor), é muito competente. Quanto aos posicionamentos do GF ” por birra”, concordo com você. É isso que dá termos um governo “bolivariano”, uma presidAnta guerrilheira e um chanceler de fato chamado Marco Aurélio Garcia. Mas, isso não é culpa da FAB e da indústria aeroespacial brasileira, que sofrem as consequências. Ednaldo, muito bom o vídeo. Só uma correção: não é Major, é Major Brigadeiro (oficial general de… Read more »

groosp
4 anos atrás

Rinaldo Nery, claro que temos que entrar no mérito da questão. O brigadeiro fica o vídeo inteiro dando exemplos de casos em que os EUA não nos fornecem tecnologia desenvolvida e paga por por eles. Por que deveriam fornecer? Por acaso nós forneceríamos alguma tecnologia desenvolvida aqui para os EUA sem levar em consideração os interesses nacionais? Se os EUA, por exemplo, pedissem os blueprints daquelas centrífugas de enriquecimento de urânio que usam tecnologia de levitação eletromagnética nós forneceríamos? Se eles quisessem comprar uma centrífuga destas nós venderíamos? Claro que não! Se quisermos produzir algo de forma independente devemos estar… Read more »

Ednaldo Queiroz
4 anos atrás

Rinaldo Nery, obrigado pelo seu esclarecimento, porem o ”talvez major” ( Nao me recordo), o qual fez esclarecimentos preciosos e mais centrados em compras e aquisicoes trata-se conforme citei no meu post, de um outro video o qual infelizmente nao consegui localizar. Sou um entusiasta das nossas forcas armadas, e torco sempre para que se consiga verbas suficientes para que nao se interrompa os projetos ja em andamento, bem como pela criacao de mais centros especializados em pesquisas e aprimoramento das nossas forcas. Nao tenho duvidas quanto a capacidade do nosso contigente, porem ainda estamos a dever no quesito ”ferramentas”,… Read more »

carlos alberto soares
carlos alberto soares
4 anos atrás

Lord Vader, Galdério JM e Cel Nery,
Onde assino ?
Cel o Pixuleco do NJ era nas alturas, línguas PreTas comentam que até castelo na Riviera tinha entre outros mimos.
Ademas compartilho com o Lord e o JM, SH era meu “favorito” também e creio que no ano que vem já estaríamos em 4/8 unidades no GDA.
Mas dado ao atual cenário, um monoturbina não vai mal, agora a o Francélico jamais !

J. Buzoli
J. Buzoli
4 anos atrás

Parece que o povo da conta de padaria se esquece do quanto a Coréia do Sul é mais estrategicamente importante para os EUA do que o Brasil.
A Coréia do Sul é “só”vizinha da abominável Coréia do Norte e da China, entre outros… Acham mesmo que o preço final é calculado como se estes aviões fossem comprados de uma prateleira?

Vader
4 anos atrás

Caro Ednaldo, provavelmente você se refere ao vídeo do Brigadeiro Venâncio, de triste memória. Vídeos como estes produzidos pela FAB apenas envergonham o Brasil e os brasileiros, na medida em que demonstram como estamos sempre tentando dar uma de “ixperrrtuxxx” ao adquirir por preço de uso civil tecnologia americana de uso dual para alavancar nossos projetos de defesa, além disso sem que obtenhamos as necessárias autorizações legais para tanto. Se este fosse um país sério o alto comando da FAB deveria mandar retirar estes vídeos do youtube. Depõem contra a FAB. Depõem contra o Brasil e seu povo. Aliás, parêntese:… Read more »

carlos alberto soares
carlos alberto soares
4 anos atrás
carlos alberto soares
carlos alberto soares
4 anos atrás

Vixi:
“F-35 is an overpriced pile of crap and not even half as good as the euro fighter and they have so many issues with the avionics the damn thing still isn’t mission ready, especially the marine corps model! My son (active airforce) works on the engines and this thing is no better than the F-16 its replacing!”
Comentário de um Âmi no link acima.
Veremos, para mim Israel Adir será a prova de fogo !

Vader
4 anos atrás

Caro Carlos Alberto, ninguém consegue ser mais antiamericano que um americano. 😉

Aliás, estão certos em criticar: são eles que pagam a conta e é a segurança deles que estará em jogo, vale dizer: é o rabo deles que está na reta. 🙂

Mas entre garantir o direito à crítica e esta proceder vai uma distância bem grande.

Sds.