quarta-feira, outubro 20, 2021

Gripen para o Brasil

Lockheed Martin conclui ensaios de durabilidade do caça F-16

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

F-16 over Afeganistan

Os dados ajudarão a identificar um limite estendido seguro de horas de voo para o Bloco 40-52 do F-16

FORT WORTH, Texas, 03 novembro de 2015 – A Lockheed Martin (NYSE: LMT) completou mais de 27.000 horas de voo simulado em uma aeronave F-16C bloco 50 e agora está analisando os dados para determinar a durabilidade do avião para além da sua vida de serviço original projetada de 8.000 horas.

O F-16C Bloco 50 foi testado para 27.713 horas de voo equivalentes (EFH) durante 32 rodadas de testes de estresse abrangentes em Teste de Durabilidade em Escala Completa (FSDT) nas instalações da Lockheed Martin, em Fort Worth. A célula foi então sujeita a várias condições de carga máxima para demonstrar que a célula ainda tinha força suficiente para operar dentro de seu pleno envelope de voo operacional.

A aeronave está agora na desmontagem da fase de inspeção e fractografia do programa de teste. Dados de ensaio, coletados ao longo de quase dois anos, serão usados para identificar um limite estendido definitivo de horas de voo para o venerável F-16 Fighting Falcon e demonstrar a segurança e a durabilidade da aeronave bem além de sua vida útil do projeto original.

Os resultados do teste de durabilidade serão usados para ajudar a projetar e verificar o Programa de Extensão da Vida em Serviço (SLEP) de modificações estruturais para os caças F-16 pós-Bloco 40 e apoio de certificação de vida útil para pelo menos 12.000 EFH. O SLEP visa prolongar a vida útil de até 300 caças F-16C/D Bloco 40-52 em serviço.

Os SLEP e upgrades de aviônicos relacionados para os F-16C/D da Força Aérea podem aumentar com segurança e eficácia a estrutura de caças da força dos EUA e de forças aéreas aliadas, enquanto estas se reequipam com o F-35 Lightning II.

“A conclusão bem-sucedida dessa fase de testes de durabilidade em larga escala demonstra que este avião foi construído para durar”, disse Susan Ouzts, vice-presidente do programa F-16 da Lockheed Martin. “Isso deve fornecer ainda mais confiança para atuais e potenciais novos clientes do F-16, que provado em combate continuará a desempenhar um papel crucial na segurança internacional. Programas de modernização do F-16 em andamento, nomeadamente a F-16V, vão assegurar que os F-16 voem, lutem e vençam no futuro “.

Por mais de 40 anos, o F-16 provou-se como o caça de 4ª geração multi-função mais capaz do mundo, servindo como carro-chefe da frota de caças para 28 clientes em todo o mundo. O F-16V, a configuração mais recente do F-16, inclui inúmeras melhorias destinadas a manter o F-16 na vanguarda da segurança internacional. Lockheed Martin concluiu com êxito o primeiro voo do F-16V em 16 de outubro de 2015.

DIVULGAÇÃO: Lockheed Martin

- Advertisement -

2 Comments

Subscribe
Notify of
guest
2 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Iväny Junior

Importante um teste destes para enfatizar que os problemas nas asas são da geração anterior.
Mas sobre caça de 4ª geração, a Lockheed não parece conhecer o F-15…
Aliás, o silent eagle pode finalmente virar realidade. Israel pediu informações à Boeing.

https://www.flightglobal.com/news/articles/israel-requests-extra-squadron-of-f-15s-418487/

BrancoF-16

O F-16 é uma aeronave formidável, que a FAB perdeu de ter nos últimos 20 anos, se a decisão tivesse sido tomada lá atras teríamos uma força com um bom numero de aeronaves, pilotos bem adestrados, custo relativamente baixo e um valor dissuasório muito bom. E isso sim que é pós venda para os clientes, até hoje fazendo testes para que possa ser prolongada a vida útil das células, além dos upgrades para aeronave continuar apta nos cenários atuais. O F-35 vai substituir esse vetor incrível isso é fato, no entanto ainda acharia valido a Lockheed Martin continuar com essa… Read more »

Últimas Notícias

FAB realiza enlaces de dados entre aeronaves usando o LINK-BR2 pela primeira vez

Os voos foram realizados durante a execução da Operação Íris, como foi denominada a segunda fase de ensaios de...
- Advertisement -
- Advertisement -