Home História da Aviação Caça Mitsubishi A6M Zero restaurado vai voar novamente no Japão

Caça Mitsubishi A6M Zero restaurado vai voar novamente no Japão

1537
4

Zero vai voar novamente no Japão

Magdalena Osumi

ClippingNEWS-PAQuase 70 anos depois de ter voado pela Marinha Imperial Japonesa, um avião de combate Mitsubishi A6M Zero está sendo preparado para mais uma vez voar no céu do Japão para marcar o aniversário do fim da Segunda Guerra Mundial.

Muitas vezes referido como Reisen, ou Zero, o avião, construído pela Mitsubishi Heavy Industries e em serviço entre 1940-1945, foi trazido de volta para o Japão em setembro do ano passado dos Estados Unidos, onde tinha sido armazenado.

Exibido atualmente na base aérea de Kanoya, da Força de Autodefesa Marítima, na província de Kagoshima, foi remontado e seu motor testado em 7 de julho com a ajuda de engenheiros da US Federal Aviation Administration.

“Esperamos que ele possa fazer as pessoas refletirem sobre o passado e pensar em seu futuro”, disse Hitoshi Okubo, porta-voz da empresa Zero Enterprise Inc., com sede em Delaware nos Estados Unidos, que iniciou o projeto de trazer a aeronave para o Japão.

Mais de 400 caças Zero estavam ativos no Pacífico e desempenharam um papel significativo no ataque surpresa japonês a Pearl Harbor, em dezembro de 1941.

“Nós queríamos dar aos jovens, em particular, a oportunidade de pensar sobre o impacto da guerra”, disse Okubo ao The Japan Times na segunda-feira, apontando para o valor do avião como um ativo educacional.

“Há discussões em torno das políticas do Japão sobre o direito à legítima defesa coletiva… mas como podemos esperar que os jovens expressem suas opiniões sobre o futuro, se eles não conhecem o passado de seu país?”, disse ele.

Zero vai voar novamente no Japão - 2

Se o avião for liberado, será a primeira vez que voará no espaço aéreo do Japão desde a guerra. Outro caça Zero, que foi alugado dos EUA, foi levado ao Japão e voou duas vezes, em 1978 e 1995.

A empresa planeja pedir ao governo a autorização para o voo esta semana, mas seu destino permanece incerto devido a preocupações de segurança, disse Okubo. Se realizado, o avião será pilotado por um piloto norte-americano, já que nenhum japonês tem uma licença para operar um Zero, acrescentou.

O Zero tinha uma velocidade máxima de 533 quilômetros por hora e um alcance de 3.105 quilômetros.

Este avião particular foi encontrado em Papua Nova Guiné em 1970 e mais tarde restaurado pelo colecionador e proprietário atual Masahide Ishizuka, que comprou o avião em 2008.

O exemplar é um dos seis Zeros existentes que são capazes de voar, das quais cinco permanecem armazenados ou em exposição nos Estados Unidos, de acordo com a Zero Enterprise Inc.

FONTE: www.japantimes.co.jp

Subscribe
Notify of
guest
4 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Edcarlos Prudente
Edcarlos Prudente
5 anos atrás

Uma excelente aeronave em seu tempo, porem possuía graves deficiências técnicas que foram decisivas para o fim flamejante de muitos de seus contemporâneos durante a guerra.
Velo voar novamente será um grande privilegia!

Saudações

Mauricio Silva
Mauricio Silva
5 anos atrás

Um dos avioes de linhas mais limpas e harmoniosas. Sacrificou seguranca e poder de fogo em funcao de alcance e manobrabilidade. Foi referencia como caca na epoca do seu lancamento em combate. Exelente aparelho, mas que foi superado no decorrer do conflito. Um dos mais belos avioes de todos os tempos, na minha opiniao.
Sds.

Jackal975
Jackal975
5 anos atrás

Que inveja desses países que preservam a sua memória, sua história.
Sobre o que Maurício Silva disse mais acima, sempre me chamou a atenção a velocidade em que as aeronaves, durante a II Guerra, surgiam como “estado da arte” e pouco tempo depois já restavam superadas por outra máquina recém surgida. Prova de que a urgência, a necessidade inadiável e o desespero muitas vezes são o maior incentivo à criatividade humana.

ci_pin_ha
ci_pin_ha
5 anos atrás

Segundo uma dessas revistas especializadas em aviação, nós temos um P-47 em condições de voo desde 1995, que só não voou por causa de uma Portaria. O MUSAL ainda o mantem em condição de voo, revisado e motor girando frequentemente.