Home Nota Oficial Suspenso o uso de aeronaves da FAB para deslocamento de autoridades aos...

Suspenso o uso de aeronaves da FAB para deslocamento de autoridades aos domicílios

511
6

EDA 60 anos - C-99 da FAB taxiando sob forte chuva na manhã de sábado - foto Nunão - Poder Aéreo

Abaixo, texto de decreto publicado na última quinta-feira, 9 de abril, no Diário Oficial da União, suspendendo o uso de aeronaves da FAB para o deslocamento de autoridades para seus locais de domicílio – ou seja, o uso fica agora restrito a outras situações já previstas (no Decreto 4.244 de 2002), como as viagens a serviço e emergências médicas.

Decreto nº 8.432, de 9 de abril de 2015

Restringe o uso de aeronaves do Comando da Aeronáutica em deslocamentos para o local de domicílio. 

A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, caput, inciso VI, alínea “a” da Constituição,

Art. 1º Fica suspensa a utilização de aeronaves do Comando da Aeronáutica em deslocamento para o local de domicílio, na forma do inciso III do caput do art. 4º do Decreto no 4.244, de 22 de maio de 2002, para as autoridades de que tratam os incisos III e IV do caput do art. 1º desse Decreto. 

Art. 2º Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação. 

Brasília, 9 de abril de 2015; 194º da Independência e 127º da República.

DILMA ROUSSEFF

Jaques Wagner

Este texto não substitui o publicado no DOU de 10.4.2015

NOTA DO PODER AÉREO: o uso de jatos e outras aeronaves da FAB (notadamente do GTE – Grupo de Transporte Especial) por autoridades para ir e voltar de seus domicílios de origem não deveria ser apenas suspenso – palavra que denota ação restrita no tempo, podendo-se voltar à situação anterior – mas proibido de uma vez. Essas aeronaves deveriam, de uma vez por todas, ter o seu uso restrito, única e exclusivamente, para autoridades da administração federal em viagens a trabalho, algo que é considerado importante num país do tamanho do Brasil. Além disso, esse uso precisa ser bem regulamentado, pois já foram noticiadas “maquiagens” de viagens oficiais para fins de campanha eleitoral.

Enfim, perde-se uma boa oportunidade de, ao invés de apenas suspender uma prática prevista em decreto anterior mas que se mostrou perniciosa (devido ao uso excessivo, perdulário e muitas vezes distorcido), aboli-la de uma vez por todas e também tornar mais definidos os limites para o uso dessas aeronaves, que devem ser vistas como ferramentas de trabalho e não como privilégios.

VEJA TAMBÉM:

6
Deixe um comentário

avatar
6 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
6 Comment authors
Felipe MoraisVaderjoseboscojrAldo GhisolfiMauricio R. Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Wellington Góes
Visitante
Wellington Góes

Concordo integralmente com a nota do Editor. Uma coisa são viagens a serviço, outra coisa são as mordomias e comodidades que estas autoridades acham que merecem por conta do cargo que ocupa. Aliás, diversos outros “benefícios e auxílios” também deveriam ser extintos, seja às autoridades do Executivo, bem como Legislativo e, principalmente, Judiciário, além das outras instituições correlatas.

Até mais!!! 😉

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

Chove!!!

Aldo Ghisolfi
Visitante
Member
Aldo Ghisolfi

Muito bom!

A atitude do governo só foi tomada pela denúncia da mídia… e acho, como o editor, que os voos deveria ser terminantemente proibidos, salvo a serviço.

joseboscojr
Visitante
Active Member
joseboscojr

Eu até sou favorável que os chefes de Poder usem aviões da FAB, mas não dá pra patota toda. E nem tem pra todo mundo!!

Vader
Visitante
Member

Mais uma medida demagógica da demiurga no poder. Jogo de cena. Só.

Desde que me conheço por gente que se fala em proibir o uso das aeronaves da FAB por altas figuras da República.

Nunca vingou. Nunca irá vingar.

Demagogia populista. Apenas isso.

Felipe Morais
Visitante
Felipe Morais

To cansado das pecuinhas do governo vigente. As viagens não só pelos aviões da FAB, mas todas aquelas custeadas pelo Estado brasileiro devem ser restritas ao máximo para o exercício do cargo, devendo todas serem publicadas com a devida justificativa. E uma justificativa plausível, com a descrição das atividades que seriam desenvolvidas no local de destino. É uma farra total. Parlamentares não devem ter verba para viajar 7 vezes por ano. A atividade deles é em Brasília, não vejo essa necessidade de viajar a semana toda. Isso é mais uma das ações desesperadas para tentar fazer a poeira baixar. Depois… Read more »