Home Busca e Salvamento (SAR) Exercício de Busca e Salvamento é destaque em operacionalidade

Exercício de Busca e Salvamento é destaque em operacionalidade

523
7

H1H - Exercício Carranca IV - foto sgt Johnson Barros - FAB

Operação Carranca teve mais de 170 horas de voo em missões simuladas de resgate no mar e na terra

 

Foram mais de 170 horas de voo durante os 12 dias do maior exercício conjunto de Busca e Salvamento (SAR, do inglês Search and Rescue) da América Latina. No total, 11 aviões e helicópteros foram empregados em missões simuladas para atualizar e capacitar as unidades responsáveis pela prestação desse serviço. Exercício Carranca IV - salto paraquedistas - foto sgt Johnson Barros - FABEm média, cinco simulações de acidentes por dia exigiam o acionamento dos esquadrões para localizar e resgatar náufragos, embarcações à deriva, aeronaves acidentadas e pilotos ejetados. Mais de 450 pessoas, entre militares e civis, estiveram envolvidas diariamente em operações realizadas no mar e na terra. Os números foram alcançados durante o Exercício Carranca IV, realizado em Florianópolis (SC) nas 2 últimas semanas, e superam todas as edições anteriores.

Para elevar a qualidade e eficiência do SISSAR, que é o Sistema de Busca e Salvamento Aeronáutico Brasileiro, foram aprimoradas técnicas de resgate, como o emprego de Óculos de Visão Noturna (NVG, do inglês Night Vision Goggles), a coordenação de evacuação aeromédica de plataforma marítima e o uso de cães farejadores. Uma parceria com a Marinha do Brasil garantiu o emprego de içamento sobre convés, além de busca e resgate de alvos simulados.

H1H - Exercício Carranca IV - foto 2 sgt Johnson Barros - FAB

Exercício Carranca IV - maca levada para Blackhawk - foto sgt Johnson Barros - FAB

Entre as novidades conquistadas nessa edição está o trabalho de cinco médicos, engajados na avaliação das equipes. Visando à tarefa de salvar vidas, os profissionais de saúde apontavam os pontos positivos e negativos de cada missão e, ainda, coordenavam a simulação de vítimas, com bonecos sintéticos e figurantes. Os manequins representavam a figuração de cada cenário de acidente e estavam maquiados com fraturas expostas, queimaduras, lesões e outros ferimentos mais graves.

De acordo com um dos coordenadores do exercício, Major Aviador Fábio Lourenço Carneiro Barbosa, o investimento trará benefício à sociedade que contará com profissionais capacitados e sempre engajados em salvar vidas. “Com o aprimoramento dos resgateiros, em termos de atendimento pré-hospitalar e transporte aeromédico, a nossa prestação de serviço será com toda a certeza mais eficiente”, declara.

Exercício Carranca IV - foto sgt Johnson Barros - FAB  Exercício Carranca IV - navio da MB - foto sgt Johnson Barros - FAB

Resgateiro

Os resgateiros são os militares formados com a função de socorristas da FAB. Eles trabalham embarcados em aeronaves e utilizam paraquedas para saltar. São eles que realizam o atendimento pré-hospitalar a vítimas de acidentes aeronáuticos. Também podem ser envolvidos em atendimento a vítimas de desastres naturais, como enchentes, terremotos ou deslizamentos.

FONTE / FOTOS: FAB (Agência Força Aérea)

Subscribe
Notify of
guest
7 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Marcelo Moraes
Marcelo Moraes
5 anos atrás

Parabéns a todos os envolvidos!

Brandenburg
Brandenburg
5 anos atrás

“Para que outros possam viver”. Parabéns a todos que fazem da atividade SAR e CSAR sua opção de vida!

Brandenburg
Brandenburg
5 anos atrás

Há um filme muito interessante sobre o desprendimento da tripulação de um heli baseado em porta-aviões, responsável pelo resgate de pilotos navais americanos abatidos, durante a guerra da Coréia. O título é “As pontes de Toko-Ri” e o pessoal da velha guarda deve ter conhecimento. È antigo mas vale a pena pesquisar e assistir.Atores principais: William Holden e Mickey Rooney. Não riam por favor!Sds

Brandenburg
Brandenburg
5 anos atrás

Pois é Nunão. Acho que sou um pouco mais antigo e ainda assisti ao lançamento, no extinto Cine Rian, na Av Atlantica, em Copacabana.Pelo menos a gente ficava na fila vendo a praia. Saudosismos a parte, muito interessante era o modelo de helicoptero usado naquele inico dos anos 50 para salvamento e resgate. Quando vemos os modelos atuais com suas capacidades, temos que tirar o chapéu para aquela turma.Sds.

Brandenburg
Brandenburg
5 anos atrás

Acabei de assistir no you tube o trecho final. O modelo era o mesmo, talvez mais novo, com alguma melhoria. mas mesmo assim muito simples. Eles tinham que ser tudo numa missão, piloto, auxiliar, segurança, enfermeiro e mais alguma coisa que aparecesse.Eram valentes. Valeu Nunão.Obrigado.