Home Aviação de Transporte Portugal paga mais 34 milhões de euros para programa de construção de...

Portugal paga mais 34 milhões de euros para programa de construção de novo avião militar da Embraer

585
21

KC-390 - roll out - 21-10-2014 - foto 7 Nunão - Forças de Defesa

ClippingNEWS-PAVerba teve luz verde esta quarta-feira pelos ministros das Finanças, Defesa e Economia. Portugal participa com mais 30 países no programa da Embraer que desenvolve avião que pode substituir o C130.

O Governo vai reforçar a parceria com a Embraer para a construção do avião militar de transporte estratégico KC-390, disponibilizando mais 34 milhões de euros para o projeto. Segundo o despacho assinado pela ministra das Finanças, pelo ministro da Defesa e pelo ministro da Economia, publicado esta quarta-feira em Diário da República, este programa tem “importância estratégica” e há interesse para continuar a apoiar o projeto financeiramente.

Reprodução tela apresentação Embraer Roll Out KC-390 outubro 2014 - foto NunãoAinda segundo o despacho, “constatou-se a insuficiência do montante de 30 milhões de euros inicialmente fixado para as medidas alternativas” e isso levou a um reforço financeiro de 34 milhões e 800 mil euros por parte do Governo português.

Em outubro de 2014, o ministro da Defesa, José Pedro Aguiar-Branco, disse que “eventualmente em 2015″ haveria uma “decisão do ponto de vista político e financeiro” sobre a possibilidade de compra por parte de Portugal dos aviões KC-390. Portugal assinou com a empresa aeronáutica brasileira – tal como outros 30 países – um protocolo em que está prevista a compra de até seis aviões KC-390. O primeiro destes aparelhos foi apresentado em outubro no Brasil e algumas das partes da aeronave são construídas em Portugal.

O KC-390 é o maior avião que a Embraer já construiu e poderá vir a substituir os seis aviões de propulsão a hélice Hércules C130 da Força Aérea Portuguesa – e cujo programa de substituição é uma das prioridades estabelecidas na revisão da Lei de Programação Militar.

FONTE: Observador

COLABOROU: Zampol

21
Deixe um comentário

avatar
19 Comment threads
2 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
11 Comment authors
Luiz FernandorommelqeMauricio R.Wellington GóesFernando "Nunão" De Martini Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Zampol
Visitante
Zampol

Lendo várias vezes o parágrafo só me fez aumentar a curiosidade em saber quais seriam as “medidas alternativas” que justificariam o investimento desses 64 milhões de euros (30 +34).

É muito dinheiro. Principalmente para um país que, a duras penas, começa a sair da crise severa em que se encontrava Portugal. Compra um avião e sobra.

Peço a ajuda dos colegas para esclarecer o possível destino dessa verba.

wfeitosa
Visitante
wfeitosa

Senhores, É sabido que o dono intelectual do projeto é a FAB, e sendo assim, como entram esses recursos no projeto? Via incentivos fiscais para as unidades de produção da Embraer por lá? Se houve essa verba na forma de incentivos fiscais, 30 +34 mil, considerando que cada unidade do KC está orçada em algo próximo a 60 milhões, podemos então dizer que Portugal já gastou algo corresponde a uma unidade do KC … Claro que houve contrapartidas industriais, geração de emprego local e outros desdobramentos positivos… Será que na hora “da verdade”, quando eles tiverem que escolher entre gastar… Read more »

eduardo pereira
Visitante
Member
eduardo pereira

Não nos esqueçamos de que estes milhões estão em euros que estam valendo mais de tres vezes o real.

Kojak
Visitante
Member
Kojak

“wfeitosa
20 de fevereiro de 2015 at 14:46 #”

“Alguém conseguiria me dizer, quanto se gasta para modernizar um único C130 dos bigodudos?? E se eles tem capacidade para fazer isso em território local? (considerando capacitação local, lógico)”

Não, não tem essa capacidade;

IAI/LAHAV seria melhor destino, mas ……

Itália, USA também o fazem.

http://www.iai.co.il/2013/34047-23350-en/IAI.aspx

Kojak
Visitante
Member
Kojak
Kojak
Visitante
Member
Kojak
Kojak
Visitante
Member
Kojak

wfeitosa

Cu$to$

Dependerá do que se fará e das necessidades que a célula exigirá.

Não tenho tais dados, são muito variáveis.

“Caso a EMBRAER raciocine tendo os Hércules(todos) como concorrentes, esse foco está incorreto.

Vai tomar muita “porrada”.

Ela terá que “criar” ou “enxergar” um novo nicho de mercado.

Associar-se a um player facilitará muito, Boeing ?

Vender para seus sócios no projeto muito importante e a FAB/GF/MD/top top honrarem a compra da FAB é vital.”

Mas com o custo de um KC 390, creio que se coloque dois ou três C 130 em estado de arte.

Saudações

Rafael Oliveira
Visitante
Member
Rafael Oliveira

Tem que levar em conta que um avião modernizado não é a mesma coisa que um avião novo, ainda mais no caso de trocar o Hércules pelo KC-390.

A fadiga da estrutura cobra seu preço e não é uma revisão que irá tornar o avião 0 km. O mesmo vale para motores.

Aí vai do potencial cliente escolher o quer. Modernizar o Hércules velho? Comprar Hércules novo? Comprar o KC-390?

Todas com suas vantagens e desvantagens.

Vader
Visitante
Active Member

Mal comparando, Portugal está para o “Gordinho” como o Canadá para o F-35: é um investidor no projeto; mas se vai comprar o produto final, não sabe. Embora eu ache que nos dois casos vão.

Penso que no caso do Gordinho o projeto é PARA a FAB e não DA FAB. Se ela deverá receber royalties das vendas por isso já não sei; creio que não. Mas os países participantes e investidores com certeza receberão.

Rafael Oliveira
Visitante
Member
Rafael Oliveira

Zampol,

Como a reportagem não explicou, farei uma suposição.

O Governo Português tem 35% do capital da OGMA (empresa que fabrica partes do KC-390).

Talvez esses investimentos sejam aportes dos acionistas na empresa (ampliação das instalações, compras de ferramental, etc) sendo esta a parte que coube ao GP, cabendo à Embraer e demais acionistas aporte proporcional.

Zampol
Visitante
Zampol

Não entendo o vosso raciocínio: Um avião nasce dos requisitos de uma determinada Força Aérea para substituir (em alguns requisitos deve superar) os seus C-130, e, na hora de vender para outros países o fabricante não pode se propor como adversário da família Hercules? Porquê? Se não falar que é um suo concorrente a LM não vai notar e vai deixar a Emb sossegada conquistando novos clientes? Então tá fácil, combinamos todos de dizer que o KC-390 é para substituir os Casa espalhados pelo mundo. Aqueles bobalhões da LM nem vão perceber a nossa jogada e quando isso acontecer jà… Read more »

Zampol
Visitante
Zampol

Obrigado Rafael,

Pode ser isso mesmo.

Rafael Oliveira
Visitante
Member
Rafael Oliveira

Zampol, por nada.

E, aliás, concordo plenamente com seu comentário anterior.

Outros comentaristas daqui do PA defenderam essa tese de que a Embraer não deveria mexer com a LM, pois se daria mal. Mas eles se referiam mais ao marketing da Embraer, até poque ela já fez o avião que será naturalmente concorrente do Hércules.

Agora é encarar a realidade e tentar vendê-lo.

wfeitosa
Visitante
wfeitosa

Kojak 20 de fevereiro de 2015 at 15:38# Cu$to$ Dependerá do que se fará e das necessidades que a célula exigirá. Mas com o custo de um KC 390, creio que se coloque dois ou três C 130 em estado de arte. ………… Quando digo fazer uma atualização, penso que seja no mínimo no mesmo padrão do KC-390… E sendo atualizado seus avionicos e motores, qual passa a ser a vida útil da célula como um topo? Não se pode atualizar eternamente um equipamento… Comparando de maneira tosca, até a Kombi, que tem uma fração da complexidade do C130 teve… Read more »

Kojak
Visitante
Member
Kojak

“Mas qual FFAA está com grana em caixa pra gastar a vontade?”

Já respondeu !

Rafael,

As variáveis meu amigo, as variáveis ……..

Quer que eu as elenque ?

Lembrando:

Sou EMBRAER de carteirinha, lembra-se ?

Mas dai a ……………

Saudações

Wellington Góes
Visitante
Wellington Góes

Ou seja Nunão, o espectro de concorrentes é maior do que apenas um. Em determinadas situações, o KC-390 poderá concorrer com o C-130, em outras, com outros concorrentes com mais ou menos capacidade, neste caso o que estará em jogo é a capacidade da Embraer evidenciar as vantagens custo-benefício de se operar o KC-390 em detrimento de outros maiores e/ou menores e não, necessariamente, a faixa/categoria que ele se encontra. Pelo menos é este o meu entendimento.

Até mais!!! 😉

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

Inicia-se a fase de industrialização da aeronave, pois existe a encomenda da FAB a ser atendida.
Assim os parceiros industriais do projeto devem capacitar suas plantas de produção, para a fabricação seriada de partes e peças destinadas as 28 células brasileiras de produção.
Qnto aos C-130 Hércules no inventário da FAP, dependendo da complexidade de sua reforma, já autorizada pelo legislativo português, poderá ser executada no âmbito da própria força aérea, mediante o fornecimento de kits ou pela OGMA; pois é certificada pela LM na manutenção e reforma de aeronaves C-130.

rommelqe
Visitante
rommelqe

A FAB e a Embraer ja são vitoriosas. Apenas o fato de ter conseguido fazer um primeiro voo seria o suficiente. Claro que o KC-390 vai ainda muito mais longe. Quanto aos lusitanos: sua participação é muito importante, mas sua soberba impede-os de admitir que são coadjuvantes neste processo. Suas fábricas em Évora e alhures só sobreviveram/ existem hoje, por que a Embraer as comprou e nelas investiu pesado. Inclusive com tecnologia desenvolvida em boa parte no Brasil. O “custo” adicional de €34000000 é irrisório frente aos benefícios e aos investimentos que lá já fizemos. Ao inves de ficarem amargando… Read more »

Luiz Fernando
Visitante
Luiz Fernando

Só um detalhe… as fábrica em Évora não foram compradas pela Embraer… foram construídas do zero pela Embraer.

Antes da Embraer chegar a Évora, no terreno das fábricas só havia mato.