sábado, novembro 27, 2021

Gripen para o Brasil

Projeto de foguete em parceria com Ucrânia ruma ao fracasso

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

cyclone

Após gastos de R$ 477 milhões, não há previsão para lançamento do Cyclone-4

POR ROBERTO MALTCHIK

ClippingNEWS-PARIO – O primeiro é cilíndrico e repousa em solo ucraniano. O Cyclone-4 é revestido por uma vasta carcaça metálica de 40 metros de comprimento e, teoricamente, seria capaz de levar satélites de quase quatro toneladas a cerca de 400 quilômetros da superfície da Terra. O segundo adormece no Maranhão. Não menos imponente, o canteiro de obras, encravado em uma área cedida pela Aeronáutica no Centro de Lançamento de Alcântara (CLA), serviria de base para que o foguete europeu rompesse a barreira atmosférica e completasse sua missão no espaço.

A dupla, fruto de uma parceria entre Brasil e Ucrânia, já consumiu, entre 2007 e 2014, R$ 477 milhões do contribuinte brasileiro e atingiu um impasse crítico, que reúne todos os elementos para transformá-la no maior esqueleto da história do Programa Espacial Brasileiro. Oficialmente, o governo nega que tenha jogado a toalha, mas dá pistas de que o fracasso é iminente.

Para que fosse viável comercialmente, o projeto, liderado pela binacional Alcântara Cyclone Space (ACS), deveria ser lucrativo desde 2010, com o lançamento de satélites produzidos nos cinco continentes, ao preço unitário de US$ 50 milhões. Porém, passados cinco anos, o foguete nunca saiu da fábrica. Ainda não rendeu um tostão.

OBRAS PARADAS HÁ PELO MENOS UM ANO

O Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) reconhece que a empreitada requer “investimentos adicionais que alteram profundamente os custos iniciais”. E informa que “não há previsão” sequer para conclusão das obras em Alcântara. Muito menos para o primeiro lançamento.

As obras do complexo espacial de Alcântara estão paradas há pelo menos um ano, quando o Palácio do Planalto travou a liberação de dinheiro para o consórcio constituído por Odebrecht e Camargo Corrêa, que ganhou o contrato em 2010, sem licitação. Muitos operários já abandonaram a cidade, descrentes da conclusão do empreendimento, que chegou a reunir, ao mesmo tempo, cerca de dois mil trabalhadores.

Já o foguete está com cerca de 87% de desenvolvimento; entretanto, sua conclusão depende da evolução da contraparte brasileira – e dos ajustes que serão necessários para que ele possa disputar uma fatia do mercado. Hoje, não há mercado para o Cyclone-4. A comunidade espacial da Ucrânia, que já apostou alto no projeto, agora desdenha da parceria com o Brasil.

Há seis meses, a partir de um diagnóstico devastador apresentado pelo ex-ministro Marco Antônio Raupp, o Planalto criou uma comissão interministerial para salvar o projeto. Mas fontes indicam que não há solução à vista.

Pelo contrário: o MCTI não tem dinheiro reservado para o projeto Cyclone este ano. O orçamento na área espacial está dedicado ao monitoramento da Terra, dado o impacto dos efeitos da estiagem que assola o Sudeste. Isso sem contar que o Brasil ainda não firmou o acordo com os Estados Unidos para que componentes tecnológicos americanos sejam operados no Brasil.

Apesar do naufrágio lento e gradual da missão Cyclone, sua concepção continua sangrando os cofres públicos, quase ao largo da fiscalização estatal. Em 2014, nenhum centavo entrou para pagar as empreiteiras, embora R$ 13 milhões tenham irrigado o pagamento de diretores, de conselheiros, de funcionários e de encargos administrativos.

Em parecer emitido em 9 de julho de 2014, a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN), ao manifestar-se sobre pontos que seriam discutidos na assembleia geral da ACS, salienta aspectos curiosos das contas da binacional, relacionados à remuneração de funcionários e às obras em Alcântara.

Em 31 de dezembro de 2013, a ACS acusou a Agência Espacial Brasileira de não repassar R$ 132,6 milhões para pagar gastos assumidos na base de lançamento, teoricamente, sob responsabilidade do Brasil. Porém, a auditoria independente contratada para analisar as contas daquele ano apontou que Brasil e Ucrânia sequer haviam definido o tamanho da responsabilidade brasileira no projeto, ou dos custos e o retorno financeiro na empreitada.

“Não obtivemos evidências totais sobre definição técnica, acerca dos orçamentos da origem financeira e de capital suficiente para retomada e conclusão das obras. Em vista disso, não temos como opinar, como não opinamos, sobre o referido saldo, sobre os efeitos que a incerteza poderá ocasionar na capacidade de continuidade operacional da Binacional, devido à falta de definição da retomada das obras, dos recursos totais necessários para realização do projeto, do orçamento do fluxo de caixa e, consequentemente, sobre o retorno dos investimentos realizados, podendo ocasionar reduções relevantes no ativo e no resultado da Binacional”, diz a auditoria.

No que diz respeito ao pagamento de honorários, a PGFN concluiu que, em 2013, a ACS superou em R$ 12 mil o limite de R$ 4,49 milhões com o pagamento de 22 diretores e conselheiros, fiscais e de administração, dos quais metade é brasileira e a outra, ucraniana. Nesse parecer, a PGFN explicou que os administradores da ACS recebem gratificação natalina, adicional de férias, seguro saúde e auxílio moradia.

No parecer, é citada a necessidade de “fixar em um décimo da remuneração média” dos dirigentes os honorários pagos aos conselheiros, bem como de “vedar o pagamento de qualquer item de remuneração não liberado” pela assembleia geral. A PGFN não detalha a razão dessas observações. Ainda frisou que a remuneração do atual exercício foi apresentada sem “manifestação favorável do Ministério Supervisor nem do Conselho de Administração”.

O GLOBO procurou o MCTI, a PGFN e a Controladoria Geral da União (CGU) para saber quem fiscaliza os gastos da ACS. A CGU e a PGFN asseguraram, por escrito, que não têm mandato para fiscalizar a empresa. O MCTI não respondeu quem fiscaliza a ACS. Também não se manifestou sobre como avalia a eficiência e o controle dos recursos públicos usados no projeto.

Nenhum representante da política espacial aceitou falar sobre os desdobramentos do projeto Cyclone-4 e o que pode ser feito para salvá-lo.

FONTE: O Globo

- Advertisement -

57 Comments

Subscribe
Notify of
guest
57 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Kojak

________________________

COMENTARIO EDITADO

NOTA DOS EDITORES: SÉRIE DE MEIA DÚZIA DE COMENTÁRIOS REPETITIVOS DE VÍDEOS E UM DE PROVOCAÇÃO INUTIL APAGADOS. VOCE JÁ FOI ADVETIDO MAIS DE UMA VEZ A PARAR DE FAZER ISSO, O QUE NÃO AGREGA NADA AO DEBATE E SÓ POLUI OS BLOGS.

SE PROSSEGUIR NESSA LINHA, SERÁ SUSPENSO DE NOVO.

Mauricio R.

Xí, será que depois do “Mensalão” e do “Petrolão”, ainda teremos o “Foguetão”???

marlon maia

uma vergonha este projeto foi feito so para roubaren dinheiro para valer e iclivel como pode ja te gastado um bom montante de dinheiro e nada pronto como pode o brasil nao da conta de colocar um foguete no espaco e muita incopetencia ……..

Alexandre Galante

Kojak, por favor não polua os comentários com vídeos. Os editores agradecem.

Brigadeiro Antônio de Sampaio

_________________________________________

Na Argentina eles estão processado a congênere dela por lá… rapaz… ou tomamos uma atitude ou nunca mais vamos sair desse atoleiro.

O problema é que nesse programa ou não tem propina ou a propina não vale a pena.

COMENTARIO EDITADO. LEIA AS REGRAS DO BLOG NA COLUNA DA DIREITA DA PÁGINA. NÃO USE ESTE ESPAÇO PARA FAZER PROPAGANDA OU CONTRAPROPAGANDA POLÍTICA. PRIMEIRO AVISO.

Antonio M

R$ 477 milhões gastos ainda sem resultado prático e não gastaram R$120 milhões com o laboratório espacial que colocaria o país em outro patamar.

Uma comédia se não fosse realmente trágico.

hamadjr

Bom tem coisas que vão para o buraco este vai pro espaço e caro brigadeiro, não é 20 anos meu senhor é a história da descovernaça não tem seu inicio neste governo os outros foram escolas.

Wolfgangus Mozart

O governo ucraniano agradece os préstimos monetários do contribuinte de banânia sem nenhuma contrapartida. E os marajás de pijama ou não igualmente.

orts

acho que ninguem aqui está surpreso, embora muitos, inclusive eu, tivessem esperança de que dessa vez fosse ser diferente, o programa espacial brasileiro nao irá decolar enquanto estiver disperso e sob responsabilidade diversas agencias e orgaos independentes e competindo por orçamento.

Ozires

Brigadeiro Antônio de Sampaio

Congratulo-me com seu comentário.

Infelizmente chegamos a era de descalabro total.

Mas há chance de sairmos dessa, acredite, é possível.

Guilherme Poggio

Estava eu lendo para os meus filhos o livro “Caçadas de Pedrinho”, escrito por Monteiro Lobato e publicado pela primeira vez em 1933. Uma das histórias narra a fuga de um rinoceronte de um circo que havia chegado ao Rio de Janeiro. O causo tomou conta do país. Por este motivo foi criado o Departamento Nacional de Caça ao Rinoceronte, contando com diversos cargos públicos no seu organograma (incluindo grande número de datilógrafas e “encostados”). É claro que nenhum deles tinha interesse em achar o rinoceronte. Se isto ocorresse, todos perderiam o cargo. Bom, troquem a palavra “rinoceronte” por “Cyclone… Read more »

joseboscojr

O Universo agradece.
A possibilidade de que brasileiros venham a colonizar a galáxia ficou mais uma vez afastada.

Wellington Góes

Orts, comentário pertinente o seu. A pulverização orçamentária para fazer a mesma coisa é algo rotineiro e pouco se faz para corrigir estas distorções corriqueiras.

Aliás, esta duplicidade, quando não triplicidade, de ações acontece tanto com o programa espacial, como de outros projetos/programas federais, civis e/ou militares, já passou da hora a reestruturação disso. Mecanismos sistêmicos é o que não falta, o que falta mesmo é vergonha na cara.

Até mais!!! 😉

joseboscojr

Perfeito Poggio.

Liborio

kkkkkkkkkk
boa bosco!

joseboscojr

Tem país muito orgulhoso que não aceita ser rabo de tubarão e vai continuar a vida inteira a ser cabeça de sardinha.

jose caetano

bom ainda acredito em uma reviravolta pois estamos em grande desenvolvimento acho havera de alguma forma uma liberação de verba para dar continuidade não e possivel perder tamanha quantia em investimento e sair sem mais nem menos com explicações absurdas de fracasso ja basta a corrupção enorme na petrobras que e uma mãe onde alem dos filhos da patria ainda sustenta os carrapatos vamos ter um pouco de esperança

Jr

E tem mais, para piorar a Yuzhmash a empresa que fabrica os cyclone IV esta na mesma situação da nossa avibras, todos os seus trabalhadores estão de licença, tendo em vista que a Russia cancelou todos os programas que tinham com a mesma, (A Rússia era a principal parceira e compradora dos produtos da Yuzhmash).Resumo da obra a Yuzhmash esta falida, não tem dinheiro sequer para pagar os 7 meses de salários atrasados dos seus funcionários. Agora quanto a essa passagem da matéria: “A comunidade espacial da Ucrânia, que já apostou alto no projeto, agora desdenha da parceria com o… Read more »

Brigadeiro Antônio de Sampaio

O texto da matéria contraria o título. Ora, não me parece que um projeto com 87% do desenvolvimento concluído, como diz o próprio texto, esteja indo rumo ao fracasso. Estamos mais perto de terminar o projeto do que voltar atrás, e a parte que falta, se for mesmo só a construção de uma base de lançamento, não me parece que seja tão complexa assim. Li em algum lugar sobre este projeto, que o que falta depende da Rússia, e como está em conflito com a Ucrânia, isso tem atrasado o término do Cyclone. Mas me parece que estamos mais perto… Read more »

soldat

Muito triste o que acontece na área espacial no Brasil.

O Brasil tem que optar se quiser ir ao espaço, domina-lo e fazer dinheiro.

Escolher parceria com a China ou com a Russia só existem esses dois caminhos para o desenvolvimento espacial Brasileiro.

Gustavo

Mais incentivo às pesquisas nacionais . Buscar parcerias sólidas e de projetos que se possam ser concretizados em menor espaço de tempo possível . Acabar de vez com cargos de empresas paradas no tempo e que consomem recursos se não obtiverem retorno intelectual ou financeiro . Deveria ser lei.

Oganza

A uns 2 anos atrás o forista Soyuz veio aki e disse que se essa geringonça voasse não adiantaria de nada… pois seu desempenho e capacidades constadas na ficha não atendia a quase nenhuma parcela de mercado e seria esforço, dinheiro e energia desperdiçados.

“…e dos ajustes que serão necessários para que ele possa disputar uma fatia do mercado. Hoje, não há mercado para o Cyclone-4.” – depois desse trecho do post muito do que ele disse se esclarece.

Todo o resto é a boa e velha mentalidade Proselitista Unfanística e sem Critério Brasileira.

Grande Abraço.

joseboscojr

Maurício,
Você esqueceu do “Submarizão Nuclearzão” ou se preferir “Subnuclão”.

David Rodrigues

Trágico. Lembremo-nos da ação estadunidense contra a “transferência” de tecnologia dos ucranianos para nós, dito isso acredito que esse dinheiro e o tempo gasto até agora seria muito mais proveitosos se fosse usados para desenvolver a tecnologia espacial que ainda não dominamos.

Bille

É o melhor que temos…

Kojak

“Alexandre Galante 15 de fevereiro de 2015 at 13:42 #” Galante & EDITORES, Senhores, Não coloquei os vídeos para “sujar” o PA ou ao tema. Os comentários estão abertos e o que eu quis demonstrar foi uma sequência de eventos em datas crescentes para mostrar o fracasso da empreitada, com cinco anos de atraso e sem perspectiva de um término razoável. O próprio texto faz críticas bem mais contundentes. Apenas um trecho da matéria: “Apesar do naufrágio lento e gradual da missão Cyclone, sua concepção continua sangrando os cofres públicos, quase ao largo da fiscalização estatal. Em 2014, nenhum centavo… Read more »

Farroupilha

87% dos altos sálarios pagos só isso. Confeccão do foguete = zero. A fuzelagem enviada para o Brasil… … os ucranianos pegaram uma carcaça encostada num canto a jatearam, pintaram, e maliciosamente colocaram a bandeirinha deles e do Brasil, para mostrarem que o dinheiro enviado por nós (meu e seu dinheiro) estava sendo investido no projeto. “Carcaça de aço até meu serralheiro, com dinheiro, faz.” – Erro total do Ministério do Exterior e da Secretaria de Assuntos Extratégicos do Governo Federal… Como que um aliado dos EUA, que são contra declaradamente de nosso projeto espacial, nos repassaria tecnologia sensível? Só… Read more »

Bento

Caros senhores

Boa noite!

Gostaria de um esclarecimento.
Li em algum lugar que esse modelo de foguete apresenta sérios problemas ambientais pelo combustível que usa, motivo pelo qual ele é considerado inadequado para uso, pela precipitação de elementos tóxicos na atmosfera.
Se isso procede, como ficaria o licenciamento ambiental do empreendimento?

Agradeço antecipadamente

Bento

joseboscojr

David, Russos e americanos foram ao espaço na década de 50 e não tiveram ajuda de ninguém, e naquela época não tinha computador e nem algumas milhões trabalhos publicados sobre o tema, de acesso irrestrito. Não venha com essa de embargo americano ou de ação americana para atrasar ou impedir nosso acesso ao espaço que não cola. Mesmo porque, a Ucrânia era da esfera de influências da Rússia e pensar que ela poderia acatar alguma sugestão de sei lá quem de Washington é meio que demais. Essa falência da empreitada é só mais uma dentre várias cuja culpa é única… Read more »

Guizmo

joseboscojr
15 de fevereiro de 2015 at 15:02 #
O Universo agradece.
A possibilidade de que brasileiros venham a colonizar a galáxia ficou mais uma vez afastada.

KKKKKKKKKKKKKKK ri alto aqui

Wellington Góes

Sabe o que é mais chato dos comentários? É o festejo de alguns só porque são contra, ideologicamente, do GF de plantão. Críticas sempre são bem vindas, mas li pouquíssimas críticas construtivas, quase nenhuma, o resto é só comemoração por este projeto, dentre outro, está se arrastando. Nunca fui muito favorável à tal parceria com os ucranianos, aliás, ninguém ajuda alguém para no futuro se tornar um concorrente, entendo que faltou foco e uma melhor colaboração entre as instituições nacionais envolvidas. Acho que houve erro de foco, atiraram pra muitos objetivos, sem êxito em nenhum, ou pouquíssimos. Se o principal… Read more »

Ricardus

Dear Wellington, você é contra a parceria com os ucrqanianos porque você acha que toda e qualquer parceria tem que ser necessariamente com os russos. Ideologicamente você só é favorável se for com a China e Rússia. Saiu dessa esfera você é contra. Ideologia, eu quero uma pra viver (by cazuza).

David Rodrigues

joseboscojr, Creio que me expressei mal (até no português!). Houve, e isso é fato, interferência norte americana na empreitada entre os dois países o que não justifica de modo algum não termos feito nossa lição de casa e desenvolvido tecnologia própria. Li vários artigos inclusive aqui, sobre a falta de foco no nosso programa espacial foco esse que compromete a geração das atividades. Em 1992 já haviam técnicos e políticos dizendo que o tempo e os recursos gastos para desenvolver algumas das tecnologias que ainda hoje importamos, que não compensaria o investimento e que era melhor importarmos. Também lembro que… Read more »

David Rodrigues

Bento,

O combustível que os ucranianos usam é hidrazina, altamente tóxico ao meio ambiente.

Bento

David Obrigado pelo esclarecimento. Com isso fica um questionamento: Mesmo não sendo um ambientalista fanático, entendo, sob o ponto de vista técnico, pelo que li sobre hidrazina, que não seria possível o lançamento desse artefato a partir do território nacional, por não ser possível obter a devida autorização ambiental, que é necessária para qualquer empreendimento público ou privado, ou seja, desde o início estamos gastando dinheiro para supostamente obter uma tecnologia que não podemos usar. Efetivamente, se isso não é jogar dinheiro fora, não sei o que é. Quanto a já termos gasto o equivalente a mais de 80% do… Read more »

roberto

ja era a crônica de um fracasso anunciado. já nasceu errado desde o começo!

Marcelo Pamplona

Sou de opinião parecida com a do Bosco e de outros colegas. Nossos governantes, assim como nosso povo, tem uma estranha visão de serem mais “espertos” que os criadores da roda. Como já bem dito acima, Rússia e EUA foram ao espaço numa época que os melhores computadores tinham capacidade de processamento inferior a maioria das calculadoras de bolso. Portanto, que se invista num projeto nacional (ainda que não seja o supra sumo da modernidade tecnológica) com premissas orçamentárias factíveis e cronogramas realistas e que nos possibilite sermos independentes no lançamento de satélites (o mínimo que se espera para uma… Read more »

Johnatan

Enumerado os problemas existentes quanto a viabilidade atual do ciclone, quanto a combustivel toxico – seu uso seria embargado por leis ambientais, material sensivel para conclusao do projeto em dependencia Russa – hoje em conflito com Ucrania, entao esqueçam tais materiais, sem contar a suposta falencia da produtora do foguete, e obras paradas, o que fazer ? deixar a Base em alcantara como esta e quando estivermos proximo da conclusao do primeiro VLS EPSILON, terminar a obra Cortar custos com desocupados do PEB e extinguir a ACS Direcionar recursos racionados ao ITA, DCTA, para aplicaçao pesada em PESQUISA, focar em… Read more »

Johnatan

CORRIGINDO

…isso tbm por meio de intercambio em locais de referencia como no MIT por exemplo – onde todos aprendem sem distinçao de nacionalidade – isso seria a real transferencia de tecnologia.

OU

Jogar o PEB nas maos da iniciativa privada nacional e promover incentivos fiscais a estas

Jogar O VLS pro alto – ARQUIVAR

Focar no 14X e propulsor a laser

Colocar um engenheiro / Cientista / Militar no comando do MCTI …

Juggerbr

22 Diretores…. nem sabia que havia tanto cientista graduado aqui no BR pra ocupar essas cadeiras… fora sei lá quantos aspones juntos!

joseboscojr

Valeu David!
Entendi!
E não dá mesmo pra ninguém investir meio bilhão de reais, ter um monte de brasileiros de alto nível no programa e não detectar que está havendo interferência externa.
Se detectada tal ingerência (no caso, dos americanos), caberia a nós nos retirarmos de imediato e ainda fazermos uma representação judicial contra os ucranianos.
Um abraço.

Space Jockey

Vergonha ! Optaram por investir os recursos no projeto “Pão e Circo”

Taí o resultado

Wellington Góes

Ricardus, como é que é?!?! Kkkkkkkkkkkk

Desculpe amigo, só rindo mesmo depois de sobre a tua análise psicológica (ou adivinho) sobre o que eu penso. Rsrsrs

Até mais e um ótimo carnaval!!! 😉

felipe

Hum. Muitos comentários em pleno carnaval. É o pessoal pulando e comentando. Rs. Estou gostando das últimas matérias. Em pleno carnaval teoricamente período de vacas magras para notícias, aqui não para. Pois bem. Mais uma matéria com muita matéria-prima para discussão. Vários paises tem veículos lancadores. China, india. É tão difícil construir? Teoricamente é um tubo cheio de combustível que deve sofrer ignição. O problema são os detalhes. Em 2003, não foi possível aproveitar nada do conhecimento? O conhecimento n deve estar na cabeça de uns poucos mas registrado em documentos projetos que possam ser postos em prática. O queva… Read more »

felipe

Aqui querem fazer fábrica para tudo. A saab quer construir uma fábrica. Os submarinos precisaram de toda uma base. Já para esse foguete precisavam construir uma fábrica. Se fizerem outra parceria precisará de mais fabricas? O ideal é usar as instalações já existentes onde com certeza já constroem algo.

felipe
felipe
Who Dat!

Esse projeto não foi para frente poque 3% de comissão sobre R$ 477 milhões para a _____________ é troco de pinga, então não há interesse.
É triste, temos um do sítios de lançamento mais bem localizados do mundo, mas a incompetência do governo e o descaso com qualquer coisa que possa trazer benefícios a nação impedem que nosso país progrida.

COMENTARIO EDITADO

Marcelo Danton Silva

Gente ! Ppensem um pouco.
Para que fazer um buracao enorme e cheio de tecnologia na Serra do cachimbo? Claro que o Brasil já tem ao menos uma bomba. OS EUA e Europa sabem disso.
O Brasil esperar lucro num acordo desses é bomba de fumaça.
Ou desenvolvemos em laboratórios ultra secretos o lançador e com segurança leal e reforçada ou NÃO desenvolvemos. Ponto final. O boicote será duríssimo. Tem de apresentar prontinho e lançar certo logo de primeira. Pegar o mundão de surpresa. Único e utópico jeitão já que estamos infestados de espiões patrióticos.

Fernando

Esse foguete usa toneladas de hidrazina,um combustivel muito toxico, que em caso de acidente pode causar graves consequencias.

Últimas Notícias

Mais fotos dos primeiros caças Gripen E de série para a Suécia e o Brasil

A Saab divulgou mais imagens dos primeiros caças Gripen E de produção em série apresentados essa semana para a...
- Advertisement -
- Advertisement -