Home Noticiário Internacional IAI e FAB negociam contrato para 767 tanker

IAI e FAB negociam contrato para 767 tanker

534
21

 B767 tanker convertido IAI

Acordo deverá ser retomado nos próximos meses

 

ClippingNEWS-PAA IAI (Israel Aerospace Industries) e a Força Aérea Brasileira reiniciaram as negociações para o contrato de aquisição de três Boeing 767-300ER, que serão convertidos em reabastecedores.

O contrato inicial entre a IAI e a FAB foi assinado no início de 2014, mas teve de ser paralisado devido as eleições presidenciais em outubro. Atualmente as partes devem formalizar os detalhes contratuais, que inclui o plano de conversão. Inicialmente o projeto prevê que o primeiro exemplar seja convertido em Israel e os dois restantes no Brasil, pela TAP Manutenção e Engenharia Brasil, em Porto Alegre, RS.

A TAP, anteriormente Varig Engenharia e Manutenção, realizou em meados de 2005 algumas conversões do Boeing 767 em parceria com a IAI.

B767 tanker convertido IAI - foto 2A chegada dos 767 Tanker são fundamentais para a FAB reestabelecer sua capacidade de transporte estratégico e de reabastecimento em voo com aeronave a jato, que foi temporariamente paralisado devido a aposentadoria do KC-137.

De acordo com os requisitos formulados pela FAB, o aviões serão convertidos a partir de células usadas do Boeing 767-300ER devendo realizar reabastecimento em voo, transporte estratégico de carga e tropa e evacuação aeromédica.

A IAI possui ampla experiência na conversão do Boeing 767 de passageiros na versão cargueira, mas atualmente produziu um único 767 reabastecedor, vendido a Colômbia. O projeto israelense batizado de 767 MMTT (Multi-Mission Tanker-Transport) é considerado um dos mais modernos e flexíveis da categoria, permitindo uma série de configurações, incluindo a instalação de pods de reabastecimento, boom de reabastecimento aéreo, ou ambos. Além de uma série de opções de layout interno.

FONTE: UOL, via Notimp

IMAGENS: IAI (em caráter meramente ilustrativo)

VEJA TAMBÉM:

21
Deixe um comentário

avatar
21 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
11 Comment authors
Wellington GóesRafael OliveiraHMS TIRELESSGilberto RezendeCorsario137 Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Corsario137
Visitante
Corsario137

Até que enfim!
Pensei que isso também já tinha ido pro saco junto com a modernização do A-1 e dos F-5.
Pena que serão apenas 2 unidades. Operacionalmente é muito aquém do que a FAB precisa.

Vamos ver se a tesoura permite.

André Sávio Craveiro Bueno
Visitante
Member
André Sávio Craveiro Bueno

Corsario, o texto menciona três exemplares. Há alguma outra fonte que cita serem apenas dois?

Oganza
Visitante
Oganza

Rapa… esse “Jupiter” colombiano ficou muito bonitão… 😀

A FAB precisa desesperadamente desse KC… a não conclusão dessa aquisição incorre até na perda de doutrina. Na verdade acho até que esse é ponto mais importante: Manutenção da Doutrina.

Grande Abraço.

Kojak
Visitante
Member
Kojak

Colegas Corsário137 e André,

São três.

Parece que uma será VIP – uma vez que são 767ER, dizem que é um pedido da Tia, ela não gosta de escalas.

Uma pena, três para a FAB já seria o mínimo.

Abraços

Edcarlos Prudente
Visitante
Edcarlos Prudente

Aparentemente serão três células, um numero para manter o mínimo de disponibilidade. Ótimo seria se fossem seis, no entanto, é melhor rezar para que as três células sejam confirmadas!
Já houve alguma negociação ou procura por células disponíveis para conversão, será a IAI ou FAB que irá negociar a compra das mesmas?

Mudando de assunto, Senhores editores já passa um mês que comprei a revista n° 12, porem não recebi meu exemplar, houve algum atraso no despacho?

André Sávio Craveiro Bueno
Visitante
Member
André Sávio Craveiro Bueno

Kojak,

Em outro post vc mencionou a tia como Eny. A menção temalguma inspiração em uma certa personagem de Bauru (SP)? 😀

Oganza
Visitante
Oganza
Oganza
Visitante
Oganza
Kojak
Visitante
Member
Kojak

Oganza,

Lindas fotos.

De novo os Colombianos, simples e prático. Acessível e operacional.

Kojak
Visitante
Member
Kojak

André,

faz tempo.

Abraços

rommelqe
Visitante
rommelqe

“Se näo me engano” a TAP tem capital luso. Que tal uma contrapartida de TDN ( sigla de troca de negócios: nos quebramos o galho deles e permitimos que nossos portoalegrianos brasileiros , que possuem emprego m POA façam as operaçóes de adaptaćäo dos dois ultimos KC-767 das tres unidadez aqui e eles cumprem com seus compromissos assumidos e confirmem a encomenda dos KC-390), Deviamos batalhar para que em solo brasileiro os tributos etc. ficassem no msáximo iguais àqueles de Évora. Se isso acontecesse transferimos de volta a produção de estruturas em fibra de carbono para o Brasil e eles… Read more »

Baschera
Visitante
Member
Baschera

Srs

O contrato original assinado com a Israel Aerospace Industries prevê a conversão de dois Boeing 767-300ER comerciais, com opções para mais dois.

Sds.

Baschera
Visitante
Member
Baschera

Na minha opinião, este é o contrato cuja definição e assinatura final é o mais urgente para a FAB neste momento e provavelmente será o mais importante do ano, que deverá ser de vacas magras….

Sds.

Corsario137
Visitante
Corsario137

Kojak,

Então, só ficam 2.

Sds.

Kojak
Visitante
Member
Kojak

Corsario137

Caro colega,

“A IAI (Israel Aerospace Industries) e a Força Aérea Brasileira reiniciaram as negociações para o contrato de aquisição de três Boeing 767-300ER, que serão convertidos em reabastecedores.”

São 3.

Esse pedido da Tia foi postado nos “ping pong” anteriores,
se não me engano pelo JM ou Cel. Nery. Ou outro militar ligado a FAB.

Veremos ………. se é que veremos ………

Tesourão bravo no MD.

Gilberto Rezende
Visitante
Gilberto Rezende

Continuo sem certeza da real configuração destes abastecedores. Já que o governo optou pelo KC retrofitado e não aeronaves novas de fábrica… Pelo menos desta vez seja coerente com as aspirações de participação militar em operações internacionais e invista para ampliar os exercícios internacionais Cruzex dotando estas unidades tanto do sistema Pod e introduzindo o sistema Boom na FAB. Tanto para dotar a FAB de mais esta competência e de torna-la apta para exercícios com as forças americanas e países que usam o sistema em suas aeronaves. Além da possibilidade de estimular uma maior participação na Cruzex dispensando a presença… Read more »

HMS TIRELESS
Visitante
Member
HMS TIRELESS

Concordo em gênero, número e grau Giba! Ficar apenas com o sistema probe and drog limita a FAB não apenas em exercícios como até em uma eventual operação militar sob a forma de coalizão.

Ps: vai reclamar agora de eu ter citado você Giba?..rs!

Oganza
Visitante
Oganza

Voou…

não, não foi o nosso, foi o dos Yankees… 😀

Foi o first flight de testes do Boeing KC-46 Tanker que durou 4 horas.

http://www.youtube.com/watch?x-yt-ts=1422327029&x-yt-cl=84838260&v=fz5qZ4YZ8so

Grande Abraço.

Wellington Góes
Visitante
Member
Wellington Góes

Acho eu que a concorrência que levou à vitória desta proposta foi meio confuso, botando no mesmo balaio concorrentes novos e usados, no meu entender poderia ser só aeronaves novas, ou só aeronaves usadas, isto abriria o leque de opções, por exemplo. Tipo assim, se só aeronaves novas o processo seria limitado, basicamente, entre Boeing e Airbus. Mas sendo um processo com somente aeronaves usadas, aí sim o leque se abriria mais com, além das empresas citadas apresentando, respectivamente, aeronaves usadas suas, traria a baila a própria IAI e/ou outras mais se houverem. E ai, neste certame, teríamos a possibilidade… Read more »

Rafael Oliveira
Visitante
Member
Rafael Oliveira

Wellington, não vai achar que estou pegando no seu pé, mas, nos termos em que foi realizada a licitação, o que impediu que outras empresas oferecessem outras aeronaves usadas?

Para mim, da forma que foi feita, houve a maior abertura a concorrência, abrindo várias opções para a FAB escolher o que seria melhor para ela, em termos de custo-benefício.

Até mais!

Wellington Góes
Visitante
Member
Wellington Góes

Fale Rafael, sem problemas, quando o questionamento é feito de forma a clarea o entendimento, não tem porque não faze-lo. Não sei direito a resposta, mas tenho uma ideia. No meu entender tanto a Boeing, quanto a Airbus não propuseram aeronaves usadas neste certame, acredito eu, por dois motivos: O primeiro deve ter sido por motivo de preservação dos seu portfólio de novos, ou seja, eu só vendo aparelhos novos. Se o licitante quer modernizar/adaptar uma aeronave usada própria, do seu inventário, então é outra situação, é um processo licitatório específico para aeronaves usadas (o que não foi o caso);… Read more »