Home Sistemas de Armas Israel terá mais um esquadrão de caças F-35 a partir de 2019

Israel terá mais um esquadrão de caças F-35 a partir de 2019

649
47

f-35-aim-120

Um novo esquadrão de 19 jatos F-35 Joint Strike Fighter será incorporado a partir de 2019 à Força Aérea de Israel, após a decisão de comprar um outro lote de aviões ser confirmada pela IAF e funcionários do governo. Estes caças recém-projetados são um passo adiante em relação ao F-16I, especialmente com a adição de novas tecnologias furtivas e aviônicos no estado-da-arte.

O Lockheed Martin F-35 é considerado um dos aviões mais poderosos e capazes em produção. Vai tornar-se o primeiro avião de baixo assinatura radar em uso pelo IAF, o que significa que ele usa tanto a sua estrutura e eletrônica para tornar-se “invisível” ao radar do inimigo e outros dispositivos de monitoramento.

A primeira compra dessas aeronaves foi feita em 2010 e os primeiros aviões são esperados para desembarcar em Israel em 2017. Como qualquer outro avião que entrou em serviço na IDF, o F-35 receberá um nome hebraico, “Ha-Adir” (O Grande).

Em muitos aspectos, o F-35 é uma versão moderna do F-16, já em uso pela IDF. Construído como um avião pequeno monomotor, o Ha-Adir é extremamente eficaz devido à sua versatilidade, já que pode realizar qualquer tipo de missão: de apoio aéreo aproximado a voo em qualquer tempo, e, naturalmente, “dogfights” dentro e fora do alcance visual.

Melhor desempenho do que o F-16I

Por quê caças de quinta geração? Por duas razões principais: tecnologia stealth e aviônicos. A tecnologia stealth permite que a aeronave voe praticamente despercebida por qualquer inimigo. Por muitos anos, esses sistemas eram muito caros para ser implantados em pequenas aeronaves, pois só poderiam ser utilizados em bombardeiros maiores e mais caros, como o B-2 ou o F-117. O recém-desenvolvido F-35 permite a incorporação desses recursos a um preço baixo de manutenção.

O F-35 também é fabricado com a melhoria dos sistemas eletrônicos de bordo. Os sensores, incluindo radar, sistemas de infravermelho, e sistemas de guerra eletrônica ativos são todos montados na aeronave durante a produção. Eles servem como uma parte integrante do avião e não como “add-ons”, que são comuns em outras aeronaves.

Como resultado destas melhorias, os pilotos da IAF receberão uma imagem mais precisa e completa do campo de batalha em tempo real. O F-35 vai permitir que eles se posicionem melhor e tenham vantagem em todas as missões que devem enfrentar.

FONTE: IDF – Israel Defense Forces

Subscribe
Notify of
guest
47 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
eduardo pereira
eduardo pereira
5 anos atrás

Galante, “of topic”, e já me achando chatin,rs quando será enviada a primeira remessa da revista ???

Sds.Eduardo o ansioso.

Alexandre Galante
5 anos atrás

Prezado Eduardo, o primeiro lote já foi enviado.

Abs

Júlio Costa
Júlio Costa
5 anos atrás

Aproveitando a pergunto do Eduardo Pereira.

Galante, quando foi enviado esse primeiro lote da revista?
Eu fiz o meu pedido no dia 14/12/2014 e até agora não recebi nada. Tem alguma previsão?

Sds. Julio, o impaciente.

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Júlio Costa
5 anos atrás

Julio,

Na virada do ano, os prazos dos correios são difíceis de se prever. Fazemos o que é possível para agilizar as coisas, mas depois que deixamos nos correios, não dá pra garantir prazo. Esperamos que receba em breve.

Vader
5 anos atrás

Que venha o Ha’Adir da Ha’Avyr!

Marcos
Marcos
5 anos atrás

Canhão rotativo do F-35 somente para 2019.

Claudio Moreno
Claudio Moreno
5 anos atrás

Bem Senhores,

Sinto muito (na verdade é pura mentira) em dizer que o caça que até o presente está custando uma fortuna ao contribuinte americano, nem canhão terá. Pelo menos esta é a previsão até 2019…

Não sei por que, mas isso aí tá pior que os produtos xing ling…pugs um atrás do outro…tá eu sei que é assim mesmo ….nova tecnologia …quebra concerta…quebra vamos para a prancheta…mas na boa … quem brinquedinho caro!

Quem quiser ler o link está abaixo:

http://www.telegraph.co.uk/news/worldnews/northamerica/usa/11319455/F-35-stealth-jet-will-not-be-able-to-fire-its-guns-until-2019.html

CM

joseboscojr
joseboscojr
5 anos atrás

Eu não acredito nessas reportagens de jornalistas leigos. Só acredito em informação oficial.
Não tem o programa pra operar o canhão? Me poupem!!
O canhão seria útil pra apoio de tropas no chão?
O canhão Gau-22 do F-35 nunca foi pensado como sendo esse o objetivo primário. Nem o F-15, 16 e 18 usam o Vulcan com essa função e se já usaram alguma vez foi completamente de improviso.
Duvido muito que seja doutrina da USAF/USMC/USN usar canhão de caça pra tiro terrestre como norma.

Vader
5 anos atrás

Humpf, não deveria nem ter canhão… Arma inútil num caça.

De resto, notícia sem fontes, pra dizer o mínimo.

joseboscojr
joseboscojr
5 anos atrás

Como o F-35 deve substituir o A-10 no futuro, o senso comum diz que ele deverá lutar igual. O problema é que o A-10 não é um avião com um canhão, e sim um canhão com turbinas e asas. O A-10 leva quase 1300 cartuchos de 30 mm e cada um com o tamanho de uma garrafa de coca litro e é sua arma primária, mas esse não é o caso do F-35. Mesmo sendo verdade que o canhão não poderá ser usado até 2019, com certeza vai dar pro pessoal esperar e se virar com as armas que estarão… Read more »

Alexandre Galante
5 anos atrás

Avião sem canhão não dá, míssil falha.

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Alexandre Galante
5 anos atrás

Bom, 2019 está logo ali.

Até lá, tem Hornet, Super Hornet, Fighting Falcon e até Raptor de sobra com canhões.

Temos que nos acostumar, o tempo de desenvolvimento e integração de armas nos caças virou uma eternidade. Dá até sono. Zzzzzzz

Alexandre Galante
5 anos atrás

E porta de bomb bay também pode travar com os mísseis lá dentro.

Marcelo Pamplona
Marcelo Pamplona
5 anos atrás

Tô com o Vader nessa!

Nada de canhão em caça!

Acabaram os mísseis?

Equipa-se a aeronave com funda, zarabatana ou bumerangue*.

🙂

Sds.

*Minha arma predileta, vez que é reaproveitável.

joseboscojr
joseboscojr
5 anos atrás

Galante,
Mas aí cê tá pegando pesado!
Se tiver um gremlin morando dentro de um F-35 ele poder fazer qualquer coisa com literalmente tudo, inclusive ligar a tecla do canhão ao assento ejetor. rsrsss
O canhão é de acionamento elétrico e o motor elétrico pode pifar. A portinhola do canhão pode não se abir. O software que controla a mira do canhão pode começar a passar o aquele game onde as peças vão caindo e se encaixavam (Tetris?).

rrsss

joseboscojr
joseboscojr
5 anos atrás

Marcelo,
E quando acabarem os cartuchos?
Abalroa? rsrsss

Marcelo Pamplona
Marcelo Pamplona
5 anos atrás

Elementar, meu caro Bosco;

Zerou munição da cartucheira?

Se religioso = reza;

Se ateu = pensamento positivo.

Aí abalroa.

Sem muito mimimi, nessa ordem.

🙂

Sds.

Vader
5 anos atrás

Galate, os fuzis da Marinha nunca “travavam” não, ou isso só acontecia no EB? 🙂

Pois é, se isso acontece com fuzil… 😉

Clésio Luiz
Clésio Luiz
5 anos atrás

Bosco, até onde li os F-15E e F-16C usaram bastante o canhão nas campanhas do Iraque e Afeganistão. Lembro até de uma história em que um piloto de F-16 que colidiu com o solo num passe de metralhamento no Iraque. No Afeganistão teve piloto de Tomcat que se recusou a deixar o TO, fazendo passes e esperando a outra escolta chegar. Guerra é um negócio feio, e acho que são poucos os pilotos que deixem de fazer um passe se ele escuta no rádio que o negócio está mal lá embaixo. Teve até quem fizesse passes supersônicos depois que a… Read more »

joseboscojr
joseboscojr
5 anos atrás

Marcelo,
Do jeito que o F-35 é sofisticado deve até ter um modo “colisão” que é colocado em ação depois do piloto se ejetar. rsrsrss

HMS TIRELESS
HMS TIRELESS
5 anos atrás

A reportagem não tem pé nem cabeça e sequer é confirmada pelo Pentágono. Tem cara de lobby, ainda mais porque eu nunca ouvi falar de problema com disparo de canhão.

Marcos
Marcos
5 anos atrás

O canhão rotativo para o F-35 é troço do bicho: é gerenciado por um sistema ótico. Esse é problema!
O F-35 é o avião do futuro, não tenham dúvida, mas a sua plena operacionalidade também está lá, no futuro.

Nick
Nick
5 anos atrás

“preço baixo de manutenção.”…. hihihihi… 🙂

Sobre o Canhão: É sempre melhor TER do que NÃO TER. Vai que…….

[]’s

joseboscojr
joseboscojr
5 anos atrás

Estou tendo dificuldade de postar no Forte.
Parece que é só comigo.

joseboscojr
joseboscojr
5 anos atrás

Como não consigo postar no Forte peço a licença dos senhores para fazê-lo aqui. Sobre trem de pouso tipo esqui e tipo convencional (rodas e pneus). Rafael, O trem de pouso tipo esqui tem amortecedores, mas eu também acho que o tipo convencional é mais eficaz em amortecer impactos no caso de uma queda ou um pouso mais brusco. Acho isso porque nos médios e grandes o convencional é mais comum. Como há trem de pouso retrátil em alguns helicópteros, imagino que eles devam produzir mais arrasto do que os tipo esquis. A vantagem do tipo esquis, ao meu ver,… Read more »

Claudio Moreno
Claudio Moreno
5 anos atrás

Boa noite Senhores! Bem sobre canhões em aviação de caça eu tenho pouco a dizer…afinal como disse antes e todos sabem, minha carreira foi no EB e ainda cavalaria. ..portanto não sou um gênio no assunto, mas…..a experiência mostrou que quem saiu de fábrica sem canhões ou morreu ou precisou improvisar, deixa-me ver: o inglês Harrier ou Sea Harrier, o americano Phanton. Ahhhh ia-me olvidando: mesmo que não haja problemas com o canhão, que esta história de software seja uma tonteria de algum repórter, bem….o F-35 está mostrando-se um bom exemplo em colecionar problemas de toda orde! Ou isso também… Read more »

Mauricio Silva
Mauricio Silva
5 anos atrás

Olá “Humpf, não deveria nem ter canhão… Arma inútil num caça.” Já pensaram assim, lá pelos idos de 1950. A própria concepção de um avião de caça foi questionada na época (havia a proposta de que o “caça” fosse um aparelho “porta mísseis” supersônico, sem qualquer possibilidade de combate à curta distância). As experiências de combate revelaram que um canhão ainda se fazia necessário. Mas a tecnologia mudou (evoluiu), os mísseis atuais são infinitamente superiores a seus equivalentes de primeira geração (e de segunda também) e a eletrônica embarcada num único aparelho pode ter maior capacidade de processamento/coleta/análise de dados… Read more »

joseboscojr
joseboscojr
5 anos atrás

Sobre canhões eu penso o seguinte: com certeza eles eram e são importantes em caças, mas será que continuarão a sê-lo no futuro? O exemplo do Phanton é interessante, mas foi há 50 anos. Se imaginarmos que a confiabilidade dos mísseis continua a mesma hoje do que era há 50 anos podemos desistir de tudo e voltar a usar o arco e a flecha. No caso do F-35 o desenvolveram para ser furtivo e operar do alto, fora do alcance das defesas de baixa altitude. Quando realizar apoio tático o fará do alto, observando com seus sensores de longo alcance… Read more »

Ivan
Ivan
5 anos atrás

Todas às vezes que tentaram operar um caça sem canhão foi necessário rever o avião, por que no combate `de verdade` às distâncias mais cedo ou mais tarde diminuem e o caçador vai agradecer por ter uma boa e antiga boca de fogo.

Foi assim com Phantom, com Harrier e será novamente.

Canhão de tiro rápido será substituído no futuro por canhão de energia direta, talvez “laser”, mas ainda será canhão.

Sds.,
Ivan, an old infantryman. 🙂

Mauricio Silva
Mauricio Silva
5 anos atrás

Olá. Prezado José Bosco, eu concordo com sua análise e conclusão de que a atual tecnologia pode prescindir o uso de um canhão num caça. Porém esse tal “caça” ainda não existe (não foi projetado nem construído). Explico. O caça tem de ser projetado a partir de algumas concepções e requisitos, resultando num aparelho “otimizado” para o cumprimento das missões. Primeira hipótese: o caça será um “transportador” de mísseis e outras armas “inteligentes”; a sua capacidade de cumprir uma missão dependerá mais das características das armas empregadas do que do próprio avião. Cabe ao aparelho levar o armamento até um… Read more »

Alfredo Araujo
Alfredo Araujo
5 anos atrás

Não acredito nessa comparação… década de 50/60 com 2015. Estamos em um nível tecnológico onde um míssil WVR pode ser lançado contra um alvo terrestre !! Pra que canhão ? WVR ? É de conhecimento geral que a manobrabilidade do F-35 é significamente inferior a um jato de 4° geração… Arriscar a vida de um operador de sistemas altamente qualificado, e um vetor de 200 milhões de dólares em uma missão de metralhamento ? Estão de brincadeira !! O custo e o tempo de se treinar um Operador de sistemas (piloto), e exercita-lo ao ponto de ele se tornar um… Read more »

HMS TIRELESS
HMS TIRELESS
5 anos atrás

Quem disse que a manobrabilidade do F-35 é significativamente inferior à dos caças de 4 geração Alfredo, o Carlo Kopp e seu lobby furado e desesperado?

Rafael M. F.
Rafael M. F.
5 anos atrás

joseboscojr 7 de janeiro de 2015 at 0:09 Bosco, Há um fator na equação que está sendo desconsiderado: E quando surgirem aeronaves capazes de igualar o F-35 em furtividade/armamento/sensores/contramedidas? Vou discorrer um pouco historicamente: Na área de armamentos, cada invenção acarreta uma contra-invenção, e em alguns momentos acabamos retornando à estaca zero. Da I Guerra até os Anos 50, buscava-se principalmente desempenho. Com isso a velocidade dos caças foram aumentando progressivamente, embora o armamento até à primeira metade dos anos 30 permanecesse basicamente duas ou quatro metralhadoras calibre de fuzil. Quando o desempenho das aeronaves se equivaleram na segunda metade… Read more »

Rafael M. F.
Rafael M. F.
5 anos atrás

Em suma: se usarmos um F-35 em missões de ataque, o canhão pode ser dispensável.

Mas em uma CAP, uma Fighter Sweep ou uma interceptação, eu faço questão do canhão.

Vader
5 anos atrás

Amigos, o canhão do F-35A só servirá para abate de alvos assimétricos, como disse Bosco. No B e no C só serão usados em último caso e missões muito específicas. Em nenhuma hipótese serão usados em alvos simétricos, seja ar-ar ou ar-terra.

E muito em breve serão todos declarados obsoletos e trocados por canhões laser. Aliás o F-35 já foi preparado para isso.

Rafael M. F.
Rafael M. F.
5 anos atrás

Opa, o Felipe chamou a atenção para um ponto que passou despercebido por mim:

No lugar da palavra “canhão”, eu digo “arma de combate próximo”. Aí pode ser canhão, laser, funda ou atiradeira.

No mais, mantenho minha argumentação.

Iväny Junior
5 anos atrás

Caros Interessante esta discussão do canhão, vale salientar uma coisa. Dentro das próprias projeções e relatórios da USAF que já li e vi depoimentos de oficiais, inevitavelmente e contra uma força massiva, o combate aéreo chegará ao nível visual. E neste nível, ainda que os mísseis sejam formidáveis, o canhão ainda é fundamental. Em outra corrente, o exército americano recentemente testou balas guiadas (http://www.forte.jor.br/2014/08/03/exercito-americano-desenvolve-projetil-que-persegue-alvo/), imagine um caça com 1000 projéteis guiados… Só uma idéia. Quanto à nova encomenda de Israel, acredito que hoje já se pode assumir que o F-35 não é mais “orquinha”. Já virou Ave de Rapina, porque… Read more »

joseboscojr
joseboscojr
5 anos atrás

Dando uma olhada na net é mesmo correta a informação que o Gau-22 só estará operacional em 2019, mas ao contrário da reportagem indicado pelo Moreno, que passa a impressão que tal fato é devido a alguma deficiência no projeto, tal ocorrência já estava previsto há muito tempo, pelo menos desde 2006.
Ou seja, a aeronave segue o cronograma de integração de armas e o canhão só estará integrado a partir do software Block 3, em 2019.

joseboscojr
joseboscojr
5 anos atrás

Eu sou muito confiante na capacidade do F-35, mas nem tudo são flores. A quantidade de mísseis ar-ar é muito reduzida. Deveriam ser pelo menos 6 Amraams. Parece que há essa intenção no futuro e espero que se concretize. Não podendo acomodar e operar pelo menos 6 mísseis MRAAM isso sim configuraria uma falha grave no projeto. Também acho um absurdo não ter mísseis ar-ar de curto alcance numa configuração stealth, pelo menos a princípio. Essa característica talvez não seja importante no princípio, mas como no decorrer da vida útil do caça ele terá que enfrentar os caças de quinta… Read more »

Alfredo Araujo
Alfredo Araujo
5 anos atrás

joseboscojr
7 de janeiro de 2015 at 13:15 #

“Sem falar que não vai depender da manobrabilidade do caça já que conjunto de espelhos pode fazer o feixe laser atingir qualquer alvo no hemisfério que estiver voltado a cabeça do projetor.”
.
.
Mestre Bosco, quer dizer que um caça feito todo de espelhos será invencível ?? kkkk

joseboscojr
joseboscojr
5 anos atrás

Alfredo, Muito se fala que para se defender de um laser bastaria o alvo ser muito reflexivo ou no caso de um foguete balístico, ficar girando. Sem dúvida o dia que os raios lasers estiverem sendo usados o outro lado irá estudar formas de mitigar ou neutralizar o efeito deles. Isso sempre foi assim e continuará sendo desde que o homem passou a guerrear, e como sempre, não é porque existe o escudo que a espada foi aposentada. rsrssss Com certeza um alvo com superfície negra e fosca deve ser mais vulnerável a um laser que um que seja branco… Read more »

Vader
5 anos atrás

Senhores, quanto a uma superfície espelhada refletir um laser de alta energia, isso não é eficaz: embora o “espelho” possa refletir alguma parte da energia, o laser acaba por “queimar” a base da superfície espelhada, que nada mais é que uma superfície opaca sobreposta a uma “permeável” à luz. E isso estamos falando apenas de laser de luz visível: nos casos de outros comprimentos de onda, como infravermelho, ultravioleta, raios X, raios gama, etc., espelho algum funciona. O “canhão” laser deixará obsoletas a grande maioria das armas de projétil. E o legal (ou não, rs) é que veremos isso acontecer… Read more »

Vader
5 anos atrás

PS: o Tio Sam já tem a arma e a plataforma. Basta unir as duas, o que é um grande desafio em si, mas ainda é bem à frente do que o “Charlie” tem.

Justin Case
Justin Case
5 anos atrás

Amigos, boa noite.

Off-topic: Indicação de comandantes para as Forças Armadas:

http://g1.globo.com/politica/noticia/2015/01/governo-escolhe-os-novos-comandantes-da-forcas-armadas.html

Desde o início da sua carreira, o Brig Rossato sempre teve foco na missão operacional da FAB. A dupla Ros-Saito já trabalhou junto em várias oportunidades, com excelentes resultados. Isso deve ter pesado na decisão. Gostei da escolha e desejo continuado sucesso ao novo Comandante.
Abraços,

Justin

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Justin Case
5 anos atrás

Justin,

Já publicamos clipping no blog das Forças Terrestres. Estamos agora colocando chamadas a respeito nos demais.

Abraço!

Mauricio R.
Mauricio R.
5 anos atrás