Home Sistemas de Armas Israel terá mais um esquadrão de caças F-35 a partir de 2019

Israel terá mais um esquadrão de caças F-35 a partir de 2019

622
47

f-35-aim-120

Um novo esquadrão de 19 jatos F-35 Joint Strike Fighter será incorporado a partir de 2019 à Força Aérea de Israel, após a decisão de comprar um outro lote de aviões ser confirmada pela IAF e funcionários do governo. Estes caças recém-projetados são um passo adiante em relação ao F-16I, especialmente com a adição de novas tecnologias furtivas e aviônicos no estado-da-arte.

O Lockheed Martin F-35 é considerado um dos aviões mais poderosos e capazes em produção. Vai tornar-se o primeiro avião de baixo assinatura radar em uso pelo IAF, o que significa que ele usa tanto a sua estrutura e eletrônica para tornar-se “invisível” ao radar do inimigo e outros dispositivos de monitoramento.

A primeira compra dessas aeronaves foi feita em 2010 e os primeiros aviões são esperados para desembarcar em Israel em 2017. Como qualquer outro avião que entrou em serviço na IDF, o F-35 receberá um nome hebraico, “Ha-Adir” (O Grande).

Em muitos aspectos, o F-35 é uma versão moderna do F-16, já em uso pela IDF. Construído como um avião pequeno monomotor, o Ha-Adir é extremamente eficaz devido à sua versatilidade, já que pode realizar qualquer tipo de missão: de apoio aéreo aproximado a voo em qualquer tempo, e, naturalmente, “dogfights” dentro e fora do alcance visual.

Melhor desempenho do que o F-16I

Por quê caças de quinta geração? Por duas razões principais: tecnologia stealth e aviônicos. A tecnologia stealth permite que a aeronave voe praticamente despercebida por qualquer inimigo. Por muitos anos, esses sistemas eram muito caros para ser implantados em pequenas aeronaves, pois só poderiam ser utilizados em bombardeiros maiores e mais caros, como o B-2 ou o F-117. O recém-desenvolvido F-35 permite a incorporação desses recursos a um preço baixo de manutenção.

O F-35 também é fabricado com a melhoria dos sistemas eletrônicos de bordo. Os sensores, incluindo radar, sistemas de infravermelho, e sistemas de guerra eletrônica ativos são todos montados na aeronave durante a produção. Eles servem como uma parte integrante do avião e não como “add-ons”, que são comuns em outras aeronaves.

Como resultado destas melhorias, os pilotos da IAF receberão uma imagem mais precisa e completa do campo de batalha em tempo real. O F-35 vai permitir que eles se posicionem melhor e tenham vantagem em todas as missões que devem enfrentar.

FONTE: IDF – Israel Defense Forces

47
Deixe um comentário

avatar
44 Comment threads
3 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
19 Comment authors
Mauricio R.Fernando "Nunão" De MartiniJustin CaseAlfredo Araujojoseboscojr Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
eduardo pereira
Visitante
eduardo pereira

Galante, “of topic”, e já me achando chatin,rs quando será enviada a primeira remessa da revista ???

Sds.Eduardo o ansioso.

Alexandre Galante
Visitante
Member

Prezado Eduardo, o primeiro lote já foi enviado.

Abs

Júlio Costa
Visitante
Júlio Costa

Aproveitando a pergunto do Eduardo Pereira.

Galante, quando foi enviado esse primeiro lote da revista?
Eu fiz o meu pedido no dia 14/12/2014 e até agora não recebi nada. Tem alguma previsão?

Sds. Julio, o impaciente.

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Famed Member

Julio,

Na virada do ano, os prazos dos correios são difíceis de se prever. Fazemos o que é possível para agilizar as coisas, mas depois que deixamos nos correios, não dá pra garantir prazo. Esperamos que receba em breve.

Vader
Visitante

Que venha o Ha’Adir da Ha’Avyr!

Marcos
Visitante
Member
Marcos

Canhão rotativo do F-35 somente para 2019.

Claudio Moreno
Visitante
Member
Claudio Moreno

Bem Senhores,

Sinto muito (na verdade é pura mentira) em dizer que o caça que até o presente está custando uma fortuna ao contribuinte americano, nem canhão terá. Pelo menos esta é a previsão até 2019…

Não sei por que, mas isso aí tá pior que os produtos xing ling…pugs um atrás do outro…tá eu sei que é assim mesmo ….nova tecnologia …quebra concerta…quebra vamos para a prancheta…mas na boa … quem brinquedinho caro!

Quem quiser ler o link está abaixo:

http://www.telegraph.co.uk/news/worldnews/northamerica/usa/11319455/F-35-stealth-jet-will-not-be-able-to-fire-its-guns-until-2019.html

CM

joseboscojr
Visitante
Active Member
joseboscojr

Eu não acredito nessas reportagens de jornalistas leigos. Só acredito em informação oficial.
Não tem o programa pra operar o canhão? Me poupem!!
O canhão seria útil pra apoio de tropas no chão?
O canhão Gau-22 do F-35 nunca foi pensado como sendo esse o objetivo primário. Nem o F-15, 16 e 18 usam o Vulcan com essa função e se já usaram alguma vez foi completamente de improviso.
Duvido muito que seja doutrina da USAF/USMC/USN usar canhão de caça pra tiro terrestre como norma.

Vader
Visitante

Humpf, não deveria nem ter canhão… Arma inútil num caça.

De resto, notícia sem fontes, pra dizer o mínimo.

joseboscojr
Visitante
Active Member
joseboscojr

Como o F-35 deve substituir o A-10 no futuro, o senso comum diz que ele deverá lutar igual.
O problema é que o A-10 não é um avião com um canhão, e sim um canhão com turbinas e asas.
O A-10 leva quase 1300 cartuchos de 30 mm e cada um com o tamanho de uma garrafa de coca litro e é sua arma primária, mas esse não é o caso do F-35.
Mesmo sendo verdade que o canhão não poderá ser usado até 2019, com certeza vai dar pro pessoal esperar e se virar com as armas que estarão disponíveis.

Alexandre Galante
Visitante
Member

Avião sem canhão não dá, míssil falha.

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Famed Member

Bom, 2019 está logo ali.

Até lá, tem Hornet, Super Hornet, Fighting Falcon e até Raptor de sobra com canhões.

Temos que nos acostumar, o tempo de desenvolvimento e integração de armas nos caças virou uma eternidade. Dá até sono. Zzzzzzz

Alexandre Galante
Visitante
Member

E porta de bomb bay também pode travar com os mísseis lá dentro.

Marcelo Pamplona
Visitante
Member
Marcelo Pamplona

Tô com o Vader nessa!

Nada de canhão em caça!

Acabaram os mísseis?

Equipa-se a aeronave com funda, zarabatana ou bumerangue*.

🙂

Sds.

*Minha arma predileta, vez que é reaproveitável.

joseboscojr
Visitante
Active Member
joseboscojr

Galante,
Mas aí cê tá pegando pesado!
Se tiver um gremlin morando dentro de um F-35 ele poder fazer qualquer coisa com literalmente tudo, inclusive ligar a tecla do canhão ao assento ejetor. rsrsss
O canhão é de acionamento elétrico e o motor elétrico pode pifar. A portinhola do canhão pode não se abir. O software que controla a mira do canhão pode começar a passar o aquele game onde as peças vão caindo e se encaixavam (Tetris?).

rrsss

joseboscojr
Visitante
Active Member
joseboscojr

Marcelo,
E quando acabarem os cartuchos?
Abalroa? rsrsss

Marcelo Pamplona
Visitante
Member
Marcelo Pamplona

Elementar, meu caro Bosco;

Zerou munição da cartucheira?

Se religioso = reza;

Se ateu = pensamento positivo.

Aí abalroa.

Sem muito mimimi, nessa ordem.

🙂

Sds.

Vader
Visitante

Galate, os fuzis da Marinha nunca “travavam” não, ou isso só acontecia no EB? 🙂

Pois é, se isso acontece com fuzil… 😉

Clésio Luiz
Visitante
Active Member
Clésio Luiz

Bosco, até onde li os F-15E e F-16C usaram bastante o canhão nas campanhas do Iraque e Afeganistão. Lembro até de uma história em que um piloto de F-16 que colidiu com o solo num passe de metralhamento no Iraque. No Afeganistão teve piloto de Tomcat que se recusou a deixar o TO, fazendo passes e esperando a outra escolta chegar. Guerra é um negócio feio, e acho que são poucos os pilotos que deixem de fazer um passe se ele escuta no rádio que o negócio está mal lá embaixo. Teve até quem fizesse passes supersônicos depois que a… Read more »

joseboscojr
Visitante
Active Member
joseboscojr

Marcelo,
Do jeito que o F-35 é sofisticado deve até ter um modo “colisão” que é colocado em ação depois do piloto se ejetar. rsrsrss

HMS TIRELESS
Visitante
Member
HMS TIRELESS

A reportagem não tem pé nem cabeça e sequer é confirmada pelo Pentágono. Tem cara de lobby, ainda mais porque eu nunca ouvi falar de problema com disparo de canhão.

Marcos
Visitante
Member
Marcos

O canhão rotativo para o F-35 é troço do bicho: é gerenciado por um sistema ótico. Esse é problema!
O F-35 é o avião do futuro, não tenham dúvida, mas a sua plena operacionalidade também está lá, no futuro.

Nick
Visitante
Member
Nick

“preço baixo de manutenção.”…. hihihihi… 🙂

Sobre o Canhão: É sempre melhor TER do que NÃO TER. Vai que…….

[]’s

joseboscojr
Visitante
Active Member
joseboscojr

Estou tendo dificuldade de postar no Forte.
Parece que é só comigo.

joseboscojr
Visitante
Active Member
joseboscojr

Como não consigo postar no Forte peço a licença dos senhores para fazê-lo aqui. Sobre trem de pouso tipo esqui e tipo convencional (rodas e pneus). Rafael, O trem de pouso tipo esqui tem amortecedores, mas eu também acho que o tipo convencional é mais eficaz em amortecer impactos no caso de uma queda ou um pouso mais brusco. Acho isso porque nos médios e grandes o convencional é mais comum. Como há trem de pouso retrátil em alguns helicópteros, imagino que eles devam produzir mais arrasto do que os tipo esquis. A vantagem do tipo esquis, ao meu ver,… Read more »

Claudio Moreno
Visitante
Member
Claudio Moreno

Boa noite Senhores! Bem sobre canhões em aviação de caça eu tenho pouco a dizer…afinal como disse antes e todos sabem, minha carreira foi no EB e ainda cavalaria. ..portanto não sou um gênio no assunto, mas…..a experiência mostrou que quem saiu de fábrica sem canhões ou morreu ou precisou improvisar, deixa-me ver: o inglês Harrier ou Sea Harrier, o americano Phanton. Ahhhh ia-me olvidando: mesmo que não haja problemas com o canhão, que esta história de software seja uma tonteria de algum repórter, bem….o F-35 está mostrando-se um bom exemplo em colecionar problemas de toda orde! Ou isso também… Read more »

Mauricio Silva
Visitante
Mauricio Silva

Olá “Humpf, não deveria nem ter canhão… Arma inútil num caça.” Já pensaram assim, lá pelos idos de 1950. A própria concepção de um avião de caça foi questionada na época (havia a proposta de que o “caça” fosse um aparelho “porta mísseis” supersônico, sem qualquer possibilidade de combate à curta distância). As experiências de combate revelaram que um canhão ainda se fazia necessário. Mas a tecnologia mudou (evoluiu), os mísseis atuais são infinitamente superiores a seus equivalentes de primeira geração (e de segunda também) e a eletrônica embarcada num único aparelho pode ter maior capacidade de processamento/coleta/análise de dados… Read more »

joseboscojr
Visitante
Active Member
joseboscojr

Sobre canhões eu penso o seguinte: com certeza eles eram e são importantes em caças, mas será que continuarão a sê-lo no futuro? O exemplo do Phanton é interessante, mas foi há 50 anos. Se imaginarmos que a confiabilidade dos mísseis continua a mesma hoje do que era há 50 anos podemos desistir de tudo e voltar a usar o arco e a flecha. No caso do F-35 o desenvolveram para ser furtivo e operar do alto, fora do alcance das defesas de baixa altitude. Quando realizar apoio tático o fará do alto, observando com seus sensores de longo alcance… Read more »

Ivan
Visitante
Ivan

Todas às vezes que tentaram operar um caça sem canhão foi necessário rever o avião, por que no combate `de verdade` às distâncias mais cedo ou mais tarde diminuem e o caçador vai agradecer por ter uma boa e antiga boca de fogo.

Foi assim com Phantom, com Harrier e será novamente.

Canhão de tiro rápido será substituído no futuro por canhão de energia direta, talvez “laser”, mas ainda será canhão.

Sds.,
Ivan, an old infantryman. 🙂

Mauricio Silva
Visitante
Mauricio Silva

Olá. Prezado José Bosco, eu concordo com sua análise e conclusão de que a atual tecnologia pode prescindir o uso de um canhão num caça. Porém esse tal “caça” ainda não existe (não foi projetado nem construído). Explico. O caça tem de ser projetado a partir de algumas concepções e requisitos, resultando num aparelho “otimizado” para o cumprimento das missões. Primeira hipótese: o caça será um “transportador” de mísseis e outras armas “inteligentes”; a sua capacidade de cumprir uma missão dependerá mais das características das armas empregadas do que do próprio avião. Cabe ao aparelho levar o armamento até um… Read more »

Alfredo Araujo
Visitante
Member
Alfredo Araujo

Não acredito nessa comparação… década de 50/60 com 2015. Estamos em um nível tecnológico onde um míssil WVR pode ser lançado contra um alvo terrestre !! Pra que canhão ? WVR ? É de conhecimento geral que a manobrabilidade do F-35 é significamente inferior a um jato de 4° geração… Arriscar a vida de um operador de sistemas altamente qualificado, e um vetor de 200 milhões de dólares em uma missão de metralhamento ? Estão de brincadeira !! O custo e o tempo de se treinar um Operador de sistemas (piloto), e exercita-lo ao ponto de ele se tornar um… Read more »

HMS TIRELESS
Visitante
Member
HMS TIRELESS

Quem disse que a manobrabilidade do F-35 é significativamente inferior à dos caças de 4 geração Alfredo, o Carlo Kopp e seu lobby furado e desesperado?

Rafael M. F.
Visitante
Rafael M. F.

joseboscojr 7 de janeiro de 2015 at 0:09 Bosco, Há um fator na equação que está sendo desconsiderado: E quando surgirem aeronaves capazes de igualar o F-35 em furtividade/armamento/sensores/contramedidas? Vou discorrer um pouco historicamente: Na área de armamentos, cada invenção acarreta uma contra-invenção, e em alguns momentos acabamos retornando à estaca zero. Da I Guerra até os Anos 50, buscava-se principalmente desempenho. Com isso a velocidade dos caças foram aumentando progressivamente, embora o armamento até à primeira metade dos anos 30 permanecesse basicamente duas ou quatro metralhadoras calibre de fuzil. Quando o desempenho das aeronaves se equivaleram na segunda metade… Read more »

Rafael M. F.
Visitante
Rafael M. F.

Em suma: se usarmos um F-35 em missões de ataque, o canhão pode ser dispensável.

Mas em uma CAP, uma Fighter Sweep ou uma interceptação, eu faço questão do canhão.

Vader
Visitante

Amigos, o canhão do F-35A só servirá para abate de alvos assimétricos, como disse Bosco. No B e no C só serão usados em último caso e missões muito específicas. Em nenhuma hipótese serão usados em alvos simétricos, seja ar-ar ou ar-terra.

E muito em breve serão todos declarados obsoletos e trocados por canhões laser. Aliás o F-35 já foi preparado para isso.

Rafael M. F.
Visitante
Rafael M. F.

Opa, o Felipe chamou a atenção para um ponto que passou despercebido por mim:

No lugar da palavra “canhão”, eu digo “arma de combate próximo”. Aí pode ser canhão, laser, funda ou atiradeira.

No mais, mantenho minha argumentação.

Iväny Junior
Visitante
Member

Caros Interessante esta discussão do canhão, vale salientar uma coisa. Dentro das próprias projeções e relatórios da USAF que já li e vi depoimentos de oficiais, inevitavelmente e contra uma força massiva, o combate aéreo chegará ao nível visual. E neste nível, ainda que os mísseis sejam formidáveis, o canhão ainda é fundamental. Em outra corrente, o exército americano recentemente testou balas guiadas (http://www.forte.jor.br/2014/08/03/exercito-americano-desenvolve-projetil-que-persegue-alvo/), imagine um caça com 1000 projéteis guiados… Só uma idéia. Quanto à nova encomenda de Israel, acredito que hoje já se pode assumir que o F-35 não é mais “orquinha”. Já virou Ave de Rapina, porque… Read more »

joseboscojr
Visitante
Active Member
joseboscojr

Dando uma olhada na net é mesmo correta a informação que o Gau-22 só estará operacional em 2019, mas ao contrário da reportagem indicado pelo Moreno, que passa a impressão que tal fato é devido a alguma deficiência no projeto, tal ocorrência já estava previsto há muito tempo, pelo menos desde 2006.
Ou seja, a aeronave segue o cronograma de integração de armas e o canhão só estará integrado a partir do software Block 3, em 2019.

joseboscojr
Visitante
Active Member
joseboscojr

Eu sou muito confiante na capacidade do F-35, mas nem tudo são flores. A quantidade de mísseis ar-ar é muito reduzida. Deveriam ser pelo menos 6 Amraams. Parece que há essa intenção no futuro e espero que se concretize. Não podendo acomodar e operar pelo menos 6 mísseis MRAAM isso sim configuraria uma falha grave no projeto. Também acho um absurdo não ter mísseis ar-ar de curto alcance numa configuração stealth, pelo menos a princípio. Essa característica talvez não seja importante no princípio, mas como no decorrer da vida útil do caça ele terá que enfrentar os caças de quinta… Read more »

Alfredo Araujo
Visitante
Member
Alfredo Araujo

joseboscojr
7 de janeiro de 2015 at 13:15 #

“Sem falar que não vai depender da manobrabilidade do caça já que conjunto de espelhos pode fazer o feixe laser atingir qualquer alvo no hemisfério que estiver voltado a cabeça do projetor.”
.
.
Mestre Bosco, quer dizer que um caça feito todo de espelhos será invencível ?? kkkk

joseboscojr
Visitante
Active Member
joseboscojr

Alfredo, Muito se fala que para se defender de um laser bastaria o alvo ser muito reflexivo ou no caso de um foguete balístico, ficar girando. Sem dúvida o dia que os raios lasers estiverem sendo usados o outro lado irá estudar formas de mitigar ou neutralizar o efeito deles. Isso sempre foi assim e continuará sendo desde que o homem passou a guerrear, e como sempre, não é porque existe o escudo que a espada foi aposentada. rsrssss Com certeza um alvo com superfície negra e fosca deve ser mais vulnerável a um laser que um que seja branco… Read more »

Vader
Visitante

Senhores, quanto a uma superfície espelhada refletir um laser de alta energia, isso não é eficaz: embora o “espelho” possa refletir alguma parte da energia, o laser acaba por “queimar” a base da superfície espelhada, que nada mais é que uma superfície opaca sobreposta a uma “permeável” à luz. E isso estamos falando apenas de laser de luz visível: nos casos de outros comprimentos de onda, como infravermelho, ultravioleta, raios X, raios gama, etc., espelho algum funciona. O “canhão” laser deixará obsoletas a grande maioria das armas de projétil. E o legal (ou não, rs) é que veremos isso acontecer… Read more »

Vader
Visitante

PS: o Tio Sam já tem a arma e a plataforma. Basta unir as duas, o que é um grande desafio em si, mas ainda é bem à frente do que o “Charlie” tem.

Justin Case
Visitante
Member
Justin Case

Amigos, boa noite.

Off-topic: Indicação de comandantes para as Forças Armadas:

http://g1.globo.com/politica/noticia/2015/01/governo-escolhe-os-novos-comandantes-da-forcas-armadas.html

Desde o início da sua carreira, o Brig Rossato sempre teve foco na missão operacional da FAB. A dupla Ros-Saito já trabalhou junto em várias oportunidades, com excelentes resultados. Isso deve ter pesado na decisão. Gostei da escolha e desejo continuado sucesso ao novo Comandante.
Abraços,

Justin

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Famed Member

Justin,

Já publicamos clipping no blog das Forças Terrestres. Estamos agora colocando chamadas a respeito nos demais.

Abraço!

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.