sábado, fevereiro 27, 2021

Gripen para o Brasil

Ministro da Defesa visita Embraer e conhece o trabalho de modernização dos A-4 Skyhawk da Marinha do Brasil

Destaques

Defesa aérea da Sérvia atingiu outro F-117 durante a Operation Allied Force

A história de como um jato de ataque stealth F-117 Nighthawk da Força Aérea dos Estados Unidos foi abatido...

HENSOLDT: Sistemas antidrone e de proteção de áreas críticas e estratégicas

Nos últimos anos, a venda de drones cresceu muito no mundo. Esses objetos voadores, cada vez mais comuns em...

FAB coordena Operação Escudo Antiaéreo

Operação aconteceu de forma conjunta entre a Marinha do Brasil, o Exército Brasileiro e a Força Aérea Brasileira No período...
Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

AF-1M

ClippingNEWS-PAEm 21 de outubro último o Ministro da Defesa Celso Amorim visitou às instalações da Embraer, em Gavião Peixoto (SP), acompanhado do Comandante da Marinha, Almirante de Esquadra Julio Soares de Moura Neto e do Diretor de Aeronáutica da Marinha, Contra Almirante Carlos Frederico Carneiro Primo, com suas respectivas comitivas.

Na ocasião da Cerimônia de Lançamento do Protótipo do Cargueiro KC-390, da Força Aérea Brasileira (FAB), as instalações onde estão se desenvolvendo as atividades relacionadas à Modernização das Aeronaves AF-1/1A foram apresentadas ao Ministro da Defesa, que verificou “in loco” o atual estágio de desenvolvimento do programa.

Nesta mesma oportunidade, os integrantes do Grupo de Fiscalização e Recebimento de Aeronaves (GFRANV) AF-1/1A (A-4KU) e o Engenheiro da Embraer, responsável pela modernização dos aviões, responderam a várias perguntas formuladas pelo Ministro e comitiva, demonstração inequívoca do interesse despertado pela visita.

AF-1M Cockpit

O Programa de Modernização das Aeronaves AF-1/1A é um dos muitos projetos realizados pela Marinha do Brasil com intuito de manter seus meios integrados aos últimos avanços tecnológicos. Este programa encontra-se na fase de testes e certificações do protótipo. A entrega das primeiras aeronaves modernizadas está prevista para ocorrer no início de 2015 e o recebimento dos novos meios agregará significativo incremento na capacidade operativa do Poder Naval.

AF-1M radar e RWR

AF-1 células

FONTE: Revista Asas

LEIA TAMBÉM:

- Advertisement -

55 Comments

Subscribe
Notify of
guest
55 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Rinaldo Nery

Parece bem interessante. Alguém sabe se essa modernização está dando certo?
Outro dia parece que o Juarez postou que estariam ocorrendo alguns problemas.

Alexandre Galante

Rinaldo Nery, que eu saiba a modernização causou ótima impressão na Marinha, que pensa inclusive modernizar mais aviões do que o planejado, devido ao excelente desempenho apresentado pela primeira aeronave modernizada.

O radar do AF-1M, por exemplo, é melhor do que o instalado no F-5M.

jacubao

Pensei que o painel fosse ficar semelhante ao de F-5M, com total ausência de “reloginhos”, mas evoluiu muito em comparação ao anterior dos anos 70.

Mauricio R.

Não esperem transparência da MB, lá é tdo “Alice no País das Maravilhas”…
Mas não se preocupem, em breve, mto breve aliás, a FAB chegará lá.
Afinal só pode, se a Embraer estiver metida na parada.
Mas pq raios eu estou reclamando, afinal a cuja dita é a 3ª maior fabricante de aeronaves civís do mercado…
Já pensou se fosse a HAL, da Índia, que segundo alguns é uma bagunça???
Ou a Lockheed, que não resolve os problemas do F-35???

Eder Albino

“O radar do AF-1M, por exemplo, é melhor do que o instalado no F-5M”

Alexandre Galante, poderia trazer um comparativo entre os radares do AF-1M e F-5M?

Alexandre Galante

Eder, aqui você encontra as características do radar do AF-1M:

http://www.naval.com.br/blog/2009/04/29/o-novo-radar-dos-af-1/

O radar FIAR Grifo dos F-5M tem alcance ar-ar de 39 milhas, enquanto o Elta 2032 tem 80 milhas.

Justin Case

Amigos, O alcance do radar depende do RCS do alvo considerado. Quando o Elta 2032 foi comparado com o Grifo, lá na virada do século, o alcance era bem semelhante. O tamanho da antena também tem grande influência, e a mim parece que a antena do AF-1M será menor do que do F-5M. Outro fator que pode influenciar é a potência de transmissão, mas o aumento necessário seria muito grande para que fosse alcançado um resultado útil, além de trazer “efeitos colaterais”, como: aquecimento, aumento de detectabilidade por RWR, necessidade de mais energia, aumento de consumo de combustível, etc. O… Read more »

Oganza

A MB podia era oferecer esses vetores para o Uruguai 🙂

Dai pegava $$$ e usava para financiar o Gripen N.

Se isso fosse feito, aposto que o Gripen N estaria voando até 2020 no máximo.

Outra solução tb seria vender o SP para o Uruguai como cassino para financiar os estudos do tal NAe de 60 Kt.

Grande Abraço.

Clésio Luiz

“Já pensou se fosse a HAL, da Índia, que segundo alguns é uma bagunça???”

Afinal, 30 anos para projetar um caça é um exemplo de eficiência…

Ou aquele treinador primário, o HTT-40, que eles conseguiram a façanha de ser rejeitado em favor do PC-7.

A HAL tem um longo histórico de desenvolvimento de aeronaves, mais antigo e diversificado que a Embraer. Mas o índice de eficiência deles deixa muito a desejar.

Oganza

Galante,

no link sobre o Elta 2032 consta 80 milhas (+/- 130 km), mas se for Milhas Nauticas seriam +/- 150 km…

esses valores estão meio superlativos… só se isso for contra um alvo de uns 5 m2 e ainda acho esse valor para 5 m2 generoso.

Vcs tem alguma informação mais detalhada a respeito?

Grande Abraço.

Alexandre Galante

Oganza, tem a ficha do fabricante:

http://www.iai.co.il/sip_storage/files/6/27546.pdf

Iväny Junior

Soube que vai sair um 2032 com antena AESA. Se o A-4 tá sendo modernizado para combate ar-ar, deveria receber também uns Derbys.

Como já li em um periódico estrangeiro, “vintage fighters” estão bem por aqui…

Oganza

Galante, vlw… mas realmente não consta a “resolução” e realmente são 80 mN 😮 Agora um peso de 72 a 100 kg,,, ele é bem leve e essa variação deve ser(?) para os tamanhos de antenas de acordo com a aeronave que irá recebe-lo e o número de módulos de processamento. Achismo meu mesmo, mas penso que a “resolução deve estar entre 10 e 5 m2 para 80 mN +/- 150 km, com a detecção de outros caças caindo para 1/3 desse valor. Mas o dado que mais gostei foi o de 160 mN (+/- 290 km) para a detecção… Read more »

Alexandre Galante

O AF-1M vai ficar show 🙂

Luiz Monteiro

Inicialmente os AF-1 modernizados não serão capazes de efetuar ataques contra navios utilizando misseis ar-superfície como o Harpoon ou Exocet.

Porém, não está descartada a integração. A Boeing já informou a MB que seu míssil poderia ser integrado aos “Falcões”.

Luiz Monteiro

Galante,

A pedido do Alte. Moura Neto foi feito o estudo sobre a viabilidade de modernização das 8 células restantes.

Concordo, ficaram sim. As células ainda possuem muitas horas de vôo.

Em breve, inspecionaremos os KC-2.

Luiz Monteiro

Nunao,

Por falar em aviação naval, lembra que lhe contei sobre a popa da maquete do navio – aeródromo RXX da DCNS? Debatemos sobre ela se aberta.

Pois a maquete apresentada na Euronaval 2014, a popa foi alterada e agora está fechada, muito semelhante ao do CDG.

Além disso, no convoo além das miniaturas do Rafale, do Hawkeye e do Neuron, havia um Sea Hawk e um Turbo Tracker.

Vale destacar que a maquete não possui mais indicativo visual.

Luiz Monteiro

Sobre ela ser aberta

rommelqe

Caros, Esses AF estão visualmente espetaculares! Espero que sejam tão eficientes quanto !! Uma curiosidade: os sufixos AF-1M e AF-1AM (?) estariam corretos? Mas o mais significativo pra mim: os bipostos seriam apenas para conversão? O seu emprego com AWO para auxiliar nas operações de ataque seriam previstas? Tentando fazer uma comparação muito especulativa, é claro, quais seriam os improvements quando confrontadas essas duas versões e suas possíveis substitutas baseadas nos Gripen NGE-BRmar e NGF-BRmar? Um ponto chave me parece ser o fato de que os biplaces não só acrescentam condições estruturais mais críticas como seu próprio desempenho dinâmico em… Read more »

Edcarlos Prudente

As aeronaves F-5 e A-4 são frutos de projetos antigos de meados do século XX, encontrar dificuldades em moderniza-las com aviônica e eletrônica moderna é mais que previsível. Eu pergunto se realmente esses programas de modernização valeram apena. Investir em vetores usados e mais modernos seria uma solução melhor? Talvez!
Quanto a um possível míssel AR-MAR acredito que o Harpoon seria uma solução interessante para integra ao A-4 da MB, pois a FAB irá adota-lo, aumentando os estoques dessa arma.

Fernando "Nunão" De Martini

Senhores, Cuidado em pegar dados de radares dos fabricantes e fazer comparações sem levar em conta as características das aeronaves em que estão instalados. Como bem escreveu o Justin, entre diversos outros fatores de atualização tecnológica etc, um dado fundamental é o tamanho da antena. E, conforme o espaço disponível em cada radome de cada modelo de caça a ser modernizado, a antena tem que ter um tamanho adequado. Por exemplo, os A-4AR, da Força Aérea Argentina, usam um modelo de radar que também equipa caças F-16. Mas seu desempenho não atinge o desses últimos pois a antena instalada teve… Read more »

Aldo Ghisolfi

Acho muito bom que estejam retrofitando os velhos A-4! São belas máquinas…

Não gosto é do ufanismo que parece demonstrar que temos uma aviação embarcada no estado da arte.

Um dia, quando descomissionarem o São Paulo, espero que ele não seja vendido como foi o Minas Gerais, que seja mantido como museu, como padrão de ensino e que, nele estejam pousados alguns A-4 em exposição de aposentadoria.

Alexandre Galante

O AF-1M, assim como o F-5M, são soluções de transição, até que algo melhor seja adquirido.

Alexandre Galante

Nunão, o radar APG-66 dos A-4AR argentinos sofreu downgrade a pedido do Reno Unido, o alcance foi diminuído e alguns modos de operações subtraídos.

ivanildotavares

É melhor ter A-4 modernizado do que nada e quando o São Paulo estiver operando, na América do Sul, estaremos claramente à frente. A dobradinha com a FAB e seus Orions modernizados farão toda a diferença.

Prezado Aldo Ghisolfi,
Penso que o Minas Gerais teria sido um museu bem mais representativo para a MB do que o São Paulo. Mas, já era…

ivanildotavares

Quando a Niterói der baixa, que o MO me perdoe, eu adoraria vê-la transformada num naviomuseu. Ah, se a Prefeitura de Niterói, onde moro e tem um Clube Naval, tivesse interesse…

Luiz Monteiro

Prezados amigos Nunao e Galante,

A previsão para o radar do AF-1 modernizados é que eles tenham alcance de 120 km contra alvos aéreose de 250 km contra alvos de superfície.

É claro que essa performance vai depender de uma série de fatores.

Oganza

Comandante Luiz Monteiro, era a informação, mesmo que estimada, que estava procurando… Muito obrigado. Só falta preparar a proposta para oferece-los para o Uruguai ou quem quer que seja, pega o $$$ e da de “entrada” no Gripen N. Já que a MB não vai abrir mão da tal capacidade de asa fixa embarcada, não vejo lógica nenhuma em insistir nos AF-1 com os Gripens E/F batendo a porta. Inicia o desenvolvimento do “N” junto com desenvolvimento do “F” e em até 2025 estarão todos voando por aki. Nesse mesmo ano encomenda o tal NAe de 50/60 Kt para estar… Read more »

lynx

Sobre a pergunta do Rinaldo a respeito de dificuldades nos trabalhos, o que sei é que houve muitas, mas já foram superadas. E esse é o motivo do prazo dilatado para a entrega da primeira aeronave, fora do cronograma original, e da conclusão do programa.
Pelo que ouvi, verba não foi o problema e sim capacitação técnica. Por mais que possa soar inverossímil em se falando de Brasil e Embraer. No final, a participação israelense acabou sendo maior do que o inicialmente planejado… mas agora a coisa tá andando bem.

Hamadjr

Oganza não sei por que esta implicancia com com o São Paulo ou é porque o amigo esta convencido que o Brasil não precisa de um porta-avião??
Mas a respeito da tal modernização dos A-4 eu imagino que seja o suficente até a chegada do Gripen embarcado do para que o investimento tenha sido correto e não creio que seja caro pois nesse segmento nada é barato o preço que se paga é pelo que vai ser oferecido.

Gilberto Rezende

Edcarlos Prudente e senhores, Sobre se valeu as modernizações gostaria de re-lembrar as pessoas do contexto histórico sobre o fato. O primeiro dos programas de modernização foi o do F-5 que iniciou-se 2003 no primeiro ano do primeiro mandato do Presidente Lula e o primeiro protótipo foi apresentado em 4 de dezembro de 2003. Óbvio que não foi o Presidente que criou o programa e igualmente óbvio que sob forma de planejamento militar a Aeronáutica deve ter começado seus estudos ainda no governo anterior para as 46 aeronaves existentes que seriam modernizadas. Mas o fato é que no início de… Read more »

Guilherme Poggio

Pessoal

Além da questão do próprio radar do A-4 em si presente nessa discussão, o nosso colega Justin Case colocou dois pontos fundamentais para qualquer comparação entre radares:

– tamanho da antena
– potência de transmissão

Tenham sempre isso em mente quando forem discurir sobre radares diferentes.

Fernando "Nunão" De Martini

Exatamente, Poggio, independentemente do que também acrescentou o Galante quanto à limitação de alguns modos no radar APG-66 dos A-4AR, o que sei é que a antena dele nos A-4 é menor do que nos F-16. Então são vários fatores a considerar. Eu sinceramente não sei se o tamanho do radome do A-4 modernizado da MB ficou maior ou menor do que o dos F-5 modernizados da FAB (além do fato de que também são radares diferentes), teria que ver ambos lado a lado ou receber em segunda-mão a informação. O que se vê claramente é que o A-4 modernizado… Read more »

Wagner

Ficou bem bacana os A 4 !!

Vai que não fazem um Sea Gripen na proxima decada para assumir as funções deles ??

nem precisa d emuito, uns oito Sea Gripens ficariam mais que perfeito no Brasil . 😉

costamarques

Amigos, tenho visto essas modernizações que se diga de passagem gostei muito e acredito que as maquinas ficaram tão boas quanto caças modernos Chineses(Opinião pessoal).

O que eu gostaria de perguntar é o seguinte! Eu vejo que essas modernizações levam muito tempo, porque isso? é pelo dinheiro ou a capacidade da EMBRAER esta limitada?
Caso entremos em um conflito futuro, mesmo depois de absorver a tecnologia do GripenNG, nós poderíamos produzir massivamente novos aviões? Levaria tempo para equipar novos esquadrões?

Esse tempo me deixa preocupado com nossa capacidade industrial para defesa!

sergiocintra

Supondo: O link BR estando instalado nos A-4M tambem, e sendo um radar melhor, poderia este direcionar algum vetor independente da arena? Sabendo que ter-se-a os 99 sua função primária, mas pensando como alternativa.

Oganza

Hamad, é que se tudo der certo, mas é tudo meeeesmo, teremos um NAe que irá para o mar em algum momento entre 2015 e 2020, terá uma “vida útil” de uns 10 anos e que estará disponível, quando muito, uns 3 meses por ano e sem sabermos ainda a que custo. Lembrando que já estamos com o SP a mais de 15 anos e eu posso chutar que em todo esse tempo ele não teve 30 meses de mar. O problema é que quando falamos em Marinha em especial, os projetos tem que ser consistentes e ter escala. E… Read more »

Hamadjr

Caro Oganza

Creio que a MB trabalha com o real e não com o ideal e penso que é essa realidade proporciona mesmo que empiricamente aprendizado que possa ser aproveitado na escala de tempo que vc mencionou.
Quanto ao buraco na vastidão da faixa litoranea isso é um problema que só vai ser corrigido quando essa realidade da MB poder ser melhorada, mas até la o amigo pode desfrutar do sal e o sol sem precisar mostrar a CNH kkkk, um abraço, afinal samus um povo criativo enquanto alguns vizinhos são convencidos mesmo que quebrado provisóriamente.

Rinaldo Nery

Oganza, nenhum P-95 te plotou? Que vergonha… kkkkkkkk Em 1992 passou pelas minhas mãos um rascunho do ROP de modernização dos F-5. Me foi entregue por um Coronel da COPAC, 02 do Brig Taveira, Presidente da COPAC à época. Justin deve conhece-lo. Ou seja, o desejo de modernizar os F-5 é bem antigo. Naquele ano estava sendo implantada a DMA (hoje DCA) 400-6, Ciclo de Vida de Sistemas e Materiais da Aeronáutica, a bíblia da COPAC. Esse documento rege todo o processo de concepção, aquisição, modernização e desativação dos equipamentos da FAB. A MB consultou a FAB quanto à modernização… Read more »

Luiz Monteiro

Prezado Nery,

Os AF-1 modernizados estão recebendo o rádio Rohde & Schwarz M3AR, que possuem comunalidade com os das aeronaves da FAB. Eles poderão para realizar comunicação criptografada automaticamente e que permitirão a transmissão de dados via data-link. Radar Warning Receiver (RWR).

Abraços

juarezmartinez

Rinaldo Nery 1 de novembro de 2014 at 13:00 # Parece bem interessante. Alguém sabe se essa modernização está dando certo? Outro dia parece que o Juarez postou que estariam ocorrendo alguns problemas. Boa noite Cel! Eu estou me afastando dos debates aqui na trilogia, mas com o senhor me citou e de forma educada, tomo a liberdade de responder: A modernização do A4 estava até a pouco “emperrada” e amarrada a solução da substuição do gerador da aeronave que estava descontinuado e não atenderia as necessidades de carga promovidas na mordenização, porque: Quando se fala em substitui um conjunto… Read more »

Rafael Oliveira

Lamento muito que esteja se afastando da Trilogia, Juarez.

Você é um dos melhores comentaristas daqui e fará muita falta.

Abraço!

Oganza

Verdade Juarez…

vai fazer muita falta de verdade… o Sr. faz parte do 1% que faz a diferença.

Tem sido um grande prazer.

Grande Abraço.

Gilberto Rezende

Rinaldo trouxe a informação que suspeitava o desejo de modernizar o F-5 era bem antigo (1992 pelo menos pelo testemunho) eu ainda era capitão-tenente da MB na época. E que coisa né, o desejo só começa a se concretizar após janeiro de 2003… E o Juarez trouxe informação sobre as dificuldades da modernização da Embraer e a ajuda do Brimo Jacó na dificuldade. Além de que em outro ponto houve a contratação pontual até de apoio técnico direto do governo americano via FMS. Nem um nem outro caso é demérito, faz parte do jogo e atraso em programa militar é… Read more »

Gilberto Rezende

Em tempo sobre a tese de que as modernizações prepararam a Embraer para seu papel de receptor tecnológico do FX-2 se alguma dúvida resta sobre esta capacitação…

Por óbvio o roll-out do KC-390 demonstra cabalmente a capacidade da Empresa em aeronaves militares…

Que a encomenda e apoio ao projeto KC-390 pela FAB contribui para o fortalecimento do braço de Defesa da Embraer (EDS) pronto para absorver, gerenciar e manter no futuro operacional o programa FX-2 de caça militar supersônico.

Mauricio R.

A Embraer manja do Gripen tanto qnto manja de F-5 e A-4; ou seja nada, absolutamente nada!!! E não se animem mto em relação ao AMX, pois a FAB tem um contrato de suporte de engenharia c/ a Alenia, que é quem realmente sabe dos “how” e “why” dessa aeronave. Não são projetos seus, mas de terceiras empresas e como mostra o comentário do Juarez em relação ao A-4, não foram capazes de conceberem a solução, mas ficaram na dependência dos israelenses p/ tanto. O KC-390 é somente a extrapolação do conhecimento em aeronaves regionais e executivas, pelo qual a… Read more »

Fernando "Nunão" De Martini

Gilberto, Quanto ao NAe São Paulo, caso a modernização se concretize a intenção é empregar o meio bem além de 2029, segundo as informações que temos. Nos abstemos, por hora, de dizer até que ano precisamente, mas pode ficar sossegado que a intenção é de uns bons anos além. Quanto a edições de termos jocosos para o comandante desta ou daquela força, não há preferência quanto a um ou outro a “proteger” dessa prática boba. Quando vemos a tempo, advertimos etc (o que já foi feito quanto a ofensas a este ou aquele comandante, e se você nunca viu, é… Read more »

Luiz Monteiro

Complementando o que disse o Nunão, A MB leva tão a sério o PMM do NAe São Paulo que, em 27 de novembro de 2013 (cerca de um ano atrás) criou a Coordenadoria do Navio-Aeródromo (CNAe) por meio da Portaria nº 636/MB. Colaciono abaixo para dar conhecimento aos senhores. Abraços PORTARIA Nº 636/MB, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2013 O COMANDANTE DA MARINHA, no uso de suas atribuições que lhe conferem os art. 4º e 19 da Lei Complementar nº 97, de 9 de junho de 1999, alterada pela Lei Complementar nº 136, de 25 de agosto de 2010, o… Read more »

Oganza

Testando: 1,2,3… alô som

Oganza

óóóó deu certo…

brigadu gente 🙂

Gilberto Rezende

Galante Muito Obrigado ! Prometo colaborar… 🙂 Quanto ao futuro Mod NAe “São Paulo” após o PMM acho crucial que não só a SAAB diga que o Gripen possa operar na unidade fazendo que o programa Mar Gripen BR possa deslanchar de imediato. Que a MB opte pelo Gripen F e pelo uso estensivo do WSO como nas unidades nucleares americanas. Como medida de economia e de aceleração do nosso desenvolvimento militar baseado no FX-2 nada seria mais efetivo e econômico que casar o desenvolvimento do Gripe F-BR (ou seria Gripen F-AB ?) e o Sea Gripen (ou seria Mar… Read more »

Fernando "Nunão" De Martini

Gilberto,

Eu, Nunão, transmitirei os agradecimentos ao Galante, apesar dele não ter nada a ver com o fato pelo qual você está agradecendo, rsrsrsrs

ivanildotavares

Galante Muito Obrigado, rsrs

Rinaldo Nery

Obrigado pelos esclarecimentos, Juarez. Bom perguntar pra quem sabe. Eita gaudério bom!
Como curiosidade, um companheiro de turma, ex Adelfi, foi instrutor no VF-1 por um ano.
Em 2008 estive na Macega, com um E-99, participando da solenidade de aniversário do Esquadrão.
Gilberto, curioso, você, com ex oficial da MB, ter essa posição de esquerda… Deve ter seus motivos. Excelente seu comentário sobre o São Paulo e o Gripen Naval.
Luiz Monteir é quem entende desse tema, mas torço pelo novo NAE da MB. Acho que devemos ter essa capacidade de projetar poder, sim, nem que seja sobre a Venezuela.

- Advertisement -

Combates Aéreos

Vitórias aéreas americanas na Guerra do Golfo de 1991

Quando o Irã e o Iraque encerraram uma brutal guerra de 8 anos em 1988, a Força Aérea Iraquiana...
- Advertisement -
- Advertisement -