quarta-feira, abril 21, 2021

Gripen para o Brasil

Entregue oficialmente o primeiro caça F-16 Block 52 ao Iraque

Destaques

Fernando "Nunão" De Martini
Pesquisador de História da Ciência, Técnica e Tecnologia, membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

F-16 Iraque - aceitação oficial - foto via Code One Magazine

A Lockheed Martin divulgou nota e fotos na quinta-feira, 5 de junho, sobre a entrega oficial do primeiro de 36 caças F-16 Block 52 para a Força Aérea Iraquiana, em cerimônia realizada no mesmo dia nas instalações da empresa em Fort Worth (Texas, EUA).

A empresa está produzindo as aeronaves sob um contrato do Departamento de Defesa dos Estados Unidos, e a configuração dos caças atende a requerimentos iraquianos específicos. O contrato inclui equipamentos de missão e um pacote de apoio da Lockheed Martin e de outros contratantes americanos e internacionais.

Orlando Carvalho, vice-presidente executivo da Lockheed Martin Aeronautics, afirmou: “O Iraque se junta a outras 27 nações do mundo que apoiam sua paz e segurança no F-16 Fighting Falcon. Estamos orgulhosos de desempenhar um papel na defesa de uma nova democracia e queremos reforçar nossa parceria com o Iraque.”

F-16 Iraque - aceitação oficial - foto 2 Lockheed Martin

O embaixador do Iraque nos EUA Lukman Faily (discursando na foto acima), destacou a importância da parceria entre os Estados Unidos e o Iraque, durante a cerimônia.

Neste ano, o F-16 comemora 40 anos de evolução e mais de 4.540 unidades produzidas, permanecendo como o mais seguro e efetivo caça multitarefa multifuncional de quarta geração no mundo, segundo a nota da empresa. O caça continuará a formar a espinha dorsal da Força Aérea dos Estados Unidos (USAF) por vários anos, o que garantirá apoio e sustentabilidade à vida útil do F-16 no Iraque. A produção do F-16 deverá, segundo a empresa, durar até 2017, com grandes modernizações sendo incorporadas a todas as versões.

F-16 Iraque - aceitação oficial - foto Lockheed Martin

FONTE / FOTOS: Lockheed Martin e Code One Magazine (revista de divulgação da empresa) – tradução e edição do Poder Aéreo a partir de original em inglês

VEJA TAMBÉM:

- Advertisement -

14 Comments

Subscribe
Notify of
guest
14 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
a.cancado

Lindo, mas nada de AIM-9X ou AMRAAMs…rsrsrsrsrsrs

Marcelo

Orlando Carvalho, vice presidente da LM? teria ascendência brasileira ou portuguesa?

Corsario137

Um excelente começo para a Força Aérea Iraquiana.

Vassili

Corsário,

Eu diria que é um excelente RECOMEÇO para a Força Aérea Iraquiana, isso sim rsrsrrrssss………..

Não estando contentes com o que fizeram em 1991 durante a primeira Gulf War, os norteamericanos e aliados reservaram algumas GBUs, BGM-109, JDAM, JSOW e afins da vida exclusivamente para uso contra a Força Aérea Iraquiana…………….. ou o que restava dela rsrsrsrsrss…..

E nem citei AIM-9 ou AIM-120 pq até onde me lembro apenas um elemento de Mig-21 teve a “audácia” de levantar voo durante a segunda Gulf War.

abraços

Vader

Serão estes os últimos F-16 a serem produzidos?

A encomenda iraquiana deve ser o dobre de morte pra este excelente caça.

Guilherme Poggio

Serão estes os últimos F-16 a serem produzidos?

A encomenda iraquiana deve ser o dobre de morte pra este excelente caça.

Eu ainda aposto em uma encomenda colombiana. Quem viver verá (ou o Gripen atropela essa também?)

Vader

De fato Nunão, modernizar 150 F-16 não é um mal negócio pra LM. Mas não se compara a produzir caças novos, nem, creio, ajuda a manter a cadeia logística, pra não falar da linha de montagem, abertas. Uma pena. Na realidade, o que penso que poderia ser um bom negócio seria a LM vender a linha e os direitos de propriedade do F-16 pra alguma empresa menor, como por exemplo a Textron ou a Beechcraft (exemplos meramente ilustrativos), que pudesse repaginar o F-16 em uma versão mais nova e moderna, mas também mais simples e barata, mantendo assim aberta a… Read more »

ivanildotavares

Vader,

Não entendi o seu último parágrafo. Quanto à China? A não ser que você esteja considerando Taiwan como China Nacionalista, como já foi mais conhecida, além do nome Formosa.

Abs

Vader

Ivanildo, a China de verdade é a República da China (Formosa, ou Taiwan em chinês, é apenas o nome da ilha, como Madagascar é o nome da ilha que a República do Malgaxe ocupa).

A outra é apenas a República Popular, também conhecida como China Vermelha, ou China Comunista.

ivanildotavares

Ok, Vader. É que, hoje em dia, a palavra “China”, isoladamente, tem sido usada mais em relação à República Popular da China, a Vermelha, a Comunista.

Mas longe de mim considerar errado o que e como você escreveu. Não sou catedrático no assunto.

Obrigado pela resposta.

joseboscojr

Se muitos não usam o termo “americanos” para se referir aos cidadãos dos Estados Unidos da AMÉRICA, preferindo o termo “estadunidenses” rsrsss, ninguém pode reclamar se chamarmos Taiwan de China e a República Popular da China de República Popular e seus habitantes de “republicapopulenses” rsrssss

Carlos Alberto Soares

F 16, perdemos uma grande oportunidade de negociação, Almirante Moon na MB e no Mistério da Defesa então é um covil de cegos.

Negociar com o TIO SAM e a LM tempos atrás seria nossa melhor opção, mas ….. o que vem dos USA ofende e agride os “jênios” de Brasília e da moonquadrilha.

Reportagens especiais

Primeiras fotos da apresentação do protótipo do KC-390

Os editores do Poder Aéreo estão nas instalações da Embraer em Gavião Peixoto, no interior de São Paulo, participando da...
- Advertisement -
- Advertisement -