Home Infraestrutura Aeroportuária Aeroporto Augusto Severo, no RN, é desativado para voos comerciais e será...

Aeroporto Augusto Severo, no RN, é desativado para voos comerciais e será entregue à FAB

1735
6

Aeroporto Augusto Severo - foto F Zauli - G1

Novo aeroporto, em São Gonçalo do Amarante, começou a funcionar

ClippingNEWS-PAO Aeroporto Augusto Severo, em Parnamirim, realizou a última operação comercial na manhã deste sábado (31) com a decolagem do vôo 2730, da Azul, com destino a Maceió. O terminal será desativado e entregue à Força Aérea Brasileira (FAB). As operações comerciais foram transferidas para o Aeroporto Internacional Governador Aluízio Alves, em São Gonçalo do Amarante, neste sábado (31). Todas as companhias aéreas que funcionavam na unidade já estão no novo aeroporto. Durante a Copa do Mundo, o Augusto Severo irá receber os voos de delegações e autoridades que vêm para o Mundial sob a coordenação da FAB.

A uma hora do último voo, que aconteceu às 6h20, o aeroporto já tinha poucas pessoas circulando. Os últimos passageiros a circular no terminal partiam para embarques com destino a Brasília, Rio de Janeiro e Maceió, enquanto outros desembarcavam de um voo da companhia aérea TAP vindos de Lisboa. Fora isso, funcionários da limpeza se despediam no último dia de trabalho. Os balcões da área de check-in já estavam fechados, assim como a maioria das lojas de companhias aéreas e estabelecimentos comerciais.

Aeroporto Augusto Severo RN - imagem Google maps
Terminal, pátio de aeronaves e outras partes da infraestrutura do Aeroporto Augusto Severo, no Rio Grande do Norte – imagem adaptada do Google maps (assim como as demais, abaixo)

Entre os últimos passageiros que passaram pelo Aeroporto Augusto Severo estava o português Manoel Gralha, que chegou de Lisboa no voo da TAP. Morador de Natal e João Pessoa, o empresário do setor de turismo acredita que o Aeroporto Augusto Severo já era suficiente para atender a cidade. “Se fossem feitas melhorias aqui seria o suficiente. No entanto, pensando na questão de instalações nós temos a ganhar com o novo aeroporto”, explica.

Para a empresária e modelo Beatriz Miranda, a transferência dos voos para São Gonçalo do Amarante não ajudou muito do ponto de vista da distância, mas opina que o novo terminal será importante para o crescimento do estado. “Para mim ficou longe porque moro em Ponta Negra – bairro da zona Sul de Natal – mas a capacidade de voos será maior e isso pode ser positivo”, afirma a empresária, que já tem data para conhecer o Aeroporto Aluízio Alves. “Vou viajar daqui a dois meses para a Europa com algumas amigas”, diz.

Base Aérea de Natal e Aerop Aug Severo RN  - imagem Google maps
Na parte superior da imagem, o terminal do aeroporto Augusto Severo. Mais ao centro da imagem, próximo à intersecção da pista mais longa com a pista diagonal, estão os edifícios, hangares e hangaretes da Base Aérea de Natal

 

Uma melhor estrutura com o novo aeroporto é o que espera o médico Savério Losiego, que chegou de Lisboa com a família neste sábado. “Moro em João Pessoa e é a segunda vez que passo pelo aeroporto. Em termos de estrutura achei ruim, principalmente pela falta de espaço. Não havia lugar sequer para formar filas”, avalia.

O novo aeroporto, em São Gonçalo do Amarante, tem 40 mil metros quadrados de área construída e capacidade para atender 6,2 milhões de passageiros por ano. O terminal oferece 45 balcões de check-in e 10 quiosques de autoatendimento para o embarque de passageiros. São 5 esteiras de restituição de bagagens destinadas ao tráfego doméstico e internacional. O estacionamento terá, inicialmente, capacidade para 850 veículos.

Histórico

O Aeroporto Augusto Severo começou a operar comercialmente, administrado pela Infraero, em 1980. Foi construpido durante a Segunda Guerra Mundial e, de 1943 a 1945,  foi usado em conjunto pelo Exército e Marinha dos Estados Unidos, pela Royal Air Force, pelas linhas comerciais e pela Força Aérea Brasileira. A manutenção e segurança das instalações eram feitas pelo Exército dos Estados Unidos no Atlântico Sul (USAFSA).

Em março de 2000, o aeroporto tinha capacidade para 1,5 milhão de passageiros por ano. No primeiro semestre de 2011, foi iniciada uma reforma no terminal que custou R$ 16,4 milhões e contemplou novas salas de embarque e desembarque, instalação de novo sistema de ar-condicionado, novos elevadores e escadas rolantes, 12 novos balcões de check-in e fraldário, entre outras melhorias. Com as novas instalações, o terminal de passageiros passou a ter capacidade para atender 5,8 milhões de passageiros por ano. Em 2013, o terminal movimentou 2.408.206 passageiros.

Base Aérea de Natal junto a Aerop Aug Severo RN -  imagem Google maps
Área da Base Aérea de Natal

FONTE / FOTO DO ALTO: G1

IMAGENS: adaptado de Google Maps

Subscribe
Notify of
guest
6 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Mauricio R.
Mauricio R.
5 anos atrás

E eis que em tempos de notícias de fechamento de bases aéreas, a FAB recupera uma de suas iconícas instalações.

Guilherme Poggio
Reply to  Fernando "Nunão" De Martini
5 anos atrás

Pra variar, o aeroporto novo está pronto mas não tão pronto assim.

Os voos internacionais continuarão pousando no Augusto Severo por tempo indeterminado, porque o novo ainda não está “alfandegado”…

É. Eu diria que este não é um aeroporto padrão FIFA ainda.

Será que isto não foi visto antes, quando decidiram mudar os voos internacionais para o novo aeroporto? É muito amadorismo.

Mauricio Silva
Mauricio Silva
5 anos atrás

Olá.

Bom, tomara que a FAB tenha os recursos (financeiros, humanos e físicos) para poder aproveitar a infraestrutura do aeroporto.
SDS.

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
5 anos atrás

Não consigo imaginar o que FAB fará com esse elefante branco. Será mais uma dor de cabeça pro meu amigo Monteirinho, comandante da Base.
Antes de entregarem o terminal, a FAB deveria resolver o problema das obras do novo hospital, alvo de um IPM.
Ainda lembro das reclamações dos pilotos civis, dizendo que o tráfego militar ¨atrapalhava¨. Engraçado para quem conhece a história do aeródromo. Na úlltima campanha de tiro aéreo que participei, em Natal, presenciei um comandante da extinta Transbrasil reclamando na fonia.