domingo, junho 20, 2021

Gripen para o Brasil

Array

Sim ou não no dia 18? A pergunta de 340 milhões de francos suíços para o programa Gripen NG

Destaques

Fernando "Nunão" De Martini
Pesquisador de História da Ciência, Técnica e Tecnologia, membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

Gripen NG nas cores da Suíça - fotomontagem Saab

vinheta-opiniao-aereoNas discussões dos leitores do Poder Aéreo sobre o referendo da compra do Gripen, que ocorrerá na Suíça no próximo domingo, dia 18,  as opiniões se dividem quanto ao impacto dessa decisão para o Brasil. Afinal, o caça Gripen NG, em desenvolvimento pela sueca Saab, foi selecionado para negociação pelos dois países, num total de 22 exemplares para a Suíça e de 36 para o Brasil (além dos 60 a 70 caças que a Suécia pretende adquirir).

Alguns leitores acreditam que, com mais um parceiro internacional no programa do Gripen NG, aumenta-se a escala da produção das aeronaves, de seus componentes, e também as possibilidades de negócio em benefício de suecos, suíços e brasileiros. Nesse sentido, um “sim” à aquisição do Gripen pela Suíça, no referendo de 18 de maio, beneficiaria o Brasil.

Já outros leitores defendem que um “não” nesse referendo seria mais benéfico à negociação brasileira com os suecos, pois o Brasil se tornaria o único parceiro internacional do programa até o momento, aumentando seu poder de barganhar mais participação industrial, de desenvolvimento de conteúdo brasileiro, ou outras vantagens de compensações (off set) e de valor do contrato.

Gripen E para Suíça - cronograma de entregas - imagem Saab
Cronograma de desenvolvimento do Gripen E e de entregas para a Suíça – imagem Saab

 

Porém, um detalhe deve ser lembrado: a pergunta  “sim” ou “não” para o Gripen na Suíça é, também, uma pergunta de 340 milhões de francos, ou de 380 milhões de dólares.

Isso porque a Suíça já tem reservado esse valor no seu orçamento de defesa para o pagamento inicial ao programa sueco do Gripen NG. Em caso de vitória do “sim”, lembrando que o referendo se refere justamente à aprovação, pelos eleitores, do sistema de financiamento das aeronaves a partir do orçamento de defesa suíço, o passo imediato seria a assinatura do contrato com a Suécia. Em seguida, conforme estabelecido em acordo-quadro assinado entre os países, haveria o pagamento da primeira parcela do programa já neste ano. Embora o acordo inicial falasse em 300 milhões de francos, a SRTV suíça citou recentemente um valor de 340 milhões para essa primeira parcela.

Em suma, um “sim” na Suíça pode significar o aporte, no curto prazo, de cerca de 380 milhões de dólares ao programa de desenvolvimento do jato, podendo ajudar a acelerá-lo. E mais aportes suíços ao longo dos anos seguintes, até chegar aos mais de 3 bilhões de francos pela aquisição dos 22 jatos.

Um “não” significaria que, fora os investimentos provenientes da Suécia, no curto prazo apenas um pagamento inicial por parte do Brasil poderia se somar aos recursos do programa em algum momento do ano que vem (seja pelo tesouro como “downpayment” / entrada, ou pela liberação inicial para os suecos de recursos por um banco internacional, no caso de ser preferido um financiamento com prazo de carência pelos negociadores brasileiros). Isso caso as negociações com o Brasil sejam bem-sucedidas e um contrato assinado até o final deste ano.

Gripen NG para F-X2 - cronograma de entregas e de pagamentos - imagem via apresentação Saab em Brasília 6mar2013
Cronograma de entregas e financiamento do Gripen NG na proposta sueca para o programa F-X2 brasileiro, apresentado em Brasília em março de 2013 – imagem Saab

 

Então fica a pergunta “de 340 milhões de francos suíços” para os leitores opinarem: o que seria melhor para os interesses do Brasil dentro do programa Gripen NG, nesse momento? Um “sim” ou um “não” no próximo referendo na Suíça?

- Advertisement -

50 Comments

Subscribe
Notify of
guest
50 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Guilherme Poggio

Acredito que o “sim” suíço traz mais vantagens para o Brasil indiretamente agora e diretamente no longo prazo.

Gostaria apenas de acrescentar mais uma questão. Se a linha de montagem do Growler/Super Hornet parar em 2015, como fica a linha de montagem dos motores GE 414 até a produção do Gripen E embalar? Alguém já pensou nisso?

Israel E S Martins

Essa é fácil Guilherme: os desenvolvedores do Gripen, podem comprar o Know-how da linha de montagem dos motores GE 414, ou também muito provável que mesmo se a linha de montagem parasse, a Suécia compraria antecipadamente todos esses motores ou fecharia um contrato com os americanos em que eles dariam esse ‘suporte’ até a entrega total de todos os caças encomendados…

Vader

Penso eu que com a adesão do Brasil o Programa Gripen NG não corre mais risco de cancelamento. Assim, apesar do dinheiro suíço ser bem vindo, não é essencial no curto prazo. E com isso o Brasil ganha poder de barganha junto aos suecos, no que toca à produção de peças e componentes. Claro que o ganho de escala é bem vindo, a médio e longo prazo, para baratear custos de manutenção, spare parts, etc. Mas aí temos que pensar duas coisas: 1. O Gripen E sendo entregue e provando seu propósito de aeronave boa e barata a um custo… Read more »

Edgar

Poggio, acredito que essa notícia publocada no FlightGlobal possa ajudar a te responder:

http://www.flightglobal.com/news/articles/usn-study-revives-ge39s-hopes-for-major-f414-upgrade-398210/

Além de ser usado no Tejas Mk2, essa atualização que a USN deseja para 2016 pode dar mais fôlego à F414, e a esperança deles é vencer a competição contra a EJ2X0 em projetos de novos caças bimotores na Turquia, Coréia do Sul e Japão.

Flighting Falcon

Acho dificil aprovarem.

Corsario137

Vader,

Condordo plenamente. E acredito que o Putin e seu passeio pela Ucrânia está influênciando a opinião publica na Suíça. Querendo ou não a crise do leste europeu irá/já está promovendo uma pequena corrida armamentista na Europa. Cortes mais profundos nos orçamentos de defesa já estão sendo revistos. O mundo não é tão seguro quanto pensavam.

Marcelo Pamplona

Poggio;

Mesmo que a linha norte americana fechasse por falta de encomendas, ainda teríamos a sueca:

“…Uma das críticas à proposta da Saab é que a turbina do Gripen, um modelo Volvo Aero Corporation RM12 (um turbofan de 80 KN (18.000lb) de empuxo) é uma versão fabricada sob licença da turbina americana da General Electric F-404-400, o que praticamente inviabiliza a transferência desta tecnologia vital para a fabricação da aeronave.”

Fonte:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Projeto_FX-2

Vader;

Sigo o relator! 🙂

Edgar

Marcelo, já em 2000 a GE e a Volvo assinaram um termo de cooperação para a Volvo fabricar alguns componentes da F-414: http://www.geaviation.com/press/military/military_20000119.html Engraçado que, à época, só haviam sido feitas 176 encomendas da F-414 e a estimativa era de ultrapassar 2 mil ao longo de 20 a 30 anos. Será que o Gripen irá dar um empurrão para atingir/ultrapassar este número? Interessante notar também que a parceria da Volvo com a GE para a F-414 vem de bem antes do projeto do Gripen NG. Em 2004 a Volvo demonstrou interesse em ter uma linha de produção para a F-414,… Read more »

Marcelo

Um “sim” será melhor para Brasil e Suécia. Quanto mais operadores melhor. Além disso, os suíços são famosos pela precisão e detalhismo, o que confere um “selo de qualidade” para o projeto.

Ivan

Poggio, Vc perguntou: “Gostaria apenas de acrescentar mais uma questão. Se a linha de montagem do Growler/Super Hornet parar em 2015, como fica a linha de montagem dos motores GE 414 até a produção do Gripen E embalar? Alguém já pensou nisso?” Fabricando turbofans F414-GE-INS6 para o HAL Tejas, com 99 unidades encomentdadas em 2010 e entregas a partir de 2013. Fornecendo peças para os turbofans F404 produzidos sob licença pela Samsung Techwin para os KAI T-50 Golden Eagle. Novas versões para os novíssimos drones norte americanos que estão chegando. A General Eletric deverá reduzir a quantidade produzida, mesmo com… Read more »

Guilherme Poggio

Fabricando turbofans F414-GE-INS6 para o HAL Tejas, com 99 unidades encomentdadas em 2010 e entregas a partir de 2013.

Muito bem Ivan. Essa era a resposta que eu esperava.

Quanto ao F404 do KAI T-50, ele possui muitas diferenças e não dá para dizer que serviria de base industrial para usuários do 414.

Marcelo Pamplona

Edgar; Obrigado pelos esclarecimentos! Bem que eu achei a pergunta do Poggio meio “básica”, ainda mais vindo dele… tinha “pegadinha do Mallandro”! Isso que dá leigo – por falta de estudo na área – e desatento – por natureza humana – não prestar atenção nas nomenclaturas distintas das turbinas! 🙂 Sobre o interesse precoce da Volvo na 414, antes mesmo do projeto do Gripen NG, penso eu, que foi uma forma da mesma ampliar o portfólio de produtos e serviços de sua linha aeronáutica, bem como, ter alguma sinalização da SAAB na época sobre uma possível nova versão do Gripen… Read more »

Roberto Bozzo

Srs e se, por ventura, em vez de comprarmos os motores da Volvo, iniciácemos uma parceria entre a Polaris (por exemplo) e a GE para, num primeiro momento, concluir o desenvolvimento da F-414-400 EPE e, em seguida, iniciar sua produção sob licença no país. Mesmo para apenas 36 unidades ( a compra inicial de Gripens), durante a vida útil da aeronave, seriam necessários aproximadamente 100 motores, como postou o Nunão mais acima.
Com isso, a meu ver, estaríamos impucionando a industria local e, num futuro, teríamos capacidade tecnológica de desenvolver uma turbina nacional.
Não seria viável ?

Marcos

Silvio Santos pergunta:

– Quer trocar um caça barato e feroz, que lhes dará segurança e proteção 24 horas por dia, capaz de enfrentar qualquer outro caça moderno por um prego velho e enferrujado? Sim ou Não?

Vader

As F-414 não serão compradas através da Volvo, mas diretamente da GE.

Seria muito bom produzí-las no Brasil. Mas vamos primeiro receber o caça para depois pensar nos motores sobressalentes.

Vamos com calma com o andor, que o santo é de barro…

Roberto Bozzo

Achei que a Volvo, por produzir as RM 12 para os A/B/C/D, também iria produzir, sob licença, as 414, para os E/F. Mas enfim, agradeço as explicações.

Marcos

Pergunta do Vader, que complemento:

Poucos países podem pagar o preço do F-35, e para alguns os EUA não venderiam tal equipamento.

Pois é, pois é, pois é…

Os EUA venderiam o F-35 para a Republiqueta Populista de Banânia???

Vader

Se HOJE venderiam é um grande mistério caro Marcos. Sinceramente não sei. Mas não tenho dúvidas que nos idos de 2000 permitiriam alegremente que entrássemos no Projeto JSF.

Mas o FATO é que ele nos foi oferecido no âmbito do FX2.

E o Nelson Jobim disse na ocasião, com aquela sua natural arrogância de quem acha que sabe de tudo, mesmo estando na frente de um dos maiores pilotos do Brasil (ninguém menos que o TB Saito), que ele (o F-35) era “demais pra nós”.

Ivan

Poggio, Vc sabe melhor que eu, F414 é derivada da F404. Mesma família com sobrenome General Eletric, que certamente vai apresentar outras variantes, como por exemplo uma versão sem pós-combustor para equipar os futuros drones americanos. Claro que os yankees podem apostar em turbofans maiores, da família PW F100 ou GE F110. Mas eu aposto no tamanho, peso e desempenho das F414, principalmente em uma versão sem pós com 15.000 libras ou mais de empuxo seco. Por falar em aposta, mantenho parte das minhas fichas no conceito LCA, ou simplesmente caça leve. No ocidente há apenas o Gripen E entrando… Read more »

cvn76

Acabou de sair o resultado parcial em 4 cantões (estados).

O “sim” leva uma pequena vantagem……:-)

Guilherme Poggio

Nossa! Já é a apuração ? Mas são apenas 13:00h na suíça

Guilherme Poggio

De qualquer forma, obrigado Franz. Se for possível mantenha-nos informados.

Abrs

cvn76

Sim, mas o encerramento das votações varia de um estado para outro…..

E como infelizmente muita gente não vota, a contagem é rápida……

Claro, estou grudado no pc……manterei os amigos informados….

A contagem tá pau a pau……

cvn76

Saiu o resultado definitivo de 2 estados; Aargau e Glarus.

Deu “sim”….o que já era esperado, por serem estados mais conservadores……nos estados tradicionalmente de esquerda como Geneve, Neuchatel, Jura ou Basel-Stadt, com certeza teremos um “não”.

Mas vamos ver, está tudo em aberto….apesar da maioria dos experts, preverem um “não” bem apertado.

cvn76

Até agora todos os estados que já contaram todos os votos tem dado o “sim”.

Aargau, Glarus, Obwalden, Nidwalden e Uri.

Mas todos eles com excessão de Aargau são estados pequenos.

A previsão é de 51% “não” e 49% “sim”

Guilherme Poggio

Lembrando que a votação de hoje não é apenas para o financiamento dos caças, mas também uma série de assuntos que vão desde transporte público até valor do salário mínimo (o sindicato quer o equivalente a 10 mil reais por mês como piso!).

http://m.estadao.com.br/noticias/impresso,suicos-votam-salario-minimo-de-r-10-mil-,1167864,0.htm

cvn76

Sim, mas os outros 3 temas já estão praticamente definidos:

“não” para o salário mínimo, que é outro plebiscito importante….

O do Gripen é o mais importante, principalmente por estar bem apertado!!

Justin Case

Amigos, bom dia.

Para quem quiser acompanhar:

http://www.20min.ch/CH-Abstimmungen/index_popup.html?abstimmung=174&lang=fr

Abraços,

Justin

cvn76

O negócio está feio para o grupo do “sim”…até um estado conservador como Schaffhausen deu “não”…

Interessante como o resultado varia de um estado para outro….no conservativo Uri deu “sim” com 62%

No socialista Jura deu “não” com 74%.

cvn76

Pelo visto, Gripen na Suíça já era……..:-(

André Sávio Craveiro Bueno

No caso do NÃO prevalecer, como fica? Quero dizer, hoje há uma negação. Quanto tempo depois poderia ser considerada uma nova compra de caças? Alguém saberia dizer?

cvn76

Apesar de serem os 2 cantões mais populosos, seria um verdadeiro milagre mudar alguma coisa.

As previsões são de um “não” apertado nos 2.

André Sávio Craveiro Bueno

Obrigado Nunão.

Bem, ninguém deseja uma guerra mas a situação europeia tem uma instabilidade iniciada com a Ucrânia. Mas cada um deve saber onde aperta seu calo. Aguardemos.

Vader

Boas notícias para o Brasil.

cvn76

Os socialistas realmente estão bebendo muita champagne (bebida de burguês) para comemorar a vitória no plebiscito do Gripen.

Por outro lado, estão bem tristes por mais de 70% votarem contra o salário mínimo de SFr. 4`000,00.

Ganharam de um lado, perderam de outro!

cvn76

Estamos 100% de acordo……:-)

Mas fazer o quê??

André Sávio Craveiro Bueno

Em algumas situações alguém (ou “alguéns” – não me lembro quem) imaginou como seria um plebiscito sobre o reaparelhamento da FAB por aqui. O que ocorreu na SUiça da uma ideia do que poderia ocorrer por aqui.

Reportagens especiais

Show de Warbirds no Cavanaugh Flight Museum

O Cavanaugh Flight Museum, que fica em Dallas no Texas, volta e meia realiza eventos especiais com Warbirds, para fotografias...
- Advertisement -
- Advertisement -