terça-feira, abril 20, 2021

Gripen para o Brasil

Caça francês rompe barreira do som para auxiliar avião

Destaques

Fernando "Nunão" De Martini
Pesquisador de História da Ciência, Técnica e Tecnologia, membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

Rafale com as cores do Normandie-Niemen nos 100 anos da aviação russa - foto 2 Força Aérea Francesa

Um caça francês causou surpresa e incerteza hoje no sudoeste da França ao quebrar a barreira do som para auxiliar avião comercial que ia de Washington para Roma

ClippingNEWS-PAParis, 4 mai (EFE).- Um caça francês causou surpresa e incerteza neste domingo no sudoeste da França ao quebrar a barreira do som para auxiliar um avião comercial que cobria a rota Washington-Roma e tinha o sistema de rádio em pane.

O serviço de informação da Aeronáutica da França explicou que um Rafale da base de Mont-de-Marsan, no sudoeste do país, gerou confusão entre a população ao superar a barreira do som e causar um significativo estrondo para auxiliar o Boeing com o sistema de comunicação danificado, um tipo de assistência que, segundo a fonte, é relativamente frequente.

Embora o caça Rafale estivesse a cerca de 10 mil metros do solo no momento em que superou a barreira do som, a altura parece não ter sido suficiente para impedir que o barulho parecido com o de uma explosão ecoasse por dezenas de quilômetros, desde a região de Bordeaux até Rochelle, segundo os testemunhos recolhidos pelos bombeiros.

Segundo a Aeronáutica francesa, o caça se posicionou – de acordo com os protocolos estabelecidos para estas operações – no lado esquerdo do avião de linha, que entrou no espaço aéreo francês ao sul de Nantes, até ter sua comunicação de rádio reestabelecida e ter retomado sua rota, da qual já havia se afastado.

As intervenções dos caças franceses para emprestar assistência a aviões de linha com algum problema, de acordo com a fonte, é uma operação considerada comum e não costuma relatar incidentes.

FONTE: Exame (com informações da EFE)

FOTO (em caráter meramente ilustrativo, de um Rafale do esquadrão Normandie-Niemen, que é baseado em Mont-de Marsan): Força Aérea Francesa

COLABOROU: Iväny Junior

VEJA TAMBÉM:

- Advertisement -

37 Comments

Subscribe
Notify of
guest
37 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Rinaldo Nery

O nome desta missão é Socorro em Voo.

Justin Case

Amigos,

Verdade, Nery, A missão dos caças foi concluída e noticiada como um Socorro em Voo, que é mais bem aceita para o público externo.
Mas é provável que tenha sido acionada para investigar um voo que não cumpriu seu plano de voo ou as regras de tráfego aéreo. Poderia ser um caso de sequestro ou uma ação intencional de desvio de rota.
Abraços,

Justin

Ivan

Ok Nunão,

Vc foi mais rápido no gatilho… ou mouse… ou teclado… o que for!

Mas como não consegui abrir seu link, mando o meu…
…ou melhor, da Globalsecurity:

http://www.globalsecurity.org/military/world/europe/fr-airfields.htm

Interessante a posição de Mont Marsan no sul/sudoeste do território metropolitano, logo ao norte dos Pirineus e dominando um vale entre o Golfo de Biscaia (Atlântico) e o litoral sul mediterrâneo francês;

Grande abraço.
Ivan, o mapento.

Ivan

Mais detalhes sobre a Base aérienne 118 Mont-de-Marsan:

http://www.techno-science.net/?onglet=glossaire&definition=11840

O texto é em francês mas dá para entender muita coisa.

Ivan

Mas Nunão,

Vc já publicou um mapa muito interessante sobre as bases aéreas francesas, cobrindo o exercício Southern Mistral em 2011, salvo engano;

http://www.aereo.jor.br/wp-content/uploads//2011/03/Southern-Mistral-mapa-e-bases-imagem-via-Armee-de-lair.jpg

Abç.,
Ivan.

Justin Case

Amigos, Quanto ao estrondo de uma onda de choque desse tipo, com o avião em altitude, a intensidade, o dano e o susto são semelhantes ao de uma porta batendo com o vento. A única diferença é que não se sabe exatamente de onde vem o barulho. Mas tem gente que faz drama. Diz que a criança acordou chorando (como isso nunca tivesse acontecido antes), que a galinha parou de botar, que a fotografia da sogra caiu da parede… Aí vira notícia. Os coitados dos moradores de Formosa, em Goiás, conviveram muitas décadas com isso, com orgulho da FAB. Abraços,… Read more »

Justin Case

Oops,

Formosa, não. Jaraguá! 😳

Ivan

Nunão,

Ando sumido…
…mas não esqueço os amigos.

Abç.,
Ivan. com HD antigo mas funcionando.

Clésio Luiz

Ivan, quão antigo é esse seu HD? Se tem mais de 5 anos, eu sugiro que você tenha backups atualizados e uma grana reservada para comprar um novo. Porque a confiabilidade dos HDs cai muito com a idade e perder dados nunca é divertido.

Não pratique roleta russa com seus dados 🙂

Renato.B

Justin, não seria a cidade de Anápolis?

Ivan

Clésio,

Meu HD tem 51 anos… 🙂

É de modelo antigo, mas funciona a contento e pretendo exercitar o danado sempre para não deixar o ‘alemão’ infectá-lo.

Grande abraço,
Ivan, do Recife.

Justin Case

Renato, bom dia.

Em Anápolis não era incomum.
Mas Jaraguá está localizada na área reservada de treinamento, onde eram 🙁 realizadas interceptações supersônicas e combates simulados.
Abraço,

Justin

ivanildotavares

Prezados Mapentos e Não Mapentos,

Alguém sabe quanto tempo um Rafale sustenta um voo supersônico, considerando que tenha decolado com os tanques full ?

GUPPY

Justin Case

Guppy,

O que está publicado sobre a performance do Rafale:
Armado na configuração de alerta no solo, o previsto é ter capacidade de interceptar um alvo que estará a 150 milhas náuticas da base (máximo desempenho, menor tempo).
Abraço,

Justin

ivanildotavares

Obrigado, Prezado Justin Case.

150 milhas náuticas tá bem dentro do que imaginei, afinal o consumo de combustível nesse envelope de voo deve ser bem elevado e a autonomia, logicamente, diminue bastante.

Abraços

ivanildotavares

Prezado Nunão,

Agora você extrapolou positivamente. Tudo o que eu queria saber sobre o tempo de um vôo supersônico de caça desses você explicou, com sobras. Perguntei do Rafale porque é o caça da post, mas gostaria de ter uma ideia sobre os Mirages também e você acertou na mosca. beleza. Obrigado.

Abraços

Justin Case

Amigos,

Sigam o exemplo do Nunão.
Para obter resultados consistentes, o mais importante é por_no_gráfico!
Abraços,

Justin

Justin Case

Mas, desculpem. Eu errei no número do desempenho do Rafale:

Os valores que foram apresentados em uma LAAD:

* 6 x MICA RF / IR – no external tanks

* Ready to taxi 1 min after SCRAMBLE

* 3 min from brake release to M 1.4 / 40 kft

* Pursuit time at M 1.4 / 40 kft : 16.5 min

* Radius of Action : 250 NM

Abraços,

Justin

Clésio Luiz

Gostaria de aproveitar o embalo e perguntar ao colega Justin Case, três curiosidades sobre o Mirage IIIE: 1- Qual a velocidade máxima permitida com os tanques supersônicos de 500 (600?) litros? 2- Diz-se que o Mirage, assim como a maioria dos caças da década de 50, não era muito fácil de pilotar. Mas no caso do Mirage, onde está o perigo? São as altas velocidades de decolagem pouso? Como é o estol dele, é manso, é rápido, vibra antes de estolar, baixa uma asa antes da outra? À altos ângulos de ataque, ele pode apagar o motor ao usar o… Read more »

ivanildotavares

Prezado Nunão,

Obrigado mais uma vez. Gostei do cuidado que você teve de alertar para as n variáveis que afetam um voo desses como o do post. Caramba, até a estação do ano influi.
É que quando vejo falar em voo supersônico, lembro bem do nosso F-5 durante o Conflito das Falklands/Malvinas que, sobre a cidade do Rio de Janeiro, assustou com o barulho e danificou algumas janelas, quando da interceptação do Vulcan da RAF. Na ocasião eu estava no AMRJ.

Saudações

Justin Case

Clésio Luiz disse: 6 de maio de 2014 at 15:34 # Gostaria de aproveitar o embalo e perguntar ao colega Justin Case, três curiosidades sobre o Mirage IIIE: 1- Qual a velocidade máxima permitida com os tanques supersônicos de 500 (600?) litros? R1: 500 litros, ilimitada, ou melhor, igual à do avião liso. 2- Diz-se que o Mirage, assim como a maioria dos caças da década de 50, não era muito fácil de pilotar. Mas no caso do Mirage, onde está o perigo? R2: naquilo que era diferente dos outros aviões, principalmente nas altas velocidades de decolagem, tráfego e pouso.… Read more »

Rinaldo Nery

Não posso responder pois não sou Jaguar. Só Honorário. Sou Guardião. Justin é quem sabe tudo.

Justin Case

Oops,

À lista de tanques citada pelo Clésio, utilizados pelo Mirage III BR, esqueci de acrescentar o tanque de 343 USG (1300 litros). Embora não fosse tão aerodinâmico, também era supersônico (limitado a Mach 1.4, se não me engano). Era o único que podia ser utilizado tanto subalar como em posição ventral. Podia ser ejetado ou ter seu combustível alijado .
Abraços,

Justin

Rinaldo Nery

Acredito que o Justin se recorde, mas os Jaguares chamavam o tanque de 832 litros, carinhosamente, de ¨judeu¨.

Clésio Luiz

Justin, muito obrigado pelas respostas detalhadas. me tirou algumas dúvidas, como o volume do tanque supersônico “fininho” (500L e não 600, como tinha lido por aí) e os modelos usados na FAB.

Só fiquei na dúvida sobre o tanque de 220 gal, tem alguma foto dele online? Seria esse no pilone central dessa foto:

http://www.aereo.jor.br/wp-content/uploads//2012/05/F-103E-4924-taxiando-na-BASC-e-F-103E-4931-e-4927-alinhados-provavelmente-no-Dia-da-Avia%C3%A7%C3%A3o-de-Ca%C3%A7a-de-2003-foto-Nun%C3%A3o-Poder-A%C3%A9reo.jpg

Justin Case

Clésio,

É esse mesmo. Tem duas células, dianteira e traseira, abastecidas separadamente. Se for conveniente, abastece-se apenas uma. A célula traseira transfere combustível para a dianteira e, de lá, para os tanques de fuselagem. Isso mantém o CG dianteiro durante o consumo parcial, impedindo que o CG varie demasiadamente ao se alterar a atitude de arfagem da aeronave. Era um tanque bem leve e, portanto, mais frágil que os tanques franceses.
Abraço,

Justin

Clésio Luiz

Roberto, claro que você pode comentar, informação nunca é demais para quem tem sede dela 🙂

Aproveitando a sua deixa, qual é mesmo o nome dos tanques que possuíam um lança foguetes na frente? E aquele tanque porta bombas que eu vi nos Mirage III sulafricanos modernizados, que transportavam apenas 2 bombas na parte de baixo, você sabe o nome deles?

http://vayu-sena.tripod.com/pix/cheetah_c_03.jpg

E só de curiosidade: os tanques de 1300 litros dos nossos Mirage são os mesmos que o Kfir transporta?

ivanildotavares

Prezado Nunão, Quando o F-5 da FAB rompeu a barreira do som logo após decolar da Base Aérea de Santa Cruz, sobre a cidade do Rio de Janeiro, como falei, eu estava trabalhando no AMRJ, eu já havia dado baixa do Serviço Ativo da Marinha, trabalhava como civil fazendo reparos nos navios da MB e lembro que só ouvi um barulho anormal, não vi nenhum avião, não pensei nada e não fiquei preocupado. Quando cheguei em casa, à noite, ao assistir o JN e ver a notícia da interceptação com a informação do voo supersônico é que associei ao que… Read more »

Reportagens especiais

Programa AMX: da concepção à modernização

São três letras e um enorme significado para a indústria aeronáutica brasileira. O programa AMX era, naquele já longínquo...
- Advertisement -
- Advertisement -