Home Noticiário Internacional Crise na Ucrânia reforça necessidade suíça de comprar o Gripen

Crise na Ucrânia reforça necessidade suíça de comprar o Gripen

237
15

Gripen E nas cores da Força Aérea Suíça - ilustração Saab

‘Hoje, qualquer nação com respeito próprio não pode abandonar sua força aérea deliberadamente e trabalhar em prol de seu próprio desarmamento’, alerta especialista suíço

O jornal suíço 24heures, publicado em francês, publicou nesta quinta-feira uma análise do ex-editor da revista “Schweizer Soldat”, Konrad Adler, defendendo a aquisição do caça sueco Gripen pela Suíça.

Segundo Adler, os cidadãos suíços que pretendam dizer “não” ao Gripen no referendo marcado para 18 de maio deveriam, primeiro, ler um ensaio escrito por Jonas Grätz, pesquisador senior do Centro de Estudos de Segurança do EPFZ (Instituto Federal de Tecnologia de Zurique). Com o título em alemão “Die neue europäische Realität – Umschwenken auf Konfrontationskurs” (A nova realidade europeia: rumo à confrontação), Grätz conclui que a “Rússia, por suas ações e atitudes, recolocou a intervenção militar – como meio comprovado de política europeia – no topo da agenda”.  O autor acrescentou que a “Europa, pela primeira vez desde o final da Guerra Fria, enfrenta um desafio estratégico sério.”

Até mesmo Christian Levrat , presidente do PS e opositor ao Gripen, chegou a essa conclusão em entrevista publicada na impresna no domingo. No contexto da crise na Crimeia, ele se mostra alarmista: “Imagine que, pela primeira vez desde a Queda do Muro de Berlim, estamos enfrentando um perigo real de guerra entre Oriente e Ocidente. O OSCE (Organização para a Segurança e Cooperação na Europa), liderado pelo conselheiro federal Didier Burkhalter, está tentando trabalhar para a paz”. Essa declaração mostra que Levrat reconhece a seriedade da situação na Europa, faltando apenas a força e a vontade de delinear as consequências desta constatação e começar a mudar a política de segurança do PS.

Gripen em formação com caças F-18 suíços - foto Força Aérea Suíça

Isso soa bem diferente da política do PS em 2010, que pregava a abolição das forças armadas. Ao mesmo tempo, nossos colegas suecos (a Saab sueca é fabricante do caça Gripen) concluíram que seu país precisará realizar uma virada fundamental em seus esforços de defesa. Declarações de Stefan Löfven, chefe dos Social Democratas (oposição) criticou fortemente a falta de recursos da Suécia na área de defesa e exigiu do governo conservador (!) uma mudança imediata em sua política de defesa. Dada a surpreendente mudança dos eventos na Ucrânia, aquele governo disse que estava pronto para fazer isso, como demonstram as discussões em voga a respeito de submarinos: passar de duas para cinco (!) unidades e aumentar maciçamente o orçamento de defesa.

Devido à crise na Ucrânia, mas também por causa da reorientação da política de segurança de várias nações europeias, a Suíça faria bem em se preparar para qualquer eventualidade, o que implica adquirir o Gripen E. Renunciar a esse avião marcaria o primeiro passo para abolir a Força Aérea e, como consequência futura, nosso próprio Exército. Sem uma Força Aérea poderosa o suficiente para e controlar nosso próprio espaç0 aéreo, é ilusório acreditar na confiabilidade de nossos recursos nacionais para proteger e defender nosso território. Isso foi claramente demonstrado em todos os recentes conflitos no mundo.

Gripen ilustração nas cores suíças - via Força Aérea Suíça

Em caso de rejeição do Gripen, em 2025 a Suíça não mais terá aviões de combate para fazer o policiamento aéreo em época de paz e para garantir o controle de nosso espaço aéreo numa situação de conflito. Isso porque, sem o Gripen, haverá um uso mais intenso da frota de F/A-18, que chegará mais cedo ao final de sua vida útil. Hoje, qualquer nação com respeito próprio não pode abandonar sua força aérea deliberadamente e trabalhar em prol de seu próprio desarmamento.  À exceção dos que defendem abolir forças armadas como o PS, o GSoA (grupo para uma Suíça sem Forças Armadas) e os Verdes, todos nós sabemos que não se pode garantir a segurança de um território e a proteção de uma população sem uma força aérea de credibilidade. 

FONTE: 24heures (tradução e edição do Poder Aéreo a partir de original em francês)

IMAGENS: Saab e Força Aérea Suíça

VEJA TAMBÉM:

Subscribe
Notify of
guest
15 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Fighting Falcon
Fighting Falcon
6 anos atrás

Com ou sem cride na Ucrânia acho que a Suiça já deveria ter feito essa compra.

Observador
Observador
6 anos atrás

Tem que mandar esta notícia para os vermelhinhos e pacifistas lá em Brasília.

nadimchaachaa
nadimchaachaa
6 anos atrás

Li em algum lugar que os cabides de ponta de asa dos Gripen E serão maiores. Será que estão prevendo instalar ali mísseis BVR, como nos F-16? E os cabides internos com tanques externos? Seria possível instalar nesses cabides, junto com os tanques, 2 A-Darter em cada um, como nos F-15?

Marcos
Marcos
6 anos atrás

Noruega irá aumentar pedido de F-35.
(Aviation Week)

Bombardier já tem quatro aeronaves C-Series em testes, mas não abre a boca sobre o sistema de proteção fly by wire.
(Flight Global)

nadimchaachaa
nadimchaachaa
6 anos atrás

Obrigado Nunão.

Nadim.

Mayuan
Mayuan
6 anos atrás

O que quer que aconteça na Europa, os empresários da defesa devem estar com uma foto do Putin na cabeceira da cama e dando um beijinho nela toda noite antes de dormir.

Iväny Junior
6 anos atrás

O Gripen vai ganhar. E se as coisas forem feitas com decência pelo brasil, talvez sejam Gripens sulamericanos à voar na Suíça.

Ivan
Ivan
6 anos atrás

Nunão,

SE confirmada esta suposição, três Meteors sob a fuselagem do Gripen E sem necessidade de trilhos/pilones, mas com sistemas de ejeção/ereção menores, haverá um ganho significativo em redução de peso e arrasto aerodinâmico.

Sds.,
Ivan.

Ivan
Ivan
6 anos atrás

Caças leves, modernos, integrados à uma NCW (network-centric warfare), sensores de última geração com fusão de dados (próprios e de terceiros), capacidade STOL e supercruise (mesmo que marginal), supermanobrabilidade, tudo isso dentro de um custo operacional limitado são essenciais em uma guerra moderna. O topo da caça será furtiva, sem dúvida, mas esta é cara de adquirir e manter em operação. Imaginem uma situação de tensão onde é necessário manter PACs – patrulhas aéreas de combate 24/7 durantes semanas… … Ou manter PACs distribuída por uma larga frente. Será que é possível manter grandes e complexos caçadores no ar o… Read more »

joseboscojr
joseboscojr
6 anos atrás

Interessante que o Rafale e o Gripen são os únicos que não têm reentrâncias na fuselagem para acomodar mísseis ar-ar, o que os obriga a usar pilones nessas posições. Se os próprios pilones podem ser ejetados o certo seria que o míssil pudesse ser acomodado diretamente sob a fuselagem sem haver a necessidade de pilones (independente de ser com trilhos ou ejetores), mas não é isso que ocorre com o Rafale e o Gripen, o que pra mim demonstra uma certa deficiência no projeto de ambos os caças, já que não vejo nenhuma vantagem nessa configuração, muito pelo contrário, traz… Read more »